Revista Brasileira de

Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva
Publicação Oficial da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista ISSN: 2179-8397
Home Mapa do Site Contato
Idioma/Language: Português Inglês
Editora-Chefe
Áurea Jacob Chaves


Editores Associados
Alexandre Abizaid
Alexandre Quadros
Antonio Carlos Carvalho
Carlos A. C. Pedra
Claudia M. Rodrigues Alves
Fausto Feres
Francisco Chamié
J. Antonio Marin-Neto
J. Ribamar Costa Jr.
Luiz Alberto Mattos
Marcelo Cantarelli
Pedro A. Lemos
Pedro Beraldo de Andrade
Ricardo Alves Costa
Rogério Sarmento-Leite


Editor de Imagens em Intervenção
Daniel Chamié


Editor de Intervenções Extracardíacas
Antonio M. Kambara


Editor de Relatos de Caso
Rodolfo Staico



Vol. 14 nº 2 - Junho de 2006

Temas Livres Páginas 190 a 254

Temas Livres

PDF

COMISSÃO ORGANIZADORA DO CONGRESSO

Presidente do Congresso
Alcides José Zago


SOLACI
Presidente

Daniel Berrocal


SBHCI
Presidente

Ronaldo Bueno

Alexandre Quadros
Alexandre Zago
Carlos Pedra
Costantino Costantini
Gilberto Nunes
João Paulo Zouvi
Luis Maria Yordi
Ricardo Lasevitch
Rogério Sarmento Leite
Valter C. Lima
Wilson Coelho


COMISSÃO CIENTÍFICA
SOLACI
Alexandre Abizaid
Expedito Ribeiro

Alberto Suárez
Daniel Berrocal
Ernesto Ban Hayashi
Eugênio Marchant
Fausto Buitrón
Hugo Londero
Irving Peña
J. Eduardo Sousa
Jorge Belardi
Marco Antônio Martínez Filho


SBHCI
Paulo Caramori
Adriano M. Caixeta
Ari Mandil Arnoldo
Azevedo dos Santos
Carlos Antônio Mascia Gottschall
Edgar Guimarães
Victor Esmeralci Ferreira
Fábio Sândoli de Brito Jr.
João Batista Lopes Loures
Luiz Alberto Piva Mattos
Marco Vugman Wainstein
Norberto T. Duda
Raul Rossi Filho
Trajano Alfonso


COMISSÃO EXECUTIVA DE TEMAS LIVRES

Luiz Alberto Mattos - Brasil, Coordenador
Alexandre Quadros - Brasil
Wilson A. Pimentel Filho - Brasil
Gaston Dussaillant - Chile
Oscar Mendiz - Argentina


COMISSÃO JULGADORA DE TEMAS LIVRES

Adrian Paulo Morales Kormann - Brasil
Adriano Mendes Caixeta - Brasil
Alcides José Zago - Brasil
Alexandre Abizaid - Brasil
Alexandre Quadros - Brasil
Alexandre Zago - Brasil
Alfredo Rodriguez - Argentina
Amanda GMR Sousa - Brasil
André Labrunie - Brasil
Ari Mandil - Brasil
Ariel Duran Reyes - Uruguai
Bruno Moulin Machado - Brasil
Carlos Antônio Gottschall - Brasil
César Medeiros - Brasil
César Pardinas - Uruguai
Cláudia Maria Rodrigues Alves - Brasil
Costantino Roberto Frack Costantini - Brasil
Daniel Berrocal - Argentina
Décio Salvadori Júnior - Brasil
Edgar Victor - Brasil
Edmur Carlos de Araújo - Brasil
Efrain Gaxiola Lopes - México
Enio Eduardo Guerios - Brasil
Esmeralci Ferreira - Brasil
Expedito Eustáquio Ribeiro da Silva - Brasil
Fábio Sândoli Brito Júnior - Brasil
Fausto Feres - Brasil
Fernando Cura - Argentina
Fernando Santanna - Brasil
Flávio Roberto Azevedo - Brasil
Gaston Dussaillant - Chile
Gilberto Lahorgue Nunes - Brasil
Gilvan Oliveira Dourado - Brasil
Hélio Roque Figueira - Brasil
Helman Campos Martins - Brasil
Horacio Faella - Argentina
Hugo Londero - Argentina
Itamar Ribeiro Oliveira - Brasil
Jamil Abdalla Saad - Brasil
João Otávio Queiroz Araújo - Brasil
João Paulo Zovi - Brasil
Jorge Augusto Nunes Guimarães - Brasil
Jorge Baccaro - Argentina
Jorge Belardi - Argentina
José Airton de Arruda - Brasil
José Antônio Marin Neto - Brasil
José Armando Mangione - Brasil
José Augusto Marcondes de Souza - Brasil
José Eduardo Morais Rego Sousa - Brasil
José Klauber Roger Carneiro - Brasil
José Nogueira Paes - Brasil
Juan Jose Arango - Colômbia
Leonardo Cogo Beck - Brasil
Luís Maria Cabrera Yordi - Brasil
Luiz Alberto Mattos - Brasil
Luiz Eduardo São Thiago - Brasil
Marcelo Antônio Queiroga Lopes - Brasil
Marcelo Freitas - Brasil
Marco Antônio de Vivo Barros - Brasil
Marco Antônio Perin - Brasil
Marco Wainstein - Brasil
Marcos Antônio Marino - Brasil
Marcos Castagna - Brasil
Marcos Ibarra Flores - México
Maria do Rosário de Britto Leite - Brasil
Mariano Albertal - Argentina
Maurício Lopes Prudente - Brasil
Miguel Antônio Neves Ratti - Brasil
Miguel Granja - Argentina
Newton Stadler de Souza Filho - Brasil
Norberto Toazza Duda - Brasil
Oscar Mendiz - Argentina
Paulo Sérgio Oliveira - Brasil
Pedro A. Lemos - Brasil
Pierre Labrunie - Brasil
Raul Dáurea Mora Jr - Brasil
Ricardo César Cavalcanti - Brasil
Ricardo Lasevitch - Brasil
Ricardo Lluberas - Uruguai
Roberto José Alvarenga Freire - Brasil
Roberto Vieira Botelho - Brasil
Rogério Sarmento Leite - Brasil
Rogério Tadeu Tumelero - Brasil
Ronaldo da Rocha Loures Bueno - Brasil
Valter Correia de Lima - Brasil
Vitor Osório Gomes - Brasil
Wilson A. Pimentel Filho - Brasil
Wilson Miguel Cecim Coelho - Brasil
Xavier Escudero - México


Cardiopediatria

Carlo Pilla - Brasil
Carlos A. C. Pedra - Brasil
Francisco José Araújo Chamié Queiroz - Brasil
Luiz Carlos Simões - Brasil
Raul Ivo Rossi - Brasil
Samuel Silva da Silva - Brasil
Sérgio Luiz Navarro Braga - Brasil
Valmir Fontes - Brasil



Prêmio de Melhor Tema Livre CATEGORIA ORAL


001

DIFFERENTIAL LOCAL EFFECT OF SIROLIMUS ELUTING STENT AND PACLITAXEL ELUTING STENT IN A PORCINE RESTENOSIS MODEL

Emerson C Perin1 , Guilherme Silva1, Edie M Oliveira1, Franca S. Angeli1, Rosella Madona1, Pilar Jimenez-Quevedo1, Marlos Fernandes1, Ricardo Sanz1, Robert Falotico1

1) Texas Heart Institute, Houston, United States

Background: Sirolimus eluting stents (SES) and paclitaxel eluting stents (PES) significantly reduce restenosis rates as compared with bare metal stents. There is much controversy regarding possible untoward effects of SES and PES such as subacute stent trombosis. The present study aimed to compare the local arterial effect of SES versus PES. Methods: In 16 pigs utilizing a coronary restenosis model (balloon/artery ratio=1.2/1) 22 SES and 22 PES were randomly deployed into LAD and LCx. Animals were sacrificed at 30 days. We sent 20 arteries (8 stented segments plus two controls of each group) to Western blot (WB) analysis for detection of the local levels of PDGF, IL-6, Von Willebrand factor and CD31 and 27 arteries to histopathology and electron microscopy analysis for inflammatory score assessment. Results: There was no difference in the restenostic response assessed by neo-intimal thickness measurement (0.21 mm 2±0.08 versus 0.23 mm2 ±0.05; p=ns) between PES and SES, respectivily. The results from the WB are displayed in the table 1. SES group presented lower PDGF level s and higher local levels of VonWillebrand factor and CD31 surface marker. The EM analysis showed a higher frequency of the lower inflammation scores in the SES group. Conclusions: PES is associated with higher levels of PDGF and inflammatory score. Simultaneously SES presented higher levels of endothelial cell markers. Taken together these results points toward a more intense inflammation and an impaired endothelialization in coronaries submitted to PES compared to SES.

Group PDGF IL-6 Von Willebrand factor CD31
SES 4251 +/-223 2124 +/-113 4043.75 +/-1825.94 4146+/-3253
PES 5460 +/-629 2445 +/-867 3261.97 +/-1455.47 3654+/-2972
Control 5447 +/-1085 1483 +/-172 2761.39+/-1843.74 4619+/-3070
p value 0.0007 0.127 0.005 0.03






002

MID-TERM CLINICAL AND ECHOCARDIOGRAPHIC FOLLOW-UP AFTER SUCCESSFUL PERCUTANEOUS AORTIC VALVE IMPLANTATION IN NON-SURGICAL PATIENTS

Carla R. Agatiello1, Helene Eltchaninoff1, Fabrice Bauer1, Christophe Tron1, Deborah Nercolini1, Vasilis Babaliaros1, Alain Cribier1

1) Charles Nicolle University Hospital , Rouen, France

Percutaneous heart valve (PHV) implantation recently emerged as a new therapeutic option for patients (Pts) with calcific aortic stenosis (AS) with contra-indication for surgical valve replacement. After a short pilot study, we started a phase 1 study (I-REVIVE and RECAST trials) to assess prospectively the results of PHV implantation in a restricted population of compassionate cases defined as elderly patients with end-stage AS and multiple cardiac and/or non cardiac comorbidities. All were declined by 2 cardiac surgeons for valve replacement. The mid-term follow-up results are here reported. Methods: The Edwards PHV is a balloon expandable bioprosthesis made of 3 leaflets of equine pericardium sutured onto a stainless steel stent. The PHV was introduced percutaneously in the femoral vessel (vein or artery), advanced over a guidewire and delivered within the native valve by balloon inflation under fast heart stimulation. After PHV implantation, Pts were followed clinically and by 2D echocardiography at day 1, day 7, 1 month and every 3 months thereafter. Results: Of 38 Pts recruited (mean age 80 + 4 y), 27 were implanted successfully in the subcoronary position with improvement in valve area (0.60±0.11 cm2 to 1.70±0.10 cm2, p90% class I or II NYHA). PHV function remained unchanged during follow-up, and no deaths were device-related. Conclusions: PHV implantation is feasible, with no coronary occlusion, no secondary embolization, no PHV dysfunction. With continued advances and once approved, PHV implantation might become a treatment of choice for select patients with degenerative aortic stenosis.


003

ACURÁCIA DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA MULTISLICE COM 64 DETECTORES NA DETECÇÃO DE ESTENOSE CORONARIANA EM PACIENTES COM SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS

João L A A Falcão1, Pedro A Lemos1, Carlos A H M Campos1, Leonardo Sara1, Marco A M Pereira1, André Spadaro1, José R Parga Filho1, Luis F Avila1, Eulógio E Martinez Filho1, Carlos E Rochitte1

1) InCor-FMUSP, São Paulo, Brasil

Fundamentos: A tomografia computadorizada com multi-detectores (TCMD) das artérias coronárias tem se mostrado um método com grande acurácia para a detecção de estenose luminal quando comparada à angiografia convencional. No entanto, poucos estudos abordam a utilização deste método para avaliação de dor torácica aguda. Métodos: Realizamos estudo do tipo coorte, duplo-cego, transversal, para avaliar a acurácia da TC de 64 detectores na identificação de estenose das artérias coronárias comparada com a angiografia invasiva em pacientes com síndrome coronariana aguda no pronto-socorro. Critérios de inclusão: Pacientes com idade ? 40 anos, admitidos no pronto-socorro com dor torácica aguda, com indicação clínica de cineangiocoronariografia. Critérios de exclusão: Alergia a iodo, disfunção renal, disfunção ventricular esquerda importante, intolerância a betabloqueador, diagnóstico de infarto agudo do miocárdio com supradesnivel do segmento ST. Desenho: Os pacientes foram submetidos ao estudo das artérias coronárias (escore de cálcio e angiografia) com tomografia de 64 detectores (Aquilion TM CFX CT scanner, espessura de corte de 0.5 mm, tempo de rotação 400 ms, KV entre 120- 135, helical pitch dependente da frequência cardíaca e mAs dependente do peso de paciente), seguido por realização de cineangiocoronariografia convencional. Realizou-se análise comparativa do grau de obstrução por artéria em ambos os métodos diagnósticos. Resultados: Foram estudados 21 pacientes e analisadas 125 artérias. A TCMD demonstrou sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e valor preditivo negativo de 87,8%, 89,3%, 80% e 93,8%, respecticamente, para estenoses ? 50% e de 81,1%, 98,9%, 96,8% e 92,6% para estenoses ?70%. A acurácia diagnóstica foi de 88,8% e 93,6% para estenoses ?50% e ?70%, respectivamente. Conclusões: A angiotomografia de 64 detectores mostrou ter boa acurácia para detecção de estenose significativa das artérias coronárias em pacientes com síndrome coronariana aguda, podendo ser um instrumento útil nas unidades de dor torácica.


004

THROMBUS ASPIRATION BEFORE PRIMARY ANGIOPLASTY IMPROVES MYOCARDIAL REPERFUSION IN ACUTE MYOCARDIAL INFARCTION: THE DEAR-MI (DETHROMBOSIS TO ENHANCE ACUTE REPERFUSION IN MYOCARDIAL INFARCTION) STUDY.

Pedro Silva-Orrego1, Paola Colombo1, Riccardo Bigi1, Dario Gregori1

1) Ospedale Niguarda, Milan, Italy 2)University School of Medicine, Milan, Italy

Objectives. To test the hypothesis that thrombus removal, with a new manual thrombus-aspirating device, before primary percutaneous coronary intervention (PPCI) may improve myocardial reperfusion compared with standard PPCI in patients with ST-elevation acute myocardial infarction (STEMI). Background. In STEMI patients, PPCI may cause thrombus dislodgment and impaired microcirculatory reperfusion. Controversial results have been reported with different systems of distal protection or thrombus removal. Methods. One-hundred-forty-eight consecutive STEMI patients, admitted within 12 hours of symptom onset and scheduled for PPCI were randomly assigned to: PPCI (group1) or manual thrombus aspiration before standard PPCI (group2). Patients with cardiogenic shock, previous infarction or thrombolytic therapy were excluded. Primary end-points were complete (>70%) STsegment resolution (STR) and myocardial blush grade (MBG) 3. Results Baseline clinical and angiographic characteristics were similar in the two groups. Comparing group 1 and 2, complete STR was 50% vs. 68% (p<0.05); MBG-3 was 44% vs. 88% (p<0.0001); coronary TIMI flow 3 was 78% vs. 89% (p=ns); corrected TIMI frame count 21.5+12 vs. 17.3+6 (p<0.01); no reflow 15% vs. 3% (p<0.05); angiographic embolization 19% vs. 5% (p<0.05); direct stenting 24% vs. 70% (p<0.0001) and peak CK-MB 910+128 vs. 790+132 ƒÝgr/L (p<0001). In-hospital clinical events were similar in the two groups. After adjusting for confounding factors, multivariate analysis showed thrombus aspiration to be an independent predictor of complete STR and MBG-3. Conclusions. Manual thrombus aspiration before PPCI leads to better myocardial reperfusion and is associated with lower CK-MB release, lower risk of distal embolization and no-reflow compared with standard PPCI.


005

ESTUDO PROSPECTIVO, RANDOMIZADO DE EFICACIA E SEGURANÇA DE SIROLIMUS ORAL EM INIBIR A PROLIFERAÇÃO DA NEOINTIMA APOS IMPLANTE DE STENT CORONARIO

João Miguel M. Dantas1, Werther Clay M. Rosa1, Fabio Sandoli B. Junior1, Rosley Weber A. Fernandes1, Hiram Grando Bezerra1, Helio Tedesco S. Junior2, José Osmar Medina Pestana2, Valter Correia de Lima1

1) Hospital São Paulo, São Paulo, Brasil 2)Hospital do Rim e Hipertensão, São Paulo, Brasil

Introdução: Vários estudos clínicos não controlados têm demonstrado efetividade do Sirolimus oral em inibir a proliferação intimal intra stent. Entretanto, estudos controlados não foram realizados para demonstrar a segurança e eficácia do Sirolimus oral. Métodos: Estudo fase II, aberto e randomizado. Foram alocados 45 pacientes portadores de DAC estável para implante de stent em 3 grupos. Grupo 1(G1), grupo controle; Grupo 2(G2), 6 mg de Sirolimus oral seguido de monitorização objetivando 5-10ng/mL; Grupo 3(G3), 15 mg de Sirolimus seguido de monitorização objetivando 10-20ng/mL. Os pacientes foram seguidos semanalmente no 1º mês e mensalmente até o 12º mês, protocolar no 8º mês a realização de angiografia e Ultra-som Intracoronariano (USIC). O desfecho primário foi o percentual de estenose volumétrica pelo USIC, sendo o tamanho da amostra calculado para detectar redução de 40% com um poder de 80%. Resultados: Estudo concluído. Os três grupos apresentam características demográficas equivalentes. Os pacientes dos grupos 2 e 3 apresentaram boa tolerabilidade ao Sirolimus. Eventos cardíacos maiores foram observados em dois pacientes G1=1 e G3=1, (p=ns). A revascularização da lesão alvo foi observado em G1=4, G2=3 e G3=1, (p=ns). Em relação aos dados angiográficos: Perda Tardia Intra-stent: G1=1,31±0,42, G2=0,78±0,64, G3=0,85±0,74 (p<0,05 G2 e G3 vs G1). Em relação aos resultados ultrassonográficos: Percentual de Estenose Volumétrica Intra-Stent: G1=54,61±16; G2=33,25±16,5; G3=35,29±22,6 (p<0,05 G2 e G3 vs G1). Estenose Volumétrica Intra-Stent corrigido pelo comprimento Stent: G1=5,17±2,4; G2=3,51±1,9; G3=3,39±2,3 (p<0,05 G2 e G3 vs G1). Conclusão: Neste primeiro estudo controlado, o sirolimus oral foi seguro e eficaz em reduzir significativamente a hiperplasia intimal intra-stent. Pelo USIC, o sirolimus reduziu em torno de 40% o percentual de estenose volumetrica. Este resultado necessita de confirmação com estudos clinicos de fase 3.



Temas Livres APRESENTAÇÃO ORAL

006

EM QUAIS PACIENTES ESPERA-SE NORMALIZAÇÃO DA ONDA P APÓS VALVOPLASTIA MITRAL PERCUTÂNEA?

Ronaldo da Rocha Loures Bueno1, Ênio Eduardo Guérios1, Paulo Maurício Piá de Andrade1, José Carlos Estival Tarastchuk1, Frederico Ultramari1

1) Hospital Universitário Evangélico de Curitiba, Curitiba - Paraná, Brasil

Introdução: Sinais eletrocardiográficos (ECG) de sobrecarga atrial esquerda (SAE), principalmente duração de onda P 0,12 segundos, são achados frequentes em pacientes (pc) portadores de estenose mitral (EM) e ritmo sinusal (RS). SAE frequentemente regride após valvoplastia mitral percutânea (VMP) com sucesso.

Objetivos: Investigar potenciais preditores clínicos, ecocardiográficos e/ou hemodinâmicos de regressão de sinais ECG de SAE após VMP com sucesso. Métodos: Estudaram-se 24 pc ( 75% do sexo feminino, idade média 37,1±11,9 anos) com EM moderada a severa, RS e sinais de SAE no ECG, submetidos a VMP entre 2002 e 2004. Pelo menos 6 meses após o procedimento (388,2±192,9 dias), os pc retornaram para acompanhamento clínico, ECG e ecocardiográfico. Foram, então, divididos em 2 grupos: Grupo 1 (n=8; 33,3%), ainda com sinais ECG de SAE e Grupo 2 (n=16; 66,6%), com onda P normal. Análise multivariada de 33 variáveis clínicas, ECG, ecocardiográficas e hemodinâmicas foi realizada. Resultados: A AVM aumentou de 1,12±0,15 para 1,9±0,35cm2 imediatamente após o procedimento (p< 0,0001) e diminuiu para 1,89±0,41cm2 no acompanhamento (p=NS). Diâmetro do Átrio Esquerdo diminuiu de 48±2,9mm pré-procedimento para 43±4,8mm na reavaliação (p=0,0001). Duração de P diminuiu de 0,12±0,01 segundos pré-VPM para 0,09±0,02 segundos no controle. Uma AVM ? 1,7cm2 no acompanhamento foi o único preditor independente de onda P normal após VMP (p=0,02). Conclusão: Alterações sugestivas de regressão ECG de SAE ocorrem na maioria dos pc com EM e RS submetidos a VMP com sucesso. Uma AVM ? 1,7cm2 no controle tardio é preditor independente para esta normalização, sugerindo o efeito benéfico de se obter maiores AVM imediatas após a intervenção.


007

IMPACTO DE GENES MODULADORES DO SISTEMA IMUNOLÓGICO E CARDIOVASCULAR SOBRE A MORTALIDADE TARDIA. O PROGNÓSTICO APÓS ANGIOPLASTIA CORONÁRIA É INFLUENCIADO POR FATORES GENÉTICOS?

João L A A Falcão1, Alexandre C Pereira1, Pedro A Lemos1, Breno A A Falcão1, Marco A M Pereira1, Antonio E Fillho1, José R Lanz1, Expedito E R Silva1, Eulógio M Filho1, José E Krieger1

1)InCor -FMUSP, São Paulo, Brasil

Fundamentos: Variantes genéticas (polimorfismos) podem levar a alterações na função de proteínas envolvidas na fisiopatologia da doença aterosclerótica. Objetivamos avaliar em pacientes tratados com angioplastia coronária o impacto sobre a mortalidade tardia de polimorfismos dos genes da interleucina 1 e de componentes do sistema renina-angiotensina. Métodos: Foram analisados os polimorfismos D/ I do gene da enzima conversora de angiotensina I (ECA), M235T do gene do angiotensinogênio e -511 da interleucina 1ß (IL1ß) de 339 pacientes com coronariopatia obstrutiva tratados com intervenção percutânea. A mortalidade tardia foi obtida através de registro prospectivo em base de dados dedicada, pesquisa de registros hospitalares e/ou contato telefônico. Resultados: A idade média foi 60±10 anos, 64% eram homens. Do total, 74% eram hipertensos, 33% diabéticos, 68% dislipidêmicos, 14% tabagistas atuais; 16% dos pacientes tinham insuficiência cardíaca e 3% doença vascular periférica. Os genótipos DD, ID e II (gene da ECA) ocorreram em 32%, 50%, 18% respectivamente, enquanto os genótipos MM, MT e TT (gene do angiotensinogênio) foram presentes em 30%, 48%, 22% respectivamente. A prevalência dos genótipos CC, CT e TT (gene da IL1ß) foi 34%, 48%, 18% respectivamente. Os pacientes foram seguidos por uma mediana de 1420 dias. Após 3,9 anos, a mortalidade global foi de 3,1%. As variantes dos genes da ECA e e da IL1ß não se associaram à incidência de óbito durante o seguimento. No entanto, o polimorfismo M235T do gene do angiotensinogênio foi identificado com fator independente associado à mortalidade tardia (p=0,02), mesmo quando ajustado para outros preditores multivariados (vasculopatia periférica, insuficiência cardíaca). Conclusões: O polimorfismo M235T do gene do angiotensinogênio influenciou significativamente a mortalidade tardia pós-angioplastia, mesmo quando ajustado para outros preditores. No entanto, os outros fatores genéticos testados (polimorfismos D/I da ECA e -511 da IL1ß) não alteraram o prognóstico pós-intervenção.


008

EVOLUÇÃO A LONGO PRAZO DA VALVOPLASTIA MITRAL COM A TÉCNICA DE INOUE VERSUS A DO BALÃO ÚNICO

Ivana P Borges3, Edison C S Peixoto2, Aristarco Siqueira3, Rodrigo T S Peixoto1, Paulo S Oliveira1, Mario Salles1, Pierre Labrunie1, Marta Labrunie1, Ricardo T S Peixoto1, Ronaldo A Villela1, Maurício B F Rachid1

1) Cinecor 4º Centenário, Rio de Janeiro-RJ, Brasil 2)Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ, Brasil 3)Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-RJ, Brasil

Fundamento: O balão de Inoue é mundialmente utilizado para a realização da valvoplastia mitral por balão (VMB). A técnica do balão único obtém resultados semelhantes a custo menor. O objetivo do estudo foi comparar a evolução a longo prazo da técnica de Inoue com a técnica do balão de único na VMB. Métodos: Foram realizados, entre 1990 e 2005, estudados prospectivamente e seguidos a longo prazo 302 pacientes, sendo 254 com balão único e 48 com balão de Inoue. A evolução do grupo total foi de 50±31 (1 a 126) meses. Os 48 do grupo do balão de Inoue (GBI) tiveram evolução de 34±26 (2 a 107) meses e os 254 grupo do balão único (GBU) tiveram evolução de 54±31 (1 a 126) meses (p<0,0001). Foram utilizados os métodos do: Qui-quadrado ou exato de Fischer, t de Student ou Mann- Whitney, curvas de sobrevidas de Kaplan-Meier e análise univariada e multivariada de Cox. Resultados: Houve predomínio de mulheres no GBI e no GBU, respectivamente 72,9% e 87,4% (p=0,0097) e idade, fibrilação atrial, área valvar mitral (AVM) pré- VMB e escore ecocardiográfico de Wilkins foram semelhantes, sendo a área valvar mitral pós-VMB respectivamente de 2,04±0,53 e 2,02±0,37cm² (p=0,9936) e a área valvar mitral no final da evolução de 1,68±0,39 e 1,54±0,50 cm² (p=0,1364). Sucesso, reestenose, nova insuficiência mitral grave, nova VMB, cirurgia valvar mitral, óbito 1 (2,1%) e 11 (4,3%), (p=0,6994) e eventos maiores em 4 (8,3%) e 45 (17,7%), (p=0,1642) foram semelhantes no GBI e GBU. No grupo total, predisseram independentemente: 1-óbito: idade (p=0,011; HR=4,566) e escore ecocardiográfico de Wilkins ?8 pontos (p<0,001; HR=9,804) e 2- eventos maiores: escore ecocardiográfico de Wilkins ?8 pontos (p=0,038; HR=2,123) e área valvar mitral pós-VMB (p<0,001; HR=6,803) e esteve próximo ao significado, ritmo de fibrilação atrial (p=0,053; HR=1,905). Conclusões: A evolução a longo prazo foi semelhante no GBI e no GBU. Predisseram independentemente óbito: idade ?50 anos, escore ecocardiográfico de Wilkins ?8 pontos e evnetos maiores: escore ecocardiográfico de Wilkins ?8 pontos e área valvar mitral pós-VMB <1,50 cm².


009

ESTUDO DA ASSOCIAÇÃO DO ESTRESSE OXIDATIVO, PROCESSO INFLAMATÓRIO E DISFUNÇÃO ENDOTELIAL COM REESTENOSE CLÍNICA PÓS-IMPLANTE DE STENT INTRACORONÁRIO.

Germán Iturry-Yamamoto1, Felipe Dal-Pizzol2, Maria Clara Medina Correia1, Ângeles M Vitali2, Martha Bergman Senger1, Liane Röhsig1, Tissiana Schmalfuss1, Luiz Carlos Werres Jr.1, Alexandre C. Zago1, Alcides J. Zago1.

1)Unidade de Hemodinâmica/Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre -RS, Brasil 2)Laboratório de Fisiopatologia Experimental, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma -SC, Brasil

Introdução: O estresse oxidativo, o processo inflamatório e a disfunção endotelial estão envolvidos na patogênese da cardiopatia isquêmica. Objetivos: Analisar a possível associação do estresse oxidativo, do processo inflamatório e da disfunção endotelial com reestenose clínica pós-implante de stent intracoronário. Delineamento: Estudo transversal. Pacientes e métodos: Foram incluídos 140 pacientes (p.), sendo 122 p. submetidos a implante de stent intracoronário (ST) não farmacológico e 18 p. submetidos a aterectomia direcionada coronariana (ADC) seguida de implante de stent não farmacológico. Foram excluídos os p. com evidência de processo inflamatório crônico (PCR-US > 10 mg/L). Os p. foram divididos em dois grupos: grupo 1 (G 1) p. com eventos cardíacos maiores (ECAM) (morte por causa cardiovascular, infarto agudo de miocárdio, revascularização da lesão alvo pós-implante de stent (n = 17) e grupo 2 (G 2) p. sem ECAM pós-implante de stent (n = 123) no seguimento de 6 meses. Substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARS), como indício de oxidação de lipídeos, foram dosadas através da reação colorimétrica do ácido tiobarbitúrico em fração enriquecida de lipídeos; os carbonilos (CARB), como indicio de oxidação de proteínas, através da reação colorimétrica de grupamentos carbonil com dinitrofenilhidrazina; as enzimas antioxidantes superóxido dismutase (SOD), medida pela taxa de inibição da auto-oxidação da adrenalina e a catalase (CAT), medida pelo decaimento do peróxido de hidrogênio; o ácido úrico (AU), por método enzimático colorimétrico. Os níveis plasmáticos do fator de Von Willebrand (fvW), um marcador de disfunção endotelial, foram determinados por método imuno-turbidimétrico e da Proteína C Reativa ultra sensível (PCR-US), um marcador de processo inflamatório, por nefelometria. Resultados: Quando comparados os p. submetidos a ST vs ADC, não houve diferença na ocorrência de desfechos. Não houve diferença entre os grupos no que se refere aos marcadores de estresse oxidativo (TBARS, p = 0,89; CARB, p = 0,29); antioxidantes (SOD, p = 0,18; CAT, p = 0,71; AU, p = 0,71); marcador de disfunção endotelial (FvW, p = 0,65) e do processo infamatório (PCR-US, p = 0,47). Conclusão: Na casuística estudada, os marcadores de estresse oxidativo, disfunção endotelial e de inflamação, não estão associados com reestenose clínica pós-implante de stent intracoronário. Financiamento: CNPq, FAPERGS, CAPES, FIPE-HCPA.


010

A REDUZIDA ESPESSURA DAS HASTES DOS STENTS CONVENCIONAIS DE CROMOCOBALTO PODE INFLUENCIAR A REESTENOSE CLÍNICA? ANÁLISE COMPARATIVA COM STENTS FARMACOLÓGICOS

José Ary Boechat1, Júlio Andrea1, Leandro Cortes2, Filipe Goldberg2 , Hélio Figueira1

1) Clínica São Vicente, Rio de Janeiro, Brasil 2) Hospital CardioTrauma, Rio de Janeiro, Brasil

Fundamentos: stents convencionais (SC) revestidos com cromo-cobalto (CC) apresentam menor incidência de reintervenção comparado com SC de hastes espessas. Os SC utilizados nos trials comparativos com stents farmacológicos (SF) foram de hastes espessas, com necessidade de comparação dos stents CC e SF. Objetivo: comparar a necessidade de reintervenção dos stents com CC comparado com SF. Materiais e métodos: de Fev/04 a Dez/05, 569 pacientes foram tratados por ICP (excluído ATC primária), sendo 292 exclusivamente com implante de stents de CC e 277 com SF. Sexo masculino (70,2 vs 65,7%, p=0,1) e idade > 70 anos (34,9 vs 28,8%, p=0,07). Quadro clínico: angina estável (37,3 vs 51,2%, p=0,001), instável (30,8 vs 36,1%, p=0,1) e infarto sem Q (26 vs 11,1%, p<0,001). Fatores de risco: diabetes (18,1 vs 38,2%, p<0,001), insuficiência renal (3,4 vs 7,9%, p=0,01), HAS (79,7 vs 78,3%, p=0,3), tabagismo (19,5 vs 15,1%, p=0,1), dislipidemia (68,4 vs 67,1%, p=0, 4), infarto prévio (21,2 vs 28,8%, p=0,02) e ATC prévia (19,1 vs 34,6%, p<0,001). Angiografia: multiarteriais (64 vs 66,4%, p=0,3), disfunção do VE (23,2 vs 19,4%, p=0,1), lesões com trombo (17,1 vs 10,1%, p=0,005), >10 mm (62,3 vs 75%, p=0,001), lesão de bifurcação (11,9 vs 15,5%, p=0,1) e lesões tipo B2/C (61,9 vs 72,2%, p=0,006). Vaso abordado: ACD (31,5 vs 28,5%, p=0,2), ACDA (50,3 vs 59,2%, p=0,02), ACX (29,4 vs 25,2%, p=0,1) e PS (4,7 vs 4,3%, p=0,4). Resultados: Sucesso angiográfico (100 vs 99,2%, p=0,2). Múltiplos stents (39,7 vs 37,9%, p=0,3), stent em lesão de reestenose (1,3 vs 18,4%, p<0,001), IVUS (15 vs 46,5%, p<0,001). No reflow (1,3 vs 0,7%, p=0,3), infarto pós (1 vs 5,7%, p=0,001), trombose subaguda (1,7 vs 0%, p=0,03), óbito (1,7 vs 0,7%, p=0,2) e cirurgia de emergência (0 vs 0,3%, p=0,4). Seguimento tardio (19 meses) em 81% dos pts com eventos cardíacos maiores (8 vs 3,5%, p=0,04) e revascularização do vaso alvo (6,8 vs 2,5%, p=0,03). Conclusão: apesar da reduzida necessidade de reintervenção com stents revestidos com CC, os SF foram superiores na redução de eventos e necessidade de reintervenção.


011

STEM CELL DOSING: IS THERE AN IDEAL DOSE THRESHOLD FOR EFFICACY?

Franca S. Angeli1 , Guilherme Silva1, Edie M. Oliveira1, Pilar Jimenez-Quevedo1, Debora Vela1, Marlos Fernandes1, Ricardo Sanz1, James T. Willerson1, Emerson C. Perin1

1) Texas Heart Institute, Houston, USA

Background: The ideal dose of bone marrow mononuclear stem cells (BMMNC(s) is unknown. Methods: 30 d after ameroid constrictor placement, 16 pigs underwent transendocardial delivery of BMMNC(s). Animals were divided in 4 groups (table 1). EMM and LV angiography were performed immediately pre and 30 d after cell therapy.The amount of fibrosis and capillary density was determined. Results: The LVEF did not change significantly after cell injection (p=0.5). Within the treated segments, only 100 million (M) had a significant improvement in Unipolar Voltage (uniV). Only segments treated with 20 to 40 M BMMNC(s) had significant improvement in uniV after cell therapy (fig 1). Fibrosis and capillary density results are shown in table 1. Conclusions: There may be an ideal segmental dosing threshold when targeting BMMNCs.

50 million 100 M 200 M Control (saline)
(M)
Uni V -0.9+/-2.5 2.8 +/-6.4 * 1.2 +/- 5.2 -0.5 +/-5.3
(delta values)
Fibrosis um/mm2 5.0 10x6 1.610x6** 2.1 10x6# 1.5 10x7
Capillary density 1115.9 +/ -1768.2 +/- 1998 +/- 1098.0 +/-
um/mm2 1037.2 1180.7 1448.4 1552.6
*BasevsFW **100MvsCont #200MvsCont
p=0.003 p<0.05 P<0.05


012

REFRACTORY ANGINA (RA) TREATMENT BY PERCUTANEOUS RETROGRADE SINUS TECHNIQUE (PRST) TRANSPLANTATION OF UNSELECTED AUTOLOGOUS BONE MARROW MONONUCLEAR CELLS (ABMMC). REPORT OF TECELCOR-PERU (TERAPIA CELULAR CORONARIA)

Jorge Tuma Mubarak1 , Roberto Fernández Viña2, Jorge Castillo Aguirre3, Antonio Carrasco Yalán3, Hugo Ríos Diaz3, Carlos Cruz1, Marios Vargas1, Alvaro Carrillo1, Magally Aranda1, Nelsa Gómez1, Samuel Chirino1, Jorge Rafael1

1) Clínica San Felipe/Ricardo Palma y Fundación Peruana de Terapia Regenerativa, Lima, Perú 2)Centro Cardiovascular San Nicolás, San Nicolas, Argentina 3)Instituto de Criopreservación y Terapia Celular, Lima, Perú

Transcoronary unselected and selected ABMMC implant had shown clinical and imaging benefit in patients with acute and chronic myocardial disease. Different procedures had been used to assure and improve cell homing and reach ischemic and hypokinetic ventricular areas. PRST had demonstrated to be useful in poorly perfused ventricular areas. Herein we show our outcomes using PRST in heavily treated chronic RA patients with ABMMC During May to October 2005, 10 consecutives patients, median age 65 years old (range 41-81), male/female ratio 9/1; with infarcted and ischemic myocardium, functional class (CCF) III-IV RA, 80% had grade II-III congestive cardiac failure (NYHA) and two patient grade IV. None of these patient were candidates for myocardial revascularization surgery neither angioplasty. Basal ejection fraction (EF) was 40.5% (range 30-69). After signed informed consent, a median volume of 264 ml (range 210-350) of bone marrow was obtained from iliac puncture under local anesthesia. Leuko-concentrated was performed using HES 6% and refrigerate centrifugation under sterile conditions. Concentrated cells were implanted retrogradely by coronarography of the venous sinus and in selected veins previous occlusion of the balloon "over wire" for 8 to 10 minutes. Median number of mononuclear and CD34+ cells infused were 7.34*10(8) and 1.97*10(7) respectively in a median volume of 40 ml (range 40-50). Cell infusion was performed under a pressure of 2-4 atmospheres. During and after the procedures no arrhythmias or increase in enzymes or haemodinamic changes were observed. After a median time of 21 days ABMMC led to significant relief of angina symptoms and improvement in functional class. By week +4 all patients improved their contractibility in previously hypokinetic sectors. By 90 to 150 days gamma studies demonstrated a reduction in total perfusion defects size more than 10%. Median EJ improved significantly after procedure to 49.5% (range 34-69, p=0,001) and nitrates requirement was reduced at this point. Unselected ABMNC transplantation by PRST is feasible and safe and it allows to infused large volume of cells in quite poor irrigated coronary vessels. This study suggests the potential improvement of symptoms, functional capacity, myocardial perfusion and contractility with retrograde approach of ABMNC transplantation in chronic coronary patients.




013

COMPARAÇÃO ENTRE DUAS VIAS NA INJEÇÃO DE CÉLULAS TRONCO DERIVADAS DA MEDULA ÓSSEA MARCADAS COM TC99M-HMPAO EM PACIENTES COM INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

ANDRE LUIZ S. SOUSA1, SUZANA A. SILVA1, RODRIGO V CASTELLO BRANCO1, JOÃO ALEXANDRE R. ASSAD1, CONSTANTINO G. SALGADO1, AURORA FELICCI1, RODRIGO C. MOREIRA1, ANDREA F HADDAD1, ANA S. SOARESA1, JADER CUNHA DE AZEVEDO1, VINICIO ELIA SOARES1, HANS F. R. DOHMANN1

1) Pró-Cardíaco, Rio de Janeiro, Brasil

Objetivos: A terapia celular no infarto agudo miocárdico (IAM) foi realizada através da via intracoronária (IC), principalmente. Nós comparamos a segurança da injeção de CMMO por via retrógrada na veia coronária (VRVC) com a via IC para avaliar eficácia da retenção de células no miocárdio, em pts com IAM. Métodos: Quarenta pts com IAM foram randomizados para o grupo IC (n=20) vs grupo VRVC (n=10) vs controle (n=10). Pcs realizaram MIBI SPECT para avaliação do tamanho do infarto e MUGA para FE. Cem milhões de CMMO foram separadas por gradiente de Ficoll. Injeção IC foi feita intermitentemente com balão OTW. Para VRVC um balão OTW foi posicionado na veia coronária relacionada ao vaso culpado pelo IAM, com oclusão do balão na artéria, simultaneamente. Em 17 pts (n=12 do grupo IC, n=5 do grupo VRVC) 1% das células foram marcadas com Tc99m-HMPAO. A retenção da radiação foi medida 2 vezes nas 24h. CK-MB foi dosada antes e 6h, 12h e 24h após a injeção. Foi realizado ECO antes do procedimento. Resultados: Não houve diferença entre grupos (70% H, 58±11 anos IC, 80% H, 52±7 anos RSVC). A FE inicial foi de 43.6±9.6 vs 38.2±6.9% (p = .13) e o tamanho do infarto de 23.6±13.2% vs 35.4±9.3% da área do VE (p = .01) para grupos IC vs VRVC. No 6° dia realizou-se injeção IC e RSVC em todos, menos um caso VRVC devido a tortuosidade. Elevação CK-MB (3x normal) occureu em 2 pts do grupo IC. A retenção da radiação das células marcadas foi de 16.1±7.1vs 4.2 ±1.1% (p > .001) às 4h e 10.3±6.4 vs 3.1±1.1% (p = .002) às 24h, para IC vs VRVC, respectivamente. Conclusão: Injeção VRVC pode ser realizada com segurança mas a injeção IC parece ser mais efetiva na enxertia. Estudos futuros são necessários para avaliação do papel da via retrógrada como via alternativa ou complementar à via anterógrada intracoronariana.


014

MELHORA DOS SINTOMAS, DA ISQUEMIA E DA FRAÇÃO DE EJEÇÃO EM PACIENTES COM CARDIOMIOPATIA ISQUÊMICA AVANÇADA SUBMETIDOS AO TRANSPLANTE DE CÉLULAS MONONUCLEARES DA MEDULA ÓSSEA POR INFUSÃO CORONARIANA RETRÓGRADA.

Márcio L. Balbinotti1, Alexandre Quadros1, André Manica1, Rogério Sarmento- Leite1, Renato Kalil1, Nance Nardi1, Paulo A. Salgado1, James Fracasso1, Maurício B. Marques1, Carlos M. Gottschall1

1) Instituto de Cardiologia do RS, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução: A insuficiência cardíaca tem como causa mais frequente a cardiomiopatia isquêmica e cursa com mortalidade elevada. A terapia celular emerge como modalidade potencial. Várias linhagens celulares têm sido investigadas com diferentes vias de administração. Objetivo: Avaliar a possibilidade de tratamento da cardiomiopatia isquêmica crônica avançada através do implante de células mononucleares autólogas da medula óssea por perfusão coronariana retrógrada. Métodos: Estudo prospectivo, não-randomizado, aberto, analisando 10 pacientes com doença arterial coronária crônica avançada sintomática na vigência de tratamento medicamentoso pleno tolerado e com redução da contratilidade segmentar do VE em parede anterior, com isquemia reversível (viabilidade) demonstrada e que não candidatos às técnicas convencionais de revascularização miocárdica. Ao total foram implantadas aproximadamente 100 x 106 células infundidas através do lumen de um cateter balão over-the-wire insuflado na veia cardíaca anterior e mantido inflado após, por 15 minutos. Não houve complicações relacionadas ao procedimento. Os pacientes foram acompanhados por 6 meses analisando-se a evolução sintomática e as medidas de função e escores de isquemia miocárdica. Após 4 meses da infusão das células houve uma melhora nos sintomas de todos os pacientes (NYHA e CCS), mantendo essa melhora no sexto mês de avaliação. Na cintilografia e na ressonância magnética houve diminuição da área de isquemia reversível (de 9,2% para 5,8% ; p=0,003) e melhora dos diâmetros e contratilidade ventricular regional, confirmada também no ecocardiograma. Conclusão: A infusão de células mononucleares da medula óssea autólogas por via retrógrada coronariana em pacientes com DAC avançada sintomáticos e sem opção de tratamento convencional é capaz de melhorar a classe funcional desses pacientes, assim como melhorar a isquemia e a contratilidade miocárdica.

Pré 6 meses
NYHA 2,7 1,4
CCS 2,9 1,2
FE (RNM) % 23 + 7 30 + 7
Defeito reversível (RNM) % 16,8 + 12,1 9,2 + 11,3


015

EL IMPLANTE DE CÉLULAS STEMS CD34+ POST IAM MEJORA EN FORMA PROLONGADA LA FUNCIÓN CONTRÁCTIL DEL VI. Y EVITARÍA LA REESTENOSIS.

Fernandez Viña Roberto1, Vrsalovick Francisco2, Saslavsky Jorge3, Andrin Oberdan1, Camozzi Liliana1, Muttis Nestor1, Pinto Andres1

1)Centro Cardiovascular San Nicolas Fundacion Fernandez Vina, San Nicolas Buenos Aires, Argentina 2)Universidad Maimonedes, Buenos Aires , Argentina 3) Facultad Medicina Rosario , Rosario , Argentina

Treinta y dos pacientes que sufrieron Infarto de Miocardio Anterior extenso con 5h y hasta 72 horas de evolución y con lesión de único vaso fueron sometidos a PTCA primaria con Stents a la ADA. La Fey.VI. osciló entre el 21 y el 32 %. Entre los 7 y 12 días post IAM se les implantaron a través de la ADA y con oclusión de la Vena coronaria anterior células mononucleares autólogas CD 34+ y CD38- en una cantidad promedio de 22x10p6. Se efectuó a los 180 días una coronariografía y verticulografia y se observo permeabilidad de todos los Stents implantados y una mejoría de la FE de hasta un 76% en todos los pacientes con respecto a la FE basal. Todos los paciente fueron controlados durante un periodo de hasta 2 años y se constato por ecocardiografia que no se produjo deterioro de la función contráctil y no hubo MACE, existiendo una sola muerte no relacionada. Este grupo fue comparado con un Grupo Control de 26 pacientes con IAM anterior extenso también con OC de único vaso y que fueron sometidos solo a PTCA con Stent y se observó solo un incremento del la FEy. de no mas de un 35% con respecto a la basal a los 180 días y se objetivo un 23% de re-estenosis del Stent en un periodo de 2 años. En este grupo se constataron episodios de MACE en el 35% de los pacientes y hubo una Mortalidad alejada de 3 pacientes (1,10%) y se constato una perdida de la FEy.de un 16% con respecto al control de los 180 días. Conclusiones: El implante de Células Madres (Stems Cells) mejora la performance del VI. luego del IAM la cual se mantiene alejada en el tiempo y pareciera evitar la re-estenosis coronaria post stenting al menos en forma inmediata .


016

STRESS ELECTROMECHANICAL MAPPING: A NOVEL DIAGNOSTIC METHOD FOR MYOCARDIAL ISCHEMIA

Pilar Jimenez-Quevedo1, Guilherme Silva1, Franca S. Angeli1, Edie M. Oliveira1, Ricardo Sanz1, Javier Lopez1, Marlos Fernandes1, James T. Willerson1, Emerson C. Perin1

1)Texas Heart Institute, Texas, USA

Background: Electromechanical mapping (EMM) identifies viable myocardium but does not always distinguish between normal and ischemic regions at rest. We postulate that stress EMM could identify areas of inducible myocardial ischemia. Methods: EMM at rest and during atrial pacing was performed in 21 pts with coronary artery disease and matched to 99mTc-SPECT applying a comparable quantitative polar map (12 segments bull's eye). Segments were classified in three groups according to SPECT: normal (N), reversible (R) and fixed (F) perfusion defect. Unipolar voltage (uniV) and lineal local shortening (LLS) between the three groups were compared.
Results: 121 N, 78 R and 32 F segments were analyzed. There were no differences in uniV or LLS between N and R segments at rest. However, with stress N segments had significant higher values of uniV when compared to the other groups. F segments were distinguished by lower uniV and LLS at rest and stress (figures). Conclusions: We describe for the first time a pacing stress model for EMM. Atrial pacing EMM reliably identifies segments with reversible perfusion defects by SPECT. Pacing EMM might be an useful tool for functional assessment in the catheterization laboratory.




017

QUAL O ERRO DA ANGIOGRAFIA NA DEFINIÇÃO DE ISQUEMIA DURANTE INTERVENÇÕES PERCUTÂNEAS?

Fernando Mendes Santanna1, Expedito E. Ribeiro da Silva2, Leonardo Alves Batista1, Marcelo Bastos Brito1, Fábio Machado Ventura1, Carlos Alberto M. Barrozo1

1)Hospital Santa Helena, Cabo Frio, Brasil 2)InCor/HCFMUSP, São Paulo, Brasil

FUNDAMENTOS: A decisão de realizar uma intervenção coronária percutânea (ICP) em pacientes com angina deve se basear em sinais objetivos de isquemia. A angiografia vem sendo utilizada como padrão-ouro para definição de doença arterial coronária (DAC) há muitos anos, embora suas limitações sejam bastante conhecidas. Por outro lado, o valor da medida do fluxo fracionado de reserva do miocárdio (FFR) na avaliação da DAC está muito bem estabelecido. O FFR é capaz de definir quais lesões merecem tratamento. O objetivo desse estudo é avaliar a acurácia da angiografia em definir as lesões culpadas, tomando como padrão-ouro o FFR, em todos os pacientes submetidos à ICP em determinada Instituição durante um período contínuo de tempo. MÉTODOS: Todos os pacientes agendados para ICP de Out/2004 a Abr/2005 foram incluídos no estudo exceto aqueles com IAM ou oclusão crônica. Duzentos e cinqüenta pacientes e 452 lesões foram analisados. O FFR foi medido antes da ICP em todos os vasos doentes e um ou mais stents foram implantados de acordo com o valor do mesmo. Se o FFR foi ? 0.75 a lesão não era tratada; se o mesmo foi < 0.75 a lesão era tratada. Foi realizada QCA offline de todas as lesões que foram divididas em dois grupos: I) Moderadas: < 70% (327); II) Severas: ? 70% (125). Os grupos foram comparados com os testes do qui-quadrado e t de Student para variáveis categóricas e numéricas e o coeficiente de correlação entre o diâmetro de estenose (%DS) obtido pela QCA e o FFR foram determinados para os dois grupos. RESULTADOS: Foi possível obter o FFR em todas as lesões. %DS e FFR médios de 56,3 ± 0,08% e 0,75 para o grupo I e 76,3 ± 0,06% e 0,49 para o grupo II (p < 0,0001). Observou-se uma correlação negativa entre o %DS e o FFR que foi significativamente melhor no grupo II do que no I (rho = – 0.55 e – 0.33) e a acurácia da angiografia foi de 57,5% e 96% respectivamente nos grupos I e II. CONCLUSÕES: A angiografia apresenta elevada acurácia e razoável correlação com o FFR em lesões severas ao QCA. No entanto, em 42,5% das lesões moderadas, que são as mais encontradas em nosso dia a dia, a angiografia não foi capaz de demonstrar adequadamente se havia ou não isquemia tornando clara a necessidade de associá-la a um método funcional capaz de orientar corretamente o tratamento dessas estenoses.




018

CORRELAÇÃO ENTRE A PERDA TARDIA INTRA-STENT (MM) E O VOLUME DE HIPERPLASIA INTIMAL (MM3) EM PACIENTES TRATADOS COM IMPLANTE DE STENT CORONARIOS. ESTUDO COM ULTRA-SOM INTRACORONARIO 3D.

Leandro Lasave1, Alexandre Abizaid1, Andréa S Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Mattos1, Rodolfo Staico1, Galo Maldonado1, Pedro Beraldo1, Andrés Sanchez1, Amanda Sousa1, J Eduardo Sousa1

1)Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Introdução: Recentemente foi demonstrado que a perda tardia é um potente preditor de reestenose binária. No entanto, esta é uma medida bidimensional (mm) e não representa exatamente a proliferação neointimal ao longo de toda a extensão do stent. O objetivo do estudo foi determinar a correlação entre a perda tardia intrastent (PTI) por analises quantitativas (QCA) e a percentagem de hiperplasia intimal (%HI) avaliado por Ultra-som Intracoronário Tridimensional (USIC 3D) em pacientes tratados com implante de stents liberadores de medicamentos (DES) ou metálicos (BMS). Métodos: Foram analisados 214 pacientes (Pts) consecutivos tratados com implante de stents (166 DES e 48 BMS). Realizaram-se analises quantitativas e com USIC 3D após o implante do stent e no seguimento (± 6 meses). A PTI por QCA foi avaliada pela diferença entre o diâmetro luminal mínimo após o procedimento e no seguimento, e a % HI (volume HI / volume stent x 100) por USIC 3D através do método de Simpsom. Foi realizada análise de regressão múltipla e determinado o coeficiente de correlação entre ambas as variáveis (Pearson). Resultados: A idade média foi 58,3±9 anos, 54% de sexo masculino e 25% diabéticos. O valor médio da PTI foi 0,48±0,5 mm e a % média de HI foi 11,3±14,3. No gráfico observase uma correlação positiva entre as duas variáveis (r 0,72 p<0,0001: IC95% 0,66- 0,84). Esta mesma relação observou-se quando analisados DES e BMS separadamente. Entre as diferentes variáveis clinicas e angiográficas estudadas a análise de regressão múltipla mostrou que a PTI foi a única capaz de predizer o volume de HI (coeficiente b 32,6: p<0,0001). Conclusão: Nesta análise observou-se uma forte correlação (r=0,72) entre a perda tardia intra-stent (mm) avaliada pela QCA e a % do volume de hiperplasia neointimal avaliado pelo USIC 3D nos pacientes tratados com stents liberadores ou não de medicamentos.




019

ESCORE DIAGNÓSTICO DE ESTENOSE SIGNIFICATIVA AO ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO BASEADO EM VARIÁVEIS CLÍNICAS E ANGIOGRÁFICAS.

André Feijó1, Sérgio S. Xavier2, Constantino Gonzales1,André Sousa1, Carlos Falcão1, Evandro Tinoco1, João Assad1, Rodrigo Verney1, Nelson Mattos1, Hans F. Dohmann1, Luiz A. Carvalho1

1)HOSPITAL PRÓ-CARDÍACO, RIO DE JANEIRO, BRASIL 2)UFRJ, RIO DE JANEIRO, BRASIL

FUNDAMENTOS: A ultra-sonografia intracoronariana(USIC) permite avaliar com acurácia a placa aterosclerótica, as medidas da luz e parede arterial. Infelizmente o método é pouco disponível para a maioria dos pacientes(pts). A identificação da área luminal mínima(ALM) ao ultra-som <4 mm² em pts com lesão intermediária(LI) passou a ser utilizado como divisor prognóstico na tomada de decisão. OBJETIVO: Desenvolver um escore diagnóstico de ALM ao ultra-som <4 mm² baseado em variáveis clínicas e angiográficas. MATERIAL E MÉTODOS: No período de 09/1999 a 12/2004, selecionamos 80 pacientes uniarteriais submetidos a USIC para avaliação de LI na angiografia. Foram coletados dados clínicos e angiográficos, e estabelecidos como critério de gravidade ao ultra-som, a ALM < 4 mm². Na análise univariada foi utilizado o teste t de student e o chi-quadrado, e na análise multivariada a regressão logística. Na elaboração do escore a pontuação das variáveis foi determinada pelo coeficiente de regressão. Para avaliar o desempenho do escore foi determinada sua sensibilidade, especificidade e os valores preditivos positivo e negativo. RESULTADOS: A frequência de ALM <4mm² foi de 64%. De todas variáveis testadas, a morfologia complexa da lesão(p=0,021), o diâmetro de referência(p=0,000), o diâmetro luminal mínimo(DLM) (p=0,000) e a insuficiência coronariana aguda(ICA) (p=0,019) foram significativamente associadas a ALM <4 mm². Quando essas quatro variáveis foram testadas no modelo multivariado, apenas morfologia da lesão (p=0,01), a ICA (p=0,037) e o DLM (p=0,007) mantiveram significado estatístico independente (OR: 5,1; 3,8; 5,1 e IC de 1,5 a 17,8; 1,1 a 13,5 e 1,6 a 16,7 respectivamente). Um escore de 0 a 3 foi criado, atribuindo-se 1 ponto para cada variável. A freqüência de ALM <4mm² variou de forma significativa com o escore: 0 vs 21% vs 67% vs 88% para escore 0, 1, 2 e 3 respectivamente (p < 0,0001). No escore 3 a sensibilidade, especificidade e os valores preditivos positivo e negativo foram respectivamente: 53%; 87%; 88% e 51%. Permite um grau elevado de acerto nos seus extremos, ou seja, igual a 3 ou menor ou igual a 1, o que corresponde a 53(62%) das LI do presente estudo. CONCLUSÕES: Baseado nas variáveis clínicas e angiográficas descritas, foi possível o desenvolvimento de um escore preditivo de ALM < 4 mm², que pode ser de utilidade clínica quando a USIC não for disponível.


020

ANÁLISE DA PERFUSÃO MIOCÁRDICA COM BALÃO DE IRRIGAÇÃO INTRACORONÁRIO

Marisa F. Leal2, Newton Stadler1, Ricardo Wang1, Herminio Haggi1, Eclea Ulaf1, Patrick Pereira1, Claudia Zanuzzi1, Estela Klosoviski1

1) Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, Curitiba- PR, Brasil 2)Hospital Ecoville, Curitiba- PR, Brasil

Alterações da Perfusão Miocárdica observadas nas Síndromes Coronárias Agudas ocorrem principalmente na presença de trombo intracoronário e sua conseqüente embolização distal. A restauração mecânica de fluxo pela Angioplastia Coronária esta, nesta situação, sujeita a fenômenos de ausência de fluxo ou fluxo lento prejudiciais a recuperação da perfusão ideal. O Fluxo TIMI (FT) 3 e a Perfusão Miocárdica (PM) 3 são os parâmetros ideais perseguidos após intervenções coronárias nas Síndromes Coronárias Agudas (SCA),tendo uma correlação direta com seguimento clínico favorável. O objetivo deste estudo é estabelecer a segurança e eficácia imediata na utilização de adenosina (ADEN) e abciximab(ABCX) usando um novo sistema de irrigação intracoronário (ClearWay RX –Atrium Medical Corp.) durante a Angioplastia Coronária em pacientes (pt) apresentando trombo intracoronário e ausência de fluxo. No período de um ano (2005) utilizamos o ClearWay RX (CW) em 19 pacientes (pts) com Síndrome Coronária Aguda onde a presença de trombo intracoronário era importante e limitante ao fluxo coronário e a Perfusão Miocárdica adequada. Houve o predomínio do sexo masculino (73,7%) sendo a idade média de 62,4±12,1. A clínica prévia ao procedimento foi Angor Pós Infarto em 9 pts, com tempo médio de infarto de 3,0±2 dias, Infarto Agudo do Miocárdio em 8 pts, com tempo médio de reperfusão mecânica de 540±252 minutos e 2 pts com Angina Instável. Oclusão aguda após implante de Stent ocorreu em 3pts. Pts multiarteriais e com revascularização prévia eram 63,2% da amostra e 47,4% apresentavam infarto prévio.Foram tratados 19 vasos com trombo intra-coronário antes (100%) e após insuflação do balão (10,5%).Após a infusão de drogas com o CW, foram implantados 21 stents (St) em 17 pts,e em 2 pts utilizou-se somente balão. Nos resultados evolutivos observamos sucesso em 79% com 4 óbitos (3 Choque Cardiogênico e 1 Acidente Vascular Cerebral). O FT no procedimento teve a seguinte evolução (vide tabela) O TIMI de PM inicial x final foi de 0,5 ± 0,9 x 2,1 ± 0,8 (p 0,05). Podemos concluir que a administração de ADEN e ABCX através do Balão de Perfusão CW aumenta agudamente o FT e TPM após a angioplastia nas SCA complicadas com ausência de fluxo ou fluxo lento.

Inicial Após Balão Após CW Após St Final
(n=19) (n=15) (n=19) (n=16) (n=19)
IMI 3 0 0 9 11 15
TIMI 2 2 4 7 3 3
TIMI 1 4 10 3 1 0
TIMI 0 13 1 0 1 1
Média 0,4±0,7 1,2±0,6 2,3±0,7 2,5±0,9 2,7±0,7


021

APOSIÇÃO INCOMPLETA TARDIA DE STENTS LIBERADORES DE MEDICAMENTOS: INCIDÊNCIA E SIGNIFICADO CLÍNICO A LONGO PRAZO

Dimytri Alexandre Siqueira1, Alexandre A.C. Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Alberto Mattos1, Rodolfo Staico1, Julio Paiva Maia1, Luiz Fernando Tanajura1, Andrea S. Abizaid1, Aurea J. Chaves1, Marinella Centemero1, Amanda G.M.R. Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia , São Paulo - SP, Brasil

FUNDAMENTOS: Aposição incompleta ( AI ) tardia de stents pode ser observada após o implante de stents com liberação de medicamentos ( SLM ), com incidência e significado clínico a longo prazo ainda não bem determinados. OBJETIVO: avaliar a incidência de AI tardia de SLM e a evolução clínica de pacientes ( p) que apresentem esta alteração vascular. MÉTODOS: Analisamos 195 p consecutivamente tratados ( 175 p com stents com sirolimus e 20 p com stents com paclitaxel ) e submetidos a estudo com ultra-som intracoronário ( USIC ) após o implante de stents e aos 6 meses de seguimento. Definimos AI tardia como a separação de pelo menos uma haste do stent da parede vascular, com evidências de fluxo sanguíneo atrás da (s) haste (s), em segmento no qual não se observa ramo, sendo tal alteração observada ao USIC apenas aos 6 meses, estando ausente na avaliação realizada imediatamente após o implante do stent. RESULTADOS: 10 p ( 5,12% ) apresentaram AI tardia ( 3 com paclitaxel e 7 com sirolimus ) , localizada predominantemente no segmento médio dos stents , com apenas 1 p com AI tardia em borda proximal. A área e extensão médias de AI foram de 5,64 ± 0,61 mm² e 4,19 ± 2,12 mm , respectivamente. Observou-se aumento evolutivo no volume do vaso ( 416,01 ± 163,93 to 514,43 ± 247,91 mm³ p=0,04 ) sem aumento no volume da placa ( 212,40 ± 52,74 to 219,26 ± 110,83 mm³ p = NS ) no segmento intra-stent naqueles p com AI tardia. Após acompanhamento a longo prazo ( 26 ± 16 meses ), 2 p ( 20 % ) com aposição incompleta tardia apresentaram trombose de stent angiograficamente documentada. CONCLUSÃO: Embora incomum ( 5,12% ) , AI tardia pode ser um dos mecanismos implicados na ocorrência de trombose tardia de SLM.


022

COMPARAÇÃO ENTRE O NOVO STENT ZOMAXX® COM LIBERAÇÃO DE ZOTAROLIMUS E O STENT TRIMAXX®. ESTUDO COM ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO 3D.

Leandro Lasave1, Alexandre Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Mattos1, Rodolfo Staico1, Dimytri Siqueira1, Pedro Beraldo1, Luiz Tanajura1, Andréa A. Sousa1, Amanda Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, Saõ Paulo - SP, Brasil

O stent TriMaxx® compõe-se de uma plataforma metálica de última geração, entanto o stent ZoMaxx® se compõe da mesma plataforma e de um polímero de fosforil-colina com liberação controlada de Zotarolimus (ABT-578), um derivado da rapamicina que demonstrou reduzir o processo de formação neoitimal. Objetivo: Desfecho primário: avaliar o impacto da redução da hiperplasia intimal comparando o stent ZoMaxx® (ZX) e o stent TriMaxx® (TX) em pacientes (Pt) com lesões coronárias de novo. Desfechos secundários: avaliar os eventos cardíacos hospitalares e no seguimento tardio Métodos: Foram incluídos em registros prospectivos 75 Pt com lesões de novo em artérias coronárias nativas. 40 Pt receberam stent ZX e 35 TX. Realizaram-se análises quantitativas (QCA) e com ultra-som intracoronário (USIC) após o procedimento e no seguimento. Avaliaram-se os eventos cardíacos (EC) hospitalares e no follow-up: morte, IAM, revascularização da lesão alvo (RLA). No seguimento (±5 meses) analisou-se a reestenose binária in-setent (RB-ST) e insegment (RB-SG) por QCA, o volume de hiperplasia intimal e a percentagem de obstrução do stent pelo USIC. Resultados: A idade média foi 59 ± 9 anos, 57% de sexo masculino, 29% eram diabéticos e em 43% foi tratada a artéria DA, sem diferenças nas características basais dos grupos. Não houve EC hospitalares. No seguimento a RB-ST foi 22,8% para o grupo TX e 2,5% para ZX (p=0,01;RR 9 IC 1,2-6,5), a RLA foi 14,2% vs 0% (p=0,01) e os EC foram 22,8% para TX vs 0% para ZX (p=0,001). Realizaram-se QCA e USIC em 90% (TX) e 95% (ZX) dos Pt (Tabela): Conclusão: Este estudo demonstra o impacto significativo do Zotarolimus na redução da hiperplasia intimal, nos pacientes tratados com Stent ZoMaxx® quando comparados com o mesmo stent sem liberação do fármaco (TriMaxx®)

ZoMaxx® TriMaxx®
QCA (mm) Media±DP Media±DP p (IC 95%)
Perda Tardia In Stent 0,20±0,35 0,89±0,48 0,0001 (0,5-0,88)
Perda Tardia In Segment 0,17±0,35 0,56±0,51 0,0001 (0,19-0,58)
USIC Media±DP Media±DP p (IC 95%)
Volume da Intima (mm3) 5,15±5,6 54,48±28,3 0,0001 (40,2-58,4)
% de Obstrução do stent 6,5±6,2 31,7±15,9 0,0001 (19,6-30,5)


023

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE 3 STENTS LIBERADORES DE DROGAS ANÁLOGAS AO SIROLIMUS. EFICÁCIA NA REDUÇÃO DA HIPERPLASIA INTIMAL AVALIADA PELO ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO 3D

Ricardo C Silva1, Leandro Lasave1, Alexandre Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Mattos1, Rodolfo Staico1, Pedro Beraldo1, Eduardo Missel1, Andréa S Abizaid1, Amanda Sousa1, J Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Introdução: O stent (St) com liberação de Sirolimus (SLS) é altamente eficaz na inibição da proliferação neointimal. Recentemente o Biolimus (BA9) e o Zotarolimus (ABT 578), dois análogos do Sirolimus demonstraram também potentes propriedades anti-proliferativas. O objetivo deste estudo foi comparar a eficácia de estes três fármacos análogos na redução da hiperplasia intimal (HI) avaliado pelo Ultra-som Intracoronário Tridimensional (USIC-3D). Desfechos secundários: avaliar os eventos cardíacos (EC) hospitalares e no seguimento tardio. Métodos: Foram analisados 100 pacientes (Pts). 30 Pts tratados com SLS; 30 Pts com St liberador de Biolimus (SLB) e 40 Pts com St liberador de Zotarolimus (SLZ). Realizaram-se medidas quantitativas (QCA) e pelo USIC-3D após procedimento e no seguimento (± 5 meses) Avaliaram-se os EC: morte, IAM e revascularização da lesão alvo (RLA). Analisou-se a reestenose binária (RBI) pela QCA e o volume de HI pelo USIC-3D. Resultados: A idade média foi de 58,5±9,3 anos, 62% do sexo masculino, 32% eram diabéticos e em 40% foi tratada a artéria DA, sem diferenças nas características basais dos grupos. Os três grupos não apresentaram EC hospitalares. Ao seguimento tardio apenas uma RLA foi observada no grupo SLB (p=0,3). Realizou-se QCA e USIC-3D em 98% dos Pts (Tabela). Conclusão: Este estudo demonstra uma potente inibição da hiperplasia intimal no seguimento tardio, semelhante entre estes três stents com liberação de drogas análogas.

QCA SLS:n=30 SLB:n=30 SLZ:n =40p (ANOVA)
Perda Tardia In-Stent (mm) 0,15±0,14 0,27±0,40 0,20±0,35 0,27
RBI 0% 3,3% 2,5% 0,33
USIC-3D
Volume HI (mm3) 3,0±4,8 4,2±3,1 5,15±5,6 0,17
Volume HI por mm do Stent 0,16±0,26 0,19±0,11 0,23±0,22 0,34


024

COMPARAÇÃO DO STENT RECOBERTO POR CARBONO SEMELHANTE A DIAMANTE VERSUS STENT DE AÇO INOXIDÁVEL NÃO RECOBERTO EM DOENÇA ARTERIAL CORONÁRIA

George Meireles1, Lucuano Abreu1, Antonio Forte1, Jorge Hayashi1, Marcos Sumita1, Jose Solano1

1)Hospital Stella Maris, Guarulhos-São Paulo, Brasil

Fundamento: Os stents de aço inoxidável recobertos com carbono semelhante ao diamante (DLC) podem reduzir a resposta trombogênica pela redução da adesão plaquetária e a resposta inflamatória pela não liberação de íons de molibdênio, crômio e níquel. Este estudo comparou os resultados 30 dias e 6 meses pós-implante de stents recobertos com DLC com os não recobertos nas taxas de reestenose e revascularização da lesão-alvo. Material e Métodos: Estudo comparativo, prospectivo, randomizado, de 180 pacientes com diagnóstico de insuficiência coronária aguda ou crônica, submetidos a implante de stent de aço inoxidável recoberto com DLC (Phytis) ou stent de aço inoxidável não recoberto (Penta), no período de janeiro de 2003 a julho de 2004, divididos em 2 grupos iguais: GI-Stent Phytis e GII-Stent Penta. Todos os pacientes foram medicados com aspirina (200 mg/dia) e clopidogrel 300 mg 6 horas antes do implante e 75 mg/dia por 30 dias. Foram critérios de inclusão: lesão de novo com diâmetro estenótico > 50% em artéria coronária nativa com diâmetro de referência ? 2,5 mm e ? 4mm e extensão ? 20 mm e de exclusão: lesões localizadas no TCE, bifurcações, oclusões crônicas e reestenose intra-stent. Para testar a hipótese de igualdade das médias entre os 2 stents foi usado o teste t-student. O nível de significância foi 5%. Resultados: A idade foi 60,3±9,8 anos no GI e 66,7±11,6 anos no GII (p=0,86) com predomínio do sexo masculino. As características basais dos grupos foram clinica e angiograficamentemente semelhantes. Ocorreu 1 morte cardíaca na fase hospitalar em cada grupo. O sucesso do procedimento foi obtido em 98,9% dos pacientes nos 2 grupos. O diâmetro de referência foi 3,21± 0,37 mm(GI) e 3,34±0,8 mm(GII), p=0,02. O ganho agudo foi 2,3±0,5 (GI) e 2,49±0,5 (GII), p=0,009. O controle clínico aos seis meses foi realizado em 86 e 77 pacientes nos GI e GII, respectivamente e o angiográfico em 81,4% do GI e 71,5% do GII. O seguimento angiográfico aos 6 meses mostrou taxas semelhantes de reestenose (24,3% no GI e 21,8% no GII, p=0,84), de revascularização da lesão-alvo (15,7% no GI e 16,4% no GII, p=1) e índice de perda tardia (1,06± 0,73 mm e 1,08± 0,89mm, p=0,82). Conclusão: em pacientes e lesões não selecionadas, os stents de aço inoxidável recoberto com DLC não apresentaram resultados superiores em relação aos stents de aço inoxidável não recobertos.


025

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE STENTS REVESTIDOS COM CELULOSE BIOSSINTÉTICA COMPARADOS A STENTS CONVENCIONAIS EM COELHOS.

Ronaldo da Rocha Loures Bueno1, Ênio Eduardo Guérios1, Paulo Maurício Pia de Andrade1, Deborah Christina Nercolini1, José Carlos Tarastchuk1, Frederico Thomaz Ultramari1

1) Hospital Universitário Evangélico de Curitiba, Curitiba - Paraná, Brasil

Introdução: A celulose biossintética (CB) é um tecido perfeitamente biocompatível utilizado em várias áreas da Medicina, principalmente com propósitos reconstrutivos. Sua utilização nunca foi estudada previamente no aparelho cardiovascular. Objetivo: Comparar a eficácia e a segurança da angioplastia realizada com stents convencionais (SC) àquela realizada com stents revestidos com CB (SRCB) em coelhos. Métodos: Sete SC e 7 SRCB foram implantados nas artérias ilíacas comuns de 7 coelhos. Quatro semanas após estes procedimentos, os animais foram submetidos novamente a arteriografia e a ultra-sonografia intravascular (USIV). Os coelhos foram sacrificados e as peças anatômicas, enviadas para análise histológica. Resultados: Não foi observada reestenose angiográfica em ambos SC e SRCB. Os resultados da USIV estão relatados na tabela I. Conclusões: Estes resultados demonstram que a CB não apresenta efeitos adversos no aparelho cardiovascular. Quatro semanas após o implante, foi obtida área luminal média de secção transversa intra-stent maior nos SRCB comparada à obtida nos SC. Sendo totalmente biocompatível, a CB apresenta o potencial de acelerar a re-endotelização do segmento onde foi implantado o stent, atuar como uma barreira para a migração de células inflamatórias e musculares lisas, servir como meio para a eluição de drogas e como plataforma para a adesão de células endoteliais, constituindo uma nova abordagem para o tratamento e a prevenção da reestenose. Tabela I. Resultados da ultra-sonografia intravascular AST = área de secção transversa

SRCB SC Valor do p
AST Média de Referência (mm2) 6.3±1.4 6.4±1.3 0.87
AST do Stent (mm2) 6.7±0.9 6.4±1.3 0.15
AST Luminal Média do Stent (mm2) 5.7±0.8 5.3±0.9 0.02
Área Neo-intimal (mm2) 1.0±0.3 1.1±0.5 0.82


026

UTILIDAD DE ASPIRACIÓN DE TROMBOS DE LA ARTERIA CULPABLE EN INFARTO AGUDO AL MIOCARDIO EN REPERFUSION MIOCARDICA PRECOZ Y REMODELAMIENTO A LARGO PLAZO

Osvaldo Perez1, Alejandro Martinez1, Eugenio Marchant1, Eduardo Guarda1, Alejandro Fajuri1

1) Universidad Catolica de chile, Santiago , Chile

Introducción: La angioplastia primaria es el método más efectivo de reperfusión en el infarto agudo al miocardio (IAM). No todos los pacientes en que se logra restaurar el flujo epicárdico logran una rerperfusión eficaz. Objetivo: Evaluar el efecto de la aspiración de trombos en el IAM, mediante uso de catéter Export (Medtronic), sin oclusión distal. Método: Se incluyeron 33 pacientes con IAM sometidos a angioplastia primaria en el laboratorio de hemodinamia del hospital de la Universidad Católica desde Diciembre del 2004 a Octubre del 2005. Diecinueve pacientes en el grupo de aspiración de trombos y 14 en el grupo control. La arteria culpable debía medir mas de 2,5 mm. Ninguno tenía falla ventricular izquierda. La aspiración de trombos se hizo mediante catéter Export, compatible con catéter guía 6 French. A todos los pacientes se le implantó stent. La reperfusión precoz se evaluó por disminución mayor al 50% del supradesnivel del ST (SDST) a los 60 minutos de la última inyección y el remodelamiento miocárdico por el aumento mayor al 20% de los volúmenes ventriculares izquierdos a los 6 meses post infarto medidos a través de ecocardiograma basal y a los 6 meses. Se analizaron factores de riesgo coronario , fracción de eyección del ventrículo izquierdo (FEVI), flujo TIMI, diámetro del vaso de referencia y presencia de trombos intracoronarios. El análisis estadistico incluyó chi cuadrado y student para muestras no pareadas Resultados: La edad promedio fue 64 ± 9 años, 23 hombres (69%). No hubo diferencias significativas entre los grupos en edad, hipertensión, dislipidemia, diabetes, función ventricular y tiempo de evolución del infarto. Los pacientes del grupo aspiración tenían mayor proporción de hombres ( 81 versus 33%). La arteria culpable fue con mayor frecuencia la descendente anterior (56 y 50%, p=NS) y el diámetro de referencia del vaso de 3,2 y 3,4 mm ( p=NS) en aspiración y control respectivamente. La disminución precoz del SDST fue de 69 y 83% (p=0,4) y el remodelamiento a los 6 meses de 13 y 17% (p=0,2) en aspiración y control respectivamente. Al analizar sólo los pacientes con trombos angiográficos (11 pacientes) la reperfusión precoz fue de 68 y 75% (p=0,9) y el remodelamiento de 9 y 16%(p=0,4) en grupos de aspiración y control respectivamente. Conclusión: El uso de aspiración de trombos sin oclusión distal en una cohorte de pacientes sometidos a angioplastia primaria, no aumenta la reperfusión precoz ni disminuye el remode


027

IMPACTO DEL TIROFIBAN EN EL GRADO FINAL DE BLUSH MIOCÁRDICO Y EN EVOLUCIÓN CLÍNICA, POST ANGIOPLASTIA PRIMARIA EN IAM.

Daniel Zanuttini1, Ruben Retamar1, Leonardo Bustos1, Luis M. Labath1

1) Hospital Jose M. Cullen, Santa Fe, Argentina

Introducción: en algunos estudios los inhibidores de glicoproteína IIb/IIIa en la angioplastia primaria (AP) mejoran la evolución clínica a corto y largo plazo de pacientes (pts) con IAM. Objetivo: evaluamos el Tirofiban en el Blush Miocárdico (BM) final y en la evolución clínica hospitalaria y 30 dias. Método: desde 07/2005 hasta 03/2006 32 pts consecutivos con IAM < 12 horas de evolución fueron tratados con AP. De ellos 13 (41.4%) recibieron Tirofiban vs 19 (58.6%) que no lo recibieron. Se indicó Tirofiban según trombo angiográfico intracoronario significativo y Flujo TIMI < 3. Resultados: no hubo diferencias estadísticas en las características demográficas de los 2 grupos. Edad: 55,6 vs 52,5 años, femenino: 23% vs 11,7%. Diabetes:16,6% vs 11,7%, IAM anterior: 41,6% vs 34,4%, KK >II: 8,3% vs 13,8%, tiempo del primer síntoma hasta la reperfusión: 271 vs 339 min, diámetro de referencia del vaso culpable 3,3 mm vs 3,1 mm, % de estenosis final 7% vs 4%, flujo TIMI 3 final 76,9% vs 94,7%, en el grupo TIROFIBAN vs NO Tirofiban, respectivamente. Implante de stent 100% en los 2 grupos. El BM final y eventos cardíacos se describen en el gráfico. Conclusión: el flujo epicárdico final (TIMI 3) fue alcanzado en 87,5%(28 pts) de los pts evaluados, pero un BM 3 (perfusión miocárdica normal) en solo 37,5%(12 pts). No hubo mejora inmediata en BM post Tirofiban, pero con una significativa tendencia a disminuir la mortalidad hospitalaria.

TIROFIBAN ( n= 13) sin IIb/ IIIa (n= 19) p
BM 0/1 , % 46,1% (n= 6) 42,1% (n= 8) NS
BM 2 , % 15,4% (n= 2) 15,7% (n=3) NS
BM 3 , % 38,4% (n= 5) 42,1% (n= 8) NS
Eventos cardiacos 30 días 7,7% (1 Re ATC) 15,8% ( 3 Óbitos) 0,064


028

USO PRÉVIO DE ESTATINA REDUZ A FREQÜÊNCIA DE INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO E TROMBO INTRACORONÁRIO MESMO NA PRESENÇA DE PLACA ULCERADA: UMA ANÁLISE DE 10490 PACIENTES.

Marco A Magalhães 1, Eulógio E Martinez 1, Pedro A Lemos 1, João L Falcão 1, Marco A Perin 1, Pedro E Horta 1, André G Spadaro 1, Luiz J Kajita 1, Expedito E. Ribeiro 1, José A Ramires 1

1) Instituto do coração(InCor), São Paulo, Brasil

Fundamentos: O benefício das estatinas possivelmente está relacionado à menor incidência de ruptura da placa aterosclerótica. No entanto, o impacto das estatinas após a ocorrência de ruptura da placa não é conhecido. Objetivo: Avaliar o impacto do uso prévio de estatina sobre a apresentação clínica e a freqüência de trombo intracoronário em pacientes com ou sem placa ulcerada tratados com angioplastia coronária. População e Métodos: De 8/98 a 8/05, 10490 pacientes consecutivos com 11977 lesões coronarianas De novo foram submetidos à intervenção percutânea. Os pacientes foram agrupados com relação à presença de placa ulcerada, de trombo luminal e o quadro clínico à admissão conforme o uso prévio ou não de estatina. Resultados: Na população global as lesões ulceradas se relacionaram com infarto agudo do miocárdio (IAM) [OR: 2,3; IC95%:2,1-2,6; p<0.001] e trombo angiográfico [OR: 4,8; IC95%:4,3-5,3; p<0.001]. No entanto, quando os pacientes foram divididos de acordo com o uso de estatina, notou-se que pacientes com estatinas apresentaram menor frequência de IAM, mesmo na presença de placa ulcerada (23% vs. 49%; OR:0.3; IC95%:0,2- 0,3; p<0.001). Da mesma forma, pacientes com estatinas apresentaram lesões ulceradas com menos trombo que aqueles sem estatina (28% vs. 54%; OR:0.3; IC95%:0,3-0,4; p<0.001). Conclusões: O uso prévio de estatina associou-se a menor frequência de infarto agudo e trombo angiográfico, mesmo em placas ulceradas. Hipotetizamos que o efeito benéfico das estatinas sobre eventos trombóticos coronários é presente inclusive após ruptura da placa.


029

VARIACIONES CICLICAS DEL FLUJO CORONARIO LUEGO ANGIOPLASTIA PRIMARIA ESTA ASOCIADA A UN MAL PRONOSTICO A CORTO PLAZO

Mariano Albertal 1, Fernando A Cura1, Lucio T Padilla1, Jorge Thierer1, Marcelo Trivi1, Pablo Perez Balino1, Jorge Belardi1

1) Instituto Cardiovascular De Buenos Aires, Buenos Aires, Argentina

Introduccion: Estudios recientes han reportado la presencia de variaciones ciclicas del flujo coronario (VCFC) luego de la reperfusion coronaria. Sin embargo, su valor pronostico luego angioplastia primaria (AP) es desconocido. Metodos: Un total de 141 pacientes sometidos a AP en el contexto de un infarto con supra-desnivel del segmento ST fueron incluidos en el analisis. Todos los pacientes tuvieron monitoreo del segmento ST de 12 derivaciones por 24 horas, cada uno analizado por un laboratorio independiente. El desarrollo de VCFC fue definido como 3 o mas ondulaciones significativas (>50%) del segmento ST. Los pacientes fueron divididos en 2 grupos acorde a la presencia (grupo VCFC , n=14, 9,9%) o ausencia (grupo No VCFC n=127) de VCFC. La relacion entre el VCFC y la mortalidad a los 30 dias fue analizada mediante un modelo logistico multivariado ajustando por edad, sexo, diabetes mellitus, tabaquismo, hipertension arterial, infarto anterior y Killip al ingreso, flujo TIMI al ingreso. Resultados: Caracteristicas clinicas y angiograficas fueron similares entre los 2 grupos. La mortalidad fue mayor en el grupo VCFC ( 21,4% vs. 3,4%, p=0,022). En el analisis logistico multivariado, la presencia de VCFC estuvo asociado con un incremento del riesgo de muerte a los 30 dias (RR 9,7; 95% CI 1,4-68,0; P =0,027). Conclusion: El desarrollo de VCFC luego de AP es un fuerte predictor de mortalidad a los 30 dias del procedimiento.


030

ADMINISTRAÇÃO LOCAL DE PACLITAXEL APÓS IMPLANTE DE STENT CORONÁRIO NA INIBIÇÃO DA REESTENOSE.

Rogério Luciano Soares de Moura1, Fernando Vivas Barreto2, Marcus Vinícius Costa2, Fernando José Tavares2, Gustavo Oliveira1, Stans Murad Netto1

1)Instituto de Pós Graduação Médica do RJ, Rio de Janeiro, Brasil 2)Instituto do Coração e da Criança do RJ, Rio de Janeiro, Brasil

Objetivos: Demonstrar a segurança da aplicação intracoronária de Paclt pós implante de Stent e sua eficácia na redução da reestenose. Materiais e Métodos: Randomizados 120 pacientes (pcts) com lesões “de novo”, utilizando-se apenas um stent por vaso, em lesões >70% de estenose , de 8 a 30 mm de extensão, com evidência de isquemia, em vasos de 2.5 a 3.5 mm de diâmetro e, em pcts diabéticos, com vasos de diâmetro ? 3.0 mm. Os pcts foram randomizados em 2 grupos: um grupo controle de 60 pcts, submetidos a ATC com implante de Stent (Grupo I) e outro grupo de pacientes, com mesmo número, submetido a ATC com implante de Stent e aplicação intracoronária local de Paclt, através de balãoporoso, cuja dose variou de 60 a 180 ?g (Grupo II). Critérios de exclusão: lesão de tronco, IAM com supra de ST, choque cardiogênico , lesões de ponte de safena, insuficiência renal crônica e FE-VE <35%. Resultados: Em FEV/2005 foi encerrada a randomização dos pcts, que permanecem em acompanhamento clínico. Obteve-se sucesso angiográfico em todos os pacientes (100%). Após 6 meses, melhores resultados angiográficos observados no grupo submetido à infusão de Paclt com menores índices de reestenose (11,7% x 26,8%), menor diâmetro de estenose (12±7% x 57±11%) e menor Perda Tardia (0,58±0,49mm x 1,34±0,92mm). Conclusões: Este trabalho demonstrou a segurança e a eficácia da aplicação local intracoronariana de Paclt na redução das taxas de reestenose e hiperplasia neointimal pós-implante de stent.


031

ANÁLISE PROSPECTIVA E MULTICÊNTRICA DE PACIENTES DIABÉTICOS SUBMETIDOS AO IMPLANTE DE STENTS ELUÍDOS. HÁ DIFERENÇAS ENTRE O SIROLIMUS E O PACLITAXEL?

GUSTAVO ITHAMAR SOUTO MAIOR 1, JUNIOR CAMILO DE QUEIROZ 1, FLÁVIO BORGES DE OLIVEIRA 1, , JOÃO BATISTA DE OLIVEIRA 1, MARIA FERNADA Z.

MAURO 1, SALVADOR A. B. CRISTOVÃO 1, JOSÉ ARMANDO MANGIONE 1

1) HOSPITAL BENEFICÊNCIA PORTUGUESA, SÃO PAULO, SP

FUNDAMENTOS O uso dos stents eluídos com medicamentos (SEM) revolucionou a cardiologia intervencionista atual. Em pacientes diabéticos este impacto foi ainda maior por reduzir de forma significativa a reestenose coronária cuja incidência é elevada neste grupo. Não sabemos porém, se o tipo de fármaco, sirolimus (SES) ou paclitaxel (SEP) interfere na evolução destes pacientes. OBJETIVOS Analisar a evolução dos pacientes diabéticos submetidos a implante eletivo de stents eluídos com sirolimus (SES) e paclitaxel (SEP), quanto às características clínicas, resultados hospitalares (H) e no seguimento clínico (SC). MÉTODOS Estudo prospectivo, multicêntrico (03 centros) realizado de janeiro de 2002 a janeiro de 2006, envolvendo 113 diabéticos que se submeteram ao implante eletivo de 155 SEM (1,37 stent/ paciente). Esses pacientes foram divididos em 02 grupos baseado no tipo de fármaco, sirolimus ou paclitaxel e avaliados quanto à evolução hospitalar e no seguimento clínico. RESULTADOS Vide Tabela em anexo CONCLUSÃO Os 2 tipos de stents, SES ou SEP, mostraram-se igualmente efetivos no tratamento dos pacientes diabéticos submetidos à intervenção coronariana percutânea eletiva. No entanto cabe salientar que o grupo SES apresentou um maior número de pacientes biarteriais.

VARIÁVEL SEP n=77 SES n = 78 P
Idade 65 ± 9,62 66 ± 10,53 0,538
DM insulino-dependente 10 (17,9%) 13 (22,8%) 0,762
Biarteriais 19 (33,9%) 41 (71,9%) 0,026
Sucesso do procedimento 56 (100,0%) 55 (96,5%) 1,000
Óbito, IAM, Revasc. Urg.(H) 2 (1,8%) 0 (0,0%) 0,499
Óbito(SC) 1 (1,9%) 1 (1,9%) 0,487
Óbito não-cardíaco(SC) 0 (0,0%) 1 (1,9%) 0,985
IAM (SC) 1 (1,9%) 0 (0,0%) ns
Necess. Revac. Cir.(SC) 0 (0,0%) 0 (0,0%) ns
Necess. Revac. Perc(SC) 3 (5,7%) 2 (3,7%) ns
Óbito, IAM, Revasc. Urg(SC) 0 (0,0%) 3 (5,6%) 0,268


032

REESTENOSE E COMPROMETIMENTO DO ÓSTIO DA CORONÁRIA CIRCUNFLEXA QUANDO DO IMPLANTE DE STENT NO ÓSTIO DA CORONÁRIA DESCENDENTE ANTERIOR: CONVENCIONAL VERSUS ELUÍDOS COM FÁRMACOS.

Wilson A.Pimentel1, Maéve B. Correia1, Edson A. Bocchi1, Tiago Di Nucci1, Roberto Abdalla1, Walter B. Fiorotto2, Milton M. Soares2, Wellington B. Custodio3, Jorge R. Büchler3, Egas Armelin3

1) Instituto do Coração, Campinas-Sp, Brasil 2) Instituto de Cardiologia, São Paulo- SP, Brasil 3) Beneficência Portuguesa , São Paulo-SP, Brasil

Fundamento: Pacientes (pts) portadores de lesão obstrutiva grave no óstio (LOGO) da coronária descendente anterior (DA), quando submetidos ao implante de stent (IS) são mais susceptíveis a reestenose (R) e comprometimento do óstio da coronária circunflexa (COCX) no decorrer de sua evolução clínica. Objetivo: Comparar a incidência da R e do COCX na evolução clínica de pts portadores de LOGO da DA com IS convencional (SC) versus aos com IP eluídos com fármacos (EF). Material e métodos: No período de junho/96 a junho/04, foram estudados 551 pts com LOGO na DA e submetidos ao IS, Grupo (G)1: 451 pts (IS-convencional) e G2: 100 pts (IS-EF, 33 sirolimus e 67 paclitaxel). Não houve diferenças demográficas clinicas e angiográficas significativas entre os dois grupos. Inibidores das GP IIb/ IIIa foi utilizado em 13% no G1 e 15% no G2, NS. No período evolutivo médio de um ano pós-IS, 255 pts do G1 (52,1%) e 51 do G2 (51%) se submeteram a nova coronariografia. Resultados: Ver tabela Conclusões: O IS-EF no LOGO da DA resultou significativamente em menor perda do diâmetro luminal mínimo da DA, do COCX e redução da reestenose. No entanto, é necessária a reprodução de nossa experiência em outros centros cardiológicos para se ter uma conclusão definitiva.

Grupo 1 2
Diâmetro luminal mínimo da DA (mm)
Pré IS 0,9 ±0.6 0,8 ±0.7
Pós IS 3,5 ±0.6 3,4 ±0.5
Período evolutivo-1 ano * 2,0 ±1.0 3,0 ±0.9
Diâmetro luminal mínimo do óstio da CX (mm)
Pré IS 3,1 ±0.9 3,0 ±0.8
Pós IS 2,7 ±0.9 2,8 ±0.8
Período evolutivo-1 ano * 2,2 ±0.7 3,1 ±0.9
Reestenose* 39% 7,8%

* p<0,05


033

EXISTEM DIFERENÇAS ENTRE OS STENTS LIBERADORES DE SIROLIMUS VERSUS PACLITAXEL EM LESÕES CORONÁRIAS COMPLEXAS? SEGUIMENTO CLÍNICO TARDIO AOS 2 ANOS PÓS IMPLANTE

FONSECA A. 1, SANCHEZ A. 1, FERES F. 1, ABIZAID A. 1, SEIXAS A. 1, MATTOS L.A. 1, ABIZAID A.S. 1, STAICO R. 1, SOUSA A. 1, SOUSA J.E. 1

1) INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA, SÃO PAULO, BRASIL

Fundamentos:Os stents liberadores de medicamentos, com Sirolimus (SLS) e com Paclitaxel (SLP) já demonstraram eficácia na redução da reestenose e na revascularização da lesão alvo (RLA), quando comparados aos stents convencionais. Entretanto, desconhecemos os resultados tardios entre estes dois stents nas lesões complexas. O objetivo deste estudo foi avaliar esta questão em um subgrupo randomizado do estudo REALITY. Métodos: 52 pacientes (pt) com 72 lesões complexas em coronárias nativas foram randomizados para implante de SLS ou SLP; 25 pt(36 vasos) foram tratados com SLS e 27 pt (36 vasos) com SLP. A Angiografia Coronária Quantitativa e o Ultra-som Intracoronário Tridimensional foram realizados no momento do implante e 8 meses após. O seguimento clínico foi de 2 anos, através de consultas ambulatoriais. Resultados: A idade média foi 60±10 anos, 29% eram diabéticos, sem diferenças significativas entre os grupos quanto às características clínicas. A média stent /lesão foi 1,5 e 83% das lesões eram B2/C. A perda tardia intra-stent foi 0,24±0,21 versus 0,41±0,30 (p=0,006) e a razão hiperplasia neointimal (HNI) / mm de stent foi 0,38±0,32 versus 0,96±0,88 (p=o,006), para os SLS versus SLP respectivamente. *Trombose Tardia -10 meses (Angioplastia Primária ).Conclusão: Nesta subanálise do REALITY, nos SLP em relação aos SLS observamos uma maior perda tardia intra-stent e um maior grau de HNI aos 8 meses, no entanto não observamos diferenças significativas nos eventos maiores aos 2 anos de seguimento

8 meses SLS SLP P
RLA 1/36(2,8%) 2/36(5,6%) 0,9
Morte Cardíaca 0/25 0/27 1,0
12 meses SLS SLP P
RLA 2/36(5,6%) 3/36(8,4%)* 0,9
Morte Cardíaca 0/25 0/27 1,0
24 meses SLS SLP P
RLA 2/36(5,6%) 3/36(8,4%) 0,9
Morte Cardíaca 0/25 2/27(7,4%) 0,9


034

SUPERIORIDADE DOS STENTS ELUIDORES DE SIROLIMUS SOBRE A COMBINAÇÃO DE STENTS CONVENCIONAIS E SIROLIMUS ORAL NO SEGUIMENTO TARDIO DE PACIENTES COM ALTO RISCO DE REESTENOSE.

J. AIRTON ARRUDA1, BRUNO MOULIN MACHADO1, ALAOR QUEIROZ DE ARAUFO FILHO3, ALFREDO NUNES F. FILHO1, ANA PAULA C. NORBIM1, LUCILÉIA ELER1, FELIPE MOYSES2, MARCELINA ORNELAS1, THIAGO PASSAMANI 1, PATRÍCIA ABAURRE M MACHADO1, JORGE FRANÇA2, JOSÉ AID2

1) INTERCATH MERIDIONAL, VITÓRIA-ES, BRASIL 2) CIAS, VITÓRIA-ES, BRASIL 3) HUCAM-UFES, VITÓRIA-ES, BRASIL

Fundamento: Os stents eluidores de sirolimus têm se associado à dramática redução nos índices de reestenose coronária e de eventos tardios. Entretanto, o elevado custo e necessidade de uso de clopidogrel por longo prazo, ainda motivam pesquisas da aplicabilidade de fármacos orais contra a reestenose. Objetivo: Comparar a sobrevida livre de eventos cardíacos adversos maiores (ECAM), definidas como reestenose clínica, IAM, óbito, em 12 meses relacionados aos stents eluidores de sirolimus (SES) comparados aos stents convencionais associados ao sirolimus oral (Siros-Oral) em pacientes com alto risco para reestenose. Métodos e resultados: Os pacientes (pt) foram incluídos no estudo entre o período de julho/2002 a abril/ 2005. Cada um deles foi seguido por 12 meses. A curva de sobrevida sem ECAM foi obtida pelo método de Kaplan-Meier. Foram incluídos apenas pt e /ou lesões com alto risco de reestenose coronária (pt diabéticos, stents longos, vasos < 3 mm, stents múltiplos, bifurcação e reestenose intra-stent). Foram realizadas 55 ICP envolvendo 65 stents no grupo SES (1,4 stent/pt) e 11 (22 stents) no grupo Siros- Oral (2,0 stent/pt). O sirolimus foi administrado por 30 dias, sem monitoração dos níveis séricos. Três pt necessitaram redução da dose em decorrência de efeitos colaterais. Conclusões: O SES se associa a maior sobrevida livre de eventos e menor reestenose clínica comparado aos Siros-Oral no seguimento de um ano. O pequeno número de pt no grupo Siros-Oral é um fator limitante na extrapolação dos dados desse estudo.

SES Siros-Oral p
n 44 11
Idade (a) 64 ± 11 61 ± 13 0,4
DM (%) 39 54 0,5
Lesão reestenótica (%) 45 41 0,9
Comprimento stents (%) 27,6 ± 6 22 ± 9 0,03
Vaso < 3 mm e bifurcação (%) 39 26 0,6
Sobrevida sem ECAM (%) 100 82 0,03
Reestenose clínica (%) 0 18 0,02


035

NOVOS STENTS LIBERADORES DE DERIVADOS DA RAPAMICINA EM DIABÉTICOS: INIBIÇÃO DE HIPERPLASIA INTIMAL AO ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO

Dimytri A. Siqueira1, Leandro Lasave1, Alexandre A. Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Alberto Mattos1, Rodolfo Staico1, Luiz F. Tanajura1, Ibraim M . Pinto1, Marinella P. Centemero1, Áurea J. Chaves1, Amanda G.M.R. Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Fundamentos: Pacientes ( pts ) diabéticos ( DM ) estão mais propensos à ocorrência de reestenose mesmo se tratados com stents liberadores de sirolimus - fármaco efetivo na inibição de hiperplasia neointimal ( HI ). Recentemente, stents liberadores de outras drogas derivadas da rapamicina ( biolimus e zotarolimus ) têm sido utilizados, porém sua eficácia na redução de HI em pacientes diabéticos ainda permanece indeterminada. Objetivo: Comparar a eficácia de stents liberadores de drogas derivadas da rapamicina na redução de HI em diabéticos comparados a não-diabéticos ( NDM ) por meio de análise com ultra-som intracoronário ( USIC). Métodos: 106 pts consecutivamente submetidos ao implante de stents liberadores de sirolimus ( 39 pts ), zotarolimus ( 37 pts ) e biolimus ( 30 pts ) em lesões coronárias de novo foram divididos em 2 grupos, de acordo com a presença ou não de DM. Angiografia coronária quantitativa ( ACQ ) e ultra-som intracoronário ( USIC ) foram realizados após o implante e aos 4-6 meses de seguimento. Perda tardia à ACQ e volume de HI e % de obstrução intra-stent ao USIC foram obtidos para determinação da magnitude de hiperplasia intimal. Resultados: A idade média foi de 62,6 ± 12,8 anos sendo 71 % homens . Não observamos diferenças clínicas e angiográficas entre os grupos, bem como na taxa de eventos cardíacos adversos no seguimento. Os resultados estão na tabela abaixo. Conclusões: Neste estudo piloto com pacientes selecionados, stents eluídos com derivados da rapamicina equalizaram os resultados angiográficos e ultrassonográficos entre pacientes diabéticos e nãodiabéticos.

DM ( 37 p ) NDM ( 69 p ) p
Perda tardia (ACQ) 0,22 ± 0,20 0,20 ± 0,32 0,73
Volume HI USIC (mm3) 5,51 ± 5,14 4, 11 ± 4,38 0,14 %
Obst intra-stent (USIC) 4,78 ± 3,59 3,66 ± 4,18 0,17


036

PERCUTANEOUS TRANSLUMINAL ANGIOPLASTY WITH DIRECT STENT PLACEMENT IN LOWER EXTREMITY ISCHEMIA.

Fabio Yamada 2, Thiago Mattiazo2, Paulo Petterle2, Weverton Terci2, Maria Lucia Iwasaki2, Renato Manzioni2, Edgar Rabboni2, Alexandre Petnys2, João G. Diniz Jr.1

1) Hospital Bandeirantes, São Paulo, Brasil 2) Hospital Servidor Publico Municipal, São Paulo, Brasil

Objective: The purpose of this study was to estimate effective of the percutaneous transluminal angioplasty with direct stent placement in lower extremity ischemia. Methods : From July 2004 to September 2005, 49 limbs in 45 patients with critical limb ischemia ( pain at rest in 15 [ 30.6% ] and ulcer/gangrene in 36 [ 69.4% ]) were treated with endovascular intervention with direct stent placement. The following variables were analyzed was clinical signs (pain at rest reduction and ischemic ulcer improvement). Patency was evaluated using ultrasound. Results: A total of 49 limbs were treated in 45 consecutive patients with critical limb ischemia, 46.9% involving iliac segment, 40.8% femoropopliteal , 8.1% tibial arteries and 4.1% reversed saphenous vein bypass. Mean follow-up was 6.4 months (3 to 14 months). Technical success was achieved in 95.91%. Clinical success was obtained in 91.11% (pain at rest only) and 82.35% (ischemic ulcer). There was 0% mortality (intraoperative) and 1% incidence mortality for myocardial ischemia in 3 months postoperative. In each subgroup, the primary patency, continued clinical improvement and limb salvage rates at six months were 95%, 95% and 100% in iliac group, 84.2%, 89.4% and 94.7% in femoropopliteal group and 66.6%, 66.6% and 100% in tibial group. Conclusion: The percutaneous transluminal angioplasty with direct stent placement can be the primary choice for the treatment of critical limb ischemia due to iliac and infrainguinal arterial occlusive disease.

PRIMARY PATENCY CLINICAL LIMB SALVAGE
ILIAC GROUP 92.4% 95.2% 100%
FOMOROPOPLITEAL GROUP 84.2% 84.4% 94.7%
TIBIAL GROUP 66.6% 66.6% 100%


037

FREQÜÊNCIA DE DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA EM PACIENTES PORTADORES DE ESTENOSE DE ARTÉRIA RENAL. A ANGIOGRAFIA CORONÁRIA ESTÁ SEMPRE INDICADA?

Fábio Cardoso de Carvalho1, Vanessa dos Santos Silva1, André Labrunie1, Roberto Jorge da Silva Franco1, Luis Cuadrado Martin1, Edson Antonio Bregagnollo1

1) Hospital das Clínicas - Faculdade de Medicina - UNESP, Botucatu, Brasil

INTRODUÇÃO: Em pacientes portadores de estenose de artéria renal (EAR), a doença arterial coronariana (DAC) é importante causa de morte. A correlação entre EAR e DAC tem sido descrita, mas nenhum estudo realizou angiografia coronária (AC) em pacientes com EAR. O perfil dos pacientes com EAR é semelhante ao daqueles com DAC, visto que ambos apresentam os mesmos fatores de risco para o desenvolvimento da aterosclerose. O objetivo desse estudo é avaliar a freqüência de DAC em pacientes com EAR angiográfica, sem evidências clínicas e laboratoriais de DAC, referidos à arteriografia renal diagnóstica, com a realização de AC no mesmo procedimento.MATERIAL E MÉTODOS: Cinqüenta e sete pacientes consecutivos foram avaliados prospectivamente por angiografia renal. Desses, 33 foram excluídos do protocolo, por serem sabidamente portadores de DAC ou não apresentarem EAR. Vinte e quatro pacientes com EAR angiográfica, sem investigação prévia para DAC, foram submetidos à AC imediatamente após a realização da arteriografia renal. Foi utilizado contraste não-iônico, de baixa osmolaridade, com volume total não-superior a 140mL para os dois exames, para minimizar a injúria renal. A presença e a quantificação do grau de doença coronária à AC foi avaliada por cardiologista intervencionista experiente, sem informação sobre o protocolo em estudo. RESULTADOS: Dos 24 pacientes, 18 com EAR tinham DAC (75% - IC 50-90%). Sete pacientes tinham DAC multiarterial (39%), 4 eram biarteriais (22%) e 7 uniarteriais (39%). A idade média foi de 64 ± 10 anos, 8 eram mulheres (33%) e 23 eram brancos (96%). Entre os 12 pacientes com EAR que apresentavam insuficiência cardíaca, 10 (83%) tinham DAC concomitante. Tabagismo foi referido por 13 pacientes (54%) e 8 tinham DAC (61,5%). Quatro pacientes tinham diabetes, todos com DAC. Dislipidemia foi observada em 15 pacientes (62,5%), 12 com DAC (80%). Acidente vascular encefálico (AVE) prévio foi referido por 9 pacientes (37,5%), 8 com DAC (89%) e 15 pacientes tinham doença vascular periférica (DVP), 12 com DAC (67%). Dos 7 pacientes com AVE prévio e DVP (30%), 6 tinham DAC (86%) (TABELA). Não houve complicações nos pacientes estudados. CONCLUSÃO: Entre pacientes com EAR, a freqüência de DAC foi elevada e nenhum preditor clínico isoladamente teve poder suficiente para selecionar pacientes com DAC. Logo, a angiografia coronária pode ser realizada como rotina no momento da arteriografia renal em pacientes portadores de estenose de artéria renal.

Todos pacientes DAC presente DAC ausente Valor do p
(n=24) (n=18) (n=6) (DAC+vs.DAC-)
Idade (anos) 64 ± 10 65 ± 10 60 ± 9 0,27 (NS)
Sexo masculino 16 (67%) 12 (67%) 4 (67%) 1,00 (NS)
Brancos 23 (96%) 17 (94%) 6 (100%) 1,00 (NS)
Diabetes mellitus 4 (17%) 4 (22%) 0 (0%) 0,54 (NS)
Tabagismo 13 (54%) 8 (44%) 5 (83%) 0,17 (NS)
Dislipidemia 15 (62%) 12 (67%) 3 (50%) 0,63 (NS)
AVE prévio 9 (37%) 8 (44%) 1 (17%) 0,35 (NS)
DVP 15 (62%) 12 (67%) 3 (50%) 0,63 (NS)
DVP e AVE 7 (30%) 6 (33%) 1 (17%) 0,63 (NS)
Insuficiência 12 (50%) 10 (55%) 2 (33%) 0,40 (NS)
Cardíaca


038

RESULTADOS DE ANGIOPLASTIA CAROTÍDEA PERCUTÂNEA. ANÁLISE HOSPITALAR E SEGUIMENTO CLÍNICO DE 1 ANO.

Andrés G. Sánchez 1, Antonio M. Kambara1, Manuel N. Cano1, Samuel M. Martins1, Armando Montoya1, Marcos Franchetti1, Paulo M. Nunes1, Fausto Feres1, Amanda Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo, Brasil

Fundamentos: O acidente cérebro-vascular (ACV) é a principal causa de incapacidade (física e/ou mental) e a terceira de mortalidade, sendo esta causada em até 40% dos casos por doença carotídea aterosclerótica. Múltiplos estudos têm demonstrado resultados similares entre a angioplastia versus cirurgia em artérias carótidas. O objetivo desta análise foi avaliar os resultados da angioplastia carotídea, com resultados hospitalares e ao ano de seguimento. Métodos: Entre outubro de 2003 e dezembro de 2004, foram realizadas em forma consecutiva 104 intervenções percutáneas carotídeas. Realizamos seguimento clínico em todos os pacientes (hospitalar e ao ano) avaliando a incidência de acidente isquêmico transitório (AIT), ACV (maior e menor), reintervenções, infarto de miocárdio e óbito. Resultados: A idade média foi 70±10 anos, 35% eram diabéticos, 7% tinham endarterectomia homolateral prévia e 32% dos pacientes eram assintomáticos. Foi utilizado em 86% dos casos stent Precise e em 11% Wallstent (1 stent/paciente). Em 99,04% dos casos foi utilizado sistema de proteção cerebral (69% Angioguard, 30% FilterWire e 2% Moma), não sendo usado em 1 caso (0,96%) por excessiva tortuosidade distal. Em 94% dos casos foi realizada pós-dilatação com balão. Houve sucesso do procedimento em 100% dos casos. Conclusão: A angioplastia carotídea com implante de stent e sistemas de proteção distal, mostrou-se como uma técnica segura e eficaz no tratamento da doença aterosclerótica carotídea, com baixa taxa de complicações hospitalares e no seguimento de 1 ano.

Eventos adversos Hospitalar 6 meses 1 ano
AIT 0 0 1 (0,96%)
ACV maior 2 (1,92%) 2 (1,92%) 2 (1,92%)
ACV menor 2 (1,92%) 2 (1,92%) 3 (2,88%)
IAM Q/não Q 0 1 (0,96%) 3 (2,88%)
Reintervenção homolateral 0 1 (0,96%) 3 (2,88%)
Morte 1 (0,96%) 1 (0,96%) 1 (0,96%)


039

ANGIOPLASTIA CAROTÍDEA EN OCTOGENÁRIOS. EVOLUCIÓN HOSPITALARIA Y SEGUIMIENTO

Carlos M. Fava1, Gustavo A. Lev1, Leon R. Valdivieso1, Ricardo A. Costantini1, Ana P. Mollon1, Juan Scaglia1, Oscar A. Mendiz1

1) ICyCC Fundación Favaloro, Capital Fedreal, Argentina

Objetivo: comparar el resultado hospitalario y en el seguimiento de los pacientes (Ptes.) octogenarios y no octogenarios que se les realizó angioplastia carotídea (ATPC). Material y Métodos: desde Octubre de 1995 hasta Marzo del 2006 se realizaron 430 procedimientos de ATPC, de los cuales el 9.1% (39 procedimientos) se realizaron en Ptes. octogenarios. Se definió Éxito Angiográfico (EA): lesión residual <30% luego del implante del stent y Éxito Clínico (EC): EA en ausencia de complicaciones mayores (ACV>, muerte, IAM o cirugía de urgencia). Población: edad 82.4±2.3 vs. 66.9±8.2, sexo masculino 76.8% vs. 70.7%, HTA 76.8% vs. 84.5%, DBT 17.9% vs. 23.7% (0.03), DLP 43.5 vs. 65% (0.07), IAM previo 10.2 vs. 14.5%, CRM previa 12.8% vs. 17%, CRM en el mismo día de la ATPC 10.2 vs. 14.7%ACV previo 15.4% vs. 14.7%, TIA previo 20.5% vs. 17.2%. Resultado: se utilizó sistema de protección cerebral 82% vs. 74.7%, EA 100% vs. 99.25%, EC 97.5% vs. 95.5%, ACV> 0% vs. 1.25%, ACV< 0 vs. 2.2%, TIA 7.7 vs. 2.7% (ns), muerte no relacionada a la ATPC (MNR) 2.5% vs. 0.5%. El seguimiento se obtuvo en el 100% (38 Ptes.) de los octogenarios a 19.8±13 (6-66) meses y en el 94% (363 Ptes.) de los no octogenarios a 19.6±17 (1-112) meses, ACV 2.6% vs. 4.1%, MNR 7.8% vs. 4.1%, muerte relacionada 2.6% vs. 1.6%. Se obtuvo eco-Doppler en el 59% vs. 71% reestenosis 2.6% vs. 2.2%. Conclusión: en esta serie la ATPC en pacientes octogenarios mostró similares resultados hospitalarios y en el seguimiento que los no octogenarios.


040

QUE CAMBIÓ EN LA CARDIOMIOPATIA HIPERTRÓFICA OBSTRUCTIVA REFRACTÁRIA AL TRATAMIENTO CLÍNICO CON LA INTRODUCCIÓN DE LA ABLACIÓN SEPTAL POR ALCOHOL?

Silvia Judith Fortunato Cano2, Manuel Nicolás Cano1, Adriana C Moreira2, Ricardo Pavanello2, Jairo Alves Pinheiro Jr2, Mercedes Maldonado Andrade2, Vera Márcia Lopes Gimenes2, José Eduardo Moraes Rego Sousa1, Amanda Guerra De Moraes Rego Sousa1, Adib D. Jatene1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, San Pablo, Brasil 2) ospital do Coração – Associação do Sanatório Sírio, San Pablo, Brasil

INTRODUCCIÓN: La Cardiomiopatia Hipertrófica Obstructiva (CMHO) sintomática y refractaria al tratamiento clínico encontró en la cirugía de miectomía/miomectomía, durante 40 años, prácticamente la única opción terapéutica. La introducción de la Ablación Septal por Alcohol (ASA) de la primera gran rama septal de la arteria descendente anterior a partir de 1995, trajo una nueva alternativa terapéutica. OBJETIVOS: Evaluar la evolución de ASA en 30 pacientes (p) con CMHO en Clase Funcional (CF) III-IV. Los puntos a ser analizados fueron: eletrocardiográficos, ecocardiográficos con doppler, CF y mortalidad en un seguimiento a largo plazo. MATERIAL Y METODO: En el período de octubre de 1998 hasta febrero de 2006, fueron incluidos en forma consecutiva 30p tratados con ASA. Todos los pacientes realizaron examen físico, eletrocardiograma (ECG), ecocardiograma y consultas periódicas con un seguimiento promedio de 88 meses. RESULTADOS: La edad media fue 53 (de 8 a 79) años, siendo 17 de sexo masculino. Siendo que, 28p (93,3%) tenían insuficiencia cardiaca refractaria; 7p (23,3 %) coronariopatia, 1p con síncope y 1p con bloqueo AV completo. Hubo éxito del procedimiento en 28p (93,3%). Obtuvimos disminución significativa del gradiente en el tracto de salida del ventrículo izquierdo (TSVI) de 87 para 18 mmHg (disminución de 79%); mejora de CF de III (9p) e IV (21p), para I (19p), II (8p) e III (1p). En el ECG hubo BCRD en 24p (80%), y BCRI en 2p (6,6%); BAV transitorio en 5p (16,6%) y definitivo en 1p(3,3%). En el seguimiento tuvimos 1 muerte hospitalaria y 2 recidivas do gradiente tratadas respectivamente con cirugía y nueva ASA. Los resultados ecocardiográficos se muestran en la tabla abajo. CONCLUSIÓN: En los pacientes con CMHO tratados con éxito con ASA, hubo pocas complicaciones, baja mortalidad, disminución del gradiente en TSVI, y mejoría persistente y progresiva de la clase funcional; tornando este procedimiento percutáneo una atractiva opción terapéutica.

VARIABLES PRE-ASA PÓST-ASA PÓST-TARDIO p
Diam.Diastólico VI, mm 45±6 46±5 47±6 NS
Aurícula Izquierda, mm 43±8 42±7 41±7 NS
Fracción de ejección, % 71±9 70±8 69±5 NS
Gradiente enTSVI, mmHg 95±34 31±25 17±15 < 0,001
Septum, mm 23±5 18±6 14±3 < 0,001
Pared posterior, mm 14±3 12±2 11±3 < 0,002
Masa, gr 466±120 333±101 282±77 <0,001


041

PREFERENCIA DE MÉDICOS Y PACIENTES EN EL MANEJO DE LA ARTERIA RESPONSABLE TARDÍAMENTE DESPUÉS DE UN INFARTO MIOCÁRDICO. OBSERVACIONES DEL REGISTRO DE LA ARTERIA OCLUIDA (OAT)

Pedro E Ureña 1, Elsie M Minaya1, Ingrid E Valdez1, Margarita Pérez1, Gregory Suero1, Michelle K Escala1, Lil E Peláez1, Yahaira López1, Gervasio Lamas 2, Judith Hochman 3

1) CEDIMAT, Santo Domingo, Dominican Republic 2) Mount Sinai Medical Center, Miami, USA 3) New York University, New York, USA

Introducción: OAT es un estudio internacional randomizado de Intervención Coronaria Percutánea (ICP) de la arteria responsable del infarto (ARI) en pacientes asintomáticos después de un infarto de miocardio (IM). En el registro de un preestudio en 1997 reportamos que 53% de los pacientes con un IM reciente se sometieron a ICP no-primaria de una ARI ocluida en ausencia de una indicación clínica estandarizada. Nuestra meta es reportar la práctica clínica actual en pacientes elegibles para el estudio pero no randomizados y comparar las preferencias de los médicos y de los pacientes para la revascularización tardía en un registro prospectivo conducido concomitantemente con OAT. Métodos: Los criterios de inclusión para el OAT incluyen 1) IM de 3 a 28 días previos; 2) ausencia de síntomas recurrentes o isquemia; 3) ARI con flujo anterogrado TIMI 0-1 y FE (fracción de eyección) <50%; o si FE>50%, una oclusión proximal de una arteria principal. Los pacientes son randomizados a ICP y tratamiento médico o a tratamiento médico solamente. Los pacientes elegibles pero no randomizados son incluidos en el registro. Resultados: Al 31 de diciembre del 2005, 2166 pacientes fueron randomizados y otros 330 fueron registrados (76 centros,26 países). Los pacientes randomizados y registrados tenían una edad promedio similar (59 vs 58 años) así como la proporción de mujeres (22% vs 23%) y el % de casos con arteria descendente anterior (DA) como ARI (36% vs 33%). La negación por parte del paciente fue la razón para la no-randomización en 74% de los casos, por parte del médico en un 16% y otras en 10% de los casos. Los grupos eran similares en edad, sexo, ARI, y terapia temprana. 42% de los pacientes registrados tuvieron una ICP electiva; (31% de los pacientes que se negaron a participar y 86% en los que el médico tratante se negó a participar para un valor p<0.001). Conclusiones: Los pacientes randomizados y los elegibles no participantes tienen características clínicas y % de DA como arteria culpable similares. En pacientes con una ARI ocluida tardíamente después de un IM la tasa de selección para ICP no ha cambiado desde el 1997. Los pacientes elegibles para OAT que se niegan a ser randomizados generalmente no se someten a ICP, lo cual puede reflejar su aprehensión en cuanto al abordaje invasivo en la ausencia de beneficio probado. Por el contrario los médicos que se niegan a la participación de sus pacientes exhiben una fuerte inclinación prointervencionista.


042

QUAIS OS PREDITORES DE REESTENOSE DOS STENTS FARMACOLÓGICOS NO MUNDO REAL?

Marcello Augustus de Sena1, Angelo Leone Tedeschi1, Rodrigo Trajano Sandoval Peixoto1, Bernardo Kremer Diniz Gonçalves1

1) Hospital Procordis, Niterói - RJ, Brasil

Fundamento: O uso de stents farmacológicos (SF) reduziu significativamente a reestenose em comparação aos stents convencionais (SC). apesar da importante redução da reestenose, no “mundo real” ainda é um problema o que torna importante identificar os fatores relacionados ao seu surgimento. Métodos: Estudo não-randomizado, consecutivo e prospectivo de pacientes com reestenose intra-stent (RIS) desde Junho/2002 até Dezembro/2005, período do início da utilização dos SF. Resultados: Selecionados 210 pacientes com RIS, sendo 191 (91,0%) SC e 19 (9,0%) SF. Conclusões: Fatores preditores de RIS nos SF em relação aos RIS nos SC foram sexo feminino, HA e DM, sendo a combinação de HA e DM a mais significativa.

RIS-SC RIS-SF p
Idade(anos) 63.3+-9.9 66.3+-9.2 0.24
Sexo Feminino 62(32.4%) 11(57.8%) 0.04
Hipertensão Arterial(HA) 151(79%) 19(100%) 0.02
Diabetes (DM) 50(26.2%) 12(63.1%) 0.002
Dislipidemia 124(65.2%) 16(84.2%) 0.09
Tabagismo 63(32.9%) 3(15.7%) 0.12
HA+DM 45(23.6%) 12(63.2%) 0.0002
Lesão Longa 91(47.6%) 7(36.8%) 0.51


043

EVOLUÇÃO APÓS 3 ANOS DO IMPLANTE DE UM STENT COBERTO COM POLÍMERO PRESERVADOR DO ÓXIDO NÍTRICO EM LESÕES CORONARIANAS DE NOVO: ANALISE CLÍNICA, ANGIOGRÁFICA, E VOLUMÉTRICA DO STENT DO ESTUDO NOBLESSE

Costantini, C R1, Londero H F2, De Scheeder I1, Tarbine S1, Costantini C O1, Cabrera M J2, Darwich R Z1, Freitas M1, Maranhão M1, Yared A1, Ximenes H1, Dombeck E1

1) Fundaçaõ Francisco Costantini, Curitiba, Pr, Brasil 2) Sanatorio Allende, Córdoba, Córdoba, Argentina

Objetivo: analisar segurança e eficácia do stent (ST) Genic coberto com polímero biodegradável preservador do óxido nítrico na prevenção da restenose no tratamento de lesões coronarianas de novo. Metodo: estudo internacional, multicêntrico, prospectivo e n/randomizado, incluindo 45 pacientes(pts) com indicação para angioplastia. Realizou-se seguimento clínico a 1,4,12,24 e 36 meses(M) após o implante do ST. O end point primário foi a perda tardia no segmento tratado, analisado com angiografia quantitativa a 4 M. O protocolo original foi modificado para incluir análise angiográfica e ultrasonográfica intravascular a 12 M. Resultados: A idade média foi de 61,3 anos; 64,4% eram homens. 41% das lesões eram do tipo B1. O diâmetro de referência foi 3,0+/-0,2 mm, diâmetro luminal menor (DLM)1,07+/-0,34mm, e o %DS foi 64%. O DLM apos o implante do ST foi 2,76+/ -0,24mm, sendo o ganho agudo de 1,69+/-0,43mm. Não houve eventos adversos a 30 dias. A 4 M a revascularização da lesão tratada foi de 6%. A 12 M houve 1 morte n/cardíaca, com 94% dos pts livre de eventos. Seguimento angiográfico foi obtido em 98% dos pts a 4 M e 76% a 12 M, não havendo-se observado diferenças(P=NS) na angiografia quantitativa entre as 2 analises(DLM=2,09+/-0,53 vs 2,25+/-0,38mm, %DS=30%vs25%, perda tardia 0,69+/-0,52 vs 0,53+/-0,08, restenose binária =9,5%vs9,5%). O volume de hiperplasia intimal a 12 M no segmento com ST foi 25,9+/-13,2mm³, e o % de obstrução do volume do ST de 21.8+/-11,8. Seguimento clínico foi obtido em 97.3% dos pts a 24 e 36 M, monstrando ausência de eventos . Conclusão: A ausência de eventos a 30 dias, 12, 24 e 36 M sugere que este sistema ST-polímero é seguro. A perda tardia de 0.69mm e a restenose binária de 9.5% também sugerem ausência de efeitos deletérios tardios entre polímero e arteria, conforme a analise volumétrica com ultra-som intravascular. Este polímero poderia ser um portador ideal para elução de drogas desde um ST.


044

RESULTADOS CLÍNICOS TARDIOS (5 ANOS) DE PACIENTES SUBMETIDOS A IMPLANTE DE STENTS COM ELUIÇÃO DE SIROLIMUS: SUB-ANÁLISE DO ESTUDO RAVEL

Daniel Chamié1, Julio P Maia1, Leandro Lasave1, Andréa S Abizaid1, Alexandre Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Alberto P Mattos1, Rodolfo Staico1, Ibraim Pinto1, Amanda GMR Sousa1, J Eduardo Sousa1 1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo , Brasil

FUNDAMENTOS: O estudo RAVEL foi o primeiro ensaio randomizado, duplo-cego, controlado, a mostrar que o uso dos stents com eluição de sirolimus (SES) praticamente aboliu a reestenose aos 6 meses de evolução em pacientes com lesões em coronárias nativas, com taxas muito baixas de revascularização da lesão alvo (RLA) e eventos cardíacos maiores (MACE) em 1 ano. Recentemente foram publicados os resultados de 3 anos de acompanhamento clínico do estudo RAVEL, demonstrando manutenção do benefício clínico neste período. OBJETIVOS: Avaliar a eficácia e segurança dos SES em um período de cinco anos. METODOLOGIA: Foram avaliados 47 p tratados em nossa Instituição (20% dos pacientes incluídos no estudo RAVEL) randomizados para intervenção coronária percutânea (ICP) com SES ou stents convencionais (SC) em lesões de novo de artérias coronárias nativas. Foram avaliadas a incidência de RLA e a taxa de MACE (RLA, IAM e morte de origem cardíaca) ao final de 5 anos. RESULTADOS: A média de idade foi de 59,06 ± 9,51 anos, sendo 74% do sexo masculino e 30% de diabéticos. As características clínicas e angiográficas basais não diferiram nos 2 grupos. No grupo SES houve apenas 1 IAM, decorrente de trombose tardia (40 meses), tratado com implante de novo stent em overlapping. O grupo SES teve 2 óbitos de origem cardíaca: um aos 3 anos de seguimento por dispnéia e arritmia cardíaca, e outro por morte súbita aos 4 anos. Houve, ainda, necessidade de RLA em 2 pacientes do grupo SES; um paciente que apresentou reestenose na borda distal do stent aos 20 meses de evolução, e o paciente já citado acima, que apresentou trombose tardia. As taxas de MACE, bem como as curvas de sobrevivência livre de eventos, nos dois grupos, ao final de 5 anos, são mostradas na tabela e figura abaixo, respectivamente. CONCLUSÃO: Esta subanálise de um único centro do estudo RAVEL nos permite concluir que a sobrevida livre de eventos ao final de cinco anos é favorável nos dois grupos, sem diferença significativa entre eles.

SES (n=23) SC (n=24) p IC 95%
RLA n (%) 2 (8,6%) 4 (16,6%) 0,52 0.11-2,58
IAM n (%) 1 (4%) 3 (12,5%) 0,60 0,04–3,10
ÓBITOS n (%) 4 (17,3%) 3 (12,5%) 0,70 0,35-5,55
cardíaco 2 (8,6%) 2 (8,3%) 1,00 0,16-6,80
não cardíaco 2 (8,6%) 1 (4,1%) 0,61 0,20-21,5
MACE n (%) 4 (17,3%) 7 (29,1%) 0,59 0,20-1,77




045

RELAÇÃO DA FUNÇÃO ENDOTELIAL E REESTENOSE EM PACIENTES QUE IMPLANTARAM STENT COM SIROLIMUS ORAL

Rósley Weber A. Fernandes1, João Miguel Dantas1, Fábio S. Brito Junior1, Dinaldo C. Oliveira1, Hiran Grando Bezerra2, Marcia V. Rotter2, Maria A. Carvalho1, Valter C. Lima1

1) Hospital São Paulo UNIFESP/EPM, São Paulo - SP, Brasil 2) Hospital do Rim e Hipertensão, São Paulo - SP, Brasil

Objetivos: Com o objetivo de relacionar a função endotelial (FE) e a reestenose realizamos um trabalho testando a FE, através da infusão de acetilcolina intracoronária (AC) e a ultrasonografia intracoronária (USIC). Este protocolo foi realizado em dois momentos: quatro horas após implante de stent (ST) (na vigência de sirolimus oral [SR]) em com oito meses (sem a droga). Métodos: Randomizamos três grupos: O G1 recebeu SR na dose de 15 mg de ataque e 6mg/dia; G2, 6mg de ataque e 2mg/dia e o G3 não recebeu SR. A FE foi estudada, nos 15 mm distais à borda distal do stent, com doses incrementais de acetilcolina intracoronária até dose máxima de 10-4 molar. Todos os pacientes toleraram a infusão de ACH 10-4 .O USIC foi realizado logo após o implante do stent e aos oito meses ao fim da avaliação da FE. Os grupos não diferiram entre si em relação aos dados demográficos, metodologia da estudo bem como fatores de risco. A média de idade 55,5 ± 8,5 anos e 64% de homens. Resultados: Dos 39 pacientes estudados nos três grupos não houve diferenças em relação a função endotelial. A Correlação Linear de Pearson (CLP) para a maior dose de AC, 4 horas após implante de stent, e o volume de hiperplasia intrastent dividido pelo comprimento do stent foi de 0,02 com IC 95% de -0,31 a 0,35. A CLP aos 8 meses desses mesmos parâmetros foi de -0,06 com IC 95% de -0,39 a 0,29. Avaliando a reestenose da lesão alvo (RLA) e a FE 4 horas após ST e aos 8 meses apresenta p=0,331 e p=0,890, respectivamente. Reestenose do vaso alvo (RVA) e FE 4 horas após ST e aos 8 meses p=0.174 e p=0,736, respectivamente. Conclusão: A FE não relacionou-se com o volume de hiperplasia intrastent em nenhum momento. A RLA e a RVA não foi estatisticamente diferente nos pacientes com disfunção endotelial.



Prêmio de Melhor Tema Livre CATEGORIA PÔSTER


046

FEMININO COMO FATOR DE RISCO NA EVOLUÇÃO IMEDIATA E A MÉDIO PRAZO APÓS A INTERVENÇÃO CORONÁRIA PERCUTÂNEA PRIMÁRIA

Rodrigo Trajano Sandoval Peixoto1, Edison C Sandoval Peixoto2, Angelo L Tedeschi1, Marcello A Sena1, Ivana P Borges2, Maurício B F Rachid2

1) Hospital Procordis, Niterói-RJ, Brasil 2) Universidade Federal Fluminense, Niterói- RJ, Brasil

Fundamento: A mortalidade após intervenção percutânea coronária (IPC) é maior no sexo feminino. Discute-se se seria devido a idade maior e mais fatores de risco. O objetivo do presente estudo foi determinar os fatores de risco para óbito e eventos e a influência do sexo na evolução intra-hospitalar e aos 6 meses de pacientes admitidos nas 12 horas iniciais do infarto agudo do miocárdio com supra do ST (IAM), tratados com IPC primária. Métodos: Foi realizado um estudo prospectivo não randomizado e estudados 199 pacientes consecutivos entre 01/07/1998 e 31/ 12/2000, 133 do sexo feminino e 66 do sexo masculino, com IAM e sem choque cardiogênico. Foi avaliada a evolução intra-hospitalar, utilizando-se a regressão logística múltipla e a evolução aos 6 meses, utilizando-se análise uni e multivariada de Cox. Foi feita a correção para idade em 2 modelos separados para idade (idosos e octogenários). Eventos maiores foram definidos como: óbito, nova ICP, cirurgia de revascularização e IAM e eventos como eventos maiores ou angina. Resultados: As características clínicas eram semelhantes entre os grupos, exceto que o sexo feminino era mais idoso que o sexo masculino, 67,04±11,53 e 59,70±10,88 anos (p<0,0001). O uso dos stents (66,7% e 78,2%, p=0,0794), dos inibidores da glicoproteína IIb/IIIa (65,2% e 61,7%, p=0,6307) e o sucesso do procedimento (87,9% e 91,7%, p=0,3841) foram semelhantes em ambos os sexos. A mortalidade intra-hospitalar foi maior no sexo feminino (9,1% versus 1,5%, p=0,0171), assim como a incidência de eventos maiores (12,1% versus 3,0%, p=0,0026). Na regressão logística múltipla o sexo feminino predisse óbito na evolução intra-hospitalar. A diferença de mortalidade persistia em 6 meses (12,1% versus 1,5%, p=0,0026). Na análise multivariada predisseram óbito: sexo feminino (no 1º modelo, p=0,008, HR=8,208 e no 2º modelo, p=0,010, HR=7,680; usar 2 modelos foi para a correção sexo e idade) e octogenários e pridisseram eventos maiores e eventos: doença multiarterial e disfunção ventricular grave. Conclusões: O sexo feminino foi fator de risco independente para predizer mortalidade aos 6 meses após a IPC primária, assim como ser octogenário.


047

AVALIAÇÃO DA HIPERPLASIA NEOINTIMAL APÓS IMPLANTE DE STENTS ELUIDORES DE SIROLIMUS LONGOS (>20MM) VERSUS CURTOS (<20MM): ANÁLISE VOLUMÉTRICA AOS 6 MESES COM ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO TRIDIMENSIONAL

Eduardo Missel1, Alexandre Abizaid1, Luis A. Mattos1, Fausto Feres1, Rodolfo Staico1, Andres Sanchez1, Aurea Chaves1, Andrea Abizaid1, Amanda G.M.R. Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo, Brazil

Fundamentos: Estudos randomizados demonstraram que o stent eluidor de sirolimus (SES) é altamente efetivo na supressão da proliferação neointimal em diversas situações clínicas e anatômicas. Entretanto, ainda não existem dados de análise volumétrica pelo ultra-som intracoronário tridimensional (USIC 3D) comparando segmentos cobertos por stents longos (>20mm) versus stents curtos (<20mm). Métodos: Sessenta e dois pacientes consecutivos foram submetidos ao implante de SES sendo divididos em 2 grupos de acordo com a extensão dos stents implantados: >20mm (n=32) e <20mm (n=30). A média de idade foi de 59,7± anos, sendo 72,1% homens e 32% diabéticos, sem diferenças demográficas significativas entre os grupos. Houve uma maior prevalência de lesões complexas (B2/C) no grupo dos stents longos (84 vs. 16,7%, p<0,0001). Aos 6 meses de seguimento angiográfico e pelo USIC 3D, o grupo dos stents longos apresentou maior perda tardia (mm), índex de volume neointimal (IVN, mm3/mm) e volume de obstrução (VO%) quando comparado aos stents curtos (Tabela). Conclusões: O implante de stents longos (>20mm) implica em uma maior proliferação neointimal aos 6 meses. Entretanto, estudos randomizados com maior amostragem são necessários para definir o impacto destes achados nas taxas de reestenose e desfechos clínicos.

ACQ/ USIC 3D Sirolimus>20mm Sirolimus<20mm Valor p
(n=32) (n=30)
Diâmetro de Referência 2,73±0,37 2,75±0,42 NS
Extensão da Lesão 20,94±9,68 12,86±3,11 <0,0001
Extensão do Stent 33,7±12,00 18,04±0,66 <0,0001
Relação Stent/Lesão 1,6±0,36 1,4±0,41 NS
Perda Tardia - Intra-Stent 0,24±0,21 0,11±0,38 0,04
Reestenose - Intra-Stent 2 (5,6%) 0 NS
Reestenose - Bordas 1 (2,8%) 0 NS
Reestenose - Segmento 3 (8,4%) 0 NS
IVN (mm3/mm) 0,38±0,32 0,18±0,32 0,01
VO (%) 6,2±4,1 3,43±6,07 0,03


048

AORTIC BALLOON DILATATION WITH RAPID PACING TECHNIQUE TO IMPROVE BALLOON STABILIZATION IN ADULTS

Carla R Agatiello1, Helene Eltchaninoff 1, Vasilis Babaliaros1, Christophe Tron1, Alain Cribier1
1) University Hospital Charles Nicolle, Rouen, France

Rapid ventricular pacing (RVP) at a rate 200 beats per minute (BPM) causes a sudden and predictable decrease in cardiac output. Recently, we have employed a strategy of RVP during BAV to prevent balloon motion with inflation. Materials and Methods: We retrospectively reviewed the charts of 36 patients from January 2003 to January 2005 who underwent retrograde BAV with RVP at our institution. We excluded patients who underwent to percutaneous aortic valve implantation, in cardiogenic shock or concomitant coronary angioplasty. A 6-Fr temporary pacing lead from the femoral vein was used to pace the right ventricle. BAV was performed with a 23 mm balloon catheter, and 5000 IU of heparin were given before retrograde catheterization of the aortic valve. Results: During RVP, systemic arterial pressure decreased from 117±19mmHg to 48±9 mmHg. The rate of RVP used was 200BPM (n=10), 220BPM (n=22), and >220BPM (n=4). RVP was maintained for 10.5 ±5.0seconds. Stabilization of the balloon catheter was reached in all cases. After BAV, the mean aortic transvalvular gradient decreased from 40±20mmHg to 18±7mmHg, and the aortic valve area increased from 0.6±0.2 cm2 to 1.3±0.4cm2. Complications included a burst balloon (n=1), embolic stroke (n=1), and atrioventricular block (n=2). No cases of ventricular arrhythmia were seen after RVP. The procedure time was 80±20minutes Conclusion: RVP is a safe method to provide transitory circulatory collapse during which balloon stabilization and effective BAV can be performed.


049

COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS DO EMPREGO DO STENTS FARMACOLÓGICOS NOS VASOS COM CALIBRE MAIOR E MENOR QUE 3MM – ANÁLISE PROSPECTIVA E MULTICÊNTRICA

Clarissa Campo Dall Orto1, Guilherme Alves Lapa1, Adnan Ali Salman1, Augusto Leon1, Maria Fernanda Z. Mauro1, João Batista de Oliveira Neto1, Rafael Madureira Montroni1, Salvador A. B. Cristóvão1, José Armando Mangione1

1) Beneficencia Portuguesa, São Paulo - SP, Brasil

FUNDAMENTOS: O calibre do vaso é um conhecido fator preditor de reestenose coronária com os stents convencionais. Vários estudos randomizados demonstraram a eficácia dos Stents farmacológicos(SF) no tratamento da artérias com diâmetro menor que 3mm. No entanto, na prática clínica diária, são raros os relatos referentes a este grupo de pacientes. OBJETIVOS: Avaliar e comparar os pacientes da prática clínica diária, com lesões em vasos menor que 3 mm, que se submeteram ao implante eletivo de SF, quanto às características clínicas básicas, evolução hospitalar e no seguimento clínico. MÉTODOS: Estudo prospectivo, multicêntrico (03 centros) realizado no período de janeiro de 2002 a janeiro de 2006, envolvendo 410 pacientes. No grupo com diâmetro menor que 3mm (G1) 75 pacientes submeteramse ao implante eletivo de stent farmacológico e no grupo com diâmetro maior que 3mm (G2), 335 pacientes. RESULTADOS: Os grupos foram homogêneos quanto as características clínicas básicas e os resultados hospitalares e no seguimento clínico foram semelhantes entre os grupos, conforme descrito na tabela abaixo. VARIÁVEL G1 n = 75 G2 n = 335 P Idade 64 ± 11,25 63 ± 12.25 1,0 Sexo feminino 27 (36%) 101 (30,1%) 0,564 Diabetes Mellitus 30 (40%) 98 (29,3%) 0,248 EVOLUÇÃO HOSPITALAR Sucesso 74 (98,7%) 332 (99,1%) 0,947 IAM não Q 1 (1,3%) 2 (0,6%) 0,938 SEGUIMENTO CLÍNICO Óbito 1 (1,5%) 4 (1,3%) 0,629 IAM 0 2 (0,7%) 0,803 Revac. Cirúrgica 0 0 — Necess. Revac. Perc 6 (9,0%) 22 (7,3%) 0,871 Óbito,IAM, RM 7 (10,4%) 28 (9,3%) 0,982 CONCLUSÃO: Este estudo não evidenciou diferenças na evolução hospitalar e no seguimento clínico dos pacientes portadores de doença arterial coronária em artérias com diâmetro maior ou menor que 3 mm, com a utilização dos SF comparados aos stents convencionais.


050

ANÁLISE ULTRASSONOGRÁFICA DA RESPOSTA VASCULAR TARDIA DAS BORDAS DOS STENTS LIBERADORES DE DROGAS DERIVADAS DA RAPAMICINA. COMPARAÇÃO ENTRE DIABÉTICOS E NÃO DIABÉTICOS.

Leandro Lasave1, Alexandre Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Mattos1, Rodolfo Staico1, Andréa S Abizaid1, Dimytri Siqueira1, Pedro Beraldo1, Andrés Sanchez1, Amanda Sousa1, J Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Introdução: A resposta vascular dos segmentos adjacentes aos stents liberadores de medicamentos continua sendo objeto de estudo, principalmente nos pacientes diabéticos.

Recentemente o Biolimus e o Zotarolimus demonstraram eficácia semelhante ao Sirolimus na redução da hiperplasia intimal intra-stent. O objetivo deste estudo foi comparar a resposta vascular tardia nas bordas proximais (BP) e distais (BD) entre pacientes diabéticos (DM) e não diabéticos (NDM) tratados com stents liberadores de drogas derivadas da Rapamicina (Sirolimus, Biolimus ou Zotarolimus) avaliado por Ultra-som Intracoronario (USIC). Métodos: Foram analisados 288 bordas (135 BP e 153 BD) em 153 pacientes (Pts) tratados com stents (53% Sirolimus, 26% Zotarolimus e 21% Biolimus) e divididos em dois grupos de acordo com a presença de DM: DM (122 bordas) e NDM (166 bordas). As análises pelo USIC foram realizadas nos 5mm proximal e distal dos stents após o implante e no seguimento tardio (±6 meses). Foram determinados os volumes do vaso (VV), do lúmen (VL), da placa (VP) e a % de obstrução (% Obs). Avaliou-se a variação (?) entre seguimento tardio e implante. Resultados: A idade média foi 58±9 anos, 55% do sexo masculino. Não houve diferenças nas características basais dos grupos. A relação extensão stent/lesão foi semelhante (1,51 vs 1,52) confirmando a cobertura total da lesão. Não houve diferenças nos volumes das bordas e na % de Obs entre DM e NDM. Nas BP e BD os Pts DM não apresentaram variação significativa entre os volumes pós-implante e no seguimento. Entretanto nos Pts NDM observou-se aumento significativo do VV (BP:p=0,02, BD:p=0,001) e do VL (BP:p=0,01, BD:p=0,001). (Tabela) Conclusão: No tratamento com stents liberadores de drogas derivadas da Rapamicina as bordas proximais e distais dos pacientes diabéticos apresentaram comportamento vascular estável, no entanto observou-se remodelamento positivo significativo nas bordas dos pacientes não diabéticos.

DM (n=55) NDM (n=80)
Borda Proximal Vol Vol Vol Vol Vol Vol
(n=135) Vaso Placa Lumen Vaso Placa Lumen
Pós-implante 69,3±25 30,1±13 39,2±18 67,1±22 28,9±15 38,2±16
Seguimento 68,7±25 29,5±15 39,1±18 72,2±25 29,5±14 42,6±21
p 0,7 0,6 0,9 0,02 0,7 0,01

DM (n=66) NDM (n=87)
Borda Distal Vol Vol Vol Vol Vol Vol
(n=153) Vaso Placa Lumen Vaso Placa Lumen
Pós-implante 52,7±27 22,4±16 30,2±15 54,4±22 21,4±13 32,9±13
Seguimento 56,1±27 23,9±15 32,2±16 59,8±22 22,9±11 6,8±15
p 0,06 0,2 0,06 0,001 0,1 0,001


051

ANGIOPLASTIA DE MÚLTIPLES VASOS CON IMPLANTE DE STENTS LIBERADORES DE RAPAMICINA O PACLITAXEL.

Gustavo Lev1, Leon Valdivieso1, Carlos Fava1, Ricardo Costantini1, Ana Mollon1, Juan Scaglia1, Oscar Mendiz1

1) FUNDACION FAVALORO, BUENOS AIRES , ARGENTINA

Objetivo: analizar la evolución intra y extrahospitalarios de los pacientes que se les efectuaron angioplastia coronaria de múltiples vasos con implante únicamente de Stents liberadores de Rapamicina (Cypher) o Paclitaxel (Taxus) (DES). Material y Métodos: Se efectuaron 2732 angioplastias entre agosto de 2002 y febrero de 2006, entre los cuales se les implantaron únicamente Stents liberadores de Rapamicina o Paclitaxel en 410 procedimientos (15%). De este grupo, se analizaron retrospectivamente 209 pacientes (ptes) (8%) con angioplastia coronaria de múltiples vasos e implante únicamente de DES . Se incluyeron pacientes con una edad promedio de 64±11 años, a predominio del sexo masculino 81%, diabéticos 23%. Antecedentes de cirugía de revascularización miocárdica 11% e infarto de miocardio 22%. Refirieron angina crónica estable 37%, angina inestable 44%, isquemia silente 18% y post infarto de miocardio 1%. Las características angiográficas fueron las siguientes: número de vasos enfermos: 2: 68% y 3 32%, número de vasos tratados: 2: 142 ptes y 3: 67 ptes, lesiones en bifurcación 22%, ostiales 14%, calcificación severa 24%, recanalización 11%, reestenosis 17% y tronco de coronaria izquierda no protegido 1%. Se implantaron 2.3 Stents por paciente, con un diámetro promedio de 3±0.4 mm, longitud de 25±8 mm a 16±4 atmósferas. Se efectuó seguimiento extrahospitalario a 187 ptes (90%), en un tiempo promedio de 13±9.6 meses. Resultados: ver tabla Conclusiones: la angioplastia coronaria de múltiples vasos posee una baja incidencia de eventos adversos tanto a nivel intra como extrahospitalario. Se observó una baja tasa de revascularización a más de un año de seguimiento .

Intrahospitalario n=209 ptes %
Exito clinico 207 99
MACE 2 1
Muerte 2 1
Extrahospitalario n=187 (90%) %
Asintomáticos 174 92.5
Angor bajo tratamiento médico 1 0.5
MACE 13 7
Muerte 5 4
Infarto agudo de miocardio 2 1
Reangioplastia 5 3


052

ANÁLISE COMPARATIVA DO SEGMENTO DE OVERLAPPING ENTRE OS STENTS LIBERADORES DE SIROLIMUS VERSUS PACLITAXEL. UM ESTUDO COM ULTRASOM INTRACORONÁRIO TRIDIMENSIONAL.

Ricardo C. Silva1, Andrés G. Sánchez1, Alexandre Abizaid1, Leandro Lasave1, Fausto Feres1, Luiz A. Mattos1, Rodolfo Staico1, Andréa S. Abizaid1, Ibraim M. Pinto1, Marinella Centemero1, Amanda G.M.R. Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Fundamentos: Os stents liberadores de medicamentos (SLM), progressivamente são usados para tratar lesões cada vez mais complexas, e dentro de estas principalmente as lesões longas, portanto usando múltiplos stents, sendo obrigatório deixar entre cada SLM um segmento de overlapping (Ovlp). O objetivo deste estudo foi comparar as mudanças ao nível do vaso no segmento de Ovlp, ao Ultra-som Intracoronário Tridimensional (USIC-3D), entre Stents Liberadores de Sirolimus (SLS) versus Paclitaxel (SLP). Métodos: Em total, 52 pacientes (pt) com lesões de novo complexas, em 72 artérias coronárias nativas foram randomizados para implante de SLS ou SLP; destes tiveram Ovlp, 14 pt (15 vasos e 17 Ovlp) do grupo SLS e 12 pt (13 vasos e 14 Ovlp) do grupo SLP. A Angiografia Coronária Quantitativa (ACQ) e o USIC-3D foram realizados no momento do implante do stent e 8 meses após do procedimento. Resultados: A idade média foi 60±8,5 anos, 30,7% eram diabéticos, não havendo diferenças significativas entre os dois grupos em relação às características clínicas. O diâmetro de referência (mm) foi 2,65±0,44 para os SLS e 2,62±0,44 para os SLP (p=0,85). A média de stent por lesão foi 2,1 e 84,6% das lesões eram tipo B2/C. Conclusão: Nesta sub-análise do REALITY com USIC- 3D, não obtivemos diferenças estatisticamente significativas quando se comparou o volume de hiperplasia neo-intimal/mm de stent no segmento de Overlapping, entre os SLS versus SLP. E o mais importante, não obtivemos diferencias significativas nas mudanças do vaso (remodelamento positivo) aos 8 meses de seguimento ente os dois grupos.

USIC-3D SLS (n=17) SLP (n=14) p
Extensão do stent, mm 44,9±10,2 51,8±10,4 0,07
Extensão do Ovlp., mm 2,83±0,62 2,56±0,48 0,19
Volume do vaso, mm³ 23,9±7,8 19,3±5,6 0,07
Volume da placa, mm³ 12,45±3,79 11,37±3,03 0,39
Volume do stent, mm³ 13,88±5,0 10,65±3,24 0,05
Volume do lumen, mm³ 11,5±4,5 7,84±3,1 0,01
% Obstrução Stent (%) 18,15±8,5 26,73±16,7 0,07
Vol. Intima, mm³/Ext. Ovlp, mm 0,82±0,38 1,04±0,72 0,28
Área Vaso(Ovlp)/AV(fora Ovlp),mm² 0,68 0,57 0,99



Temas Livres APRESENTAÇÃO PÔSTER


053

TRATAMENTO ENDOVASCULAR NO TRAUMA INFRAPOPLÍTEO

Emanuella G de S e Silva1, Roberta Cristina A Campos1, Rodrigo Bruno Biagioni1, Orlando da Costa Barros1, Marcelo Calil Burihan1, Felipe Nasser1, José Carlos Ingrund1, Adnan Neser1

1) Hospital Santa Marcelina, São Paulo - SP, Brasil

Introdução: Injúrias arteriais, incluindo dissecção, oclusão, formação de pseudoaneurismas e fístulas arterio-venosas podem ser resultantes de trauma fechado ou penetrantes. As técnicas endovasculares podem auxiliar no controle vascular, como adjuntas à cirurgia em regiões onde a obtenção do controle proximal e distal é tecnicamente difícil, e vêm sendo associadas a uma diminuição no requerimento anestésico, menor perda sanguínea e extensão da dissecção. O tratamento da doença vascular infrapoplítea é complexo independentemente se o tratamento é clínico, cirúrgico ou endovascular. O objetivo deste trabalho é relatar três casos de tratamento endovascular no trauma infrapoplíteo. Metodos: Realizado o tratamento endovascular em três homens jovens, vítimas de trauma penetrante na região infrapoplítea. As queixas principais eram sangramento ativo arterial, edema e dor no membro. Realizada arteriografia diagnóstica imediata, sendo evidenciado em dois pacientes, a formação de fístula arterio-venosa e no outro, pseudoaneurisma. Todos os pacientes foram submetidos à punção da artéria femoral anterógrada e a cateterismo seletivo da artéria nutridora, seguida de implante primário de stent para tratamento da lesão. Resultados: O sucesso técnico foi alcançado em todos os pacientes, com exclusão imediata da fístula arterio-venosa e tratamento do pseudoaneurisma confirmados por arteriografia de controle. Houve regressão dos sintomas (dor, sangramento e edema), gradualmente, nas primeiras quarenta e oito horas pós-tratamento (tempo médio de internação). Todos os pacientes mantiveram pulsos distais palpáveis e evoluíram sem queixas de claudicação intermitente ambulatorialmente. Conclusão: O tratamento endovascular de lesões periférico pode diminuir o sofrimento, o tempo de internação e o custo envolvido no cuidado dos pacientes. As alternativas de intervenção endovascular dos vasos infrapoplíteos continuam aumentando e vêm surgindo como uma alternativa de sucesso e menor risco para tratamento das lesões neste setor.


054

INIBIÇÃO PERSISTENTE DA PROLIFERAÇÃO NEOINTIMAL APÓS IMPLANTE DE STENTS COM BIOLIMUS A9: SEGUIMENTO DE 12 MESES COM ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO TRIDIMENSIONAL


Eduardo Missel1, Alexandre Abizaid1, Luis A. Mattos1, Fausto Feres1, Rodolfo Staico1, Pedro Beraldo1, Marinella Centemero1, Andrea Abizaid1, Amanda G.M.R. Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo, Brazil

Fundamentos: Modelos experimentais demonstraram que o Biolimus A9 (BA9), um análogo do Sirolimus, possui potente ação antiproliferativa. O primeiro estudo em humanos revelou baixos índices de perda tardia e volume de hiperplasia neointimal aos 6 meses. O objetivo desta análise é determinar se estes resultados estão mantidos aos 12 meses através da angiografia quantitativa (ACQ) e do ultra-som intracoronário tridimensional (3D-USIC). Métodos: Foram incluídos 49 pacientes com lesões coronárias de novo, únicas, e randomizados 2:1 para receber um único stent com BA9, n=32; ou stent convencional, n=17. O seguimento de 12 meses foi realizado em 25 pacientes (BA9, n=15; stent convencional, n=10). A média de idade foi de 59.1±8.3 anos, sendo 56% do sexo masculino e 24% diabéticos, sem diferenças demográficas entre os grupos. Calculamos a variação (delta) da perda tardia (PT), índex de hiperplasia neointimal e volume de obstrução (VO%) aos 6 e 12 meses. Resultados: Os stents com BA9 foram superiores ao stent convencional na comparação do VO%, NVI e PT aos 12 meses, demonstrando inibição persistente da proliferação neointimal através da análise do VO% (3.04±5.55 vs. 2.61±4.27, delta VO%= 0.62±1.44, p=NS) (Tabela). Conclusões: O stent com BA9 demonstrou inibição persistente da proliferação neointimal aos 12 meses, mantendo a superioridade em relação ao stent metálico. Não foi observado nenhum caso de reestenose tardia neste estudo. [* p<0.001; ** p=0.052; todos outros p=NS (Mann-Whitney)].

ACQ/ 3D BA96 BA9 12 Delta BA9 S-Stent 6 S-Stent 12 Delta S
USIC me s e s me s e s n=15 me s e s me s e s Stent
n=15 n=15 n= 10 n=10 n=10
Restenose% 0.0 0.0 - 0.0 0.0 -
PT (mm) 0.21±0.07 0.16±0.10 -0.02±0.09 1.05±0.16 1.14±0.10 0.05±0.15
IHN 0.19±0.09 0.07±0.04* 3.61±0.59** 1.15±0.33** -
(mm3/mm) 0.16±0.07* 1.82±0.44*
VO (%) 3.04±5.55 2.61±4.27 -0.62±1.44 35.99±5.88 33.29±6.15 -1.45±2.25


055

IMPACT OF STENT IMPLANTATION TECHNIQUES ON OPTIMAL EXPANSION IN SIMULTANEOUS KISSING STENTING IN LEFT MAIN CORONARY ARTERY : BENCHTOP INSIGHT USING CORONARY PHANTOM

Seongjin Oh1, Moon Yong Sun1, Kim Byoung-Keuk1, Jeon Dong Woon1, Yang Joo Young1

1) NHIC Ilsan hospital, Goyang, South Korea

Background Treatment of distal left main coronary artery (LMCA) bifurcation is associated with high procedural complication and restenosis rate. The simultaneous kissing stenting (SKS) involves two stents, one in main vessel and the other in side branch, creating new carina with stent struts. We investigated the SKS with various implantation techniques in two different bifurcation angles, to identify pitfalls and clarify the best implantation technique. Method and result We used TAXUS stents (diameter-3.5mm) and bifurcation phantom made of glass for this simulation. The phantom was made of two side arms (diameter-3.5mm) simulating left anterior descending and circumflex artery, which is attached to main arm (diameter-5.0mm) simulating LMCA with two different angles (90¡Æand 50¡Æ). Each stage of SKS was photographed in a bifurcation phantom with two different deployment techniques (simultaneous vs. sequential). Simultaneous deployment involves deployment of two stents with simultaneous inflation at 10atm and then deflation. Sequential deployment involves deployment of one stent at 18atm and then deflation, which is followed by deployment of the other stent at 18atm and then deflation. Final simulataneous inflation at 10atm and deflation is followed. In addition to photography, the interior of the stents were evaluated with intravascular ultrasound (IVUS) and analysed at the level of newly developed carina and proximal double barrel of two stents. Conclusion SKS used for LMCA bifurcation demonstrated different degree of stent expansion according to deployment technique. Sequential deployment technique resulted in better stent expansion than simultaneous deployment technique, especially in obtusely angled situation.

IVUS parameters 90 degree 50 degree
Simultaneous Sequential Simultaneous Sequential
New carina Stent CSA(mm2) 14.9 17.7 16.6 20.8
Double barrel Stent CSA(mm2) 12.9 16.6 13.7 18.6
Malapposition CSA 6.7 3.0 5.9 1.0
(mm2)
% Malapposition 34.0 15.3 30.1 5.1


056

IMPORTÂNCIA DO CONTROLE GLICÊMICO NA EVOLUÇÃO PÓS INTERVENÇÃO CORONÁRIA COM STENT.


Marcus Vinícius Silva da Costa1, Rogério Luciano Soares de Moura2, Fernando Vivas Barreto1, Fernando José Tavares1, Gustavo oliveira2, Luciano Brasileiro1, Olivio Souza Neto1, Stans Murad Netto2

1) Instituto do Coração e da Criança do RJ, Rio de Janeiro, Brasil 2) Instituto de Pós Graduação Médica do RJ, Rio de Janeiro, Brasil

Fundamento: O controle glicêmico em pacientes (pcts) diabéticos correlacionase com menores taxas de revascularização do vaso alvo (RVA) pós intervenção coronária percutânea (ICP). Objetivo: Avaliar a incidência de RVA em pcts com diabetes melitus tipo II com controle glicêmico ótimo pré-procedimento baseado na dosagem de hemoglobina glicada (A1C). Materiais e métodos: Estudo prospectivo incluindo 188 pcts eletivos, com indicação de ICP devido a lesões angiográficas >70% e evidência de isquemia, divididos em 3 grupos, sendo o Grupo I o de não diabéticos (60 pcts), o Grupo II de diabéticos com controle glicêmico adequado (A1C?7%) (53 pcts) e o Grupo III de diabéticos com controle glicêmico inadequado (A1C>7%) (75 pcts). Critérios de exclusão: síndrome coronariana aguda, diabetes melitus tipo I, multiarteriais, lesões em bifurcação, lesões de tronco, lesões em ponte de safena e insuficiência renal. Todos os pcts forma submetidos a ICP com implante de stent convencional e receberam AAS e Clopidogrel por 1 mês, além das demais medicações. O acompanhamento aos 6 meses foi telefônico ou por consulta ambulatorial e nova coronariografia realizada na recorrência de sintomas ou evidência de isquemia. O desfecho primário foi a necessidade de RVA aos 6 meses e os desfechos secundários foram morte pós-procedimento, IAM, recorrência de angina, AVC e re-hospitalização. Resultados: Os pcts do Grupo II apresentaram taxas de RVA similares a dos pcts do Grupo I (16% x 15% p=NS). Os pcts do Grupo III apresentaram taxas de RVA maiores do que a dos pcts do Grupo II, com significância (28% x 16% p=0.01). A incidência de re-hospitalização (16% x 32% p=0.02) e recorrência de angina (17% x 35% p=0.001) foi menor no Grupo II. Conclusões: Os pcts portadores de diabetes melitus tipo II apresentam menores taxas de RVA pós ICP com implante de stent convencional quando submetidos a controle glicêmico adequado.


057

AVALIAÇÃO DA ENXERTIA NO TRANSPLANTE AUTÓLOGO DE CÉLULAS MONONUCLEARES DA MEDULA ÓSSEA (TACMMO) MARCADAS COM TC99MHMPAO APÓS INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM DUAS TÉCNICAS DE INJEÇÃO


RODRIGO VERNEY C. BRANCO1, JOÃO ALEXANDRE R. ASSAD1, ANDRE LUIZ S. SOUSA1, CONSTANTINO G. GONZALES1, CARLOS H. E. FALCÃO1, LUIS A. CARVALHO1, FABIO A. A. TUCHE1, AMARINO C. O. JUNIOR 1, SUZANA A. SILVA1, CLAUDIO T. MESQUITA1, RADOVAN BOROJEVIC1, HANS F. R. DOHMANN1

1) Pró-Cardíaco, Rio de Janeiro, Brasil

Objetivo: O comportamento das células mononucleares da medula óssea (CMMO) transplantadas é um crucial determinante de seus efeitos benéficos. Nós avaliamos a enxertia de células marcadas e sua correlação com duas técnicas diferentes de injeção e dados da Ressonância Magnética (RM). Metodos: Foram randomizados 40 pt, 5 dias pós-IAM, para o grupo Intracoronário (GIC; N=20), Grupo Retrógrado Intravenoso (GRIV; N=10) e grupo controle (GC; N=10). Douze pts do GIC e 5 do GRIV receberam CMMO marcadas comTc99m-HMPAO. Foram obtidas imagens de captação precoce (CP) e capitação tardia (CT) em ambos os grupos. RM foi realizada para avaliar obstrução da microcirculação e transmuralidade do IAM. Resultados: Não houve diferença entre grupos. %CP; %CT; washout/hour; CP e CT estão demonstrados na tabela 1. Realce tardio > 75% estava presente em 75% do GIC e 80% do GRIV(p = ns). Padrão de obstrução da microcirculação estava presente em 50% do GIC e 60% de GIVR (p = ns). Não houve diferença em %CP, %CT e washout/hora relativo a obstrução na microcirculação (11.4±8,4 vs 14±8%±8; 7.7±7 vs 8.7±6 e 2±1 vs 2±0.8, respectivamente) ou transmuralidade > 75% (11±7 vs 18±9; 7±6 vs 13±7 e 2±1 vs 1.8±0.7). Conclusões: A enxertia de CMMO foi maior no GIC do que no GRIV. Estes resultados parecem ser independente da transmuralidade do infarto miocárdico ou obstrução da microcirculação.

GIC GRIV P
%CP 16±7 4.2±1.2 <0.001
%CT 10±6 3±1.1 0.002
Tempo CP 3.6±1 3.8±1.3 0.75
Tempo CT 21±4 26.6±2.4 0.005
Washout / hora 2.2±0.9 1.24±0.65 0.03


058

ANGIOPLASTIA CON STENTS LIBERADORES DE RAPAMICINA O PACLITAXEL EN ESTENOSIS EXTENSAS.


Gustavo Lev1, Leon Valdivieso1, Carlos Fava1, Ricardo Costantini1, Juan Scaglia1, Ana Mollon1, Oscar Mendiz1

1) FUNDACION FAVALORO, BUENOS AIRES, ARGENTINA

Objetivo: evaluar la evolución de los pacientes que recibieron Stents liberadores de Rapamicina (Cypher) o Paclitaxel (Taxus) (DES), menor o mayor a 30 mm de longitud de segmento “stenteado” (Grupo 1 y 2 respectivamente). Material y Metodos: Entre agosto de 2002 y febrero de 2006 se efectuaron 2732 angioplastias coronarias entre los cuales se les implantaron únicamente Stents liberadores de Rapamicina o Paclitaxel en 410 procedimientos (15%) . De éste grupo a 201 pacientes (ptes) (7%) se les efectuaron angioplastias coronarias con DES en un sólo vaso y en estenosis menores de 30 mm de longitud (Grupo 1) (n=126 ptes) y mayores a 30 mm (Grupo 2) (n=75 ptes). No se observaron diferencias estadísticamente significativas entre ambos grupos. Edad promedio de 64±11 años en el Grupo 1 y 63±11 años en el Grupo 2, sexo masculino 75% y 78%, diabéticos 20% y 25% respectivamente. Antecedentes de cirugía de revascularización miocárdica 16% y 15% e infarto de miocardio 23% y 19%. Refirieron angina crónica estable 39% y 43%, angina inestable 42% y 40%, isquemia silente 18% y 13%, post infarto de miocardio 1% y 4%. La arteria descendente anterior se angioplastió en el 48% y 47% de los casos. Se implantaron 1 y 1.3 Stents por paciente en cada grupo con un diámetro promedio de 3.3± 0.2 mm y 3.0±0.3 mm , longitud del segmento tratado de 21± 5 mm vs 40± 14 mm. Se completó seguimiento extrahospitalario a 115 ptes (91%) y 71 ptes (95%), con un promedio de 13±9.6 meses en ambos grupos. Resultados: ver tabla. Conclusiones: en esta población, ambos grupos tuvieron alta tasa de éxito y baja incidencia de complicaciones; sin diferencias significativas en la evolución alejada.

Intrahospitalario Grupo 1 (< 30 mm) Grupo 2 (> 30 mm) p
(n=126 ptes) (n=75 ptes)
Exito clínico (n/%) 125/ 99 74/ 99 ns
MACE (n/%) 1 / 1 1 / 1 ns
Muerte (n/%) 1 / 1 0 / 0 ns
Infarto agudo miocardio (n/%) 0 / 0 1 / 1 ns
Grupo 1 Grupo 2
Extrahospitalario (n=115 ptes (91%)) (n= 71 ptes (95%)) ns
Asintomáticos (n/%) 105 / 91 67 / 94 ns
MACE (n/%) 8 / 7 4 / 6 ns
Muerte (n/%) 3 / 3 1 / 1 ns
Infarto agudo miocardio (n/%) 1 / 1 0 / 0 ns
Reangioplastia (n/%) 4 / 3 3 / 5 ns


059

STENTS LIBERADORES DE SIROLIMUS VERSUS PACLITAXEL EM VASOS FINOS. SUB-ANÁLISE DO ESTUDO REALITY COM ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO TRIDIMENSIONAL.


Andrés G. Sánchez1, Fausto Feres1, Alexandre Abizaid1, Leandro Lasave1, Ricardo Silva1, Ana Cristina Seixas1, Aurea Chaves1, Luiz F. Tanajura1, Amanda Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo, Brasil

Fundamentos: Os dois stents liberadores de medicamentos, com Sirolimus (SLS) e com Paclitaxel (SLP), são efetivos na supressão da hiperplasia neointimal (HNI) intra-stent. Entretanto, ainda não temos informação de qual SLM seria mais benéfico no subgrupo dos vasos finos (VF). O objetivo deste estudo foi avaliar esta questão em um grupo randomizado, ao Ultra-som Intracoronário Tridimensional (USIC-3D). Metodos: Em total, 32 pacientes (pt) com lesões de novo complexas, em 41 artérias coronárias nativas com diâmetro de referência (DR) menor ou igual a 2,75mm; foi realizado implante de SLS ou SLP. A Angiografia Coronária Quantitativa (ACQ) e o USIC-3D foram realizados no momento do implante e 8 meses após o procedimento. Resultados: A idade média foi 60±9 anos, 33% eram diabéticos, não havendo diferenças significativas entre os dois grupos em relação às características clínicas. A média de stent por lesão foi 1,6 e 83% das lesões eram tipo B2/C. Conclusão: Nesta sub-análise do estudo REALITY, observamos nos SLP uma maior perda tardia intra-stent, um maior grau de HNI/mm de stent e um maior volume de obstrução do stent ao USIC-3D, em relação aos SLS.

ACQ SLS (n=22) SLP (n=19) p
Diâmetro referência, mm 2,43±0,27 2,44±0,24 0,90
Extensão lesão, mm 20,33±10,6 22,06±10,8 0,44
Extensão stent, mm 32,8±14 35,1±13 0,44
Perda tardia intra-stent, mm 0,20±0,15 0,38±0,31 0,02
USIC-3D SLS (n=22) SLP (n=19) p
HNI mm3/mm stent 0,30±0,19 0,86±0,67 0,0006
Vol. Obstrução stent, % 6,2±4,1 0,86±0,67 0,01


060

USO DE BIVALIRUDINA NO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO COM SUPRA DESNIVELAMENTO DE ST ASSOCIADO À ANGIOPLASTIA PRIMÁRIA


Antônio José Muniz1, Diogo Antônio Gomes Tiago1, Yaíza Helena Rodrigues Felix Fortes1, Gustavo de Moraes Ramalho1, João Batista Lopes Loures1, Rogério de Castro Pimentel1

1) HOSPITAL MONTE SINAI, JUIZ DE FORA, BRASIL

Fundamentos: A reperfusão por intervenção coronária percutânea (ICP) primária na síndrome coronária aguda com supradesnivelamento de ST tem sido a primeira opção de tratamento. O uso de Bivalirudina (inibidor direto da trombina) não tinha sido testado previamente e ainda não foi publicado. Objetivo: O objetivo da análise desta amostra foi avaliar a segurança e a viabilidade do uso do inibidor direto da trombina durante a ICP primária em pacientes com infarto agudo do miocárdio (IAM) com supra de ST. Método: Em nosso serviço, no período de outubro de 2002 a outubro de 2005, foram cadastrados vinte e um pacientes (44 a 85 anos) com IAM com supra de ST os quais, durante a preparação para angioplastia primária, receberam a dose bolus de 0,75mg/kg seguida da infusão de 1,75mg/kg/h de bivalirudina durante a realização do procedimento. Os pacientes foram classificados de acordo com os seguintes fatores de risco cardiovasculares: diabetes mellitus (38,1%), hipertensão arterial (61,9%), dislipidemia (38,1%), história familiar (45%), tabagismo (42,9%), sexo feminino (9,5%) e infarto do miocárdio prévio (38,1%). Posteriormente, estes foram acompanhados na fase hospitalar, da internação até a alta, e após 30 dias da mesma. Todos os pacientes no pré-procedimento recebiam 200 mg de AAS, dose de ataque 300 mg de clopidogrel e, a seguir, realizavase o implante de stent. A monitorização da anticoagulação foi realizada através da mensuração do tempo de coagulação ativado pré-infusão da bivalirudina, cinco minutos após infusão, durante o procedimento e trinta a quarenta minutos pósprocedimento para remoção do introdutor. Resultados: Fluxo TIMI-3 foi restabelecido em 81% com blush-3 em 38,1% e blush-2 em 28,6%. Artéria DA foi abordada em 52,4% e a CD em 42,8%. Não houve necessidade de heparina adicional nem o uso de inibidor da glicoproteína IIb/IIIa. Complicações do tipo sangramento e hematoma importante da via de acesso não foram observados. Conclusão: O emprego da bivalirudina no IAM com supradesnivelamento de ST associado a angioplastia primária com o emprego de stent mostrou-se seguro e eficaz.


061

THE EFFECT OF BIOMATERIAL SHEET BASED STEM CELL THERAPY IN ACUTE MYOCARDIAL INFARCTION IN MURINE MODEL.


Jang-Whan, Bae1, Kyung-Kuk, Hwang1, Jin-Suk, Kwon1, Young-Shin, Lee1, Il-ha, Lee1, Dong-Woon, Kim1, Myeong-Chan, Cho1

1) Cardiovascular center, Chungbuk National University Hospital , Cheongju, Repurblic of Korea

Advanced heart failure associated with acute myocardial infarction is one cause of major cardiac death in developed countries. Although there are several treatment options for this grave disease, the 5 year survival rate is just 50%. Recently, stem cell therapies emerged as new therapeutic options for advanced heart failure. In this study, we investigated that the safety and effect of stem cell laden biodegradable poly glycolide-co-caprolactone (PGCL) scaffold in acute myocardial infarction model in rat. Little is known of the biocompatibility, bone-marrow derived mononuclear cell (BMMNC) differentiation and cardioprotective effect against heart failure of BMMNC-seeded PGCL scaffold in myocardial infarction (MI) animal model. This study hypothesized that implantation of BMMNC-seeded PGCL scaffold to epicardial surface of rat MI is biocompatible, induces BMMNC migration into infarcted myocardium and improves LV systolic dysfunction effectively. 1 week after the implantation of BMMNC-seeded PGCL scaffold, BMMMC migrated into epicardial region. 4 weeks after the implantation, augmented neovascularization was observed in infarcted and infarct border zone. Some BMMNC showed ¥á-MHC and troponin I as markers of differentiation into cardiomyocyte. In the echocardiographic examinations, BMMNC-seeded PGCL scaffold and non cell-seeded simple PGCL scaffold groups reduced progressive LV dilatation and preserved LV systolic function effectively, compare to control groups in rat MI. Thus, BMMNC-seeded PGCL scaffold influences BMMNC migration, differentiation to cardiomyocytes, induction of neovascularization, ultimately lessened LV remodeling and progressive LV systolic dysfunction effectively. PGCL scaffold itself has mechanical potentiality against progressive LV dilation after MI and supplies favorable milieu to survive and migrate of seeded stem cell in dead myocardium. Seeded stem cells augment neovascularization and replace lost functional cardiomyocytes. These 2 mechanisms can explain that BMMNCseeded PGCL scaffold have various cardioprotective effects on murine MI model. PGCL scaffold could be considered an effective treatment alternative in MI induced advanced heart failure.

Control BMMNC-seeded Non cell seeded
group PGCL scaffold PGCL scaffold
LV diastole dimension (mm) 1.10 ± 0.05 0.87 ± 0.07* 0.86 ± 0.05*
LV systole dimension (mm) 0.94 ± 0.04 0.60 ± 0.14* 0.58 ± 0.08*
Fractional shortening (%) 15.6 ± 0.28 31.8 ± 0.28+ 32.5 ± 0.50*
LVEDP (mm Hg) 11.4 ± 0.80 2.30 ± 0.57+ 2.5 ± 0.30* *,
p<0.01 to control; +, p<0.05 to control


062

IMPACTO DA PRESENÇA DO DIABETES MELLITUS NA POPULAÇÃO TRATADA COM IMPLANTE DE STENTS FARMACOLÓGICOS


José Ary Boechat1, Júlio Andrea1, Leandro Cortes2, Filipe Goldberg2, Hélio Figueira1

1) Clínica São Vicente, Rio de Janeiro, Brasil 2) Hospital CardioTrauma, Rio de Janeiro, Brasil

Fundamentos: a evolução após intervenção coronária percutânea em diabéticos (DM) é marcada pelo aumento da incidência de recorrência comparado aos não diabético (NDM). Objetivo: avaliar o impacto da introdução do stent farmacológico no tratamento do paciente diabético comparado ao NDM. Materiais e métodos: de Jun/02 a Dez/05, 403 pacientes foram tratados exclusivamente com SF sendo 150 (37,2%) diabéticos e 253 não diabéticos (62,8%). Sexo masculino (64,6 vs 66,7%, p=0,3) e idade > 70 anos (29,3 vs 25,6%, p=0,2). Quadro clínico: angina estável (50 vs 45%, p=0,1), instável (34 vs 40,7%, p=0,1), infarto sem Q (12 vs 10,6%, p=0,3) e ATC primaria (2,6 vs 2,7%, p=0,6). Fatores de risco: insuficiência renal (14,6 vs 2,7%, p<0,001), HAS (87,3 vs 67,1%, p<0,001), tabagismo (12 vs 17,3%, p=0,09), dislipidemia (69,3 vs 66%, p=0,2) e infarto prévio (33,3 vs 21,7%, p=0,008). Características angiográficas: multiarteriais (69,3 vs 60,4%, p=0,04), disfunção do VE (27,3 vs 16,9%, p=0,01), stents >20 mm (60,6 vs 50,9%, p=0,03) e lesões tipo B2/C (72,6 vs 69,9%, p=0,3). Resultados: Sucesso angiográfico (98,6 vs 100%, p=0,1). IVUS (41,3 vs 54,9%, p=0,006), múltiplos stents (33,3 vs 33,5%, p=0,5), stent em lesão de reestenose (16 vs 20,5%, p=0,1) e lesão de novo (86,6 vs 82,2%, p=0,1). No reflow (0,6 vs 1,1%, p=0,5), infarto pós (6 vs 3,1%, p=0,1), nenhuma trombose subaguda, cirurgia de emergência (0,6 vs 0%, p=0,5) e óbito (0,6 vs 0,7%, p=0,6). Seguimento de 83,8% dos casos no período de 1 ano com ECM (10,8 vs 3,3%, p=0,006) e RLA (7,7 vs 3,3%, p=0,06). Comparando DM 1 vs não DM verificamos ECM (18,1 vs 3,3%, p=0,003) e RLA (12,1 vs 3,3%, p=0,04), e DM2 vs não DM ECM (8,4 vs 3,3%, p=0,05) e RLA (6,3 vs 3,3%, p=0,1). DM1 vs DM2 observamos ECM (18,1 vs 8,4%, p=0,1) e RLA (12,1 vs 6,3%, p=0,2). Conclusão: o SF reduziu substancialmente a necessidade de reintervenção no DM, porém a incidência de eventos cardíacos maiores permanece elevada. O DM1 ainda está associado a pior evolução a longo prazo comparado aos NDM.


063

IMPLANTE DE STENT REVESTIDO COM PACLITAXEL EM PACIENTES COM INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO EM COMPARAÇÃO COM STENT CONVENCIONAL: UM ESTUDO PROSPECTIVO, COM AVALIÇÃO CLÍNICA, ANGIOGRÁFICA E ULTRASSONOGRÁFICA.


FERNANDO DE MARTINO2, EXPEDITO RIBEIRO1, PEDRO LEMOS1, RONE PADILHA2, SERGIO PRATA2, JOSE CARLOS ABUD1, MARCO PERIN1, PEDRO HORTA1, MARCOS GAMA1, EULOGIO E MARTINEZ1

1) INCOR(FMUSP), SÃO PAULO, BRASIL 2) IUCI, UBERABA, BRASIL

A segurança e a eficácia do stent revestido com paclitaxel continua pouco estudada em pacientes com síndrome coronariana aguda. Este estudo tem o objetivo de comparar os resultados clínicos e angiográficos de pacientes com infarto agudo do miocárdio tratados com implante de stent revestido com paclitaxel versus stent convencional. Métodos e população do estudo: Um grupo de 30 pacientes com infarto agudo do miocárdio foi tratados com stent revestido com paclitaxel (TaxusTM). Um grupo controle com 30 pacientes foi tratado com stent convencional (Express2 TM), sendo que estes dois grupos eram semelhantes entre si quanto ao comprimento e ao diâmetro do stent e diabetes. Choque cardiogênico e incapacidade de cruzar a corda-guia foram critérios de exclusão. Todos os pacientes foram acompanhados prospectivamente e submetidos ao controle angiográfico. O controle com ultra-som intracoronário foi realizado em 23 pacientes do grupo com implante do stent farmacológico. Resultados: Características basais e do procedimento foram similares entre os dois grupos. Aos 6,9±1,2 meses, não ocorreu morte, reinfarto ou trombose intra-stent. Entretanto, pacientes tratados com stent farmacológico tiveram um risco menor de reintervenção (3.3%% vs. 33.3%; p=0.006). Os resultados angiográficos de perda luminal tardia foram de 0.2±0.2 mm vs. 0.6±0.6 mm (p=0.03) e a reestenose binária foi de 3.3% vs. 33.3% (p=0.006), no grupo com stent farmacológico contra o grupo controle, respectivamente. O percentual médio de obstrução neointimal em pacientes do grupo farmacológico foi de 4,7%±6,8%. A má aposição tardia do stent foi observada em 8 pacientes (34,8%). Conclusões: O stent revestido com paclitaxel se mostrou seguro (não aumentou mortalidade ou reinfarto) e efetivo (reduziu a reintervenção e os parâmetros angiográficos de proliferação neointimal) aos 7 meses em pacientes com infarto agudo do miocárdio.


064

MODELO DE GESTÃO NO SERVIÇO DE HEMODINÂMICA


Gustavo Ramalho1, Antônio José Muniz1, João Batista L. Loures1, Rogério C. Pimentel1

1) Hospital Monte Sinai , Juiz de Fora/ MG, Brasil

Introdução: o Modelo de Gestão do Serviço de Hemodinâmica do Hospital Monte Sinai permitiu uma diferenciação no mercado, colocando o setor na liderança da região na busca pela excelência dos serviços. Em maio de 2005 obteve a certificação ISO pela versão 9001/2000, sendo o 1º Serviço dentro do Estado de Minas Gerais e 2º do Brasil, além de utilizar desde então o Balanced Scorecard (BSC) como facilitador na implantação e implementação de estratégias. Objetivos: Demonstrar a experiência de implantação das práticas de Gestão e seus reflexos junto ao Corpo Clínico e Funcional. Metodos: levantamento bibliográfico do assunto e avaliação retrospectiva das etapas de implantação e execução das práticas de gestão desde o Planejamento Estratégico até os Programas de Qualidade. Resultados: São evidenciados resultados significativos de aumento da demanda na região, benefícios motivacionais repercutindo na qualidade de vida no trabalho, além de ser referência em pesquisa da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista sobre os custos operacionais. Conclusões: A implantação do Modelo de Gestão permite uma visão sistêmica através da mensuração do desempenho, o que promove um melhor atendimento dos clientes, uma melhor execução dos processos e conseqüentemente um aumento na geração de resultados financeiros.


065

A RETIRADA DA BAINHA FEMORAL IMEDIATAMENTE APÓS UMA INTERVENÇÃO CORONARIANA PERCUTÂNEA NÃO AUMENTA A INCIDÊNCIA DE SANGRAMENTOS MAIORES: UM ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO.


Andrea C. Augustin1, Alexandre S. Quadros1, Rogério Sarmento-Leite1, Carlos A.M. Gottschall1

1) Instituto de Cardiologia do RS / Fundação Universitária de Cardiologia, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução: Estratégias que avaliem segurança, conforto e diminuição do tempo de internação de pacientes (pts) submetidos a intervenções coronarianas percutâneas (ICP) têm sido estudadas. Objetivo: Avaliar a segurança da retirada imediata da bainha arterial e deambulação precoce após ICP. Metodos: Ensaio clínico randomizado em pts submetidos a ICP pela via femoral com bainha 6F em um hospital de referência, com volume >1500 ICPs/ano. O grupo intervenção (INT) teve a bainha retirada imediatamente após o final da ICP, e no grupo CON a bainha foi retirada 4-6 horas após o final da ICP. Foram excluídos pts tratados com inibidores da glicoproteína IIb/IIIa, heparina de baixo peso molecular ou trombolíticos. O desfecho primário foi complicação vascular maior (sangramento arterial no sítio de punção, hematoma>5cm e pseudoaneurisma). Desfechos secundários foram hematomas menores (<5cm) e conforto do paciente, analisado pela dor e freqüência de retenção urinária. Resultados: As características de base dos grupos INT (n=172) e CON (n=175) foram semelhantes: idade (59,7±9,9 vs 61,0±10,4), sexo masculino (64% vs 57%;p=0,24), IMC (27±3,9 vs 27±3,6) e TCA (324±101 vs 320±101). Não houve diferença estatisticamente significativa na incidência de complicações vasculares maiores (INT=1,7% vs CON=0,6%; p=0,31) A incidência de hematomas menores antes da retirada da bainha foi semelhante nos grupos INT e COM (2,3% vs 4%;p=0,36), porém o grupo INT apresentou mais hematomas menores após a retirada da bainha (7,5% vs 2,9%;p=0,05). A freqüência de reações vagais foi aproximadamente 3% em ambos os grupos. Os pts do grupo INT tiveram menos dor (26% vs 41%; p=0,004) e dor intensa (6% vs 14%; p=0,01) do que o grupo CON, mas a freqüência de retenção urinária não apresentou diferença estatisticamente significativa. Conclusões: A retirada da bainha femoral imediatamente após o término da ICP não está associada com aumento de complicações vasculares maiores, está associada com mais conforto do paciente e maior incidência de hematomas menores de 5 cm. Esta estratégia pode se tornar uma alternativa importante para pacientes com dificuldades para permanecer em repouso prolongado.


066

ESTUDO DA ASSOCIAÇÃO DO POLIMORFISMO C(-260)-T DO PROMOTOR DO GENE DO RECEPTOR CD14 DE MONÓCITOS COM A EVOLUÇÃO PÓS-IMPLANTE DE STENT INTRACORONÁRIO E A RELAÇÃO COM O PROCESSO INFLAMATÓRIO.


Germán Iturry-Yamamoto1, Emilio H. Moriguchi2, Alexandre C. Zago1, Thiago Q. Furian1, Ingrid Girardi2, Gabriel Zago1, André Luiz Peretti1, Bianca P. da Costa1, Clarice S. Alho2, Alcides J. Zago.1

1) Unidade de Hemodinâmica/Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre - RS, Brasil 2) Faculdade de Medicina e Faculdade de Biociências /PUCRS, Porto Alegre, Porto Alegre - RS, Brasil

Fundamento: O polimorfismo C(-260)-T consiste na substituição de uma citosina por timina na região 5’ promotora do gene do receptor CD14 de monócitos, células envolvidas na resposta inflamatória. Este polimorfismo está associado com reestenose pós stent em população japonesa. Objetivos: Estudar a possível associação entre o polimorfismo C(-260)-T e a incidência de revascularização da lesão alvo (RLA) pós-implante de stent e eventos cardíacos maiores (ECAM) (morte por causa cardiovascular, infarto agudo do miocárdio, revascularização da lesão alvo RLA), em uma população da região sul do Brasil, assim como a relação com o processo inflamatório. Delineamento: Estudo de coorte. Pacientes e métodos: Foram incluídos 157 pacientes (p.) submetidos a implante de stent intracoronário (ST) não farmacológico e 27 p. submetidos a aterectomia direcionada coronariana (ADC) seguida de implante de stent não farmacológico. Os p. foram genotipados por PCR e digestão, com a enzima de restrição Hae III. Níveis plasmáticos da Proteína C-Reativa ultrasensível (PCR-US), um marcador de processo inflamatório, foram determinados por nefelometria. As características clínicas e angiográficas da lesão alvo foram também avaliadas. Resultados: Quando comparados os p. submetidos a ST vs ADC, não houve diferença na ocorrência de desfechos. Os p. foram divididos em dois grupos: G 1 – p. portadores do alelo T (TT+CT) (86,4 %) e G 2 – p. com o genótipo CC ( 13,6 %). Em 6 meses, 16 p. do G 1 e 2 p. do G 2 foram submetidos a RLA, assim como 24 p. do G 1 e 2 p. do G 2 apresentaram ECAM (teste de log rank: p = 0,74 e p = 0,34, respectivamente). Entretanto, quando foram excluídos os p. com evidência de processo inflamatório crônico (PCR-US > 10 mg/L), 13 p. do G 1 e nenhum do G 2 foram submetidos a RLA, assim como 17 p. do G 1 e nenhum do G 2 apresentaram ECAM (teste de log rank: p = 0,15 e p = 0,1 respectivamente) Conclusão: Este estudo mostra uma tendência a uma pior evolução pós-implante de stent intracoronário nos portadores do alelo T do promotor do gene do receptor CD14, em um grupo de p. sem evidências de processo inflamatório crônico. Financiamento: CNPq, FAPERGS, CAPES, FIPE-HCPA.


067

¿CLOPIDOGREL OFRECE EFECTO ANTIAGREGANTE DURANTE LA IMPLANTACIÓN DE STENTS CORONARIOS?


Darío Echeverri1, María T. Urrego1, Boris E. Vesga1, Mauricio Pineda1, Orlando Corzo1

1) Fundación CardioInfantil, Bogotá, Colombia

INTRODUCCIÓN: La trombosis intracoronaria como causa de morbimortalidad, debe prevenirse con terapias antiagregantes como ácido acetilsalicílico (ASA) + clopidogrel por tiempo superior a 4 semanas. OBJETIVO: Cuantificar al momento de la PCI, el efecto antiagregante del clopidogrel (4 tabletas, 300 mg, en las 48 horas previas al procedimiento), comparado con solo ASA o grupo control sin tratamiento. METODOLOGÍA: Estudio observacional, corte transversal. Criterios de inclusión: mayores de 18 años, con angina estable. Procedimiento: en las 48 horas previas solo consumieron ASA/clopidogrel, al inicio de la PCI se tomó muestra de sangre para medición agregación plaquetaria mediante absorbancia PACKS- 4 utilizando agregantes ADP, Epinefrina, Colágeno y Ristocetina. La agregación expresada porcentualmente a los 10 minutos de contacto con los agregantes; se consideró una acción antiagregante apropiada si se obtenía un efecto e”50%. RESULTADOS: fueron evaluados 37 pacientes, 64,9% varones. Edad de 52 +/- 6.1 años. Veintitrés pacientes consumían ASA al menos 48 horas antes (100-500 mg VO / día), 28 pacientes con ASA + clopidogrel en las 48 horas previas (75 mg VO / día o bolo oral de 300 mg vo previo al procedimiento). Como grupo control: se tomaron 22 personas sanas, sin consumo de medicamentos o tabaquismo, con edad 35 +/- 9.1 años. En comparación con el control, el grupo de solo ASA, la agregación plaquetaria con ADP fue 78,9 +/- 4,5% vs 71,6 +/- 5,2% (p=0,36), con epinefrina se redujo en 46% (70, 9 +/- 5,3% vs 38,3 +/- 8,5%; p=0,02), con colágeno se redujo en 21% (83,7 +/- 3,3 vs 65,9 +/- 9,1%; p=0,09), y ristocetina en 29% (72,2 +/- 3,8% vs 51,1 +/- 7,1%; p=0,008). El grupo ASA + clopidogrel contra el control mostró reducción en el ADP del 25% (78,9 +/- 4,5% vs 58,8 +/- 4,4%; p=0,003), con epinefrina se redujo 44% (70,9 +/- 5,3% vs 39,6 +/- 4,4%; p=0,0001), con colágeno se redujo en 18% (83,7 +/- 3,3 vs 68,9 +/- 4,6%; p=0,01), y con ristocetina en 3% (72,2 +/- 3,8% vs 69,8 +/- 1,8%; p=0,54). Comparando el grupo de solo ASA con el de ASA + clopidogrel, con ADP fue 71,6 +/- 5,2% vs 58,9 +/- 4,4% (p=0,13), con epinefrina 38,3 +/- 8,5% vs 39,6 +/- 4,4% (p=0,88), colágeno 65,9 +/- 9,1 vs 68,9 +/- 4,6% (p=0,76), y ristocetina 51,1 +/- 7,1% vs 69,8 +/- 1,8% (p=0,03). CONCLUSIÓN: con el esquema de antiagregación plaquetaria previo a la PCI, actualmente en práctica y recomendado, el clopidogrel no ofrece beneficio (protección) antiagregante adicional al uso de ASA.


068

ANÁLISE DA FREQUÊNCIA E DOS FATORES CLÍNICOS E ANGIOGRÁFICOS PREDITORES DE ESTENOSE SIGNIFICATIVA AO ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO NAS LESÕES INTERMEDIÁRIAS


André Feijó1, Constantino Gonzales1, André Sousa1, Sérgio S. Xavier2, Nelson Mattos1, Evandro T. Mesquita1, João Assad1, Rodrigo Verney1, Hans F. Dohmann1, Luiz Antônio Carvalho1

1) HOSPITAL PRÓ-CARDÍACO, RIO DE JANEIRO, BRASIL 2) UFRJ, RIO DE JANEIRO, BRASIL

FUNDAMENTOS: A ultra-sonografia intracoronariana(USIC) permite avaliar com acurácia a placa aterosclerótica, as medidas da luz e parede arterial. A identificação da área luminal mínima(ALM) ao ultra-som < 4mm² em pacientes(pts) com lesão intermediária(LI) passou a ser utilizado como divisor prognóstico na tomada de decisão. OBJETIVO: Descrever a freqüência de estenose significativa a USIC em pts com LI, e identificar possíveis variáveis clínicas e angiográficas preditores deste desfecho. MATERIAL E MÉTODOS: No período de 09/1999 a 12/2004, selecionamos 80 pacientes uni arteriais submetidos à USIC para avaliação de LI na angiografia. Foram coletados dados clínicos e angiográficos, e estabelecidos como critério de gravidade ao ultra-som, a ALM < 4mm². Na análise univariada, as variáveis contínuas foram comparadas através do teste t de Student independente ou pareado conforme indicado, e as variáveis categóricas foram analizadas através do teste de chi-quadrado ou do teste exato de Fischer. A curva ROC foi utilizada para definir o ponto de corte ideal das variáveis numéricas associadas ao desfecho (ALM < 4mm²). Para identificar os fatores previsores independentes de gravidade luminal a ultra-sonografia foi utilizada na análise multivariada a regressão logística. RESULTADOS: A freqüência de ALM < 4mm² foi de 64%. De todas variáveis testadas, a morfologia complexa da lesão(p=0,021), o diâmetro de referência(p=0,000), o diâmetro luminal mínimo(DLM) (p=0,000) e a insuficiência coronariana aguda(ICA) (p=0,019) foram significativamente associadas a ALM <4 mm². Quando essas quatro variáveis foram testadas no modelo multivariado, apenas morfologia da lesão (p=0,01), a ICA (p=0,037) e o DLM (p=0,007) mantiveram significado estatístico independente (OR: 5,1; 3,8; 5,1 e IC de 1,5 a 17,8; 1,1 a 13,5 e 1,6 a 16,7 respectivamente). Conclusão: Observado elevada prevalência de estenose significativa ao ultra-som nesta população com LI. A presença de ICA, da morfologia complexa da lesão e do DLM inferior a 1,9 mm indicaram ser preditores independentes de estenose significativa na USIC nesta população.


069

ABCIXIMAB IMPROVES THE PROGNOSIS OF PATIENTS WITH ACUTE MYOCARDIAL INFARCTION TREATED BY PERCUTANEOUS CORONARY INTERVENTIONS. EVIDENCE FROM A META-ANALYSIS.


Antonio J Neri Souza1, Anderson J Nascimento1, Claudio M B das Virgens1, Maurício A Barreto1

1) Hospital Jaar Andrade, Salvador - Bahia, Brasil

OBJECTIVES: To assess the efficacy of two strategies on major clinical outcomes in acute myocardial infarction (MI): Primary percutaneous coronary interventions (PCI) versus facilitated PCI using abciximab (PCI-ABCX). BACKGROUND: Facilitated PCI is a treatment strategy for MI in which patients are given medications that open or partially open the infarct related artery. The patients are then take to the catheterisation laboratory for angiography and early PCI. Preliminary evidence suggests that this strategy may offer outcomes similar or better than primary PCI. METHODS: Clinical trials of patients with MI treated by primary PCI or PCI-ABCX that provided data with respect to the outcomes of interest were eligible for inclusion. Death, reinfarction, and target vessel revascularization (TVR), and the composite of ischemic events (death, reinfarction, and TVR) over a follow-up of 1 and 6 months were the outcomes of interest. RESULTS: Four trials (ACE, ADMIRAL, CADILLAC, and RAPPORT) reported data for 1,642 patients treated by PCI-ABCX and 1,623 patients treated by primary PCI. At 30 days, the composite of ischemic events was reduced in the PCI-ABCX group (6.5% vs. 10.0%, OR 0.63; p=0.004); at 6 months, the corresponding results were 17.4% and 21.1% (OR 0.78; p<0.008). At 30 days, TVR was also reduced in the PCI-ABCX group (3.7% vs. 6.2%, OR 0.59; p<0.002); at 6 months, the corresponding results were 13.2% and 15.8% (OR 0.81; p<0.04). Figure 1. CONCLUSIONS: This meta-analysis has demonstrated evidence that PCI-ABCX is superior to primary PCI in reducing TVR and major ischemic events over a 1- to 6-month follow-up after MI.




070

ATENUAÇÃO DA RESPOSTA INFLAMATÓRIA APÓS IMPLANTE DE STENT CORONÁRIO COM USO DE SINVASTATINA


Rafael Alcalde1, Ricardo Lasevitch1, Vitor Gomes1, Fabiano Sostizzo1, Patricia Hickman1, Paulo Caramori1

1) Hospital São Lucas PUCRS, Porto Alegre, Brasil

Fundamento:Aumento de Biomarcadores de Inflamação após intervenção coronária percutânea (ICP) está associado com aumento de risco cardiovascular. Estatinas reduzem inflamação em pacientes com doença coronária. Estudos retrospectivos demonstram que o uso de estatina em pacientes submetidos a ICP reduz a incidência de eventos cardiovasculares. O objetivo deste estudo randomizado é determinar se o tratamento com sinvastatina reduz a resposta inflamatória em pacientes submetidos a ICP com implante de stent. Metodos: Estudo clíncio, duplo-cego, controlado por placebo, onde foram randomizados 48 pacientes com doença coronária estável com indicação para ICP com stent, para receberem sinvastatina 80mg/dia ou placebo, durante 14 dias. CD 40 Ligante solúvel (sCD40L) e Proteína C Reativa ultra-sensível (PCRus) foram determinados pré e pós- ICP. Resultados: A variação nos níveis de sCD40L após a ICP foi significativamente menor no grupo sinvastatina -1,17ng/ml vs 1,36 no grupo placebo, p<0,0001 e a variação nos níveis de PCRus após ICP também foi significativamente menor no grupo sinvastatina 0,42mg/dl versus 0,89mg/ dl no grupo placebo, p<0,01. Conclusão: Os resultados deste estudo indicam que o pré-tratamento de 14 dias com sinvastatina exerce efeitos antiinflamatórios em pacientes estáveis submetidos a implante de stent coronário.


071

MORTALIDADE INTRA-HOSPITALAR EM 1839 PACIENTES COM SÍNDROME CORONARIANA AGUDA: O EFEITO DELETÉRIO DO SEXO FEMININO É DEPENDENTE DO QUADRO CLÍNICO À ADMISSÃO.


Marco A. Magalhães1, Pedro A. Lemos1, João L. Falcão1, José M. Bezerra1, Fábio S. Souza1, Pedro E. Horta1, Marco A. Perin1, André G. Spadaro1, Expedito E. Ribeiro1, Eulógio E. Martinez1

1) Instituto do coração, São Paulo, Brasil

Fundamentos: Estudos recentes demonstram que mulheres com coronariopatia aguda apresentam pior prognóstico que homens. Entretanto, é pouco conhecido se o efeito deletério do sexo feminino é influenciado pela gravidade do quadro clínico à admissão. Objetivo: Avaliar o impacto do sexo e do quadro clínico à admissão, bem como a interação entre estas variáveis, sobre a mortalidade hospitalar em pacientes com coronariopatia aguda tratados com angioplastia. Pacientes e Metodos: 1839 pacientes consecutivos admitidos com síndrome coronariana aguda entre 08/98 e 08/05 tratados com angioplastia foram categorizados conforme o quadro clínico à admissão (síndrome coronária aguda sem supra ST vs. Infarto agudo com supra ST) e o sexo. O desfecho principal avaliado foi mortalidade intrahospitalar. Resultados: No total, 1286 (70%) pacientes foram admitidos com síndrome coronariana aguda sem supra ST e 553 (30%) com infarto agudo com supra ST. Destes, 69% dos pacientes eram do sexo masculino. As mulheres foram mais idosas (66±11 vs. 62 ± 12; p<0.01), mais frequentemente diabéticas (35% vs. 27%;p<0.01), hipertensas (88% vs. 78%;p<0.01) e mais acometidas por doença vascular periférica (6% vs. 3%;p<0.01) em comparação aos homens, tanto na apresentação com síndrome coronariana sem supra ST quanto no infarto agudo com supra ST. A mortalidade intra-hospitalar foi maior nas mulheres quando admitidas com infarto agudo com supra ST (23% vs. 7%;p<0.001), não houve diferença significativa na mortalidade precoce com relação à síndrome coronariana aguda sem supra ST entre mulheres e homens (5% vs. 4%;p=0.6). Conclusão: Mulheres com síndrome coronariana aguda apresentam maior comorbidade em comparação aos homens. No entanto, a interação entre o sexo feminino e mortalidade precoce faz-se presente somente em pacientes admitidos com infarto agudo com supra ST.


072

SINDROME CORONARIA AGUDA: UTILIZAÇÃO DO CATETER PRONTO PARA ASPIRAÇÃO MANUAL DE TROMBO.


Marcio A Santos1, Carlos GB Fonseca1, Maira Marasca1, Moacir F Godoy1

1) Serviço de Hemodinamica e Cardiologia intervencionista do Hospital de Base, São Jose do Rio Preto-SP, Brasil

Dentro da síndrome coronária aguda , o infarto agudo do miocárdio com supradesnivelamento do segmento ST é uma entidade patológica que se caracteriza por oclusão aguda de um vaso coronário epicardico , pondo em risco a vida dos pacientes. O mecanismo de oclusão é a ruptura da placa aterosclerotica com conseqüente processo de reparação e agregação de elementos reparadores e finalmente a formação de um trombo, responsável pela oclusão. O manejo desta síndrome pode ser feito com trombolíticos que mostra pobres resultados na abertura do vaso e angioplastia com melhores resultados mas com problemas ainda a serem resolvidos, como a diminuição de fluxo distal. O uso de dispositivos para aspirar ou quebrar o trombo parece ser uma tentativa válida de enfrentamento da questão. Materiais e métodos: No período de Setembro de 2005 a Janeiro de 2006 foram tratados 54 pacientes com infarto agudo do miocárdio por angioplastia primária. Em 12 pacientes foi usado o cateter para aspiração de trombo , em vaso principal, com calibre maior que 2,5 mm. Foram utilizados introdutor e cateter guia 7F. Os pacientes tinham evolução com menos de 6h do inicio da dor e estavam em Killip I a III. O procedimento foi realizado em uso de AAS, Clopidogrel ( dose de ataque de 300 mg) e Heparina. Foi realizado o cruzamento da oclusão com guia 0,014” e em 2 pacientes feita pré dilatação com cateter balão. Em 10 pacientes o cateter PRONTO foi introduzido já com a seringa em aspiração, fazendo movimentos de ida e volta até a porção distal da artéria. Em todos foi feito implante de Stent. Resultados : Tivemos sucesso em todos os pacientes, com aspiração de grande quantidade de trombos e agregado plaquetario , confirmado em exame anatomo patológico. Em nenhum caso foi observado fenômeno de perda de fluxo distal ou oclusão de ramos. Apenas um paciente usou glicoproteina IIb/IIIa. Conclusão: O uso adicional do cateter de aspiração manual de trombo PRONTO mostrou-se útil como mais uma ferramenta no arsenal para permeabilizar vasos com oclusão aguda, evitando os fenômenos de perda de fluxo e oclusões distais. É seguro, eficaz, de fácil manuseio, não requerendo tempo adicional significante ao procedimento.


073

COMO IDENTIFICAR VARIÁVEIS PREDITORAS DE EVENTOS CARDÍACOS APÓS INTERVENÇÕES PERCUTÂNEAS


Fernando Mendes Santanna1, Expedito Ribeiro E. da Silva2, Leonardo Alves Batista1, Marcelo Bastos Brito1, Fábio Machado Ventura1, Carlos Alberto M. Barrozo1

1) Hospital Santa Helena, Cabo Frio, Brasil 2) InCor/HCFMUSP, São Paulo, Brasil

FUNDAMENTOS: O objetivo principal de uma intervenção coronária percutânea (ICP) é diminuir a ocorrência de eventos cardíacos (MACE) ao longo do tempo. Vários estudos vêm sendo realizados com o intuito de definir os fatores que afetam o prognóstico dos pacientes submetidos à ICP. O valor da medida do fluxo fracionado de reserva do miocárdio (FFR) após a ICP foi reconhecido como um dos fatores mais importantes na ocorrência de MACE pós ICP. Quando o FFR pós ICP é maior do que 0,90 a ocorrência de MACE após 1 ano gira em torno de 6%. No entanto, é impossível adivinhar, antes da ICP, quais vasos irão cursar com FFR não ideal. Esse estudo tem por objetivo identificar quais os fatores clínicos e angiográficos que se associam com FFR pós ICP < 0,90. MÉTODOS: Todos os pacientes submetidos à ICP de Out/2004 a Abr/2005 foram incluídos no estudo exceto aqueles com IAM ou oclusão crônica. Cento e noventa e um pacientes e 256 lesões foram tratados. O FFR foi medido antes e depois da ICP em todos os vasos tratados. Após a ICP os vasos foram divididos em dois grupos de acordo com o valor do FFR: I) FFR < 0,90; II) FFR ? 0,90. Os grupos foram comparados com os testes do qui-quadrado e t de Student para variáveis categóricas e numéricas. Nas variáveis cuja diferença entre os grupos foi significativa foi utilizada análise multivariada por regressão logística para determinar as odds ratio ajustadas e os intervalos de confiança (IC). RESULTADOS: Foi possível obter o FFR em todas as lesões. Não se observou diferença em nenhum parâmetro clínico nos dois grupos de pacientes (FFR não ideal (I) X FFR ideal (II)). Houve diferença em alguns parâmetros angiográficos entre os dois grupos, porém ao aplicarmos o modelo de regressão logística para os mesmos, a única variável que se associou com um FFR pós ICP < 0,90 foi o tratamento da artéria descendente anterior (OR 12.1, IC 95% 6.4 a 22.9, p < 0.0001). Conclusão: A única variável clínica ou angiográfica que pode predizer adequadamente o FFR pós-implante de stent em nosso estudo foi o vaso tratado. O tratamento da artéria descendente anterior está associado com FFR pós ICP menor do que 0,90 na maior parte dos casos, o que pode resultar numa evolução clínica desfavorável neste grupo de pacientes.




074

INTERVENÇÃO CORONARIA PERCUTANEA(ICP) COM IMPLANTE DE STENTS PELA VIA RADIAL EM LESÕES CORONARIAS BIFURCADAS.


Luiz Gubolino1, Pablo Tome1, Felipe Toledo1, Antoninha Bragalha1, Jane Franceschini1, Paulo Nogueira2, Luiz Alcides Marques2, Sandra Hurtado3, Otavio Junqueira3, Marcelo Prata3

1) INCORPI -Hosp. Fornecedores de Cana, Piracicaba-SP, Brasil 2) Incor Rio Preto - Hosp.Beneficiencia Portuguesa, São Jose do Rio Preto-SP, Brasil 3) Angiocordis- Santa Casa , Limeira-SP, Brasil

INTRODUCAO: A necessidade de cateteres de menor perfil(6f) no uso da via Radial limitava o tratamento das lesões coronarias bifurcadas devido ao reduzido lumen interno do cateter, principalmente, p/ utilização de balões simultaneos(kissingballoon). OBJETIVO: Avaliar a via Radial para implante de stents no tratamento de lesões coronarias bifurcadas com cateteres de baixo perfil(6f) e maior lumen(0,071”). MATERIAL/METODOS: Maio/03 a Nov./05, 84 pacientes foram submetidos a Intervenção Coronaria Percutanea(ICP) pela via Radial.Media idade= 61,2+11 anos, Masc.=69%,IAM previo=18%,HAS=59%,Tabagismo=24%,Ant. Familiar=42%, D. melitus= 14,5%, Dislipidemia=89%. Assintomatico=3,6%,Angina Estavel=33,3%,Angina Instavel= 54,8%, IAM=8,3%.Uniarterial=19%,Biarterial= 60,7%,Triarterial=20,3%.VE normal=65,5%,Disfunção disc./mod.=27,3% e Imp.=7,2%. % media de obstrução Ramo Principal(RP)=82,4+12% e no Ramo Secundario(RS)=73,7+19%.Vasos envolvidos:Da+Dg=72,3%,Cx+Mg=13,7%, Dp+Vp=12,8% e TCE=1,2%.Stent RP=100% e RS=36%(Kissng-stent).Stent Direto=44%.Procedimento Urgencia=22,6%.Kissingballoon final=83,3%. Cateter guia: JL=37%,EBU=49%,JR=9,5% e AR=4,5%. RESULTADOS: O sucesso no RP(stent)=100% e no RS(stent/balao)=96%. O insucesso no RS foi por não recruzar o stent junto ao RS. Oclusão Aguda=1,2%,IAM=1,2%,IRA=1,2% e Obito=1,2%.Lesão residual no RP=1,6+4,8% e no RS=7,3+12,5%. Permanencia media hospitalar=2,0+1,2dias. CONCLUSÃO:A ICP pela via Radial para tratamento das lesões coronarias bifurcadas mostrou-se muito eficaz para tratamento do RP, assim como, do RS. E com baixos indices complicações.


075

EVOLUÇÃO A LONGO PRAZO DA VALVOPLASTIA MITRAL POR BALÃO. FATORES DE RISCO PARA ÓBITO E EVENTOS MAIORES


Edison C Sandoval Peixoto2, Ivana P Borges2, Rodrigo T S Peixoto1, Paulo S Oliveira1, Mario Salles1, Pierre Labrunie1, Ronaldo A Villela1, Marta Labrunie1, Ricardo T S Peixoto2, Mauricio B F Rachid1

1) Cinecor 4º Centenário, Rio de Janeiro-RJ, Brasil 2) Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ, Brasil

Fundamento: Diferentes populações têm diferentes evoluções e diferentes fatores de risco. O objetivo do presente estudo foi analisar a evolução a longo prazo da valvoplastia mitral percutânea por balão (VMPB) e os fatores de risco para óbito e eventos maiores: óbito, nova VMPB ou cirurgia mitral. Metodos: Foi realizado um estudo prospectivo não randomizado, onde foram avaliados 308 pacientes no grupo total (GT) submetidos a VMPB de 1987 e 2004, 260 pacientes do GA (escore de Wilkins <8) e 48 do GB (escore de Wilkins ?8) com evolução no GT de 51,2±31,7 (1 a 150) meses. Na análise multivariada utilizou-se como variáveis. idade <50 anos e ?50 anos, ritmo, comissurotomia prévia, escore de Wilkins <8 e ?8 pontos, área valvar mitral (AVM) pós-VMPB <1,50 cm² e ?1,50 cm² (sucesso), insuficiência mitral (IM) grave per-VMPB. Resultados: Dos 308 pacientes,a idade foi 38,1±12,4 (13 a 83) anos, sexo feminino 262 (85,1%) pacientes, ritmo sinusal 260 (84,4%) e 34 (11,0%) já submetidos a comissurotomia cirúrgica, VMPB ou a ambas. O escore de Wilkins foi no GT de 7,3±1,5 (4 a 14). Houve sucesso nos GA, GB e GT em 94,4% e 87,2% (p=0,1340) e 93,5%. IM grave pós-VMPB ocorreu em 3 pacientes, sendo 2 (0,8%) no GA e 1 (2,1%) no GB, (p=0,3995). No final da evolução, no GT, a classe funcional (CF) foi I em 145 (47,1%), II em 88 (28,6%), III em 58 (18,8%), IV em 4 (1,3%) e houve 13 (4,2%) óbitos e no GA e GB: CF I em 126 (48,5%)) e 19 (39,6%), II em 75 (28,8%) e 13 (27,1%), III em 51 (19,6%) e 7 (14,6%), IV em 3 (1,2%) e 1 (2,1%) e óbito em 5 (1,9%) e 8 (16,7%) (p=0,0002). A AVM ecocardiográfica no final da evolução foi, no GA e GB de 1,58±0,50 e 1,41±0,39 cm² (p=0,0599) e no GT de 1,55±0,49cm². No GT ocorreu eventos maiores em 53 (17,2%) pacientes e no GA e GB 39 (15,0%) e 14 (29,2%), (p=0,0169). Foram fatores de risco para óbito: IM grave per-VMPB, escore de Wilkins ?8 e fibrilação atrial e para eventos maiores: insucesso, IM grave per-VMPB, fibrilação atrial e escore de Wilkins ?8. Conclusões: Foram fatores de risco para óbito: IM grave per-VMPB, escore de Wilkins ?8 e fibrilação atrial e para eventos maiores: insucesso, IM grave per-VMPB, escore de Wilkins ?8 e fibrilação atrial. O GB com maior escore de Wilkins apresentou pior evolução.


076

RESULTADO E EVOLUÇÃO INTRA-HOSPITALAR. INTERVENÇÃO CORONÁRIA PERCUTÂNEA EM HOMENS E MULHERES. FATORES DE RISCO PARA ÓBITO


Edison C Sandoval Peixoto2, Rodrigo T S Peixoto1, Paulo S Oliveira1, Mario Salles1, Ronaldo A Villela1, Pierre Labrunie1, Marta Labrunie1, Ricardo T S Peixoto1, Ivana P Borges2, Melanie B M Souza2, Maurício B F Rachid1

1) Cinecor 4º Centenário, Rio de Janeiro-RJ, Brasil 2) Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ, Brasil

Fundamento: O sexo feminino apresenta maior mortalidade que o sexo masculino na intervenção coronária percutânea (ICP). O objetivo do estudo foi avaliar as diferenças entre os sexos no procedimento e na evolução intra-hospitalar (EIH) e determinar fatores de risco para óbito no grupo total (GT). Metodos: Foi realizada uma análise retrospectiva do banco de dados de ICP, que foi elaborado prospectivamente e estudados 5415 procedimentos realizados de 1995 a 2005, 3650 (67,4%) em pacientes do sexo masculino e 1765 (32,6%) do sexo feminino, dos quais 5390 com EIH. Utilizou-se os testes: Qui quadrado e t de Student para a comparação dos sexos e regressão logística múltipla para determinar os fatores de risco no GT. Resultados: O sexo masculino e sexo feminino apresentavam: idade de 59,5± 10,9 e 63,3±10,9 anos (p<0,0001), quadro clínico: angina estável em 1334 (36,5%) e 642 (36,4%) pacientes, angina instável em 1571 (43,0%) e 866 (49,1%), infarto agudo do miocárdio (IAM) em 325 (8,9%) e 154 (8,7%) e estavam assintomáticos 420 (11,5%) e 103 (5,8%) pacientes, (p<0,0001), havia doença uniarterial em 1858 (50,9%) e 998 (56,5%) pacientes, biarterial em 1207 (33,1%) e 549 (31,1%), triarterial 566 (15,5) e 213 (12,1%) e tronco de coronária esquerda em 19 (0,6%) e 5 (0,3%), (p=0,0002), com predomínio de função ventricular esquerda (FVE) normal no sexo feminino (p=0,0457). No GT, no sexo masculino e no sexo feminino obteve-se sucesso de: 91,1%, 90,6% e 92,3% (p=0,0359), insucesso de: 8,9%, 9,4% e 7,7% (p=0,0359), oclusão aguda no procedimento ou EIH: 2,4%, 2,3% e 2,7% (p=0,3598) e óbito: 1,2%, 1,0% e 1,8% (p=0,0169). Foram fatores de risco para óbito: idade ?80 anos (p=0,0302; HR=3,5112), oclusão aguda no procedimento ou EIH (p<0,0001; HR=96,1538), quadro clínico de IAM pré procedimento (p<0,0001; HR=8,3963) e sexo feminino (p=0,0243; HR=2,2527). Conclusões: O sexo feminino era mais velho, mais sintomático, mais uniarterial e com maior sucesso no procedimento e os fatores de risco para óbito foram: idade ?80 anos, oclusão aguda no procedimento ou EIH, quadro clínico de IAM pré-procedimento e sexo feminino.


077

INTRAVASCULAR ULTRASOUND CAN BE USED TO STRATIFY THE SEVERITY OF INTERMEDIATE STENOSIS IN A BROAD SPECTRUM OF PRESENTATION OF CORONARY SYNDROMES.


Marlos R Fernandes1, Adriano Caixeta1, Nelson Albuquerque Sousa e Silva2, Cesar Medeiros1, Claudia Matos1, Monica Teixeira1, Miguel Rati1

1) Rede Do’r Hospitais, Rio de Janeiro, Brasil 2) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Background: The use of coronary angiography for stenosis quantification has several limitations. The importance of intermediate coronary stenosis in inducing myocardial ischemia in a broad spectrum of coronary syndromes is unclear. The objective of this study is to assess the frequency of predetermined IVUS stenosis severity criteria and to define the pattern of atherosclerotic compromise, in patients with myocardial ischemia and intermediate coronary stenosis. Methods: Patients with clinical history or functional test compatible with myocardial ischemia and at least one intermediate stenosis (between 30 and 70% by QCA) were included. IVUS studies, using 30 MHz or 40 MHz catheters at a constant pullback speed of 0.5 mm/sec were performed. Minimal lumen area equal or inferior to 4.0mm² was considered severe by IVUS criteria. QCA analysis were done using the CASS II software. Categorical variables were compared by Fisher exact test and continuous ones by t test. Results: Fifty two patients with 59 intermediate stenosis were included in the final analysis. Forty lesions (68%), were severe by IVUS criteria. The frequency of severe lesions were higher in patients with chronic than in those with acute clinical presentations as shown in figure 1 (93% vs 62%, respectively; p=0.02). QCA results were similar to IVUS results for the measurement of the minimum lumen diameter (1.82±0,55mm vs 1.76±0,42mm, respectively; p=0.18). Smaller reference segment diameter results were found for QCA analysis (2.83±0.56mm vs 3.45±0.69mm - p<0.0001). IVUS showed a significant atherosclerotic compromise of the reference segments, as noticed by an average of 36% of plaque burden, in artery segments apparently normal by angiography. There was a weak concordance (r=0.4) between the two methods for the measurement of the reference segment diameter. Conclusion: Coronary angiography may underestimate the severity of intermediate stenosis due to its inaccuracy to detect atherosclerotic compromise of the reference segments. Due to the frequency of non severe stenosis in patients with acute clinical presentation, other mechanisms responsible for myocardial ischemia than lumen obstruction may be involved in these cases.




078

TÉCNICA DO “PULLBACK” PARA TRATAMENTO DE LESÃO CORONÁRIA EM BIFURCAÇÃO TIPO 4b


Luciano Abreu1, George Meireles1, Antonio Forte1, Marcos Sumita 1, Jorge Hayashi1, Jose Solano1

1) Hospital Stella Maris, Guarulhos - São Paulo, Brasil

Fundamento: as lesões obstrutivas coronárias em bifurcações envolvendo isoladamente o óstio de ramos laterais (tipo 4b) permanecem um desafio para o tratamento pelo cardiologista intervencionista. Deve-se evitar o deslocamento de placa para a luz do vaso principal durante o implante de stent no ramo lateral. A técnica de “pullback” é uma alternativa para o tratamento dessas lesões. O objetivo deste estudo é avaliar os resultados iniciais da técnica do “pullback” para tratamento de lesões coronárias em bifurcações tipo 4b. Metodos: Estudo consecutivo do implante de stent pela técnica do “pullback” em 15 pacientes com diagnóstico de síndrome coronária aguda ou crônica, no período de novembro de 2005 a março de 2006. Foram critérios de inclusão: lesões de novo localizadas no óstio de ramos laterais com angulação > 45° em relação ao vaso principal e de exclusão: lesão no vaso principal localizada próxima a origem do ramo lateral. A técnica consiste do posicionamento de duas guias (vaso principal e ramo lateral), seguido do posicionamento do stent no ramo lateral e do balão no vaso principal encobrindo a origem do ramo lateral. Após a insuflação do balão no vaso principal, o stent é tracionado em direção ao vaso principal até entrar em contato com o balão e então o stent é liberado, permanecendo ambos os sistemas insuflados por 40 segundos. Resultados: a idade foi 58,5±14,2 anos com predomínio do sexo masculino (53,3%). A maioria dos pacientes apresentavam angina estável (73,4%). A fração de ejeção foi 59,7±13,9%. Os ramos laterais foram: diagonal (60%), marginal esquerdo (33,4%), ventricular posterior esquerdo (3,3%) e descendente posterior (3,3%). As lesões eram tipo B2. O diâmetro de referência dos ramos laterais foi 2,46±0,36 mm e a extensão foi 11,54±3,68 mm. O diâmetro do stent foi 2,52±0,44 e a extensão foi 12,62±3,44 mm. O sucesso do implante ocorreu em todos os procedimentos sem complicações no vaso principal. Não ocorreram IAM, morte e oclusão aguda ou subaguda. Os stents utilizados foram Traveller (26,7%), Lekton Motion (33,3%), Liberté (20%), Flexmaster (6,7%) e Biodivysio (13,3%). A pressão máxima foi 12,25±2,05 atm na liberação do stent e 12,6±1,7 atm no balão posicionado no vaso principal. A pré-dilatação ocorreu em 33,3% dos implantes de stent. Conclusão: os resultados iniciais com o emprego da técnica do “pullback” mostraram tratar-se de uma técnica segura e eficaz para o tratamento de lesões coronárias em bifurcações tipo 4b.


079

COMPARAÇÃO DO TRATAMENTO PERCUTÂNEO EM VASOS ? 3,5MM COM STENTS CONVENCIONAIS VS. FARMACOLÓGICOS


Daniel Ferreira Mugrabi1, Sergio Rodrigues Maranha1, João Batista de Oliveira1, Maria Fernanda Z. Mauro1, Salvador A. B. Cristóvão1, José Armando Mangione1

1) Hospital Beneficência Portuguesa, São Paulo-SP, Brasil

Introdução: Os stents farmacológicos reduzem de forma significativa a reestenose coronária comparado aos stents convencionais especialmente em vasos com diâmetro < 3,5mm. Poucos estudos avaliaram a diferença entre as duas estratégias na população com vasos de maior calibre. Objetivos: Avaliar as características clínicas e angiográficas e os desfechos hospitalares e no seguimento clínico em pacientes com vasos de calibre ?3,5mm submetidos a implante de stents farmacológicos (SF) e convencionais (SC). Metodos: Realizamos um estudo observacional prospectivo, em pacientes submetidos a implante de stents farmacológico e convencional de janeiro de 2002 a janeiro de 2006. Foram avaliadas as características clínicas e angiográficas pré-procedimento, a evolução hospitalar e até 24 meses pós angioplastia. O desfecho primário foi o evento combinado óbito, infarto (IAM) e necessidade de nova revascularização (RM) no seguimento clínico. O desfecho secundário foi a evolução hospitalar e o quadro clínico tardio. Resultados: Foi realizado implante de stents em 1600 lesões de vasos ?3,5mm (62 no grupo SF).

Os pacientes do grupo SC apresentaram maior prevalência de tabagismo (11,3% vs 30,6%, p=0,01) e IAM prévio (32,5% vs 14,5%, p=0,003). Não houve diferença entre os grupos em relação a evolução hospitalar e tardia. Também não observamos diferença estatística quanto ao desfecho primário e a evolução clínica tardia (ver tabela). Conclusão: Nossos dados demonstram um percentual alto de sucesso do procedimento e baixo índice de complicações hospitalares nos dois grupos. Ambos os tipos de stents foram igualmente efetivos no tratamento das lesões em vasos de calibre ?3,5mm.

Total Farmacológico Convencional p
Total pac seguidos 1467 (94,5 %) 57 (93,4%) 1410 (94,5%) 0,937
IAM 5 (0,3%) 0 (0%) 5 (0,4%) 0,477
Óbito 35 (2,4%) 1 (1,8%) 34 (2,4%) 0,895
RM 112 (7,7%) 2 (3,5%) 110 (7,8%) 0,313
Composto 152 (10,4%) 3 (5,3%) 149 (10,6%) 0,336


080

AVALIAÇÃO COMPARATIVA TARDIA DA ANGIOPLASTIA COM STENTS PACLITAXEL (TAXUS) E STENTS CONVENCIONAIS. MUNDO REAL.


Alcides Ferreira Jr.1, Esmeralci Ferreira1, Norival Romão3, Claudio Feldman3, Cyro Rodrigues1, André Valentim1, José G. Amino3, Denilson Albuquerque2, Denizar Vianna2, Vitor Azevedo2, Antonio Farias3, Marlos Fernandes1

1) Status Cor, HC Mario Lioni, Rio de Janeiro, Brasil 2) INCL, H.U. Pedro Ernesto, Rio de Janeiro, Brasil 3) Prontocor, Rio de Janeiro , Brasil

Fundamento: Comparando os mesmos subgrupos, os Stents Farmacológicos (SF) têm melhores resultados que os convencionais. Permanecem dúvidas se há superioridade dos stents SF em relação aos convencionais (SC) na vida real. Objetivo: Comparar stents com paclitaxel (GI) em pacientes complexos (diabetes + comorbidades) e os SC (GII) em pacientes menos graves. Pacientes e Método: 220 pacientes prospectivos, seguimento de 2 anos (m=17m), 111 GI e 109 GII. Avaliados sobrevida livre de eventos,( angina, morte IAM, RLA e restenose) (K. Meyer) + qui quadrado IC(95%). Resultados: Entre os fatores de risco, a história familiar (GI= 38,7%) e GII= 22,1%) e o diabetes (GI= 54% e GII= 17,4%) foram mais freqüentes no GI, com p= 0,007 e p< 0,0001. Entre as comorbidades o infarto prévio (GI= 48,6% e GII= 28,4%) e cirurgia prévia (GI= 21,7% e GII=5,5%) foram maiores no GI, p= 0,002 e p= 0,0005 respectivamente. Não houve diferença no número de IAMSSST nos dois grupos (GI= 43,3% e GII= 32,0%, p= 0,088). O número de pacientes triarteriais foi maior no GI (20,7% vs 10,1%, p=0,029). A disfunção de VE foi mais freqüente no GI (54,1% vs. 22%, p= 0,0001). O GI apresentou mais lesões do tipo BII (30,4% vs 18,1, p= 0,013) e o GII mais do tipo A (GI= 25,6 vs GII= 45,5, p= 0,0002). O número de stents por paciente foi GI= 1,73 e GII= 1,52. O GI tratou artérias mais finas (média de diâmetro GI= 2,76± 0,35mm vs GII= 2,91± 0,47mm) (p=0,006). O comprimento também foi maior no GI= 37,6±23,0mm vs GII= 24,8±15,8mm (p= 0,0001). Houve mais complicações hospitalares não fatais no GI com p= 0,006. Evolução: Restenose por paciente foi menor no GI: GI= 7(6,3%) e GII 14(12,8%) p= 0,099 (NS). Restenose por Lesão: GI=7(4,1%) e 14 (9,8%) p=0,0489. Livre de Eventos Maiores GI=95(85,6%), GII=87(79,8%), p=0,25. Angina GI=11(9,9%) x 15(13,8%),p=0,38). Óbito: GI 4(3,6%) ;GII 6(5,5%) (NS). A curva de sobrevida em 2 anos foi 96,2% no GI e 89,3% no GII, a de eventos foi similar, mas a restenose por lesões foi maior no GII. As curvas de sobrevida (p=0,76), eventos (p=0,35) e restenose (p=0,82) foram NS nos dois grupos Conclusões: Os resultados foram similares nos dois Grupos apesar do GI tratar pacientes mais graves e com menor taxa de restenose por lesão.


081

AVALIAÇÃO DOS TARDIA DA ANGIOPLASTIA CORONARIANA COM SIROLIMUS (CYPHER) - MUNDO REAL.


ALCIDES FERREIRA JR1, ESMERALCI FERREIRA2, NORIVAL ROMÃO2, CYRO RODRIGUES1, CLAUDIO FELDMAN2, MARLOS FERNANDES1, ANDRÉ VALENTIM1, DENIZAR VIANNA3, DENILSON ALBUQUERQUE3, VITOR AZEVEDO3, MARA LUCIA FARIAS2, ANTONIO FARIAS NETO2

1) Clinica Status Cor, HC Mario Lioni,, RJ, BR 2) Prontocor,, RJ, BR 3) HU Pedro Ernesto e INC Laranjeiras., Rio de Janeiro, Brasil

Fundamento: os stents farmacológicos(SF) com sirolimus (SR) são uma opção terapêutica efetiva por diminuírem a restenose. Seu benefício é incontestável em grupos controle. No mundo real, com pacientes (pt) mais graves, os estudos de médio prazo começam a aferir seu valor.Objetivo: mostrar os resultados da casuística dos SR em pt não selecionados.Pacientes e Método: análise retrospectiva de 98 pt não selecionados submetidos à ATC com SR. Na análise estatística foi realizado qui-quadrado, calculado o intervalo de confiança de 95% (CI95) e a média ±DP. Resultados: Os pt foram submetidos a seguimento médio de 14,0±9,0 (1 a 45) meses. Eram 74 (75,5%) homens e 24 (24,5%) mulheres (p<0,0001), com idade média de 63,5±11,1 (42 e 93) anos, apresentando: diabetes=33 (33,7%, HAS=83 (84,7%, dislipidemia = 62 (63,3%), obesidade=30 (30,6%), sedentarismo=75 (76,5%), tabagismo= 18 (18,4%) e história familiar = 55 (56,1%). Houve IAM antigo em 43 (43,9%) e 56 (57,1%) já tinham ATC ou cirurgia prévia. A Angina estável esteve presente em 50 (51,0%) e 48 (49,0%) tinham SCA. Os uniarteriais foram 52 (53,1%) bi 34 (34,7%) e tri 12 (12,2%). Disfunção do VE moderada/grave foi registrada em 16 (16,3%). Implantou-se 148 stents, (141 SR e em 6 pt 7 não SR), em 136 artérias e 143 lesões, sendo 49 (36,0%) na DA; 31 (22,8%) na CD; 33 (24,3%) na CX; 9 (6,6%) na DI; 3 (2,2%) em TCE ; 9 (6,6%) em safenas e 2 (1,5%) em mamária. Das 143 lesões 73 (51,0%) eram proximais, 41 (28,7%) no 1/3 médio, 17 (11,9%) distais, 11 (7,7%) no óstio e 1 (0,7%) na anastomose, sendo 55 (38,4%) do tipo A; 37 (25,9%) B1; 33 (23,1%) B2 e 18 (12,6%) do tipo C. Ocorreu um óbito por choque cardiogênico no procedimento e 3 (4%) complicações vasculares. Entre os 98 pt do seguimento, 79 (80,6%) estão assintomáticos e sem eventos, 13 (13,3%) tiveram angina, sendo 6 (6%) por progressão da lesão em outro seguimento e um pt foi operado. Houve 6 (6,1% - CI95=2,5 a 13,4%) restenoses, todas redilatadas, 1 (1,0%) óbito cardíaco tardio e 2 não cardíacos. A avaliação final destes pacientes mostrou que 84 (85,7%) permanecem asssintomáticos tratados exclusivamente pela ATC. Conclusões: A ATC com SR mostrou ser eficaz, na avaliação em médio prazo, com índices de restenose semelhantes aos encontrados na literatura.


082

TAXUS LIBERTE IN THE


Waqar Ahmed1

1) Armed Forces Hospital, Jeddah, Saudi Arabia

Background: The TAXUS Liberté-SR Paclitaxel-Eluting Stent System was designed with thinner struts, continuous cell architecture, and short and long elements to improve deliverability and uniformity of drug elution. TAXUS OLYMPIA is a multicenter, prospective, global registry with 5 phases designed to capture usage data and clinical outcomes from up to 35,000 patients receiving the TAXUS Liberté stent during routine clinical practice. The purpose of this presentation is to report 6- month outcomes from the Transitioral Phase I of TAXUS OLYMPIA. Methods: Phase I is a post-approval, web-based registry involving 16 centers in 7 countries with commercial availability of TAXUS Liberté. All patients receiving a TAXUS Liberté stent at participating sites during the enrollment period were invited to participate in the registry. A total of 529 patients receiving at least one TAXUS Liberté stent were enrolled in Phase I. Clinical follow-up evaluations have been scheduled for 1, 6, and 12 months post-implantation. To insure integrity of data collection, records from 100% of patients during the 30-day follow-up, and from a random sample of 20% of patients during the 6- and 12-month follow-up periods, will be reviewed against the patient’s medical chart for verification. Records from 100% of patients with reported cardiac events will also be verified. Additionally, an independent Clinical Events Committee will adjudicate all reported cardiac events. The primary outcome of Phase I is the rate of TAXUS Liberté related cardiac events (defined as cardiac death, myocardial infarction and re-intervention) at 30 days postimplantation. Results: From February to June, 2005, 529 patients were enrolled in Phase I. A large proportion of those patients are considered high-risk, with 51.0% diabetics and 49.0% with angiographic evidence of multi-vessel disease. Overall, 57% of enrolled patients represent expanded use over those patients with simple lesions typically studied during randomized, controlled trials. The 30-day TAXUS Liberté related cardiac event rate was 1.3% (n=7), with 1.0% (n=5) of patients requiring a re-intervention. Additionally, the rates of TAXUS Liberté related cardiac death and myocardial infarction were low at 30 days (0.4%, n=2, and 1.0%, n=5, respectively). Within the first 30 days, stent thrombosis occurred in 1.1% (n=6) of patients. The 6-month clinical follow-up is currently being conducted, and the results will be finalized by presentatio


083

IMPORTÂNCIA DA APRESENTAÇÃO CLÍNICA NA EVOLUÇÃO DOS PACIENTES SUBMETIDOS AO IMPLANTE DE STENTS FARMACOLÓGICOS


GUSTAVO ITHAMAR SOUTO MAIOR1, JÚNIOR CAMILO DE QUEIROZ1, ADNAN ALI SALMAN1, GUSTAVO BRAVO RANDO1, MARIA FERNANDA Z.MAURO1, JOSÉ ARMANDO MANGIONE1

1) HOSPITAL BENEFICÊNCIA PORTUGUESA, SÃO PAULO, BRASIL

FUNDAMENTOS Os pacientes com síndrome coronariana aguda sem elevação do segmento ST (SCASESST) apresentam evolução mais desfavorável comparados aos portadores de doença arterial coronariana (DAC) estável quando submetidos ao tratamento percutâneo com stents convencionais. Entretanto, atualmente, com o desenvolvimento da farmacologia adjunta e o surgimento dos stents farmacológicos, a evolução destes pacientes não está completamente esclarecida. OBJETIVOS Comparar os resultados dos pacientes do “mundo real” que foram submetidos a implante de stents farmacológicos analisando-se as características clínicas, evolução hospitalar e no seguimento clínico, baseado no quadro clínico de apresentação. MÉTODOS Estudo prospectivo, multicêntrico (03 centros) realizado no período de janeiro de 2002 a janeiro de 2006, envolvendo 386 pacientes que se submeteram à implante de 498 SLM (1,29 stent/paciente). Esses pacientes foram divididos em 02 grupos: G1 – pacientes com SCASESST (angina instável de médio e alto risco e IAM sem supradesnivelamento do segmento ST) e G2 - assintomáticos, angina estável e instável de baixo risco, avaliados quanto às características clínicas, evolução hospitalar (EH) e no seguimento clínico (SC). RESULTADOS/CONCLUSÃO Os stents farmacológicos associados a uma maior utilização dos inibidores GPIIb/ IIIa proporcionaram evolução hospitalar e no seguimento clínico semelhante dos pacientes portadores de doença arterial coronária estável comparado aos com síndrome coronária aguda sem elevação do segmento ST, conforme os dados da tabela em anexo.

VARIÁVEL G1 n=290 G2 n = 96 P
IDADE 63±12.33 65±12.32 0,169
IAM PRÉVIO 40(13,8%) 25(26%) 0,033
USO DO INIBIDOR GPIIbIIIa 1(0,3%) 7(7,3%) 0,000
SUCESSO DO PROCEDIMENTO 286(98,6%) 95(99%) 0,950
ÓBITO, IAM, REVAS. URG.(EH) 4(1,3%) 0(0,0%) 0,572
ÓBITO(SC) 1(0,4%) 3(3,4%) 0,080
ÓBITO NÃO CARDÍACO(SC) 0(0,0%) 3(3,4%) 0,020
IAM(SC) 2(0,8%) 1(1,1%) 0,509
NECESS. REVASC. CIR.(SC) 1(0,4%) 0(0,0%) 0,554
NECESS. REVASC. PERC.(SC) 4(1,3%) 0(0,0%) 0,578
ÓBITO, IAM E RM(SC) 8(2,7%) 4(4,1%) 0,730


084

EVOLUÇÃO CLÍNICA TARDIA DE PACIENTES SUBMETIDOS AO IMPLANTE ELETIVO DE STENTS COM ELUIÇÃO DE BIOLIMUS NO TRATAMENTO DE LESÕES CORONÁRIAS DE NOVO


Marinella P Centemero1, Alexandre Abizaid1, Eduardo Missel1, Leandro Lasave1, Fausto Feres1, Rodolfo Staico1, Luiz A Mattos1, Luiz F Tanajura1, Áurea J Chaves1, Amanda GMR Sousa1, J Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Objetivos: 1º) demonstrar a segurança e eficácia de stents (S) com eluição de Biolimus A9 (BA9), derivado da rapamicina, no tratamento (T) de lesões primárias a curto (seis meses) e a longo prazo (dois anos); 2º) verificar a reestenose angiográfica (RA) e as alterações da luz arterial pela angiografia coronária quantitativa (ACQ) e pelo ultra-som (US) aos seis meses. Metodos: Estudo unicêntrico, envolvendo 30 pacientes, no período de 12/2003 a 03/2004, tratados pelo implante de S com eluição de BA9 e seguidos por dois anos. Resultados: tabela abaixo. Conclusão: Conclusão: Ao final de dois anos, os p tratados pelo BA9 apresentam excelente evolução clínica demonstrada pelas baixas taxas de eventos maiores (morte = 0; infarto = 3,3% e nova ATC = 10%). Paralelamente, a redução significativa da perda tardia do VOS e da RA aos seis meses indicam que o SBA9 é seguro e eficaz.

Variáveis SBA9
Idade - anos (m)/Homens %/Diabetes % 58,3±9,8 / 50 / 20
Morte/Infarto (30 dias) % 0 / 0
Nova ATC (30 dias) % 3,3
Morte/Infarto (6 meses) % 0 / 0
Nova ATC (6 meses) % 6,6
Morte/Infarto (24 meses) % 0 / 3,3
Nova ATC (24 meses) % 10
Angiografia Pré: Diâmetro Referência Vaso (mm) 2,95±0,40
Angiografia (6 meses) - Perda Tardia (mm) 0,24±0,39
Angiografia (6 meses) - RA % 3,3
US (6 meses) - Volume Obstrução do S (VOS) % 2,23±0,77


085

CORRELAÇÃO ENTRE O NÍVEL DE PROTEÍNA C REATIVA COM O VOLUME DE HIPERPLASIA INTIMAL AVALIADO PELO ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO


Julio P Maia1, Leandro Lasave1, Dimytri Siqueira1, Alexandre Abizaid1, Andrea Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Alberto P Mattos1, Rodolfo Staico1, Luiz F Tanajura1, Pedro Beraldo1, Amanda G M R Sousa1, J Eduardo Sousa1

1) INSTITUTO DANTE PAZZANES DE CARDIOLOGIA, SÃO PAULO, BRASIL

Fundamentos: A Proteína C Reativa (PCR) vem sendo incorporada como marcador de eventos cardíacos adversos tanto nas síndromes coronárias agudas quanto na doença coronária estável. Todavia, seu papel como preditor de reestenose após intervenções coronárias percutâneas (ICP) ainda não foi estabelecido. Objetivos: Comparar o nível sérico de PCR com o grau de hiperplasia intimal em stents liberadores de medicamentos através da análise por ultra-som intracoronário (USIC). Metodos: Trinta e sete pacientes, consecutivamente tratados por ICP com stents liberadores de Zotarolimus (ZoMaxx®), foram agrupados em quartis (QUA) de acordo com o nível sérico de PCR ultra-sensível (valor de referência ? 1,0mg/ L) dosado imediatamente após o procedimento. Análise por USIC foi realizada após o implante dos stents e aos 4 meses, com medidas de volume de hiperplasia intimal (HI) intra-stent, conforme a tabela. Resultados: A idade média foi de 58,03 ± 8,83 anos, sendo 54% do sexo masculino. Não houve diferenças clínicas e angiográficas estatisticamente significativas entre os grupos. O volume médio de HI entre o primeiro e quarto quartis foi 3,20 ± 3,89 X 10,11± 7,41(p=0,03) e o percentual médio de obstrução intra-stent foi 3,63 ± 3,20 X 7,20 ± 4,37 (p=0,073). Na analise de regressão múltipla a variável PCR se correlacionou positivamente com o volume de IH (r 0,61; p=0,0001 IC 95%0,3-0,7). Conclusão: Pacientes com níveis elevados de PCR apresentaram significativamente maior grau de HI intrastent após um período de 4 meses. Estudos maiores devem ser realizados para que estes dados possam ser extrapolados para a prática clínica.

QUA 1 QUA 2 QUA 3 QUA 4
N 8 9 10 10
Nível de PCR (mg/dL) 0,10-1,00 1,01–3,06 3,07-8,60 8,61–52,6
Volume de HI (mm3) 3,20±3,89 2,53±2,50 4,12±3,60 10,11±7,41
% obstrução intra-stent 3,63±3,20 3,56±2,96 3,90±2,76 7,20±4,37


086

ESTUDO RANDOMIZADO COMPARATIVO STENT METÁLICO X STENT RECOBERTO POR TITÂNIO-ÓXIDO NÍTRICO – FOLLOW-UP CLÍNICO DE 6 MESES


Fernando M. Santanna1, Leonardo A. Batista1, Marcelo Bastos Brito1, Fábio Machado Ventura1, Carlos Alberto Mussel Barrozo1

1) Hospital Santa Helena, Cabo Frio - RJ, Brasil

FUNDAMENTOS: O stent recoberto por titânio-óxido nítrico (Titan) mostrou-se eficaz para redução da hiperplasia neoíntima comparado ao stent convencional tanto em animais quanto em seres humanos. O objetivo desse estudo prospectivo e randomizado do stent Titan versus stent de aço inoxidável é investigar a eficácia e segurança do stent Titan assim como comparar o índice de eventos cardíacos adversos maiores (MACE) e a percentagem de pacientes livres de angina após 6 meses dos dois grupos. MÉTODOS: Cento e dezesseis pacientes (132 lesões) submetidos à intervenção coronária percutânea (ICP) eletiva com implante de stent no período de Jul/2005 a Dez/2005 foram randomizados para dois grupos: I) Stent metálico (n = 63); II) Stent Titan (n = 53). O follow-up clínico foi realizado através de consulta clínica ou entrevista por telefone. Os grupos foram comparados com os testes exato de Fisher para variáveis categóricas e t de Student não pareado para variáveis numéricas. As curvas de sobrevivência para ausência de MACE e ausência de angina foram construídas pelo método de Kaplan-Meier e comparadas pelo teste de log-rank. RESULTADOS: Foi obtido sucesso angiográfico em todos os pacientes nos dois grupos. As características clínicas e angiográficas foram similares nos dois grupos. O período médio de seguimento foi de 178 ± 50 dias. Aos 30 dias, o índice de MACE foi de 2.5% no grupo I e 1.5% no grupo II (p = 0.66). Após 6 meses, a sobrevida livre de MACE foi semelhante nos dois grupos (92.5% versus 84.2%, p = 0.087), porém a percentagem de pacientes livres de angina foi significativamente melhor no grupo II do que no grupo I (91% versus 76,2% p = 0.037). Conclusão: O implante do stent Titan em pacientes com insuficiência coronária crônica é seguro e efetivo, porém os índices de MACE após 6 meses foram similares aos do stent de aço inoxidável. No entanto, o percentual de pacientes livres de angina nesse mesmo período foi maior no grupo Titan. Follow-up clínico após 1 e 2 anos é necessário para comprovar a manutenção desses resultados em longo prazo.




087

RESULTADOS COMPARATIVOS DA INTERVENÇÃO CORONÁRIA PERCUTÂNEA (ICP) EM DIABÉTICOS- DADOS DE UM REGISTRO NACIONAL


Maria Fernanda Z. Mauro1, João Paulo Sesconetto Junior2, Adriano M. Caixeta1, Luiz Alberto P. Matos1, Ronaldo da Rocha L. Bueno1, Salvador A. B. Cristóvão2, Adnan A. Salman2, João Batista de Oliveira Neto2, Gustavo Adolfo Bravo Rando2, Cristiana Marques Araújo1, José A. Mangione1, Demais colaboradores da CENIC1

1) CENIC-Central Nacional de Intervenções Cardiovasculares, São Paulo-SP, Brasil 2) Hospital Beneficencia Portuguesa de São Paulo-Equipe Mangione, São Paulo- SP, Brasil

Introdução: As anormalidades metabólicas e hematológicas associadas ao diabetes mellitus levam a um aumento da morbi-mortalidade peri-operatória nos diabéticos (D) submetidos à revascularização miocárdica cirúrgica. Objetivo:Analisar a morbimortalidade na evolução hospitalar de D e não diabéticos (ND) submetidos a ICP no território brasileiro. Material e Metodos: Foram avaliados do banco de dados da CENIC 53.784 pacientes (P) submetidos à ICP com implante de stents no período de 01/01/2003 a 31/12/2005, dos quais 48.463 (90,1%) foram eletivos e 5.321 (9,9%) angioplastia primária (ATC P). Destes,11.523 (21,4%) eram D, e 2.016 (17,4%) insulino-dependentes (DID). Procurou-se comparar a evolução hospitalar de D vs ND, e de não insulino-dependentes(DNID) vs DID nas duas situações:eletiva e no IAM. Resultados: Nos eletivos os D apresentavam maior prevalência de fatores de risco e morbidade como revascularizações prévias, hipertensão arterial sistêmica (HAS), IAM prévio, dislipidemia, e SCASEST de alto risco, e maior complexidade da doença arterial coronária:multiarterial, disfunção ventricular severa, predomínio de lesões tipo B2 e C, calcificações e lesões longas (>20mm de comprimento);porém com sucesso clínico e incidência de eventos cardíacos maiores (ECAM) semelhantes aos ND. O grupo DID apresentava significativamente maior morbidade e risco em relação aos DNID, porém, com resultados imediatos semelhantes: 98,8% de sucesso por vaso para ambos (p=0,99) e no procedimento: 96,5% e 95,3% (p=0,759)sem diferença na incidência de ECAM. Na ATC P, os D apresentaram co-morbidades similares aos eletivos, porém com maior média de idade, Killip IV, uso de stents farmacológicos (SF), e maior taxa de insucesso do procedimento (3,3% vs 5,2% p=0,006). Os DID eram mais jovens (63.97 ± 11.15 vs 61.01 ± 12.57 (p= 0,003), em Killip III, disfunção de VE severa, lesões > 20mm (27,6% vs 41,2% p=0,01) e maior uso de Abciximab (11,8% vs 19,7% p=0,031). Sucesso,taxa de ECAM e complicações vasculares foram similares.Não houve diferença no uso de SF. (2,35% vs 2,39% p= 0,827). Conclusões:Esta análise mostrou que nos procedimentos eletivos os D e em especial os DID apresentam maior co-morbidade e maior complexidade de doença arterial coronária, porém com semelhante evolução hospitalar. Por outro lado, nos não eletivos, maior taxa de insucesso e óbito no D, que poderia provavelmente ser modificada com maior uso de inibidores da GPIIb/ IIIa associado ao implante de SF.


088

DOENTES SOBREVIVENTES A ENFARTE DO MIOCARDIO COMPLICADO POR CHOQUE CARDIOGENICO: TAXA DE SOBREVIVENCIA, A UM ANO, SEMELHANTE À DOS DOENTES COM ENFARTE E SEM CHOQUE


Helder Pereira1, Hugo Vinhas1, Jorge Guardado1, Silvia Vitorino1, Ernesto Pereira1, Manuel Carrageta1

1) Hospital Garcia Orta, ALMADA, PORTUGAL

Introdução: Os doentes sobreviventes de enfarte agudo do miocárdio complicado por choque cardiogénico, que foram incluídos no estudo SHOCK, tiveram uma sobrevivência favorável a médio prazo. Objectivos: objectivo observar a sobrevivência, ao primeiro ano, dos doentes com choque cardiogénico, tratados por angioplastia coronária, que atingiram a alta hospitalar, em comparação com a sobrevivência dos doentes em que o enfarte não foi complicado de choque e que também atingiram a alta hospitalar. Metodos: Entre Jan de 1996 e Dez de 2004 foram tratados por angioplastia directa 703 doentes (dts) com enfarte agudo do miocárdio, dos quais 77 dts (11%) estavam em choque cardiogénico e 619 dts (88,7%) não tiveram choque. A mortalidade hospitalar dos doentes com choque foi de 47% e a dos doentes sem choque foi de 3% (p<0,001). A nossa população de estudo foi constituída por 41 dts do grupo com choque e que sobreviveram ao internamento (Grupo A) e de 609 dts que não tiveram choque e que também atingiram a alta hospitalar. Resultados: Os grupos A e B não se distinguiam quanto à idade (64 ±16 vs 62 ±13; ns), percentagem de mulheres (39% vs 60%; ns) nem quanto aos factores de risco (diabetes: 15% vs 13%; ns). A tabela compara os dois grupos quanto aos dados angiográficos, recursos terapêuticos utilizados e sobrevivência ao ano: Conclusões: Em contraste com a alta mortalidade hospitalar, o prognóstico, a médio prazo, dos doentes sobreviventes de choque cardiogénico é favorável, não sendo significativamente diferente do dos doentes sem choque.

Grupo A (n=41) Grupo B (n=609) p
Donça multivaso 68% 51% ns
Descendente anterior 42% 48% ns
Angioplastia multivaso 29% 4% <0,001
Abciximab 78% 73% ns
Balão contrapulsação 80% 1% <0,0001
Sobrevivência (1 ano) 95% (39) 98% (596) ns


089

REDUÇÃO DA INCIDÊNCIA DE INJÚRIA MIOCÁRDICA APÓS INTERVENÇÃO CORONÁRIA PERCUTÂNEA ELETIVA COM O USO DE SINVASTATINA


Julio P Maia1, Daniel Chamié1, Alberto G Fonseca1, Luiz F Tanajura1, Marinella P Centemero1, Andrea Abizaid1, Alexandre Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Alberto P Mattos1, Rodolfo Staico1, Amanda G M R Sousa1, J Eduardo Sousa1

1) INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA, SÃO PAULO, BRASIL

Fundamentos: Cerca de 5 a 30% das intervenções coronárias percutâneas (ICP) eletivas cursam com elevação de marcadores de lesão miocárdica. Evidências sugerem associação deste fenômeno com eventos cardíacos adversos futuros. O uso das estatinas tem se mostrado eficaz em evitar o aumento destes marcadores. Objetivos: Avaliar o impacto do uso da Sinvastatina previamente à ICP eletiva na incidência de elevação de marcadores de injúria miocárdica e de Infarto (IAM) periprocedimento. Metodos: Estudo de uma coorte de 248 pacientes (p) recrutados no período de Maio a Outubro de 2005, consecutivamente tratados por ICP eletiva, e divididos em 2 grupos de acordo com o uso prévio (?7 dias) ou não de Sinvastatina. Grupo 1: com sinvastatina (173p) e Grupo 2: sem uso de estatinas (75p). Foram obtidas dosagens seriadas de CK total e CK-MB atividade, além do perfil lipídico e função renal, comparando-se a incidência e o nível de elevação destes marcadores entre os grupos. Definiu-se IAM periprocedimeto como o aumento absoluto de CKMB acima de 3 vezes o valor normal (valor de referência ? 10U/L). Resultados: A idade média foi de 59,23 ± 10,12 anos, sendo 67% do sexo masculino. Com exceção da maior prevalência de dislipidemia, diabetes e ICP prévia no grupo 1, não houve diferenças significativas entre os grupos do ponto de vista clínico, angiográfico e relacionado ao procedimento. Os dados laboratoriais e a incidência de elevação de marcadores encontram-se na tabela. Conclusão: O pré-tratamento com Sinvastatina se asssociou a uma significativa redução da incidência de injúria miocárdica após ICP eletiva, traduzindo também uma diminuição das taxas de Infarto periprocedimento.

GRUPO 1 (173 p) GRUPO 2 (75 p) p
CK-MB média pré ICP 3,53 ± 2,44 3,05 ± 1,88 0,13
CK-MB média pós ICP 3,90 ± 3,14 8,13 ± 14,11 0,0001
Elevação CK-MB 5 (2,89%) 14 (18,67%) < 0,0001
IAM periprocedimento 1 (0,58%) 4 (5,33%) 0,03


090

THROMBUS-ASPIRATION IN PRIMARY ANGIOPLASTY WITH STENTS: IN-HOSPITAL CLINICAL AND ANGIOGRAPHIC OUTCOMES.


C.Fernandez Pereira1, D.Echeverri Arcila3, J.Mieres2, O.Corzo3, M.Pineda3, C.F Vigo2, M.R.Alemparte2, C.Mauvecin1, A.Rodriguez2

1) Instituto Medico Adrogue, Adrogue.Buenos Aires, Argentina 2) Sanatorio Otamendi, Capital Federal, Argentina 3) Fundacion Cardio Infantil, Bogota, Colombia

Background: Most Acute Myocardial Infarctions (AMI) are caused by a ruptured plaque with sudden thrombosis occlusion. Primary angioplasty with stent is a current therapy to AMI. The presence of Thrombus (th.) increase procedural complications: re-thrombosis and occlusion. Common approaches to treat coronary thrombus prior to plaque intervention are pharmacologic and various mechanical thrombectomy devices, but all of these methods have certain limitations. The purpose is to present a multi-center experience with a thrombus –aspiration catheter in native arteries with a high (th.) Score. Method: The “Aspiration Catheter” Meo Medical® is a rapid’s exchange catheter used with 0.014” wires and 6 F compatible that has, on its distal end, a main orifice and lateral orifices which would allow the newly formed thrombus to be aspirated slowly with a 20 cc. syringe. Then the patients (pts.) were routinely treated with angioplasty and st and also received the IIB IIIA platelet inhibitor Tirofiban with conventional doses. Results The device was used in 23 pts (18 males)in AMI with ST elevation. Average time to treatment was 5.1+-2.3 hs. Killip I :13 pts( 56.5 %),II:8 pts. ( 34.8 %),III :2 pts.(8.7 %). Mean age 58 years +-12. The occlusions were located in: left anterior descending (LAD)11 pts., Left circumflex(LCX)2 pts. and right coronary artery 10 pts. Reference diameter:3.19 mm +-0.51.TIMI flow was 0 in 19pts.(82.6%),TIMI 1 : 3 pts.(13.06%),TIMI 2:1 pts.(4.34%) .Final TIMI 3 was achieved in 20 pts.(86.9%)TIMI 2:2 pts.(8.7%)and TIMI 1 :1 pts.(4.34%). Immediate technical success (residual clot < 50% of lumen diameter) was achieved in 20 pts (86.9 %). Conclusions The aspiration catheter proved effective and safe for treating these 23 pts and achieved in most of them final (TIMI) III flow.


091

BAIXA INCIDENCIA DE EVENTOS NO IMPLANTE DE STENTS COM PROTECÇÃO CEREBRAL EM ESTENOSE CAROTÍDEA EXTRA-CRANEAL COMBINADO COM ANGIOPLASTIA CORONÁRIA.


Tarbine S1, Costantini C O1, Darwich R Z1, Freitas M1, Bubna M1, Barbosa M1, Peixoto M R1, Medeiros M1, Garcia O1, Rubini L1, Denk M1, Costantini C R1

1) Fundação Francisco Costantini, Curitiba, Pr, Brasil

Objetivo: Determinar a viabilidade e segurança do tratamento percutâneo com implante de stent (ST) na estenose carótida extracraneal, quando combinado com angioplastia coronária. Método: Desde Junho de 1998 ate Dezembro de 2005, 212 procedimentos(p) de implante de ST carotídeo foram realizados, sendo utilizada neuro-protecção desde Novembro de 2001, nos últimos 150 p. Destes, 21 corresponderam a p combinados com angioplastia coronária. Resultados: a idade media foi de 63.5 anos, sendo 57% homens, 44% diabeticos. Arteriopatia renal esteve presente em 5.5%, dos membros inferiores em 11% e coronária em 100% dos pacientes (pts)(3 vasos em 44.4%), sendo que 83% destes já tinha revascularização miocardica (60% ATC, 40% CRM). Eram neurologicamente sintomáticos 44.4%, apresentando doença carotídea contralateral associada 22.2% dos casos. Foram implantados 23 stents, 33% com predilatação (wallstent 69.5%, Ultra 16.6%, JoGraft 16.6%, Precise 5.5%). O diâmetro médio destes foi de 5.5+/-2.1mm com comprimento médio de 24.5+/-7.7mm. A pressão media de expansão foi de 15+/-3 ATM, utilizandose um diâmetro médio de balão de 5.4+/-0.7mm. Obteve-se sucesso angiografico em 100% dos casos. A nivel coronario a descendente anterior foi a arteria mais frequentemente tratada (41%) sendo realizado implante de ST em 88.8%, e tratándose 2 vasos em 33% destes. 61.1% dos pts apresentaram bradicardia-hipotensão arterial após a angioplastia. Não foram observados eventos adversos maiores (IAM, òbito, AVC) na fase hospitalar, a 30 dias nem a 6 meses nos pacientes que completaram este período ( 77% ) Conclusão: A realização do tratamento combinado de implante de ST carotídeo-angioplastia coronária monstrou-se factível e segura neste grupo de pacientes, considerando-se a população de alto risco tratada e monstrando bons resultados quando comparados aos dos procedimentos cirúrgicos combinados, conforme a literatura . Estudos com maior quantidade de pacientes seram necessarios para monstrar a verdadera indicação para este tipo de procedimento


092

DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS DOS RESULTADOS DE ACORDO COM AS DIFERENTES VIAS DE ACESSO


Cristiana Marques de Araújo1, Maria Fernanda Z. Mauro1, Ronaldo R. Bueno1, Valter Correia de Lima1, Alcides Zago1, Pedro Lemos1, Wilson Miguel C. Coelho1, José Armando Mangione1, demais colaboradores da CENIC1

1) CENIC - Central Nacional de Intervenções Cardiovasculares, São Paulo - SP, Brasil

Introdução: As principais vias de acesso utilizadas para as intervenções coronárias percutâneas são: femoral, radial e braquial. Atualmente a técnica femoral é a mais utilizada. As principais desvantagens desta abordagem são as complicações vasculares e o desconforto do paciente durante retirada da bainha introdutora. O acesso radial constitui uma opção a técnica femoral com menor número de complicações vasculares, sua maior limitação está na falha de punção. A artéria braquial tem sido considerada um sítio alternativo de acesso, utilizada quando as artérias femorais são inadequadas pela presença de oclusão e/ou estenose significativa. Objetivo:O objetivo deste estudo é comparar as diferenças e semelhanças destas 3 vias de acesso. Método: Foram analisados pacientes submetidos à angioplastia transluminal coronária (ATC) no período de janeiro 2003 a dezembro 2005 e cadastrados na Central Nacional de Intervenções Cardiovasculares (CENIC). Os procedimentos foram divididos em 2 grupos: angioplastia eletiva e na vigência de Infarto (ATC primária). Os grupos foram analisados separadamente quanto às complicações e semelhanças das vias de acesso utilizadas. Resultados: No período de janeiro de 2003 a dezembro de 2005, foram cadastrados na CENIC 53.777 pacientes submetidos à ATC, sendo 48.455 ATC eletiva e 5.322 na vigência de Infarto. O acesso femoral foi a técnica mais utilizada e o acesso radial a técnica de segunda escolha. Na ATC eletiva, os pacientes eleitos para o acesso radial eram principalmente assintomáticos (p<0,001), não diabéticos (p<0,001) e com menor taxa de cirurgia de revascularização miocárdica prévia (p<0,001). Neste grupo foram menores as taxas de óbito (p=0,0011) e não houve diferença estatística significativa quanto às complicações vasculares. Tanto na ATC eletiva como na ATC primária o sucesso do procedimento foi menor no grupo femoral. Houve uma predisposição ao uso do acesso radial na região norte e do acesso braquial na região centro-oeste. A região sudeste utilizou a via femoral em larga escala. Conclusões: A técnica femoral ainda é o método mais utilizado, o acesso radial tem sido reservada para pacientes selecionados. A escolha do acesso é uma decisão pessoal do operador, de acordo sua experiência, disponibilidade dos materiais e estrutura hospitalar em que se encontra, tendo em vista as diferenças nos percentuais de acordo com cada região do país.


093

TRATAMENTO ENDOVASCULAR E EVOLUÇÃO EM 1 ANO DE 92 LESÕES ATEROSCLERÓTICAS DO SETOR FÊMORO-POPLÍTEO.


Rodrigo Bruno Biagioni1, Felipe Nasser1, Roberta Cristina Almeida Campos1, Emanuella Galvão Salles e Silva1, Luis Ramon Virgen1, Orlando Costa Barros1, Marcelo Calil Burihan1, José carlos Ingrund1, Adnan Neser1

1) Hospital Santa Marcelina, São Paulo, Brasil

Objetivo: Avaliar o perfil e a evolução em 1 ano dos pacientes com isquemia de membros inferiores portadores de lesões ateroscleróticas do setor fêmoropoplíteo submetidos ao tratamento endovascular. Casuística e métodos: Foram analisados 90 pacientes (92 membros inferiores) submetidos ao tratamento endovascular da doença obstrutiva crônica no período de Outubro de 2003 a Fevereiro de 2006. A média de acompanhamento foi de 209 dias. Realizado inclusão em protocolo em banco de dados. Seguimento com ecocolordoppler em 1, 3, 6 e 12 meses. Os procedimentos foram realizados no setor de hemodinâmica do Hospital Santa Marcelina. Os pacientes foram submetidos à anestesia local sendo os acessos realizados: artéria femoral comum, artéria poplítea e artéria axilar. As lesões foram recanalizadas utilizando-se fio guia hidrofílico sob a técnica de “roadmapping”. O contraste utilizado foi o Ioversol. 68%. A média de internação foi 1,1 dias. Para análise estatística utilizou-se Teste de Kaplan-Meier. Resultados: A média de idade foi de 68,73±9,38 anos. Desses 58,2% eram do sexo feminino. A média da extensão da lesão foi de 53,36mm (10 a 340mm). O lado mais acometido foi o direito em 52,3%. Em 79% os pacientes apresentavam isquemia crítica (69,5% lesão trófica). A média do score do leito distal segundo Rutherford foi de 6,57±2,69. Pela classificação de TASC 34,4%; 31,1%; 29,5% e 4,9% eram tipos A, B, C e D, respectivamente. O implante primário de stent foi utilizado em 86,9%, stent seletivo em 2,3% e angioplastia com balão em 10,7%. O stent auto-expansível de nitinol foi utilizado em 52,7% das angioplastias com stent. A taxa de sucesso primário do procedimento foi de 98%. A taxa de sucesso primário do procedimento foi de 98%. A perviedade primária para 30 dias, 3 meses, 6 meses, 9 meses e 1 ano foi de 95,8%; 95,2%; 86,2%; 71% e 55,8%; respectivamente; e a perviedade primária assistida para os mesmos intervalos foi de 100%; 95,8%; 95,2%; 76,3% e 69,6%; respectivamente. A taxa de salvamento do membro para 1 no foi de 98,9%. A incidência de re-intervenções em 1 ano foi de 18,1%. A taxa de óbitos no período médio estudado foi de 3%. Ocorreu hematoma em local de punção em 9,09%, edema de membro inferior em 3,2%, dissecção em parede arterial em 4,5% e fratura do stent em 5,4% (2 casos com trombose do stent). A taxa de salvamento de membro no período de 1 ano foi de 98,9%. Conclusão: No tratamento endovascular dos pacientes com isquemia crítica com lesão do segmento fêmoropoplíteo a perviedade é considerada adequada quando se realiza um seguimento adequado dos pacientes e quando se re-intervêm na presença de estenose significativa. Apesar da taxa de perviedade primária caracteristicamente menor nesse setor a taxa de salvamento do membro foi de 98,9% em 1 ano.


094

HYPERGLYCEMIA IS ASSOCIATED WITH INCREASED IN-HOSPITAL MORTALITY IN PRIMARY PCI.


Manuel Mendez 1, C. Dubois 1, P. Sinnaeve 1, J. Piessens 1, W. Desmet 1

1) University Hospital Gasthuisberg K.U. Leuven, Leuven, Belgium

Background. Hyperglycemia is a common response to stress in critically ill patients, such as those with ST-elevation myocardial infarction (STEMI). Registries have shown that admission hyperglycemia is a strong predictor of mortality in STEMI patients with, even in those without previously detected diabetes. The aim of this study was to examine whether admission and fasting glycemia are associated with in-hospital outcome in STEMI patients undergoing primary or rescue PCI. Methods. 273 consecutive STEMI patients underwent primary or rescue PCI (after failed thrombolysis) between June- 2003 and May- 2005. Glycemia levels within the first 6 hours after admission were available in 234 patients. As a practical approach, glycemia levels were divided in 4 mutually exclusive groups: £125 mg/dl, >125- £150 mg/dL, >150-£200 mg/dL and ³200 mg/dL. In-hospital mortality and major adverse cardiac events (MACE: death, reinfarction or urgent revascularization) were assessed. A Chi-square test was used to compare groups of glycemia levels. Results. Overall mortality was 9,4% and MACE rate was 13,6 %. Mortality significantly increased with increasing admission glycemia levels (table 1). Patients with high glycemia levels were at increased risk of developing cardiogenic shock. A trend toward higher MACE rates with increasing glycemia was also observed. Hyperglycemia correlated with infarct size as determined by maximal CK levels (P<0.001). Conclusion. Admission hyperglycemia is a marker of adverse outcome in STEMI patients undergoing primary or rescue PCI.

Glicemya less than 125-150 150-200 higer than p value
mg/dl 125 200
Mortality 4.4 3.7 10.8 26.6 0.004
Shock 4.4 7.7 8.5 26.7 0.011
Mace 9.3 9.8 21.4 26.6 0.115


095

APLICABILIDADE DE PREDITORES CLÍNICOS PARA DIAGNÓSTICO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL RENOVASCULAR (HA) E INDICAÇÃO DE ARTERIOGRAFIA SELETIVA RENAL(AR)


Edson A. Bregagnollo1, Fábio C. de Carvalho1, Roberto j.S.Franco1, Dinah B de Almeida1, Vanessa V. Silva1, Isamara F. Bregagnollo1, Martin L. Cuadrado1

1) Serviço de Hemodinâmica do HC da Faculdade de Medicina de Botucatu-UNESP, Botucatu SP, Brasil

Introdução:A hipertensão arterial (HA) é um importante fator de risco independente para desenvolvimento e progressão de aterosclerose sistêmica e de eventos cardiovasculares adversos. A causa mais comum de HA curável é EAR. A arteriografia renal(AR) é o método mais seguro para diagnóstico e manejo porém de alto custo, invasivo e envolve complicações. O diagnóstico de HA renovascular pode ser feito por preditores clínicos com atrativa relação custo benefício. Dados cotejando preditores clínicos com resultados de AR são escassos. Objetivo: Avaliar a aplicabilidade dos preditores: idade, níveis pressóricos e de cretinina sérica para diagnóstico de EAR comparando-os com os resultados da AR.Casuística:Avaliação retrospectiva de 79 AR, de pacientes com diagnóstico clínico de EAR, realizadas no período de 1980 a 1989 indicadas exclusivamente com critérios clínicos.Os pacientes foram divididos em grupos segundo 3 critérios:idade ?50 anos; pressão arterial sistólica ?150 mmHg e níveis de creatinina sérica ?1,50mg%.Estatística:valores preditivos positivos e negativos, sensibilidade,especificidade,acurácia e razão de verossimilhança para cada preditor clínico em relação à presença ou não de EAR.

Inferência estatística das freqüências teste ?2 p<0,05.Resultados:Valor preditivo positivo=42%, negativo=94%, Sensibilidade=81%, Acurácia=62%, Razão de verossimilhança positiva=1,86, negativa0,17; ?2=9,94, p=0.02.Distribuição de acordo com critérios clínicos e a presença ou não de EAR-tabela abaixo.Conclusões: Os critérios idade ?50 anos pressão arterial sistólica ?150 mmHg e creatinina sérica ?1,50mg% foram importantes para a exclusão de EAR. Estes preditores podem ser considerados como alternativa segura em relação a outros métodos não invasivos. A ausência de dois dos três preditores avaliados afasta, com segurança, o diagnóstico de EAR com excelente relação custo benefício.

Nº de preditores menor que 2 maior que 2 Total
EAR presente 2 28 30
EAR ausente 29 20 49
Total 31 48 79


096

ENDOVASCULAR STENT PLACEMENT IN THE TREATMENT OF CENTRAL VENOUS OBSTRUCTION IN HEMODIALYSIS PATIENTS


Fabio Yamada2, Thiago Mattiazo2, Paulo Petterle2, Weverton Terci2, Maria Lucia Iwasaki2, Renato Manzioni2, Edgar Rabboni2, Alexandre Petnys2, João G. Diniz Jr.1

1) Hospital Bandeirantes, São Paulo, Brasil 2) Hospital Servidor Publico Municipal, São Paulo, Brasil

Objective: The purpose of the study was to report our experience and results with the endovascular treatment of central vein stenosis and occlusions in patients with failing upper extremity arteriovenous access. Methods: Between February 2004 and September 2005, we performed 12 interventional procedures in 11 patients ranging in age from 45 to 82 years (mean 65 years). The indication for intervention was stenosis (58.4%) or occlusion (41.6%) of a central vein in the upper arm used for dialysis in patients with arm swelling and for shunt malfunction. All patients had a previous history of subclavian vein cannulation. All patients were treated for percutaneous transluminal angioplasties with primary stent placements. The mean follow-up was 6.2 months (range 1-19 months). Following treatment, patients were monitored clinically for signs of recurrent arm edema or high access pressures and stent patency with venography. Results: The initial technical success rate was 100%. The improvement of clinical signs appeared after 4 months. The recurrence arm edema rate was 66.6% at 30 days and 41.6% at 6 months, with a primary assisted patency rate of 50% and secondary patency rate of 50% (n=2). Conclusion: Central vein stenosis and occlusions are associated with previous subclavian vein cannulation. Endovascular stent placement is an effective alternative to surgery in patients with shunt dysfunction due to obstruction of an upper extremity central vein. Repeated interventions are usually required to prolong stent patency.

PRIMARY 3 MONTHS 6 MONTHS
QUINN 90% 79% 65%
SCHOENFELD 100% 90% 68%
SCHUMAN 100% 35% 11%
DINIZ/YAMADA 100% 66,6% 41,6%


097

LESIONES EN BIFURCACIONES CORONARIAS: IMPLANTE DE UNO VS DOBLE STENT.


Oscar A Mendiz1, Leon R Valdivieso1, Gustavo A Lev1, Carlos M Fava1, Ricardo Costantini1, Juan Scaglia1, Ana P Mollón1

1) Fundacion Favaloro, Buenos Aires, Argentina

Objetivo: Comparar los resultados clínicos entre el implante de un sólo stent (grupo 1) y doble stent (grupo 2) liberadores de droga (DES) en el tratamiento de lesiones en bifurcaciones coronarias (LBC). Entre Marzo/2003 y Marzo/2006 se realizaron 2405 angioplastias coronarias, 2196 de las cuales con implante de stent. Se utilizó DES en 500 de ellas, habiéndose tratado LBC en 88 pacientes (Ptes). El grupo 1 incluyó 38 Ptes con 39 LBC en las cuales se implantó un solo DES con o sin dilatación con balón en la rama secundaria. El grupo 2 incluyó 50 Ptes con 68 LBC a quienes se implantó doble DES (Crushing, V stent, Cultote stent o T stent). No hubo diferencias significativas en las características basales, antecedentes ni en el cuadro clínico entre los grupos, excepto en la presencia de diabetes (grupo 1=11, grupo2=4, p=0.045). Tampoco hubo diferencias en los tipos de LBC tratadas en ambos grupos. Resultados: En el grupo 1 se implantaron 39 DES en LBC y 20 DES adicionales en otras lesiones. En el grupo 2 se implantaron 136 DES en las LBC y 29 DES adicionales en otras lesiones. El éxito del procedimiento fue 100% en ambos grupos. No hubo complicaciones mayores. En el grupo 2 hubo 3 infartos sin onda Q y ninguno en el grupo 1 (p=ns). En la tabla adjunta se muestran los resultados del seguimiento a mediano plazo. Conclusión: En esta pequeña serie, al igual que con el implante de bare metal stents, las técnicas de implante de doble DES no mostraron ser superiores al implante de un solo DES en el tratamiento de este tipo de lesiones.

n 37 (97.4%) 49 (98%) p
Tiempo (meses) 11.8±8.0 11.9±7.7 ns
Sobrevida libre de evento 36 (97.3%) 44 (89.8%) ns
MACE 1 (2.7%) 5 (10.2%) ns
Muerte (no relacionada) 1 (2.7%) 2 (4.1%) ns
Infarto 0 0 ns
Reintervención 0 3 (6.1%) ns
CABG 0 1 (2.0%) ns
Re angioplastia 0 2 (4.1%) ns


098

ESTUDO INICIAL COM STENT REVESTIDO COM MALHA DE NITINOL (SESAME®) SEM A UTILIZAÇÃO DE FILTRO DISTAL PARA O TRATAMENTO DE LESÕES EM PONTES DE SAFENA


João G Loures1, Leandro Lasave1, Alexandre Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz Mattos1, Rodolfo Staico1, Andréa A Sousa1, Guilherme Attizzani1, Luiz Tanajura1, Amanda Sousa1, J Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Estudos prévios demonstram que o implante de stents em pontes de safena sem utilização de filtros de proteção distal aumenta a morbi-mortalidade e os eventos intra e pós-procedimento devido à alta incidência de embolização distal. Objetivo: Desfechos primários: Avaliar a segurança e eficácia de um novo stent desenhado para pontes de safena (PS) sem uso de proteção distal através da presença de eventos cardíacos após o procedimento e aos 30 dias. Desfechos secundários: avaliar a presença de eventos aos nove meses de seguimento. Metodos: Este estudo avalia a experiência inicial com o Sistema de Stent Revestido SESAME™ especialmente desenhado para enxertos venosos. Trata-se de um stent auto-expansível, revestido com um fino filme microporoso de nitinol , sem liberação de drogas. Esta fina malha impede a extrusão dos debris presentes na ponte de safena através das hastes do stent, evitando assim sua embolização distal. Foram tratados 11 pacientes com lesões de novo em pontes de safena.Todos os pacientes foram submetidos a analise angiográfica quantitativa (QCA) e com ultra-som intracoronariano (USIC) após o procedimento e reestudados aos 9 meses. Resultados: a idade média foi 64±10 anos, 73% do sexo masculino, 18% diabéticos, 18% PS a DA e tempo de revascularização médio de 10±3 anos. O sucesso do procedimento foi obtido em todos pacientes com fluxo normal após o mesmo (TIMI 3). Nenhuma embolização distal foi observada. Não houve eventos clínicos intra-hospitalar ou no seguimento de 30 dias, incluindo infarto agudo do miocárdio, cirurgia de emergência, revascularização do vaso alvo ou morte. Foram reestudados até o momento 6 pacientes, dois quais houve 2 reestenoses com uma revascularização do vaso alvo e 3 revascularizações de vaso não alvo. Não ocorreram óbitos. Observou-se aumento do diâmetro do vaso tratado possívelmente devido ao contínuo mecanismo de auto-expansão do stent. Os dados do QCA e IVUS imediatamente após o procedimento e aos nove meses se expressam na seguinte tabela Conclusão: O Sistema de Stent Revestido SESAME™ sem uso de proteção distal mostrou-se seguro no tratamento de enxertos de veia safena na fase intra-hospitalar. Entretanto, os resultados finais serão expostos na apresentação.

Pós procedimento (n=11) 9 meses (n=6)
IVUS Média±DP Média±DP
Volume do Vaso (mm3) 500±195 671±162
Volume do Lumen (mm3) 215±58 391±118
Volume da Placa (mm3) 279±158 398±118
Volume Intimal (mm3) 0 5.7±3.1 %
Volume Intimal 0 43±7.3
Area média Lumen (mm2) 7.5±1.79 7.08±3.5
Area média do Stent (mm2) 7.5±1.79 17.7±5.4
QCA Diâmetro luminal minimo (mm) 3.3±0.38 2.4±1.18
Perda Tardia (mm) - 1.03±0.82


099

TRATAMENTO DA SÍNDROME ISQUEMICA AGUDA NO MUNDO REAL E COMPARAÇÃO COM A INICIATIVA NORTE-AMERICANA CRUSADE


Eduardo Szuster1, Guilherme de O. Carvalho1, Gustavo Eugênio Marinho1, Andréa Faria Otoni Penido1, Lucas Lima de Carvalho1, Mauricio de Resende Barbosa1, Hebert C Miotto1, Luiz Carlos Teles Corrêa1, Érika C. Vrandecic1, Mário Oswaldo Vrandecic Peredo1

1) BIOCOR INSTITUTO, Nova Lima - MG, BRASIL

FUNDAMENTO: O moderno tratamento da Síndrome Isquêmica Aguda (SIA), baseada em diretrizes, permitiu incremento no tratamento do paciente, com redução na mortalidade hospitalar. Sabemos que, contudo, existe um lapso de tempo entre a publicação da diretriz e a incorporação à prática clínica. Sendo assim, o objetivo do presente estudo é avaliar os resultados obtidos no tratamento dos pacientes com SIA admitidos em uma instituição privada, com certificação (ISO 9001/2002 e ONA NÍVEL 3 ) de qualidade na assitência à saúde e comparar com a iniciativa norte-americana CRUSADE( notadamente com os dados dos hospitais líderes no emprego das diretrizes no ano de 2005) METODOS : Análise retrospectiva, via prontuário eletrônico e bancos de dados, de 188 pacientes admitidos com SIA na Unidade Coronária do Hospital no período de Julho/2004 a Dez/2005 de dados referentes a apresentação clínica, laboratorial, farmacologia empregada, utilização da coronariografia, tratamento empregado e desfecho hospitalar final. Finalmente, comparação dos dados com os dados do CRUSADE (amplamente publicados) RESULTADOS: Os resultados dos 188 p ( sendo 44% do sexo feminino ) são apresentados na tabela a seguir. Conclusão: Em nossa instituição, a abordagem do paciente com SIA é realizada de forma comparável à da iniciativa norteamericana; desta forma, conseguimos obter índices de sucesso similares, com mortalidade hospitalar baixa e extremamente aceitável. Utilizamos de forma adequada a farmacologia necessária para tratamento do paciente. Distintamente do CRUSADE observamos que ainda há elevado número de pacientes abordados com cirurgia de revascularização miocárdica, contudo sem prejuízo para o resultado final.

Parâmetro / Instituição Nosso serviço CRUSADE
Idade média 66 a 67 a
Marcador cardiaco positivo 45% 84%
ECG alterado 58% 36%
Aspirina 178 p (94,6%) 96%
Clopidogrel 158 p (84%) 60%
2B/3A 93 p (49,4%) 50%
Heparina (todas) 160 p (85%) 90%
Cat < 48 hs 48% 65%
PCI 57 p (30,3%) 52%
RVM 41 p (21,8 %) 12%
Mortalidade 8 p (4,2%) 4,5%


100

CUAL ES LA MEJOR ESTRATEGIA DE TRATAMIENTO EN PACIENTES CON CARDIOMIOPATIA HIPERTRÓFICA OBSTRUCTIVA ASOCIADA A ENFERMEDAD CORONÁRIA?


Manuel N. Cano1, Silvia Judith F. de Cano2, Adriana C Moreira2, Jairo Alves Pinheiro Jr2, Ricardo Pavanello2, Vera Márcia L. Gimenes2, Jose EMR Sousa1, Amanda GMR Sousa2, Adib D. Jatene1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, San Pablo, Brasil 2) Hospital do Coração – Associação do Sanatório Sírio, San Pablo, Brasil

Objetivos: Analizar la seguridad y eficacia del tratamiento percutáneo de ambas patologías, abordando la EAC grave por medio de angioplastia con implante de stent (ATC c/stent) y la CMHO con Ablación Septal por Alcohol (ASA) provocando un infarto químico de la primera gran rama septal. Material y Metodos: En el período de Octubre de 1998 a Marzo de 2006, 30 pacientes portadores de CMHO sintomática fueron incluidos en forma consecutiva para tratamiento con ASA. 5p (16,6%) tenían EAC obstructiva con lesiones superior a >70%. Todos en clase funcional III/IV por la NYHA y angina grado 3/4 por la Clasificación Canadiense de angina. Analizamos mortalidad, evolución de la angina y clase funcional en un seguimiento promedio de 2,92 ± 1,4 años. Resultados: La edad promedio fue de 61±7 años, 3 eran de sexo masculino. Fueron tratados 4p con ATC c/ stent en 6 arterias (3 Descendente Anterior, 1 Marginal, 1 Circunfleja, 1 Coronaria Derecha) y posteriormente (aproximadamente 3 meses después de la intervención coronaria), fue realizado el tratamiento de la CMHO con ASA. En 1p la ATC c/stent para arteria Diagonal y la ASA fueron realizados simultáneamente en el mismo procedimiento. No hubo mejora de la angina y síntomas después de la realización de ATC c/ stent, lo que solamente fue conseguido con la disminución del gradiente hemodinámico intraventricular de 95±44 para 5±9 mmHg al realizar ASA. El grado de angina pasó de 3 y 4 para 0 y 1 en todos los pacientes. La clase funcional mejoró de III/IV para clase funcional I en 3p y II en un paciente. No fueron registradas muertes cardiovasculares inmediatas o tardías, en un seguimiento medio de 2,92 ± 1,4 años. Conclusión: En los pacientes con CMHO y gradiente importante en el tracto de salida del ventrículo izquierdo, asociada a enfermedad coronaria obstructiva severa, el tratamiento percutáneo de las dos entidades demostró ser seguro y eficaz, con alivio importante de los síntomas. El tratamiento individual de la coronariopatia, en nuestra experiencia, no mejoró los síntomas.


101

ANÁLISE DA GLICEMIA DE ESTRESSE X MORTALIDADE NA ANGIOPLASTIA PRIMÁRIA


Ricardo Wang1, Newton Stadler1, Marisa F Leal2, Patrick Pereira1, Herminio Haggi1, Eclea Gusso1, Claudia Zanuzzi1, Estela Klosoviski1

1) Santa Casa de Miserciórdia de Curitiba, Curitiba-PR, Brasil 2) Hospital Ecoville, Curitiba-PR, Brasil

Fundamento: A hiperglicemia desencadeada pelo estresse tem sido associada com pior evolução dos pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Objetivo: Avaliar a glicemia (GL) de chegada nos pacientes (pac) submetidos a Intervenção Percutânea Primária (IPC 1°) e sua correlação com a mortalidade hospitalar e 30 dias do IAM. Casuística: De Novembro de 2004 a Janeiro de 2006 em 86 pac com IAM com menos de 12 horas de evolução foi realizada a glicemia capilar na chegada ao hospital . A Idade variou entre 34 a 95 anos ( M=61,8%) com predomínio do sexo masculino em 64%. História prévia de Diabetes em 24,4% dos pac. Killip-Kimball (KK) > que 2 foi evidenciado em 26,7% dos pac.De acordo com a GL foram divididos em 3 grupos : GL< 140mg /dl (42 pac), GL de 140 a 180mg/dl (16 pac) e GL > 180 mg/dl (28 pac). No GL > 180 mg/dl observamos 5 pac com KK > que 2 (17,9%).A Descendente Anterior foi abordada em 45,3% dos caso e 58,1% eram Multiarteriais. A Fração de Ejeção (%) média foi de 52 ± 14 . Resultado: Houve significância na comparação do Fluxo TIMI inicial de 0,9 ± 1 e o final de 2,3 ± 0,8 (p<0,05) bem como o TIMI de Perfusão inicial de 0,5 ± 0,9 e o final de 1,7 ± 0,9 (p<0,05). O sucesso do procedimento de IPC 1° ocorreu em 81,3% . A mortalidade global foi de 16,5% ( 14 pac), no GL < 140 mg/dl foi de 9,5% (4 pac) Odds Ratio 0,26 (IC 95%, 0,06-1,13), no GL 140 a 180 mg/dl de 12, 5 % ( 2 pac ) Odds Ratio (IC 95%, 0,06-3,14) e no GL > 180 mg/dl de 28,6% ( 8 pac) Odds Ratio 3,8 ( IC 95%, 0,88 - 17, 4 ) p= 0,04 . A presença de Diabetes não influenciou significativamente a mortalidade , apesar de 46% destes pac apresentarem GL > 180 mg/dl. Apenas 1 pac faleceu após a alta hospitalar. Conclusão: A presença de hiperglicemia de estresse mostrou ter correlação com a evolução do IAM. O grupo com GL > 180 mg/dl apresentou maior risco para mortalidade hospitalar.


102

ANÁLISE EVOLUTIVA DO COMPRIMENTO DA LESÃO COM A UTILIZAÇÃO DE STENTS ELUIDOS COM PACLITAXEL


Ricardo Wang1, Newton Stadler1, Marisa F Leal2, Patrick Pereira1, Herminio Haggi1, Eclea Gusso1, Claudia Zanuzzi1, Estela Klosoviski1

1) Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, Curitiba-PR, Brasil 2) Hospital Ecoville, Curitiba-PR, Brasil

Na Intervenção Percutânea Coronária (IPC) o comprimento da lesão esta diretamente relacionado com o aumento da incidência de re-intervenções nos Stents Convencionais e Fatmacológicos (StF). Os StF tem menor incidência de reestenose , porém a sua utilização em lesões mais extensas pode acarretar um maior número de revascularizações tardias. O objetivo deste trabalho é analisar a evolução tardia nos pacientes submetidos ao implante de StF eluídos com Paclitaxel de acordo com o comprimento da lesão inicial. Do período de Maio de 2003 a Janeiro de 2006 de 108 procedimentos (pr) onde utilizou-se StF com Paclitaxel (Taxus) separou-se de acordo com a extensão da lesão inicial 3 grupos: Grupo I (G I) com lesões menores de 14mm envolvendo 40 pr, Grupo II (G II) com lesões entre 15- 20mm em 66 pr e Grupo III (G III) com lesões maiores que 20mm em 26 pr. A análise entre os grupos para o sexo masculino demonstrou 67,5%, 74,2% e 80,8% (p=0,48) respectivamente. Nos fatores de risco a Hipertensão Arterial teve variação de 65%, 63,6% e 80,8% (p=0,27). A presença de Diabete Melitus foi de 30%, 39,4% e 34,5% (p=0.36) respectivamente. Associação de lesões foi menos freqüente no GI. Foram abordadas 47 lesões no GI, 85 lesões no G II e 27 lesões no GIII, sendo implantados um total de 151 StF com Paclitaxel. Não houve variação no tamanho do StF sendo que o comprimento(mm) foi de 15,9 ± 6,6 para o GI, 18,4 ± 3,9 para o G II e 27,1 ± 3,5 para o G III (p<0,00001). O implante sem pré-dilatação foi menos freqüente no G III 32,1%, 50% para GII e 55,8% para GIII (p=0,287). O sucesso no pr foi de 97,5%, 97% e 100% para GI, GII e GIII respectivamente e tardiamente observamos (vide tabela). Podemos concluir que a extensão inicial da lesão tem relação aos eventos tardios, sendo menores quanto menor a extensão da lesão.

GI GII GIII p GIxGIIxGIII
Re-IPC (%) 5 18,8 34,6 0,004
Re-IPC lesão alvo (%) 5 12,5 11,5 0,466
Revascularização Cirúrgica (%) 0 1,6 0 0,604 I
nfarto Agudo (%) 0 0 0
Mortalidade Tardia (%) 0 0 0
Livre de Eventos (%) 92,5 76,7 65,4 0,022
Tempo do Evento (meses) 16,5 ± 9,2 9,8 ± 7,7 9,9 ±6,1


103

PACIENTES COM SÍNDROME METABÓLICA SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA TRANSLUMINAL CORONARIANA: QUAL O PAPEL DO DIABETE MELITO NA EVOLUÇÃO TARDIA?


Ênio Eduardo Guérios1, Ronaldo da Rocha Loures Bueno1, Paulo Maurício Piá de Andrade1, José Carlos Estival Tarastchuk1, Frederico Thomaz Ultramari1

1) Hospital Universitário Evangélico de Curitiba, Curitiba, Brasil

Introdução: A Síndrome Metabólica (SM), conjunto de 5 fatores de risco, tem sido associada com evolução menos favorável após angioplastia transluminal coronariana (ATC). Diabete Melito (DM) é, por si, um preditor de reestenose após ATC. Entretanto, quando tratados pacientes (pc) com SM, o valor do DM como um marcador de pior prognóstico após ATC permanece indefinido. Objetivo: Avaliar o papel do DM na evolução clínica tardia de pc com SM submetidos à ATC. Metodos: Foram estudados 300 pc com SM, definidos pelo NCEP-ATP III, submetidos à ATC com stent. Os pc foram divididos em: Grupo 1 (G1), com SM e DM (n=136) e Grupo 2 (G2), SM sem DM (n=164). A partir de 6 meses, os pc foram reavaliados. Definiram-se eventos maiores: óbito, cirurgia cardíaca e reintervenção percutânea, teste não-invasivo alterado ou angina. Resultados:Pc do G2 apresentaram mais dislipidemia e hipertensão quando comparados àqueles do G1 (ambos p<0,0001). As demais características clínicas e angiográficas foram similares entre os grupos. No seguimento, a incidência de desfechos foi 19,8% no G1 e 22,5% no G2 (p=0,67). Obteve-se análise multivariada englobando 20 variáveis clínicas e angiográficas, pesquisando-se por preditores de desfechos nesta população. Idade mais avançada atingiu significância estatística (p=0,04). DM não mostrou associação com pior evolução (p=0,56). Conclusão: Entre pc com SM, idade avançada mostrou ser preditor de pior evolução após ATC. A presença de DM não foi preditor de desfecho. Estes resultados sugerem que ATC oferece benefícios semelhantes em pc com SM, tanto diabéticos como os não-diabéticos.


104

IMPLANTE DE STENT REVESTIDO COM PACLITAXEL EM PACIENTES COM INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO EM COMPARAÇÃO COM STENT CONVENCIONAL: UM ESTUDO PROSPECTIVO, COM AVALIÇÃO CLÍNICA, ANGIOGRÁFICA E ULTRASSONOGRÁFICA.


Fernando De Martino2, Expedito Ribeiro1, Pedro Lemos1, Andre Spadaro1, Marco Perin1, Rone Padilha2, Sergio Prata2, Jose Carlos Abud2, Pedro Horta1, Eulogio Martinez1

1) INCOR(FMUSP), São Paulo, Brasil 2) IUCI, Uberaba, Brasil

A segurança e a eficácia do stent revestido com paclitaxel continua pouco estudada em pacientes com síndrome coronariana aguda. Este estudo tem o objetivo de comparar os resultados clínicos e angiográficos de pacientes com infarto agudo do miocárdio tratados com implante de stent revestido com paclitaxel versus stent convencional. Métodos e população do estudo: Um grupo de 30 pacientes com infarto agudo do miocárdio foi tratados com stent revestido com paclitaxel (TaxusTM). Um grupo controle com 30 pacientes foi tratado com stent convencional (Express2 TM), sendo que estes dois grupos eram semelhantes entre si quanto ao comprimento e ao diâmetro do stent e diabetes. Choque cardiogênico e incapacidade de cruzar a corda-guia foram critérios de exclusão. Todos os pacientes foram acompanhados prospectivamente e submetidos ao controle angiográfico. O controle com ultra-som intracoronário foi realizado em 23 pacientes do grupo com implante do stent farmacológico. Resultados: Características basais e do procedimento foram similares entre os dois grupos. Aos 6,9±1,2 meses, não ocorreu morte, reinfarto ou trombose intra-stent. Entretanto, pacientes tratados com stent farmacológico tiveram um risco menor de reintervenção (3.3%% vs. 33.3%; p=0.006). Os resultados angiográficos de perda luminal tardia foram de 0.2±0.2 mm vs. 0.6±0.6 mm (p=0.03) e a reestenose binária foi de 3.3% vs. 33.3% (p=0.006), no grupo com stent farmacológico contra o grupo controle, respectivamente. O percentual médio de obstrução neointimal em pacientes do grupo farmacológico foi de 4,7%±6,8%. A má aposição tardia do stent foi observada em 8 pacientes (34,8%). Conclusões: O stent revestido com paclitaxel se mostrou seguro (não aumentou mortalidade ou reinfarto) e efetivo (reduziu a reintervenção e os parâmetros angiográficos de proliferação neointimal) aos 7 meses em pacientes com infarto agudo do miocárdio.


105

THE IMPORTANCE OF DIABETES MELLITUS ON LONG-TERM SURVIVAL FOLLOWING CORONARY STENT IMPLANTATION


Antonio J Neri-Souza1, Bruno Aguiar1, André Coelho1, Anderson Nascimento1, Waldemar Oliveira1, Gilson Godinho1, Nilson Ramos1, Alvaro Rabelo Jr1

1) Fundação Bahiana de Cardiologia, Salvador - Bahia, Brasil

OBJECTIVES: To compare the long-term survival following coronary stent implantation in diabetic (DM) and in non-diabetic patients (no DM).

BACKGROUND: Diabetics have increased restenosis and late mortality following balloon angioplasty. However, the impact of diabetes mellitus (DM) on long-term survival following coronary stent implantation is still unknown. METHODS: Nine hundred and two patients underwent successful stent implantation between October 95 and December 2002. Patients were classified into two groups according to the DM status: 1) no DM (677 patients/750 lesions), and 2) DM (225 patients/247 lesions). RESULTS: Restenotic lesions (8.4% vs. 3.4%; p<0.003), female (47.6% vs. 35.2%; p<0.001), hypertension (82.2% vs. 67.1%; p<0.0001) and multivessel disease (59.1% vs. 45.1%; p<0.001) were more frequent in DM. Smoking was more frequent in no DM (28.4% vs. 17.3%; p<0.04). No difference was observed in the angiographic characteristics or in the target vessel. The survival curves were built on the basis of a follow-up period ranging from 18 to 108 months in 790 patients (87.6%). The survival was 87.9% in DM versus 92.0% in no DM (p<0.05). The poorest survival was observed when the 4 cardiac risk factors (DM, hypertension, dyslipidemia and smoking) were associated (72.7% versus 91.5%; p <0,0001). By multivariate analysis, age (p=0.0001), clinical presentation (p=0.004), and left ventricular dysfunction (p=0.02) were independent predictors of long-term survival in diabetic patients. CONCLUSIONS: DM patients have a less favorable survival after successful stent placement as compared with no DM. Age, clinical presentation, and left ventricular dysfunction were independent predictors of long-term survival in DM.




106

CARACTERISTICAS ULTRA-SONOGRAFICAS DA DOENÇA ATEROSCLEROTICA CORONÁRIA NO DIABETES MELLITUS DO TIPO 1


Dinaldo Cavalcanti de Oliveira1, Fábio Sandoli de Brito Junior1, Rosley Weber Fernandes Alvarenga1, João Roberto de Sá1, Valter Correia de Lima1

1) Hospital São Paulo. Escola Paulista de Medicina. UNIFESP, São Paulo-SP, Brasil

OBJETIVOS: O objetivo do estudo foi a análise da prevalência e das características angiográficas e ultra-sonográficas da doença arterial coronariana (DAC) em pacientes diabéticos tipo 1 com insuficiência renal crônica (IRC) e em programa de hemodiálise. MATERIAL E MÉTODOS: No período de janeiro a novembro de 2003 foram recrutados prospectivamente 20 diabéticos tipo 1 com IRC em hemodiálise (11 homens, 9 mulheres, idade 36 ± 8 anos). Nenhum dos pacientes apresentava qualquer sintoma ou antecedente de síndrome coronariana aguda ou crônica. A duração do Diabetes Mellitus tipo 1 (DMT1) foi 22,6 ± 5,6 anos. De acordo com o protocolo do estudo, todos os pacientes realizaram cinecoronariografia (cine) e ultra-som intracoronariano (USIC), pela técnica padrão. RESULTADOS: A prevalência da DAC de acordo com a cine foi 75% (15 pts), enquanto pelo USIC de 100% (20 pts). Na avaliação ultrasonográfica dos 18 milímetros (mm) proximais das artérias coronárias observouse volume da placa na ADA de 5,05 mm3/mm, ACX 3,65 mm3/mm e ACD 4,6 mm3/mm. Nestes 18 mm proximais a espessura máxima da placa na ADA foi 1,31 ± 0,71 mm, ACX 1,05 ± 0,53 mm e ACD 1,34 ± 0,71 mm. Todos 18 mm proximais de todos os vasos estudados apresentavam aterosclerose pelo USIC, predominantemente de caracterírsticas fibróticas. Houve correlação linear entre duração do DMT1 e o volume médio da placa nos 18 mm proximais das artérias coronárias. [coeficiente linear de Pearson = 0,84 (IC = 0,64- – 0,93). CONCLUSÃO: A prevalência da DAC na população estudada foi alta (75% pela cine e 100% pelo USIC) e houve associação entre a maior duração do DMT1 e maior volume médio de placa nas artérias coronárias. A DAC esteve presente difusmente ao longo dos 18 mm proximais das artérias coronárias e teve padrão de placas fibróticas (duras).


107

INDEPENDENT PREDICTORS OF LONG-TERM SURVIVAL AFTER CORONARY STENT IMPLANTATION


Antonio J Neri-Souza1, Bruno Aguiar1, André Coelho1, Anderson Nascimento1, Waldemar Oliveira1, Gilson Godinho1, Nilson Ramos1, Alvaro Rabelo Jr1

1) Fundação Bahiana de Cardiologia, Salvador - Bahia, Brasil

Purpose: To identify the clinical and angiographic predictors of long-term survival following coronary stent implantation. Material and Methods: Nine hundred and two patients (pt) [60.8 „b 10.9 years old, range 31 to 91] underwent successful stent implantation; 557 were male (61.8%) and 345 were female (38.2%). A total of 1,023 stents were deployed in 902 patients with 997 lesions. The mean number of stents per lesion was 1.03. Long-term clinical follow-up was performed by either telephone contact or an office visit. Clinical and angiographic determinants of long-term survival were studied. All variables related to long-term survival evaluated by univariate analysis were included in a multiple logistic regression analysis (MLR). P-values less than 0.05 were considered statistically significant. Results: Clinical long-term follow-up (18 to 108 months) was available in 790 patients (87.6%). The mean survival time was 95.3 ± 2.8 months, and the median was 40 months. By univariate analysis, lower long-term survival was observed in diabetic patients as compared with non-diabetic patients (87.9% vs. 92.0%, p<0.05), in older patients (> 65 yrs) when compared with younger patients (82.6% vs. 96.0%, p<0.00001), in patients with moderate to severe left ventricular dysfunction (83.0% vs. 94.2%, p<0.00001) when compared with normal or mild left ventricular dysfunction, and in patients with multivessel disease (87.1% vs. 94.8%, p<0.0001) as compared with single-vessel disease. The analysis of angiographic characteristics showed that calcification was related with a poor long-term survival (78.5% vs. 92.8%; p<0.00001). By MLR, independent predictors of long-term survival were ausence of diabetes mellitus (RR 0.55; 95% CI 0.32 to 0.94; p=0.03), normal or mild left ventricular dysfunction (RR 0.36; 95% CI 0.22 to 0.62; p=0.0002), and age less than 65 years (RR 1.08; 95% CI 1.06 to 1.12; p=0.0001). Analyzing the angiographic characteristics, calcification was an independent predictor of lower long-term survival (RR 0.34; 95% CI 0.20 to 0.55; p=0.0001). Conclusions: These results suggest that long-term survival in patients treated with coronary stent implantation was significantly affected by left ventricular dysfunction, age, diabetes mellitus, and calcified lesions.


108

SOBREVIDA LIVRE DE EVENTOS CARDÍACOS ADVERSOS MAIORES E ISQUEMIA MIOCÁRDICA NO SEGUIMENTO DE UM ANO APÓS IMPLANTE DOS STENTS ELUIDORES DE PACLITAXEL TAXUS® E INFINNIUM®.


J. AIRTON ARRUDA1, BRUNO MOULIN MACHADO1, ANA PAULA C. NORBIM1, VITOR PAZOLINE3, PAOLA PRETTI FERREIRA3, FLÁVIA HERINGER3, TARCÍSIO CAMPOSTRINI3, FELIPE MOYSES2, FÁTIMA CRISTINA2, ALMECYR DALLA BERNADINA2, ALAOR QUEIROZ ARAUJO FILHO1, ALFREDO NUNES F. FILHO1

1) INTERCATH MERIDIONAL, VITÓRIA-ES, BRASIL 2) CIAS, VITÓRIA-ES, BRASIL 3) HUCAM-UFES/EMESCAN, VITÓRIA-ES, BRASIL

Fundamento: No Brasil as duas plataformas de stents eluidores de paclitaxel disponíveis comercialmente são o Taxus®, BSC e o Infinnium®, SMP. No entanto, os dados comparando esses dois stents nos quesitos ECAM e outros eventos isquêmicos ainda não estão publicados. Objetivo: Comparar a incidência de ECAM e outros eventos isquêmicos entre os stents Taxus® e Infinnium® no seguimento de um ano. Metodos: De uma amostra de 198 pacientes (pt) com alto risco para reestenose intra-stent (RIS) submetidos a intervenção coronária percutânea (ICP) foram analisados 113 pt que atingiram 12 meses de seguimento. Foram incluídos nessa classificação os pt diabéticos, stents longos (? 20 mm), stents múltiplos e reestenose intra-stent. Foram considerados ECAM a combinação de IAM e/ou reestenose clínica e/ou revascularização do vaso alvo. Eventos isquêmicos foram definidos como a presença de angina ou isquemia silenciosa que, entretanto, não se correlacionaram com reestenose clínica. As curvas de sobrevida livre de ECAM e reestenose clínica foram obtidas pelo método de Kaplan-Meier. Resultados: Foram analisadas 35 pt tratados com 53 Taxus (1,5 stent/pt) e 78 pt tratados com 113 Infinnium (1,4 stent/pt). Conclusões: Os stents farmacológicos Taxus® e Infinnium® são igualmente eficazes na prevenção de reestenose clínica e ocorrência de ECAM tratamento de pt com lesões com altas chances de reestenose.

Taxus® Infinnium® p
n 35 78
Idade (a) 59 ± 14 64 ± 12 0,05
Sexo masc (%) 62 70 0,53
DM (%) 27 34 0,63
Lesão reestenótica (%) 38 35 0,92
Comprimento stents (mm) 24 ± 7 27 ± 7 0,04
Lesões B2/C 94,5 98,2 0,63
Multiarteriais (%) 47 64 0,13
Sobrevida livre de ECAM (%) 88,6 91 0,71
Reestenose clínica 8,6 3,8 0,49


109

AVALIAÇÃO DOS PREDITORES INDEPENDENTES CLÍNICOS E ANGIOGRÁ- FICOS DE TROMBOSE DOS STENTS FARMACOLÓGICOS


Costantino O Costantini1, Marcelo F Santos1, Sergio G Tarbine1, Rubens Z Darwich1, Maria do Rocio Peixoto1, Marcos Denk1, Marcos Barbosa1, Edna Duarte1, Josiane Miranda1, Chiu Yun Yu1, Lauro Rubini1, Costantino R Costantini1

1) Hospital Cardiologico Costantini, Curitiba - PR, Brasil

Introdução: Os stents farmacológicos (SF) diminuíram marcadamente as taxas de reintervenção do vaso tratado. No entanto, existe preocupação no que diz respeito à segurança dos SF pela possível predisposição à trombose subaguda e tardia destes stents. Objetivo: Determinar quais os preditores independentes de trombose dos SF (TSF). Métodos: Analisamos 886pcts submetidos a implante SF entre 5/2002e12/2005. 1420 SF foram implantados em 1413 vasos. Avaliamos os preditores de TSF pela analise univariada ou multivariada. As variáveis com um valor de p<0.01 pela analise univariada foram incluídas no modelo de regressão logística multivariada. Resultados: Idade média foi 64,5 }11,3; 24% eram mulheres; 27% diabéticos, 26%tabagistas; 68% dislipidemicos; 70% hipertensos; 21% angina estável; 50% doença de vasos múltiplos. SF com paclitaxel representaram 74%; 90% das lesões eram ?B2; 49% bifurcações. 63% foram predilatadas. O diâmetro médio do vaso 2.97 }0.33, sendo 74% lesões longas. O ultrasom intracoronario (USIC) utilizado em 70%. 66% dos SF necessitaram pós-dilatação e 13% reintervenção. A taxa a 6 meses de revascularização do vaso tratado foi de 7%. A taxa de TSF foi de 0,7% e óbito de 1,7%. Pela analise univariada, diabetes (p=0.01), tabagismo (p=0.003) e hipertensão arterial (p=0.004) e bifurcações(p=0.03) foram preditores de TSF. No entanto na analise multivariada tabagismo foi o único preditor de TSF (p=0.009; OR5=5, IC95% =1,3;20). Conclusão: Nesta analise retrospectiva a presença de tabagismo foi o único preditor de trombose de stent farmacológico. Este achado poderia estar explicado pelo fato do tabagismo gerar um estado de pro-agregação plaquetária associado a uma re-endotelização tardia inerente ao próprio SF.


110

RESULTADOS DO TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA REESTENOSE DOS STENTS FARMACOLÓGICOS: SÉRIE CONSECUTIVA DE UM ÚNICO CENTRO


Fábio S. Brito Jr.1, Teresa Cristina Nascimento1, Marco A. Perin1, Alexandre Abizaid1, Breno O. Almeida1, Ivanise G. Amorim1

1) Hospital Albert Einstein, São Paulo, Brasil

INTRODUÇÃO: Desconhecem-se a melhor estratégia terapêutica e os resultados do tratamento percutâneo da reestenose dos stents farmacológicos. OBJETIVOS: Avaliar os resultados do tratamento percutâneo da reestenose dos stents farmacológicos. CASUÍSTICA: No período entre 05/2002 e 03/2006, 967 pacientes foram tratados com 1517 stents farmacológicos (945 Cypher e 572 Taxus). Destes, 42 pacientes (4,3%) apresentaram reestenose clínica em decorrência da reestenose de 35 stents Cypher e 12 Taxus. O tratamento cirúrgico foi realizado em 1 paciente, a reintervenção percutânea em 32 e os demais permaneceram em tratamento clínico. RESULTADOS: Em relação à reintervenção percutânea, trataram-se 32 pacientes com reestenose de 35 stents farmacológicos (27 Cypher e 8 Taxus), 3 em enxertos de veia safena e 32 em artérias coronárias nativas. As reestenoses foram assim classificadas: 17 (48,6%) do tipo focal intra-stent (14 Cypher e 3 Taxus), 10 (28,6%) do tipo focal em borda de stent (5 Cypher e 5 Taxus), 3 do tipo multifocal (3 Cypher), 3 do tipo oclusiva (3 Cypher) e 2 do tipo difusa intra-stent (2 Cypher). Entre as 27 reestenoses de stent Cypher, 15 foram tratadas com o implante de novo Cypher, 7 com Taxus e 5 com angioplastia por balão. Entre as 8 reestenoses de stent Taxus, 2 foram tratadas com o implante de novo Taxus, 4 com Cypher e 2 com angioplastia por balão. Obteve-se sucesso no tratamento de todas as lesões e acompanhamento clínico de 31 (96,9%) pacientes, sendo que 28 completaram seguimento superior a 6 meses após a reintervenção. Cinco pacientes apresentaram eventos adversos: 2 (6,4%) óbitos não cardíacos e 3 (9,7%) recorrências de reestenose clínica (1 após tratamento da reestenose do stent farmacológico com balão, 1 com Cypher e 1 com Taxus). Duas das 3 recorrências ocorreram em enxertos de veia safena. CONCLUSÃO: O tratamento percutâneo da reestenose dos stents farmacológicos é eficaz, com baixas taxas de recorrência de reestenose. A predominância da característica focal destas lesões torna o procedimento tecnicamente simples, tanto para o tratamento por novo stent quanto por angioplastia com balão.


111

PERFUSÃO MIOCÁRDICA COMPLETA (TIMI-3 + BLUSH-3) MODIFICA A EVOLUÇÃO CLÍNICA DE PACIENTES REPERFUNDIDOS PRECOCEMENTES COM TROMBOLÍTICOS E POSTERIORMENTE TRATADOS COM STENT?


Roberto Abdalla Filho3, Wilson A. Pimentel Filho1, Maéve B Correia3, Edson A. Bocchi3, Tiago P. Di Nucci3, Milton M. Soares2, Wellington Custodio1, Raphael A. Freire1, Jorge R. Buchler1, Egas Armelin1

1) Beneficência Portuguesa de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil 2) Instituto de Cardiologia, São Paulo-SP, Brasil 3) Instituto do Coração de Campinas, Campinas-SP, Brasil

Fundamento: A perfusão miocárdica (PM) é considerada ideal após a reperfusão (Rp) química no infarto agudo do miocárdio (IAM) quando se obtém um fluxo coronário normal do vaso alvo (TIMI-3) e com boa infiltração na área miocárdica em risco pelo contraste com velocidade de entrada e saída normais (Blush-3). Por outro lado, o implante do stent (IS) preserva esse resultado na evolução clínica. Objetivo: Estudar os pacientes (P) que obtiveram TIMI-3 + Blush-3 pós reperfusão química e que se submeteram ao IS no período evolutivo precoce (OEP) do IAM. Material e métodos: Estudamos 74 P que foram trombolizados com sucesso, apresentando no estudo angiográfico TIMI-3 + Blush-3 e que se submeteram ao IS no PEP do IAM (2° – 12° dias), grupo (G)1. Para comparação, constituiu-se outro G de 289 P também trombolizados com sucesso, no entanto, no estudo angiográfico apresentavam TIMI-3 + Blush-1/2 e que se submeteram ao IS no PEP do IAM (1° – 13° dias). Não houve diferenças demográficas significativas clínicas ou anatômicas entre os dois grupos. Em ambos G, os P foram mantidos com AAS e clopidogrel no período de 3m – 1 ano. Resultados: Gráfico para avaliar P livre de eventos cardíacos adversos maiores (ECAM). Conclusões: A obtenção de uma reperfusão miocárdica ideal (TIMI-3 + Blush-3) foi relevante para que houvesse maior contingente de P livres de ECAM (G1). Portanto, ações técnicas e clínicas robustas são necessárias para se atingir essa finalidade.




112

CORRELAÇÃO ENTRE A TOMOGRAFIA CORONARIANA DE MULTIPLOS DETECTORES DE 16 COLUNAS E A CORONARIOGRAFIA EM PACIENTES COM ANATOMIA COMPLEXA.


ESMERALCI FERREIRA1, ALCIDES FERREIRA JR.2, CYRO RODRIGUES3, NORIVAL ROMÃO3, CLAUDIO FELDMAN3, ANDRÉ VALENTIM1, JOSÉ GERALDO AMINO3, VITOR AZEVEDO3, DENILSON ALBUQUEQUE2, DENIZAR VIANNA2, CAMILLO JUNQUEIRA1, MARLOS R. FERNANDES3

1) H.C. MARIO LIONI, RIO DE JANEIRO, BRASIL 2) CLINICA STATUS COR,, RIO DE JANEIRO, BRASIL 3) HUPE E INC LARANJEIRAS, RIO DE JANEIRO, BRASIL

Fundamento - A Tomografia Coronariana de Múltiplos Detectores de16 Colunas (T16) tem valor preditivo negativo e a sensibilidade comparados à clássica Coronariografia Invasiva(CI). Mas a especificidade é questionada em casos selecionados. Objetivo: apontar subgrupos com baixa correlação entre a CI e a T16. Pacientes e Método: Relato de 4 tipos de difícil correlação anatômica entre a T16 e a CI. Analisamos: artéria nativa com alto escore de cálcio, stents,pontes de safena e mamária. Os pts. foram submetidos à T16 e enviados à hemodinâmica com tto. definido. O intervalo entre os exames foi < 15 dias. Resultados: CASO 1: fem., 69 a., angina estável. A T16 revelou alto escore de cálcio na DA (283), sem lesões graves, lesão grave em DI, CX com lesão discreta e CD sem lesões. A CI foi realizada para ATC da DI, mas revelou calcificação proximal e lesão de 80% em DA 1/3 médio.CX sem lesões e CD ocluida no 1/3 proximal. Feita ATC + stent em CD e DA com sucesso. CASO 2: fem 60a. cirurgia em 2002 e dor atípica. A T16 mostrou boa correlação das artérias nativas, mamária-DA (MIE-DA) e safena ME. Entretanto, a T16 revelou lesão grave em óstio da safena CD, não conformada pela CI. A intenção de tratamento inicial, de ATC, foi mudada para tto.clínico. CASO 3: masc. 71a. Com ATC há 2 a. e cirurgia há 1 ano. Angina Instável. A T16 c/ escore de cálcio e DA de 344. Stents em CD possivelmente com restenose, lesão de < 50% em ME, Safenas ocluidas e MIEDA pérvia. A CI confirmou a oclusão das safenas, mas mostrou restenose de stents em CD, lesões graves em ME e na anastomose da MIE-DA. O pt. Foi p/ ATC em CD ME e MIE-DA.Discussão:em condições favoráveis, as imagens espaciais da T16 têm alta resolução. Calcificações c/ escore > 270, stents, enxertos, anastomoses e presença de arritmias (ou FC> 75bpm) ainda necessitam maior acurácia. Novos equipamentos, com maior resolução, certamente trará grandes benefícios a esta população de pacientes. Conclusões: Neste grupo de ptes.com anatomia coronariana complexa, a T16 não apresentou boa correlação com a CI, ocasionando uma mudança na intenção de tratamento inicial.


113

STENTS ELUÍDOS COM FÁRMACOS NO TRATAMENTO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO - EVOLUÇÃO CLÍNICA TARDIA.


Luiz Fernando Pinheiro2, Wilson A. Pimentel Filho1, Rafael Freire1, Marcio R. Santos1, Walter B. Fiorotto1, Jorge R. Buchler1, Stoessel F. Assis1, Wellington B. Custodio1, Egas Armelin1

1) Beneficencia Portuguesa , Sao Paulo-SP, Brasil 2) Hospital Ana Costa, Santos- SP, Brasil

Stent eluídos com fármacos no tratamento do infarto agudo do miocárdio – Evolução clínica tardia. Fundamento: A utilização dos stents coronários convencionais (SCC) tem demonstrado resultados satisfatórios no tratamento do infarto agudo do miocárdio (IAM). Os eluídos com faármacos (SEF) representam um avanço nestas circunstâncias no entanto, ainda, não se tem dados evolutivos consistentes na evolução clínica desses pacientes (PTS). Objetivo: Avaliar o impacto clinico na evolução clínica tardia do uso do SEF em pts com IAM e comparar com aqueles que receberam os SCC nas mesmas circunstâncias. Material e métodos: Foram avaliados clinicamente 107 pts tratados com SEF (67-paclitaxel, 40-sirolimus) no IAM, grupo (G)1 e, para comparação, no mesmo período, constituiu-se outro G de 266 pts tratados com SCC no IAM. Em ambos os G selecionamos apenas os pts que obtiveram sucesso ao implante dos stents para que nos pudéssemos avaliar a evolução clínica tardia. Não houve diferenças demográficas significativas entre os dois grupos quanto ao sexo e idade ou na incidência de diabetes dependente de insulina, hipertensão, dislipidemia e número de vasos envolvidos. Resultados: Gráfico para avaliar P livre de eventos cardíacos adversos maiores (ECAM). Conclusões: Foi de grande relevância clínica a utilização do SEF nos pts com IAM pela redução dos ECAM. No entanto, maior número de casos e a reprodução de nossa experiência em outros centros cardiológicos são necessárias para uma conclusão definitiva. Conclusões: Foi de grande relevância clínica a utilização do SEF nos pts com IAM pela redução dos ECAM. No entanto, maior número de casos e a reprodução de nossa experiência em outros centros cardiológicos são necessárias para uma conclusão definitiva.




114

POSICIONAMENTO DO FILTRO DE PROTEÇÃO E LIBERAÇÃO DE STENTS NO SISTEMA CAROTÍDEO SEM O USO DO BALÃO PARA PRÉ-DILATAÇÃO.


Rogério de Barros Wanderley1, Leandro de Carvalho Pereira1, Roberto Luis Favero2, Maurício de Barros Jafar1, Fábio Augusto Moron1, Isabela Kury Nunes1, Augusto Daige1

1) CardioVascular Diagnósticos, Campo Grande -MS, Brasil 2) CardioVascular Diagnósticos , Dourados -MS, Brasil

Fundamento: O tratamento endovascular no território carotídeo vem aumentando gradativamente como alternativa à endarterectomia cirúrgica principalmente após o surgimento dos novos devices de proteção cerebral. Objetivo: Avaliar a segurança e a eficácia da colocação do filtro de proteção cerebral e o implante do stent carotídeo sem o uso do balão para pré-dilatação. Material e Metodos: Entre o período de janeiro de 2002 à abril de 2006 , foram realizados 175 intervenções percutâneas em carótida em 140 pacientes(pts). faixa etária dos pacientes variou de 42 a 85 anos, sendo que 90 pacientes eram do sexo masculino e 50 pacientes do sexo feminino. Dentre as características clínicas observadas : 80 pts eram assintomáticos ( lesão ?80%) e 60 pts sintomáticos (lesão ?50%). Entre os sintomáticos 31 pts tinham história prévia de Acidente Isquêmico Transitório(AIT), 15 Amaurose fugaz e 6 inespecíficas( distúrbios cognitivos). 8 pts apresentavam Acidente Vascular encefálico isquêmico contralateral( AVE). Dentre esses pts 75 considerados de alto risco para endarterectomia contra 65 pts de baixo risco. Resultados: Houve apenas um caso de insucesso no implante da prótese. Nas complicações hospitalares houveram : 2 pts com AIT, 2 pts com AVE menor. Não houveram casos de óbito, infarto e AVE maior. No follow-up tardio tiveram 4 casos de reestenose intrastent que foram tratados com nova intervenção percutânea. Conclusão: A colocação do filtro de proteção e o implante direto de stent sem o uso do balão para pré-dilatação pode ser realizado com eficácia, segurança e com baixa incidência de complicações trombo-embólicas.


115

LARGER DOSES OF CELLS ARE NOT ASSOCIATED WITH ARRYTHMOGENIC POTENTIAL FOLLOWING TRANSENDOCARDIAL INJECTION


Edie Mello de Oliveira1, Franca S. Angeli1, Pilar Jimenez-Quevedo1, Guilherme Silva1, Javier Lopez1, Marlos Fernades1, Ricardo Sanz1, James Willerson1, Emerson Perin1

1) Texas Heart Intitute, Houston , Texas

Background: Transendocardial (TE) injection of 30 million bone marrow derived mononuclear stem cells (BMMNCs) has had a good safety profile in current clinical trials. However, safety of higher doses is unknown. Methods: Thirty days after ameroid constrictor placement in the circumflex artery, 16 pigs underwent TE delivery of BMMNCs. Animals were divided into 4 groups: I) control (saline injection), II) 50 million, III) 100 million, and IV) 200 million cells. EKG and left ventricular (LV) angiography were perfromed pre-cell implantation and at 30 day follow-up (f/u). Multiple interrogations of implantable loop recorder were performed after cell implantation up to 30 day f/u. Results: The QTc interval did not change significantly after cell injection in any of the groups (Table 1). There were no malignant ventricular arrhythmias during cell injection and until 30-day f/u (Table 1). Conclusions: TE injection of BMMNCs in higher doses seems to be safe. There was no untoward electrical event associated with cell therapy.

Groups Baseline 30 d Follow-up p value
Control QTc 450ms+/-9.6 469ms+/-23 0.25
EF 58.5%+/-14 56.7+/-14 0.46
50 M QTc 468 ms+/-17 494ms+/-89 0.69
EF 61%+/-8 60%+/-17 0.89
100 M QTc 473ms+/-25 493ms+/-36 0.28
EF 67.7%+/-16 61.6%+/-16 0.35
200 M QTc 517ms+/-81 452ms+/-74 0.63
EF 64.9%+/-4 63%+/-14 0.95


116

ANGIOPLASTIA CORONARIA CON IMPLANTE DE STENTS LIBERADORES DE RAPAMICINA O PACLITAXEL EN LESIONES DE ALTO RIESGO DE REESTENOSIS


Gustavo Lev1, Leon Valdivieso1, Carlos Fava1, Ricardo Costontini1, Juan Scaglia1, Ana Mollon1, Oscar Mendiz1

1) FUNDACION FAVALORO, BUENOS AIRES , ARGENTINA

Objetivo: evaluar los resultados intra y extrahospitalarios de las angioplastias coronarias en estenosis únicas, de novo, con elevada tasa de reestenosis angiográfica con la utilización de “Bare” metal Stents (vasos pequeños (<3 mm), extensas (> 20mm), ostiales, puentes venosos y bifurcaciones); con implante de Stents liberadores de Rapamicina (Cypher) o Paclitaxel (Taxus) (DES). Material y Metodos: entre agosto de 2002 y febrero de 2006 se efectuaron 2732 angioplastias coronarias entre las cuales se implantaron unicamente Stents DES en 410 (15%) procedimientos. De este grupo se analizaron retrospectivamente 143 pacientes (ptes) (5%) con angioplastia coronaria en lesiones de elevado riesgo de reestenosis con implante únicamente de DES. Se incluyeron pacientes con edad promedio de 63±11 años, a predominio del sexo masculino 78%, HTA 63%, DBT 22%, tabaquistas 43% y dislipémicos 60%. Antecedentes de infarto de miocardio 17%, cirugía de revascularización miocárdica 17% e insuficiencia renal crónica 1%. Refirieron angina crónica estable 38%, angina inestable 49%, isquemia silente 11% y post infarto de miocardio 2%. Entre las características angiográficas se obervaron las siguientes localizaciones de las lesiones: ostiales 14 ptes (10%), bifurcaciones 5 pte (3%), puentes venosos 2 ptes (1%), extensas 97 ptes (68%) y vasos pequeños 32 ptes (23%). Se impantaron 1.1 Stents por paciente con un diámetro promedio de 3.2±1.9 mm, longitud 24±7 mm y a 16±3 atmósferas. Se efectuó seguimiento clínico a 125 ptes (89%) en un tiempo promedio de 13±9 meses. Resultados: ver tabla. Conclusión: la utilización de DES en lesiones de novo, únicas y con elevado riesgo de reestenosis; posee una baja incidencia de complicaciones intra y extrahospitalarias, incluyendo la necesidad de nueva revascularización.

Intrahospitalario n=143 %
Exito angiográfico 142 99
Exito clínico 141 99
MACE 2 1
Muerte (hematoma retroperitoneal) 1 0.5
IAM Q (No Reflow 1 0.5
Extrahospitalaria n=125 89
Asintomáticos 113 90
MACE 8 6
Muerte 4 3
IAM 1 1
Reangioplastia 3 2


117

STENT ELUÍDOS COM FÁRMACOS NO TRATAMENTO DE PACIENTES DIABÉTICOS TIPO-2 COM ESTENOSES NO 1/3 PROXIMAL DA ARTÉRIA CORONÁRIA DESCENDENTE ANTERIOR.


Wilson A.Pimentel1, Tiago Di Nucci1, Maéve B. Correia1, Edson A. Bocchi1, Roberto Abdalla1, Milton M. Soares2, Walter B. Fiorotto2, Egas Armelin3

1) Instituto do Coração, Campinas-SP. , Brasil 2) Instituto de Cardiologia, São Paulo- SP, Brasil 3) Beneficência Portuguesa, São Paulo-SP, Brasil

Fundamento: As situações clínicas e anatômicas, respectivamente, pacientes (pts) diabéticos tipo-2 (DT2) e lesões no 1/3 proximal da artéria coronária descendente anterior (L-1/3-DA), são fatores “altamente” predisponentes à reestenose ® pós implante do stent (IS). Objetivo: Avaliar o impacto clinico do uso do stent eluído com fármaco (SEF) em pts DT2 e portadores de L-1/3-DA. Material e métodos: Foram avaliados clinicamente 128 pts com DT2 e portadores de L-1/3-DA que se submeteram com sucesso ao IS com SEF, grupo (G)1. Para comparação, constituiu-se outro G de 166 pts DT2 e também portadores de L-1/3-DA que se submeteram com sucesso ao IS convencional, G2. Não houve diferenças demográficas significativas entre os dois grupos quanto ao sexo e idade ou na incidência de diabetes dependente de insulina, hipertensão, dislipidemia e número de vasos envolvidos. Resultados: Gráfico para avaliar P livre de eventos cardíacos adversos maiores (ECAM). Conclusões: Foi de grande relevância clínica a utilização do SEF nos pts DT2 e portadores de L-1/3-DA (G1), pela redução dos ECAM. No entanto, maior número de casos e a reprodução de nossa experiência em outros centros cardiológicos são necessárias para uma conclusão definitiva.

Grupo 1º mês 6º mês 12º mês
1 100 92 89
2 100 72 69
Valor de p NS 0,42 <0,05


118

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE STENTS ELUÍDOS EM SIROLIMUS VS PACLITAXEL EM DIABÉTICOS.


Júlio Andréa1, José Ary Boechat1, Lilian Carestiato1, Leandro Cortes2, Filipe Goldberg2, Hélio Figueira2

1) Clinica São Vicente, Rio de Janeiro - RJ, Brasil 2) Hospital CardioTrauma, Rio de Janeiro - RJ, Brasil

Fundamento: Os stents farmacológicos (SF) são eficazes na redução da reestenose intra-stent (RIS). Ainda não está definida a superioridade entre os stents eluídos em rapamicina (SES) ou em paclitaxel(PES) em subgrupos de pacientes de altorisco com diabetes mellitus (NEJM 2005;353:663-70). Objetivo: Avaliar o impacto do uso de SF a médio e longo prazo em pacientes diabéticos de alto-risco. Materiais e métodos: de Agosto/2002 a Dez/2005, 143 pts diabéticos consecutivos submeteramse a implante de SF, sendo divididos em grupo I - SES (n=68-91 st)1e grupo II – PES (n=75-104st). Foram excluídos pts com SC e/ou ambos tipos de SF. São analisados os eventos cardíacos maiores (ECM) durante a internação e no seguimento incluindo infarto do miocárdio, óbito, cirurgia e reintervenção. Dados demográficos: idade (62,7 vs 62,5 anos, p=NS) sexo masculino (60,3% vs 66,7%, p=NS), DMNID (72,1% vs 80%, p=NS ), cirurgia prévia (17,6% vs 25,3% p=NS), ICP prévia (26,5% vs 30,7% p=NS), indicação p/RIS (16,2% vs 14,7% p=NS). Apresentação clínica: AE (47,1% vs 49,3%, p=NS), SCA (47,1% vs 45,4% p=NS) e ICP primária (4,4% vs 5,3%, p=NS). Fatores de risco: IRC (14,7% vs 16%, p=NS), HAS (88,2% vs 86,7%, p=NS), tabagismo (13,2% vs 10,7%, p=NS), dislipidemia (72,1% vs 65,3%, p=NS) e IM prévio (29,4% vs 36%, p=NS). Dados angiográficos: multiarterial(60,3% vs 76% p=NS), FVE preservada (77,9% vs 65,3%, p=NS), lesões B2/C (76,5% vs 73,3% p=NS), Bifurcação(17,5% vs 9,3% p=NS), extensão da lesão > 20 mm (58,8% vs 60% p=NS), vaso abordado: DA (60,3% vs 54,7% p=NS) e uso de USIC (38,2% vs 45,3% p=NS). Resultados: Sucesso angiográfico (100% vs 97,3% p=NS). Evolução hospitalar: infarto “enzimático”(4,4% vs 8,0%, p=NS), trombose subaguda documentada cirurgia (0% vs 1,3%, p=NS) e óbito (0% vs 1,3%, p=NS). Seguimento médio de 18,8 m em cerca de 82% dos pacientes com ECM (5,2% vs 18,6% p=0,08), RVA (3,4% vs 11,9% p=0,16) Conclusão: Em pacientes diabéticos com doença coronária obstrutiva, o uso de SES associa-se a menores taxas de ECM às custas de menor reintervenção, quando comparado ao PES, embora sem significado estatístico.


119

ACCESO RADIAL EN ANGIOPLASTIA CORONARIA: EXPERIENCIA INICIAL


Gustavo Samaja1, Aldo Rodriguez Saavedra1, Ruben Fuks2, Ramiro Costello1

1) Hospital de Alta Complejidad, Formosa, Argentina 2) Instituto Denton Cooley, Buenos Aires, Argentina

Objetivos:a)Tasa de Éxito y Complicaciones en las primeras 100 Angioplastias Coronarias (ATC) por Acceso Radial (AR);b)Factibilidad de un Programa de AR con materiales para Acceso Femoral (AF),excepto Introductores con Set de Micropuntura Material y Método:100 primeras ATC consecutivas con AR.Excluímos los Pacientes (p) con pulso radial débil o ausente,Test de Allen +,enfermedad arterial de miembros superiores, Infarto Agudo de Miocardio en ATC Primaria o de Rescate y Shock. Analizamos:Características Clínicas;Tipo de ATC;Acceso Inmediato(AI): Introductor en posición en <3 minutos;Éxito del Acceso(EA):ATC completada por AR; MACE: Muerte,Infarto,Stroke,Cirugía de Urgencia;Éxito del Procedimiento(EP):TIMI 3 y lesión residual <20% sin MACE;Complicaciones Vasculares Mayores(CVMy): Sangrado con resolución quirúrgica o transfusión o compromiso hemodinámico, Pseudoaneurisma, Fístula,Isquemia y Daño Neural;Complicaciones Vasculares Menores (CVMn): Hematoma y Neuritis;Oclusión Radial;Confort según Escala QOL 0-10 (0 ideal a 2 gran molestia en 5 ítems:Confort del Procedimiento,Molestias en Sitio de Punción,Dolor en Espalda,Dificultades en Micción y al Caminar) y Elección de Acceso por los p de requerir otra ATC;Uso de Catéteres específicos para AR;Uso de Catéteres poco habituales(Izquierda:Extra Back Up 3.0,Amplatz, Multipropósito; Derecha: Multipropósito, Amplatz excepto AR1,LIMA) Resultados:104 p,4 Test de Allen +:100 p.Masculino 77%.Edad:66.7 años(41-86);?70:46(46%). Anomalías Anatómicas 6(6%):Loop Radioulnar 2;Origen Alto de Radial 1;Hipoplasia 2;Oclusión Radial 1 ATC 1 Vaso 85 p y >1 Vaso 15 p(115 lesiones).Tronco de Coronaria Izquierda 5; Descendente Anterior 56;Diagonal 2;Circunfleja 25;Coronaria Derecha 25 y Puente Venoso 2.AI 89 p(89%).EA 93 p(93%):7 fracasos y ATC Exitosa por AF:2 por Radial fina,2 por Oclusión Humeral con Sones previo,2 Loop Radioulnares y 1 Tortuosidad Radial Extrema y Oclusión proximal. EP 90%(7 fracasos del acceso y 3 ATC Fallidas a Oclusiones Crónicas).MACE 1(1%):Muerte por Neumotorax en Asistencia Respiratoria y Acceso Subclavio en 2do día post ATC exitosa CVMy 0%.CVMn 5 pac(5%).Pérdida de Pulso sin isquemia:3 casos (3%) y 2 lo recobran en 30 días Confort QOL 0.34/10.Vía en futura ATC:95 AR;4 Indistinto;1 AF No usamos catéteres específicos para AR.Uso de Catéteres poco habituales:5 casos Conclusiones:AR en ATC es eficaz, seguro y cómodo para los p.Es factible y viable con Material para AF incorporando Introductores con Set de Micropuntura


120

A CREATININA PLASMÁTICA ISOLADA, NÃO É UM BOM INDICADOR DA FUNÇÃO RENAL EM PACIENTES SUBMETIDOS A ESTUDOS COM RADIOCONTRASTES.


Jose Jesus Casco Raudales1, Alcides Jose Zago1, Alexandre do Canto Zago1, Jayme E. Burmeister1, Joubert Brendler1, Rafael Vargas Alves1, Jacqueline Wachleski1, Simone S. Fantin1

1) Hospital Luterano da ULBRA, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução: Alguns pacientes (P’s) com níveis basais de creatinina plasmática (CrP) considerados normais, apresentam algum grau de perda significativa da função renal quando mensurada pela depuração de Cr endógena. O cálculo da taxa de filtração glomerular (TFG) pelo método de Cockroft-Gault fornece melhor estimativa da função renal. Os objetivos do trabalho são: 1) Avaliar a função renal (basal e pós-exposição) através do cálculo da depuração de Cr endógena basal pelo método de Cockroft-Gault e, 2) Determinar a incidência de efeitos nefrotóxicos induzidos por radiocontrastes em P’s submetidos a cateterismo cardíaco, com níveis basais de CrP de até 1,2 mg/dL. Metodos: De Março/05 a Janeiro/06, 114 P’s submetidos a cateterismo cardíaco no laboratório de Hemodinâmica do Hospital Luterano da Ulbra, foram convidados a entrar no estudo, foram coletadas amostras de sangue antes e 48 h após de realizado o procedimento. Vinte e seis P’s foram excluídos por critérios do protocolo. Resultados: Características da amostra (88 P’s): 55,7% do sexo masculino; com medias de: idade de 59,4 anos; peso de 79,0 kg; altura de 1,64 m; CrP basal de 0,90 ± 0,18 mg/dL e TFG de 96,0 ± 3,14 mL/ min. Em condições basais, os P’s foram estratificados em dois grupos: Grupo I (TFG ?60 mL/min) e Grupo II, (TFG >60 mL/min). Os P’s do grupo I apresentavam TFG de 51,6 ± 7,8 vs 99,9 ± 29,6 mL/min do grupo II (P < 0,0001), e se caracterizavam por ser idosos; predominantemente mulheres; de menor peso; de menor estatura. Após 48 h da exposição ao radiocontraste, 13 P’s (14,8%) apresentavam critérios de nefrotoxicidade. Os P’s foram divididos em grupos: com perda de função (CPF, n=13) e sem perda de função (SPF, n=75). Não houve diferenças significativas entre os grupos em relação a: idade, sexo feminino, altura, IMC e antecedentes de HAS, DM, dislipidemia, tabagismo, histórico familiar de doença aterosclerótica coronária, doença renal prévia e exposição prévia a contrastes. Após da exposição ao radiocontraste, no grupo CPF a TFG caiu de 113,3 ± 52,4 mL/min para 77,2 ± 37,0 mL/min (P < 0,0001) enquanto que a CrP aumentou de 0,74 ± 0,19 mg/ dL para 1,08 ± 0,25 mg/dL (P < 0,0001) o que representa uma perda de função de -31,7% ± 5,1 contra -6,0% ± 11,8 do grupo SPF (P < 0,0001). Houve diferença significativa no volume total de radiocontraste injetado, (maior no grupo CPF 59,5 ± 29,5 vs 47,0 ± 14,6 mL; P < 0,0001). Finalmente, nenhum dos 13 P’s com critérios de nefrotoxicidade precisou nenhum tipo de diálise, sendo que todos eles foram manejados conservadoramente. Conclusões: No grupo CPF apesar de apresentar uma queda significativa na TFG, a CrP se manteve dentro dos limites da normalidade; demonstrando assim que a creatinina plasmática, quando usada isoladamente, para avaliar a função renal (em condições basais e após da exposição) não é um bom indicador funcional; isto porque alguns pacientes com níveis de CrP considerados normais já apresentam algum grau de perda ou piora significativa da função renal. Assim, nos achamos que a fórmula de Cockcroft-Gault é um método adequado, de baixo custo e de rápida aplicação para realizar a triagem da TFG em pacientes submetidos à angiografia coronária (ou qualquer outro exame que precise de radiocontrastes).


121

ANGIOPLASTIA CORONARIA POR ACCESO RADIAL: INFLUENCIA DE LA CURVA DE APRENDIZAJE

Gustavo Arturo Samaja2, Aldo Rodriguez Saavedra1, Pablo Czerniuk2, Ramiro Costello1

1) Hospital de Alta Complejidad, Formosa, Argentina 2) Instituto Denton Cooley, Buenos Aires, Argentina

Objetivos: Impacto de la Curva de Aprendizaje en el Curso de un Programa Angioplastia Coronaria (ATC) por Acceso Radial (AR) comparando la Tasa de Éxito, Acceso Inmediato, Complicaciones y Confort. Material y Metodos: Se analizaron las 100 primeras ATC por AR. Se excluyeron los Pacientes (p) con pulso radial débil o ausente, Test de Allen Positivo, enfermedad de la circulación arterial de miembros superiores, Infarto Agudo de Miocardio en plan de ATC Primaria o de Rescate y Shock. Todas fueron realizadas por el mismo Equipo y son consecutivas. Se compararon las 50 primeras ATC (Grupo A) con las 50 siguientes (Grupo B). Se analizaron: Tipo de Procedimiento; Éxito del Acceso (Procedimiento completado por la vía elegida); Éxito del Procedimiento (Flujo TIMI 3 y lesión residual < 20%); Acceso Inmediato (Introductor en vaso en < 3 minutos); MACE: Muerte, Infarto de Miocardio, Reintervención o Cirugía de Revascularización urgentes, Stroke; Complicaciones Vasculares Mayores (Sangrado con resolución quirúrgica, transfusión o compromiso hemodinámico; Pseudoaneurisma; Fístula Arteriovenosa; Isquemia del Miembro y Daño Neural) y Menores (Hematoma, Neuritis); Confort del Paciente según Escala de 0 a 10 (0 ideal a 2 como gran molestia en 5 ítems: Confort del Procedimiento, Molestias en Sitio de Punción, Dolor en Espalda, Dificultades en Micción y al Caminar) y Elección de la Vía por el Paciente en caso de requerir una nueva ATC. Resultados: Ambos Grupos con similares Características Clínicas. VER TABLA Conclusiones: La Curva de Aprendizaje de un Programa de AR en ATC se manifestó en esta serie como una tendencia a Menor Éxito del Acceso y del Procedimiento en los primeros 50 p. La Tasa de Complicaciones es baja. Los Índices de Confort son muy buenos e incluso mejoraron superados los Primeros Casos. El Acceso Radial es preferido sobre el Femoral en la mayoría de los p.

Variables Grupo A Grupo B p
ATC 1 Vaso n:45 / 90% n:40 / 80% 0.16
ATC Múltiples Vasos n:05 / 10% n:10 / 20% 0.16
Exito del Acceso n:44 / 88% n:49 / 98% 0.11
Exito del Procedimiento n:42 / 84% n:48 / 96% 0.09
Acceso Inmediato n:45 / 90% n:44 / 88% 1
Complicaciones Vasculares Mayores n:0 / 0% n:0 / 0% 1
Complicaciones Vasculares Menores* n:4 / 08% n:1 / 2% 0.36
MACE n:0 / 0% n:1 / 2% ** 1
Confort QOL 0.48 0.18 0.007 Elección de AR n:46 / 92% n:49 / 98% 0.36

*Todos Pequeños ** Muerte Día 2 post ATC Hematomas en ARM por Neumotorax


122

A INTRODUÇÃO DA ESTATINA MODIFICA OS EVENTOS CARDIOVASCULARES NA EVOLUÇÃO CLÍNICA TARDIA DE PACIENTES COM ANGINA INSTÁVEL E VULNERÁVEIS TRATADOS COM STENT ELUÍDOS COM FÁRMACOS?


Roberto Abdalla Filho3, Wilson A. Pimentel Filho1, Maéve B. Correia3, Edson A. Bocchi3, Tiago P. Di Nucci3, Milton M. Soares2, Wellington B. Custodio1, Raphael A. Freire1, Jorge R. Buchler1, Egas Armelin1

1) Beneficência Portuguesa de São Paulo, São Paulo-SP, Brasil 2) Instituto de Cardiologia, São Paulo-SP, Brasil 3) e Instituto do Coração de Campinas, Campinas-SP, Brasil

Fundamento: Os stents eluídos com fármacos (SEF) representam um avanço na redução da reestenose intra-stent. No entanto, nos pacientes (P) com angina instável (AI) e vulneráveis (V), ainda não se sabe o impacto do uso da estatina (E) na evolução clínica (EC) desses P após o implante (I) dos SEF. Objetivo: Avaliar o uso da E como fator de interferência na EC dos P com AI e V. Material e métodos: Foram estudados 125 P com AI e V (V = P com lesões complexas e com proteína C ? 3 mg/L) que utilizaram a E antes, durante e após um ano do I dos SEF (sinvastatina 20-40mg/ atorvastatina10-40/rosuvastatina10-20mg), Grupo (G)1. Para efeito comparativo foi incluído 100 P com AI e V = G2, submetidos ao I de SEF e que não utilizaram a E de forma regular (similar ao G1). Não houve diferenças demográficas clínicas e anatômicas significativas entre os grupos. Em ambos G, os P foram mantidos com AAS e clopidogrel no período de 6m – 1 ano. Resultados: Gráfico para avaliar P livre de eventos cardíacos adversos maiores (ECAM). Conclusão: Foi evidente a relação do uso da estatina na melhor evolução clínica dos P do G1.




123

RESULTADOS E FATORES DE RISCO NA INTERVENÇÃO CORONÁRIA PERCUTÂNEA EM IDOSOS, OCTOGENÁRIOS E NONAGENÁRIOS. EVOLUÇÃO INTRA-HOSPITALAR


Edison C Sandoval Peixoto2, Rodrigo T S Peixoto1, Paulo S Oliveira1, Mario Salles1, Ronaldo A Villela1, Pierre Labrunie1, Marta Labrunie1, Ricardo T S Peixoto1, Melanie B M Souza2, Ivana P Borges2, Maurício B F Rachid1

1) Cinecor 4º Centenário, Rio de Janeiro-RJ, Brasil 2) Universidade Federal Fluminense, Niterói-RJ, Brasil

Fundanento: A intervenção coronária percutânea (ICP) apresenta maior mortalidade em pacientes mais idosos. O objetivo do presente estudo foi determinar fatores de risco para mortalidade intra-hospitalar em idosos e diferenças entre idosos (Idosos) e octogenários e nonagenários (OctNon). Metodos: Foi realizada uma análise retrospectiva do banco de dados de ICP criado prospectivamente e foram estudados 2097 pacientes submetidos a ICP entre 1995 e 2005, 1910 (91,13%) Idosos de 65 a 79 anos, 175 octogenários e 12 nonagenários, perfazendo 187 (8,9%) de octogenários e nonagenários constituindo o grupo de OctNon, dos quais 2094 pacientes com evolução intra-hospitalar (EIH). Utilizou-se os testes: Qui quadrado e t de Student para analisar as diferenças entre Idosos e OctNon e regressão logística múltipla para determinar os fatores de risco no grupo total. Resultados: Encontrou-se entre pacientes Idosos e OctNon: sexo feminino 746 (39,1%) e 101 (54,0%) e sexo masculino 1164 (60,9%) e 86 (46,0%) pacientes, (p<0,0001), quadro clínico de assintomáticos em 210 (11,0%) e 5 (2,7%) pacientes, angina estável em 704 (36,9%) e 36 (19,3%), instável (AI) em 830 (43,5%) e 102 (54,5) e infarto do miocárdio (IAM) em 166 (8,7%) e 44 (23,5%), (p<0,0001), idade 70,6±4,0 (65 a 79) e 83,2±3,4 (80 a 97) anos (p<0,0001). Houve sucesso em 90,8% dos pacientes, sendo nos Idosos e OctNon 90,9% e 89,8% (p=0,6177), oclusão aguda no procedimento ou na EIH em 3,1% dos pacientes, sendo nos Idosos e OctNon 3,1% e 2,7% (p=0,7697) e óbito em 1,8% dos pacientes, sendo nos Idosos e OctNon 1,5% e 5,4% (p=0,0001). Previram sobrevida: Disfunção de ventrículo esquerdo não grave (p=0,0216; HR=0,2349), idade (Idosos), (p=0,0193; HR=0,0221), ausência de oclusão aguda no procedimento ou na EIH (p<0,0001; HR=0,0101), sexo masculino (p=0,0342; HR=0,3290) e ausência de quadro de IAM (p=0,0009; HR=0,1368). Conclusões: No grupo de octogenários e nonagenários havia mais mulheres, mais AI e IAM e maior mortalidade. Foram fatores de risco para óbito: Disfunção de ventrículo esquerdo grave, o grupo de octogenários e nonagenários, quadro de IAM pré-ICP, sexo feminino e oclusão aguda per-ICP e intra-hospitalar.


124

MARCADORES DE INFLAMAÇÃO E NECROSE E SEU VALOR PROGNÓSTICO NA EVOLUÇÃO CLÍNICA TARDIA PÓS-IMPLANTE DE STENT CORONÁRIO


Marinella P Centemero1, Amanda GMR Sousa1, Rodolfo Staico1, Alexandre Abizaid1, Fausto Feres1, Nivea Salvarani1, Camila Sarteschi1, Luiz F Tanajura1, Dimytri Siqueira1, Julio P Maia1, J Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Fundamentos: Marcadores de necrose (MN) podem elevar-se em 10-40% dos P tratados com sucesso pelo implante de stents coronários (SC),o que tem sido associado à ocorrência de eventos cardíacos (EC) na evolução.Marcadores de inflamação (MIF) também podem aumentar pós-SC e relacionar-se a um pior prognóstico. Objetivos:Avaliar a incidência da elevação (E) dos MN e MIF pós- SC e analisar sua correlação com a ocorrência de EC. Metodos:Entre 08/2001 e 02/2002, MIF (PCR-ultrasensível) e MN (CKMB/Troponina T) foram mensurados em 199 P tratados eletivamente com SC em 3 períodos : pré-SC,6-8 h e 14-18 h pós- SC. Curvas de sobrevivência livre de EC (SLEC) e modelo de regressão de Cox (RC) foram utilizados para determinar o impacto prognóstico da E destes marcadores na evolução tardia (3 anos). Resultados: A média de idade foi de 60,3 + 10 a; 33% eram diabéticos (DM) e a FE média foi 49+10%.O SC foi implantado com sucesso em 193 P(97%) e apenas 1 EC hospitalar ocorreu :IAM não-Q (E da CKMB>3x normal). Os resultados tardios estão na tabela. A RC identificou os preditores independents (PI) de EC-3anos:DM (OR:2,09;p=0,023) e E da CKMB pós-SC (OR:3,32;p=0,012) Conclusão:1)E dos MN e dos MIF é freqüente pós-SC;2) SLEC em 1 e 3 anos foi significativamente menor nos P com E da CKMB pós-SC;3) DM também foi um PI de EC na evolução tardia destes P.

Marcador CKMB > 10 UI TNT > 0,1 ng/ml PCR > 3 mg/dl
Pré-SC 0 7,5% 61,4%
Pós-SC 6% 23% 83,3%
CSLEC (1 ano) CKMB+: 60% TNT+: 80% PCR+: 83% CKMB-: 85% TNT-: 85% PCR-: 87% p 0,025 0,39 0,59
CSLEC (3 anos) CKMB+: 50% TNT+: 70% PCR+: 77% CKMB-: 79% TNT-: 79% PCR-: 83% p 0,014 0,33 0,44


125

RESULTADOS IMEDIATOS E TARDIOS DO TRATAMENTO DE BIFURCAÇÕES CORONARIANAS COM IMPLANTE DE STENTS FARMACOLÓGICOS EM AMBOS OS RAMOS


Cesar R. Medeiros1, Cláudia Mattos1, Leonardo Duarte1, Miguel Rati1

1) Rede D’Or de Hospitais, Rio de Janeiro - RJ, Brasil

Fundamento: Os stents farmacológicos (SF) permitiram que lesões complexas outrora não abordáveis, passassem a ser tratadas de forma eficaz e segura. Dentre estas lesões, as bifurcações coronarianas estão entre as mais relevantes, havendo a necessidade de optar-se por uma entre as diversas técnicas disponíveis de acordo com o caso. Objetivo: Determinar os resultados imediatos e tardios do tratamento das bifurcações coronarianas com implante de SF nos ramos principal e secundário. Material e Metodos: Os critérios de inclusão foram a presença de lesão em bifurcação envolvendo o ramo principal na origem do ramo secundário, o qual deveria apresentar lesão ostial e diâmetro mínimo de 2,25 mm. Entre 08 de 2004 e 03 de 2006, foram tratados 16 pacientes (pts) com lesões em bifurcações coronarianas onde o implante de SF estava programado nos 2 ramos envolvidos. Os pts foram acompanhados por um período de 6 meses em uso de dupla antiagregação plaquetária. Resultados: 6 pts (37,5%) eram do sexo feminino, a idade média foi de 64,2 anos, 6 pts (37,5%) eram diabéticos e 2 pts (12,5%) estavam sendo tratados por reestenose de stent no ramo principal. Foram tratadas as bifurcações da descendente anterior com diagonal e da circunflexa com a marginal esquerda em 7 casos cada (43,75%), havendo ainda bifurcações entre 2 sub-ramos do diagonalis e entre a descendente posterior e a ventricular posterior, com 1 caso cada. A técnica utilizada foi o crushing-stenting em 13 casos (81,25%), stents em V em 2 casos e stents em T em 1 caso. Em 12 casos (75%) a técnica foi complementada com kissing-balloon final. Os stents utilizados foram Taxus em 75% dos casos e Cypher nos 25% restantes. Os diâmetros médios dos stents dos ramos principal e secundário foram 2,97 mm e 2,6 mm, respectivamente, enquanto os comprimentos médio foram 20 mm e 14,4 mm. Os resultados imediatos foram considerados satisfatórios, não havendo complicações maiores. O acompanhamento de 6 meses foi obtido em 13 pts, sendo que 1 pt apresentou precordialgia e demonstrou-se reestenose no reestudo de 5 meses, tendo-se optado por tratamento clínico. Outros 3 pts foram reestudados por apresentarem isquemia documentada, não havendo reestenose neste grupo. Os outros mantêm-se assintomáticos. Conclusão: Nesta amostra limitada de pts com lesões complexas, demonstramos a segurança e a eficácia do tratamento das bifurcações coronarianas com o emprego de SF, devendo a técnica utilizada ser definida conforme a anatomia.


126

EVOLUÇÃO DOS PACIENTES DIABÉTICOS E NÃO-DIABÉTICOS SUBMETIDOS A IMPLANTE DE STENTS FARMACOLÓGICOS


Daniel Ferreira Mugrabi1, Sérgio Rodrigues Maranha1, João Batista de Oliveira Neto1, Maria Fernanda Zuliani Mauro1, Salvador Andre B. Cristovão1, José Armando Mangione1

1) Hospital Beneficência Portuguesa, São Paulo-SP, Brasil

Introdução:O advento do uso dos stents farmacológicos reduziu de forma significativa a reestenose coronária comparado aos stents convencionais. Pacientes diabéticos apresentam padrão difuso e rapidamente progressivo da doença aterosclerótica e maiores taxas de reestenose. Alguns estudos randomizados demonstraram benefício da utilização dos stents farmacológicos na população diabética, no entanto, ainda são raros os trabalhos analisando os resultados na prática clínica diária. Objetivos: Avaliar as características clínicas e angiográficas, e a evolução hospitalar e no seguimento clínico tardio de pacientes diabéticos e não diabéticos submetidos a angioplastia coronária com stents farmacológicos. Metodos: Realizamos um estudo observacional prospectivo comparando pacientes diabéticos (DM) e nãodiabéticos (nDM) submetidos a angioplastia com stents farmacológicos de janeiro de 2002 a janeiro de 2006. Foram avaliadas as características clínicas e angiográficas pré-procedimento, a evolução hospitalar e até 24 meses pós angioplastia. O desfecho primário foi o evento combinado óbito, infarto (IAM) e necessidade de nova revascularização (RM) no seguimento clínico e o desfecho secundário, a evolução hospitalar e o quadro clínico tardio. Resultados: Foram realizados implante de stent eluído em 317 pacientes (92 no grupo DM). Os pacientes diabéticos apresentaram maior média de idade (66 + 10 vs 62 + 13, p = 0,01) e maior prevalência de doença vascular periférica (8,7% vs 2,2%, p = 0,03). No grupo diabético, houve menor prevalência de tabagismo (4,3% vs 17,8%, p= 0,009) e de intervenção percutânea prévia (8,7% vs 21,8%, p= 0,03). Não houve diferença estatística em relação ao sucesso do procedimento (97,8% DM vs 99,6% nDM, p=0,99) e quanto a evolução hospitalar. No desfecho primário e evolução clínica tardia também não observamos diferença entre os grupos (ver tabela). Conclusão: Nossos achados demonstram um percentual alto de sucesso do procedimento e baixo índice de complicações hospitalares nos dois grupos submetidos a angioplastia com stent eluído. Os stents farmacológicos mostraram-se eficazes no tratamento da população diabética, apresentando evolução hospitalar e no seguimento clínico semelhante aos não diabéticos.

Total Diabéticos Não-diabéticos p
Total pac seguidos 287 (91,4%) 85 (94,4%) 202 (90,2%) 0,867
IAM 3 (1,0%) 1 (1,2%) 2 (1,0%) 0,621
Óbito 3 (1,0%) 2 (2,4%) 1 (0,5%) 0,447
RM 19 (6,6%) 5 (5,9%) 14 (6,9%) 0,963
Composto 25 (8,7%) 8 (9,4%) 17 (8,4%) 0,983


127

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE STENTS ELUÍDOS EM SIROLIMUS VS PACLITAXEL NA REESTENOSE INTRA-STENT

Júlio Andréa1, José Ary Boechat1, Lilian Carestiato1, Leandro Cortes2, Hélio Figueira1

1) Clínica São Vicente, Rio de Janeiro - RJ, Brasil 2) Hospital CardioTrauma, Rio de Janeiro - RJ, Brasil

Fundamento: Na reestenose intra-stent (RIS) de stents convencionais, os stents eluídos em sirolimus (SES) e eluídos em paclitaxel (PES) são superiores a angioplastia por balão (APTC balão) na prevenção da sua recorrência. Por apresenta menor “perda tardia” o SES pode, eventualmente, ser superior ao PES neste subgrupo de alto-risco. (JAMA 2005;293:165-171). Objetivo: Comparar SES com PES para tratamento da RIS na prática clínica. Materiais e métodos: de setembro/2002 a Nov/2005, 53 pts com RIS consecutivos submeteram-se a implante de stents farmacológicos (SF), sendo divididos em grupo I - SES (n=30-39 st) e grupo II – PES (n=23-29st). Foram excluídos pts submetidos a APTC balão, “cutting-balloon” ou uso simultâneo de SES e PES. São analisados dados demográficos, os eventos cardíacos maiores (ECM) durante a internação e no seguimento incluindo infarto do miocárdio (IAM), óbito, cirurgia e reintervenção. Dados demográficos: idade (62,7 vs 62,5 anos, p=0,18), sexo masculino (63,3% vs 66,7%, p=0,32), DM (23,3% vs 30,4%, p=0,35), IRC (0% vs 4,3%, p=0,18), HAS (63,3% vs 82,6%, p=0,08), dislipidemia (80% vs 73,9%, p=0,59) e IM prévio (36,7% vs 21,7%, p=0,29). Apresentação clínica: AE (47,1% vs 49,3%, p=0,24), SCA (47,1% vs 45,4% p=0,14). Dados angiográficos: multiarterial (63,3% vs 60,9% p=0,39), FVE preservada (70% vs 69,6%, p=0,54), lesões B2/C (80% vs 82,6% p=0,54), extensão da lesão > 20 mm (73,3% vs 47,2% p=0,09), vaso abordado: DA (60% vs 43,5% p=0,34), Psaf (6,7% vs 4,3% p=0,56) e uso de USIC (76,7% vs 52,2% p=0,47). Resultados: Sucesso angiográfico (100% vs 95,7% p=0,1). Evolução hospitalar: infarto “enzimático”(3,3% vs 0,0%, p=0,56). Nào ocorreu trombose subaguda documentada, cirurgia de emergência e óbito hospitalar. Seguimento médio de 14,6 meses em cerca de 80% (grupo I) e 100% (grupo II) dos pacientes com ECM (4,2% vs 17,4% p=0,27), RVA (4,2% vs 8,7% p=0,46) e IAM ( 0,0% vs 8,7% p=0,22) Conclusão: Em pacientes com RIS, o uso de SES associa-se a menores taxas de ECM e RLA quando comparado ao PES, embora sem significado estatístico, sugerindo menor risco de recorrência.


128

FRACTURA DE STENT DE NITINOL EN RECANALIZACIONES DE LA ARTERIA FEMORAL SUPERFICIAL Y SU RELACION CON EVENTOS CLINICOS


Luis Virgen C3, Felipe Nasser2, Adnan Neser2, Jose Carlos Ingrund2, Noedir A. G. Stolf1, Pedro Lemos1, Marcelo C. Burihan2, Orlando Barros2, Rodrigo Biagioni2, Patricia Garcia1

1) Instituto do Coração-FMUSP, São Paulo, Brasil 2) Hospital Santa Marcelina, São Paulo , Brasil 3) Secretaria de Salud, México, México

ANTECEDENTES: La incidencia de fractura de stent con nitinol después del tratamiento de la arteria femoral Superficial (AFS) ha sido reportada como alta. El estudio SIROCCO reporto 18% de fracturas en 6 meses, esta fue aun mayor en lesiones largas y con múltiples stent (50%), sin embargo todas benignas. Recientemente el estudio FESTO mostró que la fractura puede estar relacionada con disminución de la patencia del stent y/o eventos clínicos. OBJETIVOS: Analizar por fluoroscopia la incidencia de fractura y su relación con eventos clínicos después de 6 meses de implante de Stent en oclusiones de la AFS. METODOS: Fue analizado la incidencia de fractura de las primeras 17 lesiones; 25 Stent (1.5 Stent por lesión) del estudio EVERESST. Todos los Stent fueron Protege EV3 de 6 y 7 mm de diámetro y de 60 a 150 mm de extensión. Clasificamos las lesiones igual a otros estudios: 1= Fractura única en la estructura, 2= Fracturas múltiples en la estructura, 3= Separación transversal linear completa, 4= Separación transversal completa con desplazamiento del stent. RESULTADOS: 100% de los pacientes eran oclusiones crónicas de la AFS. El tamaño de la oclusión antes de la recanalización fue de 42-350 mm (media de 120 mm). El segmento de Stent implantado por paciente fue de 60 a 150 mm (media de 202 mm). La incidencia de fractura fue de 30% y de eventos clínicos 12%. (TABLA 1). CONCLUSIONES: La incidencia de fracturas en oclusiones largas de la AFS con stent Protege EV 3 fue menor que la reportada en otros estudios. Las fracturas tipo 4 encontradas no fueron benignas y están relacionadas con eventos clínicos.

TIPO DE INCIDENCIA/ REESTENOSIS/ OCLUSION REESTENOSIS Y FRACTURA/ AGUDA/ OCLUSION/
1 1 (8%) 0 0 0 2
2 (12%) 0 0 0
3 0 0 0 0
4 2 (12%) 1 1 2 (12%)


129

BENEFÍCIO DO ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO NO IMPLANTE DE STENTS FARMACOLÓGICOS- ANÁLISE EVOLUTIVA


Newton Stadler1, Marisa Leal2, Ricardo Wang1, Herminio Haggi1, Eclea Ulaf1, Claudia Zanuzzi1, Estela Klosoviski1

1) Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, Curitiba- PR, Brasil 2) Hospital Ecoville, Curitiba-PR, Brasil

O benefício da utilização do Ultra-som Intracoronário (USIC) na otimização do implante de Stents não eluídos já esta bem demonstrado. Os Stents Farmacológicos (St Farm), pela baixa incidência de reestenose, tem na utilização do USIC resultados não totalmente definidos quanto a sua utilidade. O objetivo deste estudo é analisar os resultados imediatos e tardios obtidos com o USIC após implante de St Farm com Paclitaxel (Taxus-BSC) No período de Maio de 2003 a Janeiro de 2006 selecionamos 82 procedimentos (pr), onde o USIC foi realizado em todas as lesões após o implante e otimização de St Farm com Paclitaxel. O critério de otimização foi o ganho maior que 80% na Área Luminal Mínima (ALM) do St em relação a média das áreas de referência proximal e distal obtidos pela análise do USIC.A idade média foi de 62,6 ± 11,1anos, sendo 71,9% do sexo masculino. Diabete Melitus foi encontrado em 41,4%. Infarto prévio, Angioplastia prévia e revascularização prévia foi evidenciado em 26,8%, 36,6% e 8,5% respectivamente. Angina Instável estava presente em 51,2% dos pr. Foram implantados St Farm em 103 vasos sendo que a Descendente Anterior foi o vaso mais abordado (50,4%).Foram tratadas120 lesões e implantados 111 St Farm .sendo que a média de implante por procedimento foi de 1,3. O diâmetro médio do St Farm foi de 3,0 ± 0,3mm, o comprimento de 19,2 ± 6,3mm.A média do balão final foi de 3,2 ± 0,4mm e a pressão final média de insuflação 14,3 ± 1,8atm . A reintervenção com USIC para otimização ocorreu em 36,6% dos St Farm implantados . O sucesso ocorre em 98,8%, havendo 1 óbito (1,2%). A ALM Final foi calculada em 104 dos St Farm sendo separados em 3 grupos: GI com ALM <5,0mm², GII com ALM 5,1-8,0mm² e GIII com ALM >8,1mm².(vide tabela) Podemos concluir que o USIC ajudou na obtenção de ALM Finais maiores, sendo que os índices de reestenose foram significativamente menores quanto maior a ALM Final mostrando-se um método útil no implante de Stents Farmacológicos.

GI (N=20) GII (N=50) GIII (N=34) p
Stent Farm (mm) 2,7±0,2 2,9±0,3 3,4±0,3 0,001
Balão Final (mm) 2,9±0,3 3,0±0,3 3,5±0,3 0,001
Re-intervenção (%) 35 32 20,6 0,26
ALM Final (mm2) 4,4±0,7 6,5±0,8 9,9±1,3 0,001 %
Área de Referência 78,6 91,5 97,1 0,001
Reestenose (%) 20 12 5,9 0,26
Tempo (meses) 21,4±8,1 16,2±8,6 17,5±11,1


130

PRIMEIRA EXPERIÊNCIA CLÍNICA COM OS STENTS COM ELUIÇÃO DE ZOTAROLIMUS COM DUPLA CAMADA DE POLÍMERO: RESULTADOS DO ESTUDO ZOMAXX - IVUS


Luiz F Tanajura1, Alexandre Abizaid1, Fausto Feres1, Luiz A Mattos1, Rodolfo Staico1, Marinella Centemero1, Áurea Chaves1, Andrea C Abizaid1, Amanda Sousa1, J Eduardo Sousa1

1) Instituto dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo-SP, Brasil

Fundamentos: Os stents com liberação de medicamentos (SLM) comprovadamente reduzem a reestenose após intervenções coronárias percutâneas (ICP), possibilitando uma ampliação ainda maior das indicações de ICP. Sua utilização rotineira, entretanto, é limitada pelo alto custo, restringindo acentuadamente a amplitude dos seus benefícios. Assim, há necessidade de serem desenvolvidos novos modelos igualmente seguros e eficazes, visando a redução de custos, pela competição natuaral do mercado. Objetivo: Expor a experiência clínica, angiográfica e os resultados do ultrasom intracoronário com os SLM de zotarolimus (SLMZ), medicamento citostático análogo ao sirolimus, liberado mais lentamente em razão da dupla camada de polímero, nos pacientes (p) incluídos no estudo ZOMAX-IVUS. Metodos: Estudo prospectivo de uma coorte de 40 p consecutivamente incluídos entre 04 e 07/2005, nos quais implantaram-se SLMZ. Incluíram-se casos com lesões primárias em artérias naturais, cuja extensão variou de 10 a 15 mm, bem como diâmetro de referência situado entre 2.5-3.0 mm. Após a alta, ocorreram visitas com 30, 120 e 270 dias, além de angiografia controle e ultrasom intracoronário com 120 dias. AAS e clopidogrel foram iniciados na véspera da intervenção e mantidos por 6 meses. As análises da angiografia quantitativa e do ultrasom foram realizadas por laboratórios americanos independentes, respectivamente em New York e Stanford. Resultados: Quarenta porcento dos p eram diabéticos. Todos foram tratados com sucesso do implante e do procedimento; até 270 dias não ocorreram casos de trombose. No quarto mês de evolução foram reestudados 38/40 p (95%), nos quais observou-se reestenose angiográfica de borda em 2 (5%). Ocorreu uma revascularização da lesão-alvo, não motivada por isquemia. A perda tardia da luz média foi 0.2 mm (DP=0.3 mm), enquanto o volume de hiperplasia intimal médio aferido pelo ultra-om foi de 6.5 mm cúbicos (DP=6.2 mm cúbicos). Conclusões: Estes resultados demonstram que os SLMZ apresentam efetividade e segurança similares aos SLM atualmente disponíveis, o que deverá torna-los uma opção adicional a curto prazo, possibilitando redução de custos e extensão do benefício advindo do seu uso para mais p.


131

ANGIOPLASTIA RENAL ¿UNA PRÁCTICA CON IMPLICANCIAS CLÍNICAS RELEVANTES?


Julio Andrés Pascua1, Humberto Bassani1, Carla Agatiello1, Carlos Rojas Matas1, Jose M. Gabay1, Alejandro D. Fernández1, Daniel H. Berrocal1, Liliana R. Grinfeld1

1) Hospital Italiano , Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina

Introducción: La estenosis de la arteria renal es una causa potencialmente reversible de hipertensión arterial e insuficiencia renal. La angioplastía transluminal percutánea es un procedimiento sencillo y seguro que puede revertir estas condiciones.

Objetivo: Describir las características clínicas y angiográficas y la evolución de una cohorte de pacientes consecutivos sometidos a angioplastía renal. Metodos: Se realizó un análisis secundario de una cohorte prospectiva de 153 pacientes tratados con angioplastia por estenosis de la arteria renal con colocación de stent entre noviembre del 2002 y setiembre del 2005. Se analizaron variables clínicas y angiográficas basales y luego del procedimiento. Se analizó la evolución hospitalaria y un seguimiento que en promedio fue de 9 meses. Resultados: Características Basales Edad (años) 64.2±12 Sexo Masculino-n(%) 38.6(25,2) Tabaquismon(%) 40.9(26,7) Diabetes-n(%) 4.5(2,9) Dislipemia-n(%) 68.2(44,5) HTA-n(%) 84.1(54,96) IRC-n(%) 18.2(11,89) Monorrenos-n(%) 9.1(5,94) El éxito angiográfico se logro en el 100% de los pacientes. En la mayoría de los casos(97.4%) se utilizó stent primario y sistema coronario (cuerda 0.014") con utilización de catéter guía (6 French) No hubo complicaciones durante el procedimiento. Luego de la angioplastia el 28.3% de los pacientes hipertensos normalizaron sus cifras tensionales y el 41.3% mejoraron las mismas. Se redujo significativamente el requerimiento de drogas antihipertensivas. Los niveles de urea y creatinina de los pacientes con disfunción renal basal permanecieron estables en el 22.2% y mejoraron en la mitad de los casos. La reducción de los niveles de urea y creatinina post-ATR presentó una tendencia a reducirse sin mostrar una reducción estadísticamente significativa. Un paciente falleció en el postoperatorio de cirugía de revascularización miocárdica. En el seguimiento a 8 meses 8 pacientes sufrieron restenosis debiendo ser sometidos a un nuevo procedimiento con buena evolución posterior. Conclusiones: La angioplastía de la arteria renal es un procedimiento seguro que se asocia a una reducción de las cifras de tensión arterial y del requerimiento de drogas antihipertensivas. Este procedimiento pareciera estar asociado además con una mejoría no significativa de la función renal.


132

ANGIOPLASTÍA CON BALÓN VS. IMPLANTE DE STENTS CON DROGA EN REESTENOSIS INTRASTENT.


León R Valdivieso1, Gustavo A Lev1, Carlos M Fava1, Ricardo Costantini1, Juan Scaglia1, Ana P Mollón1, Oscar A Mendiz1

1) Fundación Favaloro, Buenos Aires, Argentina

Objetivo: Comparar los resultados a mediano plazo del implante de stents liberadores de drogas (DES) con los de la angioplastia con balón (AB) en el tratamiento de lesiones por reestenosis intrastent. Métodos y Población: Análisis de 117 pacientes (Ptes) consecutivos en quienes se trataron sólo lesiones por reestenosis intrastent, con AB (n=45) o con DES (n=72) desde Enero de 2001 hasta Febrero de 2006. Las características de la población fueron para AB y DES: Edad 61.6±9.6 y 65.9±10.5, hombres 31 Ptes (69%) y 52 Ptes (72%), hipertensos 31 Ptes (69%) y 49 Ptes (68%), diabéticos 15 Ptes (33%) y 16 Ptes (22%), tabaquistas 15 Ptes (33%) y 16 Ptes (22%), dislipémicos 33 Ptes (73%) y 44 Ptes (61%), infarto previo 16 Ptes(36%) y 20 Ptes (28%), CABG previa 10 Ptes (22%) y 8 Ptes (11%). Presentación clínica: Isquemia crónica 21 Ptes (46%) y 46 Ptes (64%), síndrome coronario agudo 24 Ptes (54%) y 26 Ptes (36%), respectivamente, sin diferencias significativas entre ambos grupos. Resultados: Se trataron 48 lesiones con POBA y 88 con DES. Hubo éxito clínico (éxito del procedimiento sin complicaciones mayores) intrahospitalario en el 100% de los Ptes. Los resultados del seguimiento se expresan en la tabla adjunta. Conclusión: En esta pequeña serie los DES muestran superioridad sobre la POBA en el tratamiento de la reestenosis intrastent a expensas de disminuir la tasa de reintervención.

Grupo Angioplastia con Balón Implante de DES p
n 45 72
Tiempo (meses) 13.8±12.1 13.1±9.5 ns
Libre de eventos n(%) 37 (82.2) 68 (94.4) 0.037
MACE n(%) 8 (17.8) 4 (5.6) 0.037
Infarto n(%) 0 0 ns
Muerte n(%) 0 1 (1.4) ns
Reintervencion n(%) 8 (17.8) 3 (4.2) 0.017
Cirugía 3 (6.7) 0 ns
Re-angioplastia 5 (11.1) 3 (4.2) ns


133

PODEMOS PREVER QUANDO OS ENXERTOS VENOSOS NECESSITAM DE PROTEÇÃO DISTAL DURANTE INTERVENÇÃO CORONÁRIA PERCUTÂNEA?


Augusto Daige1, Rogério de Barros Wanderley1, Leandro de Carvalho Pereira1, Roberto Luis Favero1, Isabela Kury Nunes1

1) CardioVascular Diagnósticos , Campo Grande-MS, Brasil

Fundamento: A proteção distal da microvascularização com novos devices têm mostrado redução nas embolizações atero-trombóticas durante o implante de stent em enxertos venosos.De acordo trials recentes, a eficácia desses devices é definida como: resolução do fenômeno do no-reflow,achado de debris ou trombos nos devices e ausência de elevação enzimática pós procedimento. Objetivos: mostrar a necessidade do uso da proteção distal na intervenção percutânea de enxertos venosos. Material e Metodos: Entre o período de junho de 2003 a janeiro de 2006, 102 pacientes foram submetidos a implante de stent em enxertos venosos usando devices de proteção distal. O sistema de proteção utilizado foi o EPI Filterwire(Boston Scientific). As variáveis avaliadas foram sucesso angiográfico , sucesso do procedimento e eventos cardíacos(MACE). Resultados: Foi possível posicionar o filtro em 98,9% dos pacientes. O sucesso angiográfico com fluxo TIMI III foi alcançado em 96,5% dos pacientes.Utilizamos os inibidores da glicoproteína IIB/IIIA em 77% dos pacientes. No período hospitalar apenas 9,1% dos pacientes evoluíram com infarto. Não houveram complicações relacionadas ao posicionamento do filtro. Conclusão: Nas angioplastias com implante de stent em enxertos venosos o uso do filtro de proteção distal está associado com baixa taxa de eventos cardíacos e com altos índices de sucesso do procedimento como também sucesso angiográfico.


134

TRATAMENTO ENDOVASCULAR EM LESÕES OBSTRUTIVAS DA ARTÉRIA SUBCLÁVIA.


Rogério de Barros Wanderley1, Leandro de Carvalho Pereira1, Roberto Luis Favero2, Isabela Kury Nunes1, Fábio Augusto Moron1, Maurício de Barros Jafar1, Augusto Daige1

1) CardioVascular Diagnósticos , Campo Grande-MS, Brasil 2) CardioVascular Diagnósticos , Dourados-MS, Brasil

Fundamento: As lesões obstrutivas da artéria subclávia podem resultar em claudicação isquêmica dos membros superiores e sintomas da síndrome do roubo de fluxo. Objetivo: Mostrar a eficácia , segurança e a patência no tratamento endovascular de lesões da artéria subclávia. Material e Metodos:Entre o período de janeiro de 2003 a janeiro de 2006 , foram realizados 54 implantes de stents endovascular em 56 pacientes. 36 pacientes(pts) eram do sexo masculino e a idade média foi de 64±12 anos.

Os procedimentos foram realizados com stent balão-expansível e stent auto-expansível. As técnicas utilizadas foram :acesso femoral retrográdo, acesso braquial e ambas em um mesmo procedimento. O material utilizado foi: Stent Protege ® (1), Euca PWS® (13), ParaMount® (10) e Express LD®(30). As indicações para o tratamento endovascular tratavam-se de: claudicação isquêmica, síndrome do roubo, insuficiência vertebro-basilar e lesões na artéria subclávia que comprometiam o fluxo para os enxertos arteriais levando a isquemia miocárdica. Resultados: O sucesso do procedimento definido como estenose residual ? 20% sem complicações foi atingido em 96,4% dos pacientes . Não houveram casos de embolização distal ou cerebral. 15 pts apresentavam lesão crônica total.O diâmetro da estenose foi reduzido de 89.6% para 14.2±9.0%. Houveram 2 casos de insucesso(guia não ultrapassou a lesão). O follow-up angiográfico foi realizado durante o período de 6 meses a 2 anos em 67% dos pts, onde apenas 3 pts tiveram reestenose intrastent. Conclusão: Os resultados deste registro mostram que o tratamento endovascular das lesôes da artéria subclávia é seguro, eficaz com alta taxa de sucesso mostrando também a patência e a durabilidade desses benefícos clínicos.


135

EXISTE CORRELAÇÃO ENTRE SÍNDROME METABÓLICA E REESTENOSE CORONÁRIA? UM ESTUDO COM ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO


Julio P Maia1, Dimytri Siqueira1, Alexandre Abizaid1, Leandro Lasave1, Pedro Beraldo1, Fausto Feres1, Luiz Alberto P Mattos1, Rodolfo Staico1, Andrea Abizaid1, Luiz F Tanajura1, Amanda G M R Sousa1, J Eduardo Sousa1

1) INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA, SÃO PAULO, BRASIL

Fundamentos: A Síndrome Metabólica (SM) é definida por um conjunto de fatores de risco cardiovasculares relacionados principalmente à resistência insulínica. Sua relação com a reestenose após intervenção coronária percutânea (ICP), entretanto, ainda não é estabelecida. Objetivos: Avaliar a relação da SM com o grau de hiperplasia intimal e progressão de doença em segmentos adjacentes a stents liberadores de medicamentos através de análise por ultra-som intracoronário (USIC).

Metodos: Trinta e sete pacientes (p) consecutivamente tratados por ICP com stents liberadores de zotarolimus (ZoMaxx®) foram divididos em 2 grupos segundo critérios do NCEP-ATP III. Grupo 1: sem SM (19 p) e Grupo 2: com SM (18 p). Análise por USIC foi realizada após o implante e aos 4 meses, com medidas de volume de hiperplasia intimal intra-stent e variação de volumes do vaso, lúmen, placa e percentual (%) de obstrução nos 5 mm proximais e distais aos stents. Resultados: A idade média foi de 58,03 ± 8,83 anos, sendo 54% do sexo masculino. Não observamos diferenças clínicas e angiográficas entre os grupos, com exceção da maior prevalência de HAS e DM no grupo com SM. O volume de hiperplasia intimal e variação (?) de volumes de vaso, lúmen e placa e de percentual de obstrução entre o implante e o seguimento estão na tabela. Conclusão: Após um período de 4 meses, não observamos diferenças significativas entre o grau de hiperplasia intimal e a progressão de doença nas bordas de stents liberadores de medicamentos entre pacientes com e sem SM.

GRUPO 1 GRUPO 2 p
Volume hiperplasia intimal 4,68 ± 4,24 5,66 ± 6,79 0,59
Borda Proximal
? volume do vaso -14,25 ± 23,88 -27,04 ± 26,82 0,13
? volume do lúmen -9,22 ± 14,99 -15,61 ± 14,82 0,20
? volume da placa -4,11 ± 11,71 -11,42 ± 13,05 0,08
? % obstrução 7,16 ± 12,40 -1,22 ± 8,92 0,02
Borda distal
? volume do vaso 6,12 ± 14,43 -12,86 ± 14,81 0,11
? volume do lúmen -6,46 ± 8,22 -11,08 ± 10,41 0,14
? volume da placa 0,27 ± 6,93 -2,92 ± 6,35 0,15
? % obstrução 12,48 ± 9,59 7,08 ± 12,22 0,14


136

PREVALÊNCIA ATUAL DA PARADA CARDÍACA NO LABORATÓRIO DE HEMODINÂMICA DURANTE A CINEANGIOCORONARIOGRAFIA E SUA CORRELAÇÃO COM CORONARIOPATIA GRAVE


Gustavo Carvalho1, Robson B de Carvalho1, José Maria D. A. Bastos1

1) Santa Casa de Goiânia, Goiânia-GO, Brasil

Introdução: Na grande maioria das vezes a parada cardíaca (PC) é um evento inesperado e sua ocorrência no laboratório de hemodinâmica, apesar de rara, pode ser irreversível, culminando em óbito em cerca de 0,12 a 0,2% dos casos se não for rapidamente reconhecida e tratada. Objetivo: Demonstrar a prevalência atual da PC no laboratório de hemodinâmica e sua possível correlação com a doença arterial coronariana grave. Materiais e métodos: Foram analisados 5.300 pacientes de março de 2004 à janeiro de 2006, todos submetidos a cineangiocoronariografia. 3604 homens(68%), 1325(25%)diabéticos, 4028(76%) hipertensos, 848(16%) com coronariopatia grave (tri-arteriais ou com lesão grave de tronco da coronária esquerda). O contraste iodado utilizado em todos os casos foi o diatrizoato. Para analise estatística foi utilizado o teste não-paramétrico de correlação de Spearman para analisar a correlação dos óbitos e os casos de coronariopatia grave, sendo adotado o ?<0,05 para resultados estatisticamente significativos. Resultados: No período estudado, houve 13(0,24%) casos de PC, sendo que 10(0,18%) foram em fibrilação ventricular(FV) e 3(0,06%) em assistolia(AS). Dos que apresentaram FV, 6(0,11%) foi durante a injeção na artéria coronária direita(CD) e 4(0,07%)na artéria coronária esquerda(CE). Dos que evoluíram com AS, 2(0,037%) foi durante a injeção na CD e 1(0,018%)na CE. Óbito ocorreu em 2(0,037%) casos, correlacionandose significativamente com a presença de coronariopatia grave, Rho = 0,639602 (95% CI = 0,136841 to 0,880344; P=0,0209). Conclusão: A PC é um evento grave, raro e inesperado inclusive no laboratório de hemodinâmica, sendo assim, o cardiologista intervencionista e toda sua equipe deve estar muito bem preparado para proporcionar o atendimento adequado visando a reversão desse quadro, principalmente nos pacientes com indícios clínicos e laboratoriais de coronariopatia grave.


137

TRATAMIENTO PERCUTANEO SIMULTANEO DE: LESION SEVERA DE LA DESCENDENTE ANTERIOR EN PACIENTE COPN DIAGNOSTICO ASOCIADO DE DISECCIOIN AORTICA AGUDA TIPO B


ADRIAN EBNER1, SANTIAGO GALLO1, EDUARDO ALVAREZ1

1) FUNDACOR, ASUNCION, PARAGUAY

Introducción: la terapia endovascular (TE) se desarrolla en tal magnitud que puede ser utilizada para resolver casos con patología cardiovascular compleja o asociadas en un solo momento. Objetivo: mostrar la aplicabilidad de la TE en casos asociados de disección aórtica aguda tipo B y enfermedad coronaria de la descendente anterior (DA). Materiales y Metodos: mujer de 74 años de edad que ingresa con historia de 12 horas de dolor torácico agudo. El ECG mostraba una lesión correspondiente al territorio de la arteria coronaria descendente anterior. La ecocardaiografía tras torácica demostró una disección tipo B. presentaba como factores de riesgo: hipertensión, dislipidemia. Ausencia de insuficiencia renal y de anemia. La radiografía de tórax evidenciaba un mediastino ensanchado. Con este cuadro clínico el paciente es derivado a cateterismo para su estudio y probable tratamiento. Resultados: Se observa disección de tipo B con dos zonas de ruptura proximal (inmediata a la subclavia) y distal (supra diafragmática). En la coronariografía se evidencia lesión de la descendente anterior proximal de 90%. Realizamos primero el tratamiento de la disección aórtica para evitar hacer con los anticoagulantes, clopidogrel y aspirina, posteriormente, 30 minutos después realizamos la dilatación y la implantación del stent, siguiendo con el protocolo de 5000 UI de heparina, 300 mg de clopidogrel y 350 mgs de aspirina. A través de la disección de la arteria femoral izquierda se despliega prótesis endovascular de Dacrón Braile de 120 mm x 29 mm, la cual con éxito consigue cubrir las dos zonas de fuga y reparar la disección torácica. A la lesión de la DA se realiza stenting con Cypher DES 3,5 mm x 15 mm, con excelente resultado. La paciente fue dada de alta a las 72 hours sin complicaciones. No existieron cambios laboratoriales de importancia. Con ausencia de dolor torácico y no se necesito de transfusiones. En el seguimiento de 12 meses no se evidencia complicaciones relacionadas a la prótesis endovascular de aorta y coronaria. Conclusiones: a propósito del presente caso mostramos que la TE nos permitiría dar resolución eficaz y segura para casos complejos de patología cardiovascular asociada.


138

SIROLIMUS ORAL E SEU EFEITO NA VASOMOTILIDADE CORONÁRIA


Rósley Weber A. Fernandes1, João Miguel Dantas1, Fábio S. Brito Junior1, Dinaldo C. Oliveira1, Hiran Grando Bezerra2, Marcia V. Rotter2, Maria A. Carvalho1, Valter C. Lima1

1) Hospital São Paulo UNIFESP/EPM, São Paulo - SP, Brasil 2) Hospital do Rim e Hipertensão, São Paulo - SP, Brasil

Objetivos: Atribui-se ao sirolimus (SR) iluído em stents coronários (ST) um papel causador de disfunção endotelial. Logo, poderia-se alocar a este uma relação causal na progressão da aterosclerose. Avaliamos o efeito do SR por via oral em dois momentos: quatro horas após implante de ST (com SR oral) e com oito meses (sem SR). Metodos: Randomizamos três grupos: o G1 recebeu SR na dose de 15 mg de ataque e 6mg/dia; o G2, 6mg de ataque e 2mg/dia e o G3 não recebeu SR. Os pacientes que receberam SR o fizeram dentro das 24h antes do implante do stent e por mais 30 dias. A vasomotilidade coronária (VM) dependente do endotélio (DE) e independente do endotelio (IE) foi averiguada em 39 pacientes 4 horas após ST e aos 8 meses. A VM DE foi estudada com doses incrementais de acetilcolina (AC) intracoronária até a dose máxima de 10-4 molar e a VM IE foi averiguada com nitroglicerina intracoronária (NTG). Todos os pacientes toleraram a infusão de AC 10-4. Os grupos não diferiram. A média de idade foi de 55 ± 8,5 anos e 64% de homens. Resultados: Dos 39 pacientes estudados nos três grupos, 31 (80%) apresentavam disfunção endotelial (vasoconstrição ou vasodilatação inferior a 5% com AC 10-4), 4 horas após ST; aos 8 meses de seguimento, 29 (75%) apresentavam disfunção. Essa diferença não foi significante em nenhum grupo. A maior dose de AC (AC 10-4) revelou disfunção endotelial quando comparada as demais p<0,05. A VM DE não difere entre os grupos estudados nos dois momentos (4 horas após ST e aos 8 meses) p=0,469. A VM IE, avaliada com uso de NTG, encontrava-se diminuída aos 8 meses p=0,015. Nenhum fator de risco e uso ou não de SR oral relacionaram-se à presença ou ausência de disfunção endotelial. Conclusão: O SR oral não alterou a VM DE em nenhum momento. O grupo que não recebeu SR também apresentou o mesmo comportamento. A VM IE aos 8 meses estava significantemente diminuída quando comparada com 4 horas após implante do ST.


139

ESTUDO DA EVOLUÇÃO CLÍNICA DE PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME METABÓLICA PÓS-IMPLANTE DE STENT INTRACORONÁRIO.


Germán Iturry-Yamamoto1, Alexandre C. Zago1, Emilio H. Moriguchi2, Joiza Lins Camargo1, André Luiz Peretti1, Ana Luiza Martinez1, Ana Clara Cascaes1, Maria Jussara de Deus1, Waldomiro C. Manfroi1, Alcides J. Zago1

1) Unidade de Hemodinâmica/Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre - RS, Brasil 2) Faculdade de Medicina /PUCRS, Porto Alegre, Porto Alegre - RS, Brasil

Fundamento: A síndrome metabólica (SM) (presença de 3 ou mais dos seguintes marcadores de risco: pressão arterial elevada, hiperglicemia, hipertrigliceridemia, níveis baixos de HDL colesterol e obesidade abdominal ou índice de massa corporal elevado), é fator de risco para doença coronária. Entretanto, apenas um estudo em população européia avaliou a possível associação entre SM e reestenose clínica pós-implante de stent intracoronário ou angioplastia. Objetivos: Estudar a possível associação entre SM e maior incidência de revascularização da lesão alvo (RLA) pós-implante de stent e eventos cardíacos maiores (ECAM) (morte por causa cardiovascular, infarto agudo do miocárdio, RLA) em uma população do sul do Brasil. Delineamento: Estudo de coorte. Pacientes e métodos: Foram incluídos 164 pacientes (p.), sendo 141 p. submetidos a implante de stent intracoronário (ST) não farmacológico e 23 p. submetidos a aterectomia direcionada coronariana (ADC) seguida de implante de stent não farmacológico. Critérios para SM: PA sistólica ? 130 mm Hg , PA diastólica ? 85 mm Hg ou uso de antihipertensivos, glicemia > 100 mg/dL ou uso de hipoglicemiante, IMC > 28.8 kg/m2, HDL< 40 mg/dL em homens e HDL < 50 mg/dL em mulheres, TGL ? 150 mg/dL). Também foi avaliado o efeito do processo inflamatório como componente adicional da SM, sendo considerados como portadores de SM aqueles p. com níveis plasmáticos de Proteína C-Reativa ultra-sensível (PCR-US) >3 mg/L. Excluíram-se os p. com evidência de processo inflamatório crônico (PCR-US > 10 mg/L). Níveis plasmáticos de glicemia, HDL colesterol e triglicerídios foram determinados por método enzimático colorimétrico e da PCR-US por nefelometria. Resultados: Quando comparados os p. submetidos a ST vs ADC, não houve diferença na ocorrência de desfechos. Os p. foram divididos em dois grupos: G 1 – p. com SM (54,9%) e G 2 – p. sem SM (45,1 %). Em 1 ano de seguimento, 24 p. foram submetidos a RLA (15 p. do G 1 e 9 p. do G 2, teste de log rank: p = 0,48), assim como 35 p. apresentaram ECAM (20 p. do G 1 e 15 p. do G2, teste de log rank: p = 0,89). Quando incluída na análise a PCR-US também não houve diferença entre os grupos enquanto aos desfechos estudados. Conclusão: Este estudo mostra que na casuística estudada, os p. portadores da SM não apresentaram risco adicional de RLA e ECAM quando submetidos à intervenção coronária percutânea. Financiamento: CNPq, FAPERGS, CAPES, FIPE-HCPA.


140

NUEVA TECNICA COMBINADA EN EL TRATAMIENTO DE LA DISECCIÓN AÓRTICA TIPO B COMPLICADA


Carlos Deluca1, Fernando Chiminela1, Alejandro Goldsmit2, Ramon Gomes Marques2, Adriano Malusardi1, Jose Luis Aquino1, Marcelo Bettinotti2, Carlos Sztejfman2

1) Instituto Medico de Alta Complejidad - IMAC -, Buenos Aires, Argentina 2) Sanatorio Guemes, Buenos Aires, Argentina

El tratamiento de la disección aórtica tipo B complicada ha sido facilitado desde la aparición de dispositivos endoluminales (endoprótesis). El tratamiento habitual de las retrodisecciones hacia el cayado es el quirúrgico. La preservación de los vasos del cayado dificulta el tratamiento endoluminal, proponiéndose en la presente experiencia una técnica combinada (endoluminal y quirúrgica) para facilitar la terapéutica y disminuir los riesgos de la cirugía convencional. OBJETIVO: determinar la factibilidad, seguridad, evolución y complicaciones del procedimiento combinado: by pass carótido derecho – carótida izquierda –carótido derecho - subclavio izquierdo + implante de endoprótesis sobre el cayado aórtico en el tratamiento de la disección aórtica tipo B aguda complicada. MATERIAL Y METODOS: durante el periodo noviembre 2005 – abril 2006 fueron consideradas las disecciones aórticas tipo B complicadas. La técnica de tratamiento consistió en la realización de By pass carótido derecho – carótida izquierda –carótido derecho-subclavio izquierdo + implante de endoprótesis aórtica. Se consignaron factores de riesgo coronarios, antecedentes, co-morbilidades, complicaciones, evolución y muerte. RESULTADOS: Fueron tratados 5 pacientes con la técnica descripta en el periodo considerado, en un plazo no mayor de 72 Hs desde el momento del diagnostico y descartados de cirugía convencional. Complicación de Disección tipo B: retrodisecciones hacia raíz aórtica 3(60%) Derrame pleural izquierdo 2(40%). Masculinos 4(80%). Edad media 56 años (rango 42 -63). Dispositivos implantados: 6. 4(80%) pacientes presentaban disección aórtica tipo B extendida hacia aorta abdominal distal. 1(20%) poseía implante de endoprótesis abdominal previo. Mortalidad: 1(20%). Complicaciones neurológicas: 0. Disfunción renal reversible 1(20%) Alta institucional media post procedimiento: 96 Hs CONCLUSIONES: La técnica combinada de by pass carótido derecho – carótida izquierda –carótido derecho - subclavio izquierdo + implante de endoprótesis en los casos de disección aórtica tipo B complicada se ha mostrado factible y con alta tasa de éxito. Mortalidad razonable en razón de la enfermedad tratada y bajo rango de complicaciones.


141

CUAL ES LA MEJOR ESTRATEGIA DE TRATAMIENTO EN PACIENTES CON ENFERMEDAD CORONARIA Y CARÓTIDA OBSTRUCTIVA CONCOMITANTE?

Manuel N. Cano1, Andrés Sánchez1, Antonio Kambara1, Fausto Feres1, Alexandre Abizaid1, Samuel M. Martins1, Adriana C. Moreira2, Ricardo Pavanello2, Amanda Sousa1, Leopoldo Piegas1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, San Pablo, Brasil 2) Hospital do Coração - Associação do Sanatório, San Pablo, Brasil

Fundamentos: La Cirugía de Carótida-Coronaria combinada tiene peor pronóstico comparada a la estadificada (mortalidad de 4,7% vs. 2,9%, respectivamente). Entretanto, poco se sabe sobre las diferencias existentes entre la Intervención percutanea Carótida-Coronaria combinada y estadificada. Objetivo: Analizar seguridad y eficacia del tratamiento percutáneo (stent) de Carótida y Coronaria combinado o estadificado, en 30 días y en un seguimiento de hasta un año. Metodos: De Septiembre de 2002 a Agosto de 2004 fueron realizados en forma consecutiva 20 procedimientos Carótida-Coronaria (11 combinados y 9 estadificados). Realizamos seguimiento clínico inmediato, hospitalario y 1 año después del procedimiento. Resultados: La edad media fue de 67±9 años, 9 pacientes (45%) eran diabéticos. Obtuvimos suceso en 100% de los casos. El vaso tratado fue: descendente anterior en 6 casos (31%), circunfleja en 5 (26%), derecha en 6 (31%) y tronco protegido en 2 (11%); la carótida interna izquierda en 10 (53%) y derecha en 9 (47%). Fueron utilizados Stents Precise y Filtros Angioguard en 18 pacientes para carótida (1 stent y 1 filtro/paciente), y Stents Liberadores de Medicamentos en 11 pacientes para coronarias. Conclusión: La Intervención Carótida-Coronaria percutánea, tanto combinada como estadificada es segura y eficaz con la utilización de nuevas tecnologías. Permitiendo que el tratamiento de la enfermedad Carótida- Coronaria asociadas sea realizado con bajos índices de eventos y complicaciones, inmediatas y a medio plazo.

Eventos Seguimiento Combinada Estadificada p
Muerte Cardíaca Hospitalario 0 0 0,99 1 año 0 0 0,99
IAM Hospitalario 1 0 0,99 1 año 1 0 0,99
AIT Hospitalario 0 0 0,99 1 año 0 0 0,99
AVC isq. Hospitalario 1 0 0,99 1 año 0 0 0,99


142

AVALIAÇÃO TEMPORAL DOS RESULTADOS DOS ÚLTIMOS CINCO ANOS (2001- 2005) DA ANGIOPLASTIA PRIMÁRIA. REGISTRO SOLAR.


Eduardo José Pereira Ferreira1, André Bastos Paixão2, Jefferson Lima Figueredo2, Roberto José da Paixão1, Kleber Bomfim A Martins1, Josilávio de Almeida Araújo1, Joselina Luzia M Oliveira1, Antônio Carlos S Sousa1, José Augusto S Barreto Filho1

1) Clínica e Hospital São Lucas - São Lucas Cárdio, Aracaju - SE, Brasil 2) Universidade Federal de Sergipe, Aracaju - SE, Brasil

Objetivo: Avaliar a evolução temporal do perfil clínico e dos resultados hospitalares (sucesso e eventos adversos) da população tratada com angioplastia primária (ATCP) nos últimos 5 anos (2001-2005). Método: Estudo retrospectivo através da revisão dos prontuários e filmes de todos os 184 pacientes admitidos em hospital privado com diagnóstico de IAM com supradesnivelamento de ST (ou BRE equivalente) e submetidos a ATCP no período de 01/01/2001 a 31/12/2005. Os resultados encontram-se na tabela abaixo. Conclusões: 1. A população revelou-se de alta complexidade, evidenciada pelo envelhecimento progressivo e por uma elevada freqüência de diabéticos 2. O expressivo aumento no uso de stents associado ao abciximab proporcionou maior taxa do sucesso angiográfico, entretanto, não houve impacto significativo da mortalidade no referido período. 3. O uso dos stents coronários, as taxas de sucesso e mortalidade alcançados ao final de 2005 refletem a prática contemporânea da ATCP e são similares aos encontrados nos centros com grande número de procedimentos/ano do nosso país.

RESULTADOS 2001 2002 2003 2004 2005 p
Nº pacientes 23 39 49 44 29 -
Idade Média 57,5±12,9 58,2±11,4 64,7±13,2 58,2±12,963,3±15 0,033 6 12 15 8 6
Sexo feminino (26,08%) (30,8% (30,6%) (18,18%)(20,68%) 0,585 8 13 29 18 17
Idosos(>60anos) (34,78%) (33,3%) (59,2%) (40,9%) (58,6%) 0,051 9 9 14 12 14
Diabetes Mellitus (39,13%) (23,07%) (28,6%) (27,3%) (48,3%) 0,216 14 33 43 40 27
Uso de Stents (60,9%) (84,6%) (87,7%) (90,9%) (93,1%) 0,008 10 17 27 14
Abciximab 0 (25,6%) (34,7%) (61,4%) (48,3%) <0,0001
Sucesso (TIMI ? 2 17 34 46 39 27 e lesão < 30%) (73,9%) (87,2%) (93,9%) (88,6%) (93,1%) <0,0001
Mortalidade 4(17,4%) 3(7,7%) 2(4,0%) 1(2,3%) 2(6,9%) 0,176
Dias/hospitalização 5,4±3,6 7,4±5,3 6,9±5,1 6,6±2,6 6,9±5,6 0,631


143

RESISTENCIA AL ACIDO ACETIL SALICÍLICO EN PACIENTES CON ENFERMEDAD CORONARIA


Boris E. Vesga A1, María T. Urrego1, Darío Echeverri1

1) Fundación CardioInfantil, Bogotá, Colombia

Introducción: La anti-agregación plaquetaria es “piedra angular” en el tratamiento de la enfermedad cardiovascular. El ácido acetil salicílico (ASA) es la terapia de elección en dosis entre 81-325 mg para la prevención y tratamiento de la enfermedad coronaria. Objetivo: Caracterizar la agregación plaquetaria en sujetos con enfermedad coronaria estable consumidores de ASA, para determinar prevalencia de resistencia. Metodología: Previa aprobación por los Comités de Ética y de Investigaciones de la Institución, realizamos un estudio descriptivo transversal en sujetos de 40 años y mayores con diagnóstico de angina estable que ingresaron para realización de angiografía coronaria. Se obtuvo una muestra de sangre venosa periférica para determinar la agregación plaquetaria mediante ácido araquidónico (AA), epinefrina, colágeno y ADP en un Agregómetro HELENA PACKS-4. Resistencia al ASA fue definida al tener agregaciones con AA >20%. El análisis estadístico se desarrolló con la prueba exacta de Fisher, prueba t de Student y Mann- Withney de acuerdo a la distribución de las variables. Resultados: Se incluyeron 71 sujetos; 51 (71,8%) varones, edad 63,5 ± 9,4 años. Con factores de riesgo: 52 (73,2%) con dislipidemia, 48 (67,6%) con hipertensión arterial, 15 (21,1%) con diabetes mellitus, y 9 (12,7%) con tabaquismo. Angiografía coronaria con enfermedad de 1 vaso en 31 (15,9%), y enfermedad multivaso en 58 (81,7%). Los valores de agregometria plaquetaria obtenidos fueron: ADP 64 19,1%, colágeno 72 18,9%, epinefrina 43,8 23,9% y AA 26,1 33,7%, siendo este el mejor marcador del efecto de la ASA. La prevalencia de resistencia fue de 28,2% (IC95%: 18,1-40,1). Conclusión: La resistencia al ASA en nuestra población es altamente prevalente, por lo que se debe considerar la medición de rutina de la agregación plaquetaria en pacientes de alto riesgo y el asociar otro fármaco anti-agregante (terapia dual) que garantice una mejor protección anti-trombótica en pacientes con enfermedad coronaria.


144

RESULTADOS IMEDIATOS E SEGUIMENTO TARDIO DO TRATAMENTO PERCUTÂNEO DAS LESÕES EM BIFURCAÇÕES


Alessandra T. de Oliveira1, Walter José S. Marques Neto1, Trajano Alfonso1, Leonardo Alves1, Guilherme Py P. Gomes1, Gilberto L. Nunes1

1) Hospital São Francisco-Santa Casa de Porto Alegre, Porto Alegre-RS, Brasil

Introdução: O tratamento percutâneo de lesões coronárias envolvendo bifurcações tornou-se mais freqüente a partir da evolução tecnológica dos stents disponíveis atualmente. Objetivo: Avaliar resultados tanto imediatos quanto tardios com o tratamento percutâneo dos diferentes tipos de lesões envolvendo bifurcações. Materiais e métodos:De julho de 1997 à fevereiro de 2006, 321 pacientes consecutivos com lesões envolvendo bifurcações foram submetidos a intervenções coronárias percutâneas em nossa instituição. As lesões foram divididas quanto ao tipo de bifurcação: tipo I (vaso lateral origina-se adjacente à lesão) (n=69), tipo II (vaso lateral origina-se na lesão, c/ lesão <50% na sua origem) (n=168), tipo III (vaso lateral origina-se na lesão, c/ lesão >50% na sua origem) (n=84). Após o procedimento foram avaliados os picos de CPK e CKMB. Foram avaliados a evolução hospitalar e os desfechos clínicos na evolução tardia (através de consulta clínica ou contato telefônico). Resultados: A idade média dos pacientes foi 61,8 anos; 118 mulheres (36,7%); 29,9% eram diabéticos; 71,9% hipertensos; 21;8% já haviam sido submetidos à ICP prévia e 7,4% à CRM; 58,8% apresentava angina estável no momento do procedimento. 73,2% dos ramos laterais apresentavam diâmetro maior que 2 mm e 52,3% das bifurcações eram tipo II. Houve 99,7% de sucesso angiográfico e 99,4% de sucesso clínico (ausência de morte, IAM ou nova revascularização na hospitalização), 1 caso de IAM, 3 (0,93%) óbitos devido a Insuf. Renal; 4 (1,24%) casos de oclusão de ramo. A estenose residual do vaso principal foi de 2,4±7% e no ramo lateral de 19,1 ±14,8%, não havendo diferença significativa entre os tipos de bifurcação (ver tabela). Ocorreu sucesso angiográfico em 320 pacientes (99,7%). Realizou-se seguimento tardio em 210 pacientes (resultados na tabela abaixo). Conclusão: Pacientes com lesões envolvendo bifurcações podem ser tratados por Intervenção percutânea com alto índice de sucesso clínico e angiográfico e baixa incidência de complicações maiores na fase hospitalar e manutenção do resultado tardiamente, mesmo nas bifurcações mais complexas (tipo III).

Tipo I (n=69) Tipo II(n=168) Tipo III(n=84) p
Estenose residual ramo lat. 18,05±20,1% 19,7±17,8% 21,8±20% NS
Sucesso angiog. 69(100%) 167(99,4%) 84(100%) NS
Sucesso clínico 69(100%) 166(98,8%) 84(100%) NS
Seguimento tardio Tipo I(n=50) Tipo II(n=115) Tipo III(n=45) p
Assint./Angina estável 46(92%) 99(86%) 37(82,2%) NS Óbito 0 3(2,6%) 2(4,5%) NS
Revasc. lesão alvo 9(18%) 12(10,4%) 7(13,6%) NS


145

AMBULACIÓN A LAS 3 HORAS VERSUS AMBULACIÓN A LAS 6 HORAS DESPUÉS DE UN CATETERISMO CARDIACO DIAGNÓSTICO.


Pedro E Ureña1, Ana C Baez1, Ingrid E Valdez1, Margarita V Pérez1, Gregory A Suero1, Michelle K Escala1, Yahaira López1, Lil E Peláez1, Giselle Rivera1
1) CEDIMAT , Santo Domingo, Dominican Republic

Introducción: El tiempo óptimo de reposo en cama post la realización de procedimientos hemodinámicos diagnósticos por abordaje femoral no ha sido claramente establecido. Varios estudios prospectivos, randomizados, han sugerido que la ambulación temprana de estos pacientes no aumenta el riesgo de complicaciones cuando se compara con la ambulación habitual. El objetivo del presente estudio fue comparar la incidencia de complicaciones luego de la ambulación a las 3 vs 6 horas post cateterismo cardiaco diagnóstico utilizando catéter 6.5 French. Metodos: Se realizó un estudio prospectivo, randomizado, incluyendo pacientes de ambos sexos, > de 18 años, sometidos Cateterismo Diagnóstico a través de punción de la arteria femoral con introductor 6.5 French. Los pacientes fueron randomizados a Grupo A: ambulación a las 3 horas o Grupo B: ambulación a las 6 horas. Todos recibieron compresión manual durante 15 minutos y colocación de un vendaje compresivo. Los pacientes del Grupo A adoptaron posición de inclinación a 45 grados a las 2 horas luego del retiro del introductor y se retiró el vendaje a las 2.5 horas. El Grupo B recibió inclinación a las 4 horas y retiro del vendaje a las 5 horas. Todos los pacientes ambularon durante 5 minutos al concluir el tiempo establecido. Posteriormente se les realizó Sonografía Doppler de la arteria femoral con el fin de identificar la presencia de hematomas, aneurismas o pseudoaneurismas. Ambos grupos fueron observados durante 7 horas. Se realizó un seguimiento a las 24- 96 horas luego del procedimiento para identificar la ocurrencia de complicaciones tardías. Resultados: 50 pacientes fueron incluidos, 25 randomizados al Grupo A y 25 al Grupo B. 31 pacientes masculinos (62%). Promedio de edad: 55.9 años (Grupo A: 56.8 y Grupo B:55 ). 1 paciente (2%) del Grupo B presentó sangrado menor. Sonografía Doppler de la arteria femoral fue realizada en 100% de los pacientes, resultando 1 caso (2%) de hematoma menor en el Grupo B. No hubo casos de sangrado mayor, hematoma mayor, aneurismas o pseudoaneurismas. El seguimiento fue logrado en el 96% de los pacientes sin encontrarse complicaciones tardías. Conclusión: De acuerdo con los resultados de nuestro centro, la ambulación temprana posteriormente a la realización de cateterismos diagnósticos, resulta segura; obteniéndose una baja incidencia de complicaciones. Estos resultados favorecen la disminución de la estadía hospitalaria así como del discomfort físico de los pacientes.


146

RESOLUÇÃO DO SEGMENTO ST APÓS REPERFUSÃO MECÂNICA : RESULTADOS TARDIOS COM OU SEM USO DE INIBIDORES DA GLICOPROTEÍNA IIBIIIA


Guilherme Ferragut Attizzani1, Luiz Alberto Mattos1, Fausto Feres1, Alexandre Abizaid1, Rodolfo Staico1, Pedro Beraldo1, João G. Loures1, Amanda G.M.R. Souza1, José Eduardo Souza1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo, Brasil

Fundamentos: A resolução do segmento ST após a intervenção coronária percutânea (ICP) primária é um marcador acessível e acurado da reperfusão coronária com sucesso. Existe controvérsia acerca do benefício adicional com a utilização rotineira ou não dos inibidores da GP IIbIIIa(IGP). Objetivo: Avaliar a resolução do segmento ST de pacientes submetidos a reperfusão mecânica com ou sem a administração de IGP. Metodos: De 2001 a 2004 analisamos 90 pacientes consecutivos submetidos a ICP primária nas primeiras 24 hs de IAM, com ou sem a administração de IGP, efetivando a quantificação da resolução do segmento ST (média) de modo cego, comparando o percentual de redução do ST[ECG pré e pós procedimento(>60 min.)]. O uso dos IGP ficou a critério do operador, sempre após o início do procedimento. Os eventos adversos foram somados ao final de 1 ano. Resultados (tabela). Conclusão:A resolução completa do segmento ST(>70%) ainda é inferior as taxas de recanalização angiográficas, aproximando-se somente quando acrescida da resolução parcial. O uso de IGP não favoreceu os resultados, sejam em relação a normalização do ST, as taxas de fluxo TIMI 3 finais e ocorrência de desfechos adversos tardios.

Variável com IGP (n=44) sem IGP(n=46) p
idade média(anos) 59,8 60,4 0,81
diabéticos (%) 29,5 44 0,19
IAM prévio(%) 29,5 28,2 1,0
implante de stents(%) 81 82,6 0,79
fluxo TIMI III pré(%) 15,9 8,6 0,34
fluxo TIMI III final(%) 93 91,3 1,0
resolução ST>70% (%) 38,6 43,4 0,67 30-70% (%) 40,9 41,3 1,0 <30% (%) 20,5 15,3 0,56
Eventos 1anoAVC (%) 2,3 6,5 0,61
morte/reinfarto(%) 18,1/4,5 6,5/4,3 0,1/1,0


147

SEGUIMENTO CLÍNICO DO TRATAMENTO PERCUTÂNEO DAS OCLUSÕES DE ARTÉRIAS ILÍACAS.


Marcelo T. Cunha1, Andrés G. Sánchez1, Charlston Rodrigues1, Marcio C. Medeiros1, Paulo M. Nunes1, Wallace A. Medeiros1, Samuel M. Martins1, Fausto Feres1, Antonio M. Kambara1, Manuel N. Cano1, Amanda G.M.R. Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Objetivo: Avaliar a segurança, eficácia e evolução tardia do tratamento endovascular das oclusões de artérias ilíacas. O objetivo desta análise foi avaliar os resultados imediatos e tardios (1 ano) das angioplastias ilíacas em lesões oclusivas (totais). Metodos: Entre julho de 2002 e março de 2005, foram realizadas em forma consecutiva 30 intervenções percutâneas em lesões oclusivas de artérias ilíacas. Realizamos seguimento clínico em todos os pacientes (hospitalar e ao ano) avaliando a incidência de reintervenções, acidente isquêmico transitório, acidente vascular encefálico, infarto de miocárdio e óbito. Resultados: A idade média foi 59±13 anos, 33% eram diabéticos. As lesões localizavam-se na artéria ilíaca comum em 26 casos (87%) e na ilíaca externa em 4 casos (13%). O sucesso terapêutico imediato foi de 90% (27 casos). No seguimento de 1 ano, a perviedade primária foi de 74,6% e a secundária (necessitou de reintervenção por oclusão total) de 82,9%. Conclusão: O tratamento endovascular das lesões oclusivas das artérias ilíacas é seguro e eficaz, apresentando bons índices de sucesso imediato e perviedade a longo prazo.


148

CARACTERÍSTICAS DO REMODELAMENTO VASCULAR DAS ARTÉRIAS CORONÁRIAS NO DIABETES MELLITUS DO TIPO 1


Dinaldo Cavalcanti de Oliveira1, Fábio Sandoli de Brito Junior1, Rosley Weber Fernandes Alvarenga1, João Roberto de Sá1, Valter Correia de Lima1

1) Hospital São Paulo. Escola Paulista de Medicina. UNIFESP, São Paulo- SP, Brasil

OBJETIVO: O objetivo do estudo foi avaliar o padrão de remodelamento vascular das artérias coronárias (RAC) em pacientes diabéticos tipo 1 com doença aterosclerotica coronária (DAC) subclínica. MATERIAL E MÉTODOS: Realizamos um estudo prospectivo, descritivo no período de janeiro a novembro de 2003, no qual foram recrutados 20 diabéticos tipo 1 com IRC em hemodiálise (11 homens, 9 mulheres, idade 36 ± 8 anos). Nenhum dos pacientes apresentava qualquer sintoma ou antecedente de síndrome coronariana aguda ou crônica. Todos os pacientes realizaram cinecoronariografia (cine) e ultra-som intracoronariano (USIC), de acordo com técnica padrão. RESULTADOS: A cine revelou 30 lesões ? 30% (em 15 pts), sendo 12 lesões ? 70% (em 10 pts). Foi realizado USIC em 25 destas lesões. A análise ultrasonográfica das lesões revelou carga de placa de 65 ± 13%, área mínima da luz de 4,29 ± 1,95 mm2, estenose do lumen de 58 ± 15% e índice de remodelamento 0,87 ± 0,21. O remodelamento arterial coronariano (RAC) mais freqüente foi o intermediário (60%), seguido do negativo (20%) e do positivo (20%). Houve predomínio de placas fibróticas (88%). A duração do DMT1 nos pacientes com RAC negativo foi menor quando comparada a daqueles com positivo e intermediário (22 ± 7 vs 26 ± 2,5 vs 26,6 ± 2,6 anos, p = 0,01). CONCLUSÃO: A característica marcante quanto ao RAC foi a ausência do predomínio do remodelamento positivo ou também chamado adaptativo. O padrão fibrótico da DAC possivelmente seja um dos fatores determinantes da não acomodação da placa fibrotica na parede arterial de forma adequada (ou seja ausência do RAC positivo).


149

IMPACTO DO USO UNIVERSAL DOS STENTS FARMACOLÓGICOS SOBRE A MODALIDADE DE REVASCULARIZAÇÃO MIOCÁRDICA


Fabio S. Brito Jr1, Marco A. Perin1, Alexandre Abizaid1, Breno Oliveira Almeida1, Teresa Cristina D C Nascimento1, Ivanise Gomes1

1) Hospital Albert Einstein, São Paulo, Brasil

Introdução: O emprego dos stents (ST) farmacológicos reduz a ocorrência de reestenose e permite ampliar as indicações de intervenção coronariana percutânea (ICP). O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto do uso universal (> 80% dos casos) dos ST farmacológicos sobre a modalidade de revascularização utilizada para o tratamento de pacientes com insuficiência coronariana. Metodos: No período entre jan/2001 e set/2005, 3611 pacientes foram submetidos à cineangiocoronarigrafia na instituição. Destes, 1762 (48,8%) tiveram indicação de revascularização miocárdica, sendo 1521 (86,3%) tratados por ICP e 241 (13,7%) por revascularização miocárdica cirúrgica (RM). Pacientes com doença valvar ou aórtica associada com indicação de tratamento cirúrgico não foram computados. Iniciou-se o emprego dos ST farmacológicos em maio/2002. Na tabela abaixo estão discriminados, em cada ano: o porcentual de uso de ST farmacológicos (%STF); o porcentual de pacientes tratados por ICP (%ICP) e RM (%RM) dentre os que receberam algum tipo de revascularização; o porcentual de ICP em relação ao número de cinecoronariografias (%ICP/cine); o porcentual RM em relação ao número de cinecoronariografias (%RM/cine) e a relação entre o número de ICP e o número de RM. Resultados:Os resultados de 2001 a 2005 encomtram-se na tabela abaixo. Conclusão: O emprego dos ST farmacológicos efetivamente fez ampliar as indicações de ICP e reduzir a necessidade de RM. Na situação de uso universal deste dispositivo, mais de 90% dos pacientes submetidos a algum tipo de revascularização recebem ICP, sendo que a relação entre o número de ICP e RM supera 10:1.

2001 2002 2003 2004 2005
%STF 0 31,7 69,7 80,9 83,7
%ICP 79,5 84,3 88 88,7 92,1
%RM 20,5 15,7 12 11,3 7,9
%ICP/cine 37,7 43,4 43,7 43,7 42,4
% RM/cine 9,9 8,0 6,0 5,3 3,8
ICP:RM 3,9 : 1 5,4 : 1 7,3 :1 7,9 :1 11,7 :1


150

COMPARAÇÃO ENTRE PACIENTES DIABÉTICOS E NÃO DIABÉTICOS TRATADOS COM UM NOVO STENT LIBERADOR DE ZOTAROLIMUS (ZOMAXX®). ESTUDO COM ULTRASSOM INTRA-CORONÁRIO TRIDIMENSIONAL.


PEDRO BERALDO1, LEANDRO LASAVE1, ALEXANDRE ABIZAID1, FAUSTO FERES1, LUIZ ALBERTO MATTOS1, RODOLFO STAICO1, ANDREA ABIZAID1, RICARDO CAVALCANTE1, LUIZ FERNANDO TANAJURA1, AMANDA SOUSA1, J. EDUARDO SOUSA1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Introdução: Vários estudos demonstraram a eficácia dos stents liberadores de fármacos na redução da hiperplasia intimal tanto em pacientes diabéticos como não diabéticos. Objetivo: Avaliar a eficácia aos 4 meses de um novo stent liberador de zotarolimus (ZoMaxx®) na redução da hiperplasia intimal em pacientes diabéticos comparados com não diabéticos. Metodos: O stent ZoMaxx® compõe-se de uma plataforma metálica e de um polímero com liberação controlada de zotarolimus. Foram tratados 40 pacientes com lesões de novo, sendo divididos em dois grupos conforme a presença de diabetes. Aos 4 meses analisou-se a perda tardia por angiografia coronária quantitativa (QCA) e o volume de hiperplasia intimal por ultrassom intra-coronário (USIC). Avaliaram-se os eventos cardíacos hospitalares e aos 4 meses: morte, infarto do miocárdio e revascularização da lesão alvo guiada clinicamente. Resultados: A idade média foi 58 ± 9 anos, 55% do sexo masculino, sendo tratada em 45% dos casos a artéria descendente anterior. A extensão média da lesão foi de 14 ± 1,2 mm. Não houve diferenças nas características basais entre os grupos. Aos 4 meses de seguimento não houve eventos cardíacos adversos. A reestenose angiográfica intra-stent foi 0% para o grupo de diabéticos e 4,1% para o de não diabéticos (p=0,9). Foram realizados QCA e USIC em 95% dos pacientes (Tabela). Conclusão: Os pacientes diabéticos tratados com implante de stent ZoMaxx® apresentaram aos 4 meses de seguimento uma tendência não significativa a maior hiperplasia intimal pelo USIC, sem expressão na perda tardia e nos eventos clínicos.

Diabéticos (n=16) Não diabéticos (n=24)
QCA média±desvio padrão média±desvio padrão p
Perda tardia intra stent 0,31±0,37mm 0,14±0,34mm 0,14
Perda tardia intra segmento 0,17±0,35mm 0,18±0,36mm 0,89
USIC média±desvio padrão média±desvio padrão p
Volume da íntima 7,14±7,5mm3 3,94±3,7mm3 0,07
% obstrução do stent 5,5±4,4mm3 4,13±3,1mm3 0,25


151

UTILIZACION DEL ACESSO POPLITEO PARA EL TRATAMIENTO ENDOVASCULAR DE LESIONES OCLUSIVAS DE LA ARTERIA FEMORAL SUPERFICIAL.


Luis Virgen Carrillo3, Felipe Nasser2, Adnan Neser2, Noedir A. G. Stolf1, Pedro Lemos1, Jose Carlos Ingrund2, Marcelo C. Burihan2, Orlando Barros2, Rodrigo Biagioni2, Roberta Campos2, Emmanuela Galvão2, Patricia G. Pereira1

1) Instituto do Coração-FMUSP, São Paulo, Brasil 2) Hospital Santa Marcelina, São Paulo, Brasil 3) SSA México e Instituto do Coração-FMUSP, Guadalajara-México, São Paulo,Brasil

ANTECEDENTES: El éxito de recanalizacion para el tratamiento de lesiones oclusivas complejas de la arteria femoral superficial (AFS) varía en la literatura de 60 a 86%. La utilización del acceso poplíteo puede aumentar el índice de éxito, aunque esto no ha sido estudiado sistemáticamente en la literatura. OBJETIVOS: Mostrar la eficacia y la seguridad de la punción de la arteria poplítea durante la recanalizacion de oclusiones complejas de la AFS. METODOS: De Abril de 2005 a marzo de 2006 fueron realizados en el Servicio de Cirugía Vascular del Hospital Santa Marcelina 31 recanalizaciones de lesiones crónicas oclusivas complejas de la AFS como parte del estudio EVERESST. En 28 pacientes (90.3%) fue posible la recanalización por la vía anterograda; unilateral y/o contralateral. Los 3 pacientes que no fue posible la recanalización, presentaban oclusiones largas complejas desde el origen de la arteria femoral hasta el inicio de la arteria poplítea. RESULTADOS: En una segunda tentativa de 2 de los pacientes con oclusiones largas fue realizada con éxito la recanalización por punción poplítea (retrograda). Se utilizo la siguiente técnica: 1.- Punción guiada por ultrasonografia y Roadmapping. 2.- Introductor 4 Fr con guía hidrofílica 3.- Pase de la lesión y heparinización con 5000 unidades. 4.- Cambio de introductor y dilatación con balón largo 5 x 100 mm. Pheron- Biotronick 5.-Implante de 2 Stent Protege EV3, 6 x 150 mm en un paciente y de 3 Stent Protege 6 x 150 mm en el segundo paciente. 6.- Cierre del orificio de punción por compresión manual en un paciente y colocación de angio-seal en otro. No observamos hematoma o complicaciones relacionadas con el acceso. Nuestro éxito en las recanalizaciones de lesiones utilizando la vía anterograda y retrograda fue de 96.7%. CONCLUSIONES: En casos seleccionados en los que no ha sido posible la recanalización de la AFS por vía anterograda la utilización del acceso poplíteo es seguro y eficaz aumentando el índice de éxito.


152

TRATAMENTO PERCUTÂNEO COM “SUCESSO ANGIOGRÁFICO” DO ENXERTO DE VEIA SAFENA. OS EVENTOS CARDÍACOS SÃO DIFERENTES NA EVOLUÇÃO CLÍNICA DOS PACIENTES COM ALTERAÇÕES ENZIMÁTICAS PÓS-PROCEDIMENTO?


Tiago Porto Di Nucci1, Wilson Pimentel2, Roberto Abdalla1, Edson Bocchi1, Maéve de Barros Correia1, Rafhael A. Freire2, Wellington B. Custodio2, Egas Armelin2

1) Instituto do Coração, Campinas-SP, Brasil 2) Beneficência Portuguesa , São Paulo - SP, Brasil

Fundamento: A intervenção percutânea (IP) no enxerto de veia safena (EVS) é uma conduta alternativa para evitar nova cirurgia. No entanto, a complexidade anatômica da doença do EVS representa a principal limitação pela possibilidade de microembolizações. Objetivo: Avaliar a evolução clínica dos pacientes (P) que se submeteram a IP nos seus EVS, comparando aqueles com alterações versus aqueles sem alterações enzimáticas pós-procedimento (AEpP). Material e métodos: Estudamos 122 P que se submeteram a IP em apenas um EVS e os dividimos em dois grupos (G): 55 P que apresentaram AEpP, G1 e 67 P que não tiveram AEpP, G2. Não houve diferenças demográficas significativas entre os dois grupos quanto ao sexo e idade ou na incidência de diabetes, hipertensão, dislipidemia, número de vasos envolvidos e uso de stents eluídos com fármacos. Inibidores das GP IIb/IIIa foi utilizado em 53% no G1 e 55% no G2, NS. Protetores distais (FilterWire) foram mais utilizados no G2 (22% versus 14%, p<0,05). Em ambos G, os P foram mantidos com AAS e clopidogrel no período de 6m – 1 ano. Resultados: Tabela para avaliar P livre de eventos cardíacos adversos maiores (ECAM). Conclusões: P com AEpP pós IP dos EVS são significativamente mais predispostos para ECAM na evolução clínica tardia. Portanto, ações técnicas, clínicas e farmacológicas mais consistentes são necessárias quando da IP desses EVS.

Grupo 1º mês 6º mês 12º mês
1 100 88 86
2 100 81 61
Valor de p NS NS <0,05


153

VIRTUAL CORONARY ANGIOSCOPY IN PATIENTS WITH STENTS AND CORONARY BYPASS GRAFTS. EXPERIENCE WITH THE 64 MULTISLICE CT.


Sergio Mejía1, Emilio González Cocina1, Carlos Alonso1, Enrique Hernández1, Manuel Concha1

1) Xanit International Hospital, Benalmádena, Spain

INTRODUCTION. The study of diagnostic efficacy of CT multislice detector in comparison with coronary angiography is an actual challenge for scientists and physicians, especially interventional cardiologists, cardiac and vascular surgeons and radiologists. CT SCAN with multidetector technique allows the non invasive visualization of coronary arteries with good image quality and it is becoming a daily practice tool in hospitals worldwide. OBJECTIVES. To describe our initial experience with 64 multislice CT in patients with previous coronary bypass surgery or coronary stent implantation, or both. To show the images of virtual angioscopy in patients with coronary stents. To report the utility of the Hounsfield Index to classify coronary lesions. PATIENTS AND METHODS. We describe our first 30 patients evaluated with the first 64 CT multislice detector of the geographic area of Andalucia in Spain. They underwent contrast CT scanner angiography during a screening evaluation or a cardiology follow up visit. The first step is the study of the level of calcification in the coronary arteries, which is reported as a score included in the scanner software. If the heart rate is higher than 80 bpm, a betablocker was administered to achieve a better scenario for image adquisition. Systemic contrast injection (Visipaque 320) was then injected as described elsewhere and the patient was asked to stop breathing for 5 seconds. All patients images where studied off-line by a radiologist and a cardiologist at the work station. According to Hounsfield Units (arterial wall attenuation), lesions where classified as Calcific (>130 UH); Fibrotic (60-120 UH); Lipoidic (30-60 UH) and Thrombotic (<30 UH). RESULTS. Anxious and COPD patients are less cooperative to make a good apnea time. This is the most frequent source of image distortion and artifact creation. In all of our patients we observed calcified, lipoidic and fibrotic plaques. One patient with unstable angina showed a well defined intraluminal thrombus. We made virtual angioscopy in patients with stents implanted, one in the left main coronary artery. The diameter of the vessel is a clearcut determinant of the image quality. We also show images of intramyocardial segments, left internal mamary graft, saphenous graft and radial artery free graft. CONSLUSIONS: Sixty-four multislice CT identifies the different types of coronary lesions in an individual patient. Hounsfield attenuation index could be used to identify vulnerable plaques. Wall calcification and Stents make difficult to evaluate the arterial lumen. Saphenous and arterial grafts are easily visualized with this technique.


154

EMBOLIZAÇÃO PERCUTÂNEA DE VOLUMOSA FISTULA DE AMBAS ARTÉRIAS CORONÁRIAS PARA A ARTÉRIA PULMONAR UTILIZANDO METACRILATO ATRAVÉS DO ACESSO TRANSRADIAL


Pablo Tomé Teixeirense1, Crescêncio Centola1, Raquel Trovo Hidalgo1, Luiz Antonio Gubolino1, João Felipe Toledo1, Luiz Gustavo Hernandes1, Rafael Garzon1, Antoninha Azevedo Bragalha1

1) Hospital Eveangélico Samaritano de Campinas, Campinas - SP, Brasil

Paciente do sexo feminino, 62 anos, queixando-se de dispnéia progressiva havia seis meses, foi encaminhada para realização de estudo hemodinâmico por apresentar defeito de captação transitório na parede ântero-septal em estudo cintilográfico. Antecedentes pessoais: Hipertensão arterial sistêmica e Diabetes Mellitus tipo II, utilizando insulina para controle glicêmico. O cateterismo cardíaco revelou função ventricular esquerda preservada. Coronariografia mostrou artérias coronárias de calibre e fluxo normais, isentas de ateromatose significativa. Contudo, observouse a presença de volumosa fístula coronária para artéria pulmonar de dupla origem (da artéria coronária direita e da artéria descendente anterior). Optou-se pelo tratamento percutâneo desta patologia. Através de punção percutânea da artéria radial direita foi inserida vávula hemostática 6F. À seguir cateterizamos a artéria coronária esquerda com cateter guia Launcher® (Medtronic, USA) 6F. Após injeções seletivas de contaste nas diversas projeções obliquas para identificar a origem do vaso que nutria a fístula, passamos micro-guia 0,014'’ Transend® (Boston Sci, USA) e posicionamos microcateter Excell® (Boston Sci, USA) o mais distal possível no vaso, a fim de evitar refluxo para o leito coronário. Após isto, realizamos 2 injeções de metacrilato (Hystoacril®) diluído em meio de contraste Lipiodol®. Logo após lavamos o sistema com glicose hipertônica a 50%. As injeções de controle evidenciaram retenção do meio de contraste na fístula e ausência de fluxo residual na artéria pulmonar. Em seguida, cateterizamos a artéria coronária direita a fim de embolizar seu ramo que também nutria a fístula. O procedimento não foi necessário, pois a desembocadura da fístula na artéria pulmonar já havia sido ocluída na primeira fase do procedimento. A paciente recebeu alta hospitalar 24 horas após o procedimento e houve melhora dos sintomas de dispnéia e fadiga. A cintilografia miocárdica após 30 dias do procedimento revelou normalização da perfusão miocárdica no território ântero-apical. Conclusões: Procedimento realizado através de via de acesso com ótimo controle hemostático, confortável para a paciente. O uso do metacrilato neste tipo de fístula (volumosa e de dupla irrigação) é vantajoso pois seu custo é inferior ao das micro-molas que provavelmente seriam necessárias para a completa trombose da fístula, além de alto índice de recidiva da mesma.


155

É NECESSÁRIO STENT FARMACOLÓGICO PARA TRATAR ARTÉRIAS CORONÁRIAS DE GRANDE CALIBRE?


Arturo Ricardo Quizhpe Rivera1, Fausto Feres1, Alexandre Abizaid1, Luiz Alberto P. Mattos1, Rodolfo Staico1, Luiz Fernando Tanajura1, Galo A. Maldonado1, Andrea Abizaid1, Amanda Sousa1, Jose Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo-SP, Brasil

Fundamentos: Estudos prévios têm demonstrado a relação inversa entre o diâmetro do vaso e a incidência de reestenose. Os stents farmacológicos têm reduzido a reestenose em todos os subgrupos de pacientes dos estudos randomizados, embora os eventos clínicos em artérias de grande calibre no mundo real ainda não tenham sido reportados. O objetivo do estudo é comparar a incidência de eventos clínicos tardios em pacientes submetidos ao implante de stents farmacológicos e convencionais em artérias de grande calibre. Metodos: 429 pacientes foram submetidos à intervenção coronária percutânea entre Janeiro e Dezembro de 2004. Duzentos e setenta e dois pacientes receberam stents convencionais e 157 stents farmacológicos. Foram incluídos pacientes que receberam stents com diâmetro igual ou maior a 3,5mm e excluídos aqueles com infarto agudo do miocárdio e pontes de safena. Resultados: As características clínicas foram similares nos dois grupos, com exceção de hipertensão arterial, angina estável e infarto prévio que apresentaram maior incidência no grupo convencional. Conclusões: Os stents farmacológicos e convencionais foram similares nos eventos clínicos combinados. No entanto, existe uma tendência a favor do stent farmacológico na revascularização da lesão alvo.

Eventos (12 meses) Stent Convecional Stent Farmacológico Valor de (n=272) (n=157) p
Óbito 7 (2.5%) 2 (1.2%) 0.49
Infarto do miocárdio 4 (1.4%) 2 (1.2%) 1.0
RVA 15 (5.5%) 4 (2.5%) 0.22
RLA 13 (4.7%) 2 (1.2%) 0.06
Combinação dos Eventos 24 (8.8%) 8 (5.0%) 0.18


156

VARIAÇÃO TÉCNICA PARA ANGIOPLASTIA COM IMPLANTE DE STENT ATRAVÉS DE MAMÁRIA TORTUOSA


PEDRO PAULO N DE CASTRO1, MARCO ANTONIO N CASTRO1, RAIMUNDO M BEZERRA1, ELAINE Z DOMINGUES1

1) HOSPITAL MÁRCIO CUNHA - FUNDAÇÃO SÃO FRANCISCO XAVIER, IPATINGAMG, BRASIL

Objetivo: Descrição de uma variação técnica para implante de Stent através de vaso com tortuosidade excessiva. Introdução: As angioplastias nos enxertos de mamária são infreqüentes, porém apresentam altas taxas de sucesso. Os insucessos durante as intervenções são relacionados, na maioria das vezes, às dificuldades técnicas, como impossibilidade de ultrapassar a lesão com guia ou balão e dificuldade de alcançar a estenose devido a tortuosidade ou redudância do enxerto. Neste artigo relatamos um caso e as variações técnicas utilizadas para implante de Stent, logo após a anastomose da mamária com Artéria Descendente Anterior (DA). Relato de caso: Paciente SPF, 68 anos, diabético, hipertenso, portador de Insuficiência Renal Crônica dialítica e histórico de cirurgia de revascularização do miocárdio há 11 anos. evoluindo com angina estável classe funcional IV (CCS). Realizou Cineangicoronariografia que indicou entre outras, oclusão da DA e Lesão após enxerto de Mamária com DA logo após a anastomose. Optamos por tratamento percuntâneo. Iniciamos o procedimento por via femural, utilizamos catéter guia 7F Internal Mammary. Tentamos progredir fio guia 0,014” Stabilizer Plus Cordis através do enxerto, porém não houve progressão do mesmo devido a tortuosidade excessiva do vaso. utilizamos um fio guia hidrofílico 0,035” Terumo 180 cm para retificação do vaso. Após inserção deste guia até a região da anastomose, houve formação de lesões “fantasmas”. A seguir, inserimos fio guia 0,014” e implantamos Stent Taxus Express 2,5x20mm, após pré–dilatação com balão. Realizamos controle angiográfico que evidenciou excelente resultado, com fluxo TIMI III. Resultado mantido no reestudo após 1 ano. A utilização do fio guia acessório hidrofílico 0,035” através de enxerto de mamária tortuosa pode facilitar o emprego de Stent’s no vaso nativo e aumentar a taxa de sucesso do procedimento.Na literatura existem poucas técnicas descritas para transpor a tortuosidade dos enxertos mamários. Sharma e col. empregaram uma nova técnica para transpor um enxerto de mamária tortuoso. Nesta publicação, como em outras, houve relato do aparecimento de pseudo-lesões (lesões fantasmas) como no nosso caso. A utilização de um fio guia acessório, mais rígido, através de enxerto de mamária é uma alternativa para viabilizar a realização de Angioplastia em enxertos tortuosos.


157

SEGURANÇA E EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DE STENTS DE CROMO COBALTO NA INTERVENÇÃO CORONÁRIA PERCUTÂNEA


Rogério Luciano Soares de Moura1, Fernando Vivas Barreto2, Fernando José Tavares2, Marcus Vinicius Costa2, Gustavo Oliveira1, Stans Murad Netto1

1) Instituto de Pós Graduação Médica do RJ, Rio de Janeiro, Brasil 2) Instituto do Coração e da Criança do RJ, Rio de Janeiro, Brasil

Fundamento: Os stents de cromo cobalto(CC) pertencem a nova geração de stents com hastes mais finas, o que acarretaria melhor flexibilidade(sucesso agudo) e menor incidência de reestenose(sucesso tardio) Objetivo: Avaliar a segurança e eficácia dos stents de CC no tratamento de lesões de novo em pacientes(pcts) submetidos a intervenção coronária percutânea (ICP).Materiais e Metodos: Estudo prospectivo, não randomizado, incluindo 286 pcts com doença isquêmica e lesões severas em artérias coronárias nativas(>70%), com extensão <30mm e diâmetro > 3.0mm e <4.0mm.O desfecho primário foi a ocorrência de eventos cardíacos maiores (ECM) definidos como morte, infarto, revascularização de emergência e revascularização da lesão alvo aos 6 e 12 meses.O desfecho secundário foi a ocorrência de complicações vasculares, isquêmicas, sucesso no procedimento e trombose de stent.Resultados: Não houve diferença significativa entre as caracteísticas clínicas e angiográficas dos pacientes avaliados.Obtivemos sucesso de 100%.Complicações vasculares em 3% dos pcts., sem necessidade de transfusão sanguínea.A incidência de ECM combinados foi 1.4% no período intra-hospitalar(IH), 4.7% aos 6 meses e 9.8% aos 12 meses.Não constatamos nenhum caso de trombose aguda ou subaguda (0%).O subgrupo de pacientes diabéticos (26%) não apresentou diferença significativa na evolução IH quando comparados aos não diabéticos (1.7% x 1.4%), assim como na evolução aos 6 meses (5.2% x 4.7%).Aos 12 meses houve diferença significativa entre diabéticos e não diabéticos com relação a ECM combinados (17.8% x 9.8% p=0.002), com tendência a maior percentual de RLA nos diabéticos (14.7% x 6.1%).Calculando os índices de eficácia com ajuste por Kaplan-Meier, observamos sobrevida livre de ECM de 93.9% em 12 meses.Conclusão: A utilização de stents de CC mostrou-se segura e eficaz no tratamento de pcts com lesões de novo em artérias coronárias nativas.


158

INCIDÊNCIA CLÍNICA DE TROMBOSE AGUDA E SUB AGUDA EM PACIENTES SUBMETIDOS A INTERVENÇÂO CORONÁRIA PERCUTÂNEA NÂO PROGRAMADA COM COLOCAÇÂO DE STENT E COM DOSE DE ATAQUE DE 300 MG DE CLOPIDOGREL NA HORA DO PROCEDIMENTO


TÁRCIO FIGUEIREDO SILVA1, MÁRCIO AUGUSTO TRUFFA1, JOSÉ RICARDO B. DE M. BIROLLI1, GABRIELA SILVESTRE DE LIMA1

1) INSTITUTO DE DOÊNÇAS CARDIOVASCULARES, JUNDIAÍ-SP, BRASIL

MÉTODO: Foram acompanhados por 30 dias , de Janeiro de 2002 a Fevereiro de 2006 , 608 pacientes submetidos a Intervenção Coronária Percutânea com colocaçâo de endopróteses ( STENTS ) a fim de se determinar clinicamente a taxa de trombose aguda e sub aguda. Estes pacientes eram em sua maioria de outros municípios ou encaminhados de outros hospitais. Os pacientes , diabéticos ou não , foram divididos em 2 grupos: Grupo A ( 348 pctes.-57% ) : pacientes assintomáticos com testes de induçâo isquêmica positivos , pacientes com angina estável e pacientes com angina instável de baixo risco ; Grupo B ( 260 pctes.-43% ) : pacientes com angina instàvel de médio ou alto risco e pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio ( IAM ) sem supra de ST . Não foram incluídos os pacientes que faziam uso do Clopidogrel , os que utilizaram inibidores da glicoproteína IIBIIIA pré , durante e pós procedimento e pacientes em IAM com supra de ST . A análise final estatística foi realizada pelo Teste Exato de Fischer . RESULTADOS : Tivemos trombose Aguda e Sub Aguda em 5 pacientes estudados nos 2 grupos ( 0,82% ) . No Grupo A , 2 pacientes apresentaram o desfecho pesquisado ( 0,57% ) e no Grupo B , 3 pacientes ( 1,15% ) . A porcentagem global de pacientes Diabéticos era de 23% ( 139 pacientes ) e 2 destes tiveram trombose ( 1,43% ) sendo 1 paciente em cada grupo . CONCLUSÂO : A Intervenção Coronária Percutânea não programada com STENT e com a dose de ataque de 300 mg de Clopidogrel mostrou-se , em nosso serviço , procedimento seguro quando comparado aos índices de Trombose Aguda e Sub Aguda de grandes estudos de Intervenções Percutâneas Programadas e , apesar das taxas serem maiores no Grupo B em relação ao Grupo A , elas não foram estatisticamente significantes usando-se o Teste Exato de Fischer ( p=0,6557)


159

AVALIÇÃO TARDIA DE PACIENTES COM DIABETES NÃO INSULINO-DEPENDENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA COM STENTS FARMACOLÓGICOS. MUNDO REAL.


André Valentim1, Esmeralci Ferreira1, Alcides Ferreira Jr1, Cyro Rodrigues1, Jos é G. Amino1, Vitor Azevedo1, Camillo Junquerira1, Norival Romão1, Denilson Albuquerque1, Denizar Vianna1, Mara L. Farias1, Antonio Farias Neto1

1) Clinica Status Cor, HC Mario Lioni, HUPE, INC Laranjeiras, Prontocor., Rio de Janeiro, Brasil.

Fundamento: Os pts. com diabetes tipo II (DII) representam por si só um fator de risco coronariano e com alta incidência na população mundial. A forma de apresentação da DAC nos DII é grande desafio para os processos de intervenção, pois apresentam taxas de novos eventos acima de 30%. Objetivo: Demonstrar nossa experiência em diabéticos com os stents farmacológicos (SF). Pacientes e Método: 90 ptes foram analisados prospectivamente, em um período de 1a 34,8 meses(m). Média de 14,4 meses (+ 6,6). Sendo 58 pts. (64%) homens e 32 (36%) mulheres. A idade variou de 46 a 86 (65,5 + 9,8). A Angina Estável foi encontrada em 49 pts, (54%) e as SCA em 41 (46%). A HAS foi presente em 77 (85%); 62 (69%) com dislipidemia; 25 (28%) com obesidade; 49 (54%) com sedentarismo; 7 (8%) tabagistas e 35(39%) com história familiar. O IAM prévio foi encontrado em 35 (39%) ptes e 21(23%) já haviam sido revascularizados cirurgicamente. Vinte três tinham ATC prévia, sendo 14 (15%) restenoses e 9 (10%) por progressão da doença. Os uniarteriais foram 39(43%), 35(39%) bi e 16(18%) tri. A fç do VE foi normal em 43(48%), levemente alterada em 36(40%) moderada em 6 (7%) e acentuada em 2(2,2%). Três ptes não tinham referência do VE. Foram tratadas 138 lesões em 129 artérias e implantados 146 stents (1.62 stents /pte.). Sendo 138 SF e oito convencionais (lesões favoráveis de 5 ptes). As 138 lesões eram do tipo:A = 43 (31%); B1 = 43(31%); B2 = 34 (25%) e C = 18 (13%). Resultados: A curva de sobrevida geral de Kaplan-Meier foi de 95,4% até 35 meses. A de sobrevida livre de eventos foi 91,6% aos 12 meses e de 83,2% aos 24 meses. Houve 9 (10%) complicações hospitalares (2 vasculares; 2 EAP; e 5 relacionadas à arritmias). Todas revertidas. O seguimento clínico mostrou 77 (85,5% CI 95% 76,2 a 91,8%) ptes assintomáticos e sem eventos; 13 (14,4% 95% CI 8,2 a 26,8%) apresentaram eventos 11 (12,2% CI 95% 6,6 a 21,2%) com angina; 1(1.1%) óbito cardíaco e 1(1%) não cardíaco. A restenose esteve presente em 7 (7,8% - CI 95% 3,5 a 15,9%) ptes. Cinco ptes (5,5% - CI 95% 2,1 a 13,1%) realizaram revascularização da lesão alvo e outros 5 (5,5% - CI 95% 2,1 a 13,1%) em outras lesões. Os pacientes com eventos foram conduzidos da seguinte forma: 7 (63,6% CI 31,6 a 87,6%) realizaram nova ATC; 3 (27,3% CI 95% 7,3 a 60,7 ) à cirurgia e 1 (9,1% CI 95% 0,5 a 42,9%) tratado clinicamente. Conclusões: Os stents farmacológicos mostraram –se bastante favoráveis no tratamento da DAC em ptes diabéticos do tipo II.


160

TRATAMIENTO DE LA INSUFICIENCIA CARDIACA REFRACTARIA CON IMPLANTE DE STEMS CELLS EN LA MIOCARDIOPATÍA CORONARIA CRÓNICA


Fernandez Viña Roberto1, Andrin Oberdan2, Vrsalovick Francisco1, Saslavsky Jorge3, Saslavsky Martin3, DÀdamo Carla1, Muttis Nestor1, Camozzi Liliana1, Merlo Isadora1

1) Centro medico cardiovascular Fundacion Fernandez Viña, San Nicolas Buenos Aires, Argentina 2) Universidad Maimonides , Buenos Aires , Argentina 3) Facultad de Medicina Rosario , Rosario Santa Fe , Argentina

Antecedentes: Algunos trabajos revelan que la terapia celular puede mejorar la función ventricular en pacientes infartos crónicos y con insuficiencia cardiaca por generación de miocardiocitos a través de transdifenciacion de las Stems cells. Objetivos: Demostrar que el implante de Stem cells Autologas implantadas por vía Venosa retrógrada coronaria puede generar Miogénesis, mejorar la contractilidad de áreas necróticas al reducir las Áreas de infartos crónico (escaras) Método:19 pacientes(17 hombres y 2 mujeres) que presentaban Insuf.cardiaca C.F. III–IV refractaria al tratamiento médico, con antecedentes de IM con Ecocardiogramas con Fr. Ey. entre el 25% y el 29%,con CámaraGammas con isquemia peri necrótica en los 20 sectores infartados y con Fr.Ey Ventriculograficas entre 25% y 27%. fueron sometidos a un implante celular con Stems cells (CD34+) el cual se efectuó en forma retrograda a través del Seno Venoso Coronario. Resultados: A partir de los 7 días del implante los pacientes mejoraron sus episodios de I.C, y se objetivó un incremento de contractilidad parietal a los 30 días, con mejoría de la contractilidad regional de 28%(+-2) en los sectores hipoquineticos por ecocardiografia. En las Ventriculografía (90 días) se detecto reducción leve de las áreas de Aquínesia (13%), con mejoría de la contractilidad de los sectores hipoquineticos perinecróticos. Conclusiones: La vía retrógrada venosa coronaria es un excelente método de implante de Stems cells en territorios inadecuadamente prefundidos, la mejoría de la FEy. se debió a Angiogénesis, causando la mejoría de la contractilidad de sectores viables lo que produjo el incremento de la F.Ey en un 22 % valorado por Ecocardiograma y de un 24 % con la Ventriculografía. Se detecto una escasa recuperación en la contractilidad de las escaras. Clínicamente todos los pacientes mejoraron su actividad funcional,14 de los 19 pacientes han cumplido el año de evolución yse encuentran asintomático o en C.F.1.


161

UTILIZAÇÃO DE CATETER DE PERFUSÃO PARA MELHORA DO FLUXO CORONÁRIOEXPERIÊNCIA INICIAL.


Marisa F Leal2, Newton Stadler1, Ricardo Wang1, Herminio Haggi1, Eclea Ulaf1, Patrick Pereira1, Claudia Zanuzzi1, Estela Klosoviski1

1) Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, Curitiba- PR, Brasil 2) Hospital Ecoville, Curitiba- PR, Brasil

Pacientes (pts) na fase aguda de Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) ou na evolução destes podem apresentar limitações no restabelecimento do Fluxo Coronário ideal, o fenômeno de “slow-flow” ou “no-reflow”. Existe uma correlação linear entre o Fluxo TIMI (FT) e o TIMI de Perfusão Miocárdica (TPM) com seguimento clínico favorável.O FT3 e a PM3 são os parâmetros ideais perseguidos nas Intervenções Coronárias Percutâneas (ICP) O objetivo deste trabalho é analisar a melhora do FT e da PM obtida com a utilização de Cateter de Perfusão Amicath (Amct) [IHT Iberhospitex S.A.] no IAM complicado com “slow-flow” ou “no-reflow” durante a ICP. No período de 1 ano (2005) utilizou-se o cateter Amct em 16 pts com IAM, 68,8% com tempo de IAM <12hrs (503,3 ± 229,4minutos) do início da dor e 5pts com IAM evolutivo ( 7 ± 4,8 dias) .A Fração de Ejeção estava moderadamente ou severamente deprimida em 7 pts e 4 pts respectivamente. Em 81,3% dos pt foi feito implante de 16 Stents com tamanho de 3,2 ± 0,4mm não havendo diferença significativa para o balão final utilizado. O comprimento foi de 18 ± 3,8mm e a pressão final de 13,2 ± 1,9atm. A indicação da utilização do Amct foi por oclusão total na fase aguda do IAM em 9 pts, oclusão total na fase evolutiva do IAM em 3 pts, “slow-flow”3 pts(2 pts pós Stent e 1 pt por trombo persistente), 1pt por reoclusão trombótica de Stent.Dos vasos culpados pelo evento houve predomínio da Coronária Direita em 8pts, seguido da Descendente Anterior em 4 pts. Trombo no início do procedimento (pr) estava presente em 93,8% pré intervenção e 25% pós intervenção.O cateter de Amct foi utilizado pós recanalização em 8 pts, pós balão em 3 pts, pós Stent em 3 pts e pós recanalização e balão em 2 pt. A evolução hospitalar apresentou 1 reoclusão com 3 dias após o pr. Não houve óbitos na série analisada. Analisando o TF e a TPM inicial e final do procedimento e pré e pós ao uso de Amct observamos : (vide tabela) Podemos concluir, nesta série inicial, que o Amct foi útil como coadjuvante na melhora do TF coronário, independente do método de recanalização utilizado, melhorando também o TPM final. Estudos com séries maiores serão necessárias para confirmar estes achados.

Inicial Pré Amct Pós Amct Final
Fluxo TIMI 0,2±0,5 0,5±0,6 1,6±0,5 2,1±0,7
TIMI de Perfusão Miocárdica 0,2±0,7 1,6±0,6


162

IMPLANTE DE STENTS LIBERADORES DE DROGA EN OCLUSIONES TOTALES CRÓNICAS.


León R Valdivieso1, Gustavo A Lev1, Carlos M Fava1, Ricardo Costantini1, Juan Scaglia1, Ana P Mollón1, Oscar A Mendiz1

1) Fundación Favaloro, Buenos Aires, Argentina

Objetivo: Evaluar los resultados inmediatos y a mediano plazo del implante de stents liberadores de drogas (DES) luego de la recanalización de oclusiones totales crónicas (OTC). Métodos y Población: Análisis de 41 pacientes (Ptes) consecutivos con OTC a quienes luego de su recanalización se les implantó al menos un DES entre Junio/03 y Febrero/06. Edad 59.5±9.8 años, hombres 37 Ptes (90%), hipertensos 29 Ptes (71%), diabéticos 10 Ptes (24%), tabaquistas 15 Ptes (37%), dislipémicos 27 Ptes (66%), infarto previo 10 Ptes(24%), CABG previa 2 Ptes (5%). Presentación clínica: Isquemia silente 9 Ptes (22%), angina crónica estable 22 Ptes (54%), angina inestable 8 Ptes (20%), IAM no Q 2 Ptes (5%). Resultados: Se implantaron 64 stents (31 Cypher, 24 Taxus, 9 bare metal) con diámetro y longitud de 2.88±0.35 mm y 27.5±6.9 mm, respectivamente. La arterias tratadas fueron CD 6 (15%), CX 11 (27%), DA 23 (56%), SVG 1 (2%). El éxito clínico intrahospitalario se obtuvo en 40 Ptes (97.6%). Hubo un IAM (2.4%) secundario a oclusión coronaria aguda. Se logró seguimiento en 38 Ptes (92.7%) durante un periodo de 11.1±7.1 meses. Un Pte (2.6%) falleció de causa no relacionada, 1 Ptes (2.6%) sufrió un IAM, 1 Pte (2.6%) requirió CABG y 2 Ptes (5.3%) tuvieron nueva PTCA para una incidencia total de MACE 5 Ptes (13.2%). Los restantes 33 Ptes (86.8%) permanecen libres de eventos mayores. No hubo diferencias entre los dos tipos de DES. Conclusión: El implante de DES en OTC, mostró en esta serie, una baja tasa de reintervención, en relación a la historicamente reportada con bare metal stents en este tipo de lesiones.


163

EFICÁCIA DO IMPLANTE DOS STENTS FARMACOLÓGICOS(PACLITAXEL) EM LESÕES DE TRONCO DE CORONÁRIA ESQUERDA NÃO PROTEGIDAS.


Augusto Daige1, Rogério de Barros Wanderley1, Leandro de Carvalho Pereira1, Roberto Luis Favero2, Isabela Kury Nunes1

1) CardioVascular Diagnósticos , Campo Grande -MS , Brasil 2) CardioVascular Diagnósticos , Dourados-MS, Brasil

Fundamento: A segurança e eficácia do implante dos stents com paclitaxel (Taxus,Boston Scientific) em lesões de tronco de coronária esquerda (LTCE) ainda são desconhecidas. Material e Métodos : Entre Abril de 2004 e Janeiro de 2006, 71 pacientes foram submetidos a implante de stents Taxus em lesões de tronco de coronária esquerda (LTCE). Todos os pacientes estavam em uso do esquema duplo(clopidogrel e aspirina) e foi indicado o uso desse esquema pós-procedimento por no mínimo 9 meses. A reestenose angiográfica em 3 meses e os eventos cardíacos maiores (MACE) incluindo morte , infarto do miocárdio ou revascularização da lesão alvo (TLR) foram avaliadas. Resultados: A idade média dos pacientes foi de 61±10,2 anos, 22 (31%) apresntavam Diabetes Mellitus, 26(36,6%) apresentavam fração de ejeção rebaixada, 2 pacientes apresentavam infarto agudo com lesões no TCE e 48 apresentavam doença multi-arterial. O local das lesões foram : ostial em 13(18,3%), 7 (9,9%) no terço médio e distal em 51(71,8%) dos pacientes. O diâmetro de referência do lúmem foi 3.3±0.3 mm a extensão das lesões foi de 19.8%±6.1 mm. Todas as lesões foram tratadas com stent Taxus com sucesso. O número de stents Taxus por paciente foi de 1.6±0.5 . As técnicas para tratamento das bifurcações incluíram : crossover em 40 pts, T stent em 1 pt, provisional T stent em 5 , técnica em kissing em 1 e crushing em 4 pacientes. O sucesso no procedimento foi atingido em todos os pacientes. Durante o período hospitalar 2 pacientes evoluíram com infarto, não houve nenhum óbito, trombose aguda do stent e revascularização do miocárdio de emergência . No follow-up clínico de 3 meses não houve nenhum óbito , infarto . MACE (reestenose intrastent) ocorreu em 2 pacientes. O follow-up angiográfico de 3 meses foi realizado em 20 pacientes e obtivemos apenas (02) casos de reestenose intrastent. Conclusão: Neste estudo preliminar , o implante de stents Taxus em lesões de tronco de coronária esquerda é seguro , eficaz com baixa incidência de reestenose e MACE , necessitando de confirmação através de trials randomizados com maior número de pacientes.


164

O IMPACTO DA VALVOTOMIA MITRAL PERCUTÂNEA NO GANHO PONDERAL DOS RECÉM NASCIDOS DE GESTANTES PORTADORAS DE ESTENOSE MITRAL SINTOMÁTICA


ANA R ELMEC1, SERGIO BRAGA1, CESAR ESTEVES1, MERCEDES MALDONADO1, JOSÉ A OLIVEIRA1, NISIA LIRA1, ZILDA MENEGUELO1, JANUÁRIO DE ANDRADE1

1) IDPC, SP, BRASIL

Objetivo: Avaliar o ganho ponderal do recém nascido (RN) cuja mãe foi submetida à VMP durante a gestação em comparação a pacientes gestantes (pg) portadoras de estenose mitral sintomática mantidas em tratamento clínico (TC). Material e método: Entre 01/1988 e 02/2006, 133 pg com idade média de 28,5 ± 5 foram observadas e divididas em 2 grupos: G1- 82 pg submetidas a VMP e G2- 51 pg mantidas em TC. Todas as pg foram submetidas a ecocardiograma para avaliação da área valvar mitral (AVM), ecoscore (EC0) e Ultrasom para avaliação da idade gestacional (IG).As pg do G1 estavam em classe funcional (CF) III ou IV pré VMP e as pg do G2 em CF I ou II. Resultados: A média das AVM do G1 pré VMP foi de 0,9262 ± 0,17 cm2 e pós VMP de 1,967 ± 0,3cm2 (p<0,001), e a média das AVM do G2 1,0346 ± 0,21 cm2. A média dos ECO Score do G1 foi de 9,2 ± 1,3 pontos. Tivemos no G1 1 óbito materno, 1 tamponamento e 4 óbitos fetais. No parto as pg do G1 encontravam-se predominantemente em CF I e as do G2 em CF II. A média dos pesos dos RN no G1= 2808,6 ± 595g, e no G2= 2653,2± 506g (NS). A média das IG no parto no G1 correspondeu a 37,6 ± 3,6 semanas e a do G2 foi de 36,9 ± 4,8 semanas (NS).Nos RN do G1 observou-se relação inversa entre o peso e o Eco das pg (p < 0,01). A precocidade da VMP em relação a data do parto determinou RN com pesos maiores (p < 0,05). Conclusão: 1- O ganho ponderal dos RN não foi influenciado pela VMP, mas as gestantes a ela submetidas chegaram ao parto em melhores condições clínicas e hemodinâmicas. 2- Houve uma correlação significativa entre a data da VMP e data de nascimento no que concerne ao peso dos RN (p < 0,05)


165

IMPACTO NA REESTENOSE CLÍNICA DO IMPLANTE DE STENTS FARMACOLÓGICOS. ANÁLISE COMPARATIVA DOS STENTS REVESTIDOS COM RAPAMICINA E PACLITAXEL.


José Ary Boechat1, Júlio Andréa1, Leandro Cortes2, Filipe Goldberg2, Hélio Figueira1

1) Clínica São Vicente, Rio de Janeiro, Brasil 2) Hospital CardioTrauma, Rio de Janeiro, Brasil

Fundamentos: os stents revestidos com sirolimus (SES) e paclitaxel (PES) tornaramse a estratégia predominante no tratamento da doença coronária. As diferenças em eficácia e segurança tem sido observada em trials randomizado, necessitando de confirmação nos estudos no chamado “mundo real”. Objetivo: comparar a evolução hospitalar e tardia dos SES e PES na prática clinica diária. Materiais e métodos: de Jun/02 a Dez/05, 391 pacientes foram tratados por ICP exclusivamente com implante de SF. 184 pacientes submetidos a implante de SES (n=250 stents) e 207 a PES (n=287 stents). Sexo masculino (61,9 vs 69%, p=0,08) e >70 anos (29,8 vs 24,6%, p=0,1). Quadro clínico: angina estável (42,9 vs 48,7%, p=0,1), instável (40,7 vs 36,7%, p=0,2), infarto sem Q (11,9 vs 11,1%, p=0,4) e ATC primaria (3,2 vs 2,4%, p=0,4). Fatores de risco: diabetes (36,9 vs 38,1%, p=0,4), insuficiência renal (7 vs 7,2%, p=0,5), HAS (73,3 vs 76,8%, p=0,2), tabagismo (16,8 vs 14,4%, p=0,3), dislipidemia (72,8 vs 63,2%, p=0,02), infarto prévio (26 vs 25,6%, p=0,5) e ATC prévia (34,7 vs 34,2%, p=0,5). Características angiográficas: multiarteriais (59,2 vs 66,1%, p=0,09), disfunção do VE (21,1 vs 21,7%, p=0,4), lesões com trombo (8,1 vs 11,1%, p=0,2), >10 mm (76,6 vs 73,9%, p=0,3), calcificadas (30,9 vs 25,6%, p=0,1) e lesões tipo B2/C (73,9 vs 67,6%, p=0, 1). Vaso abordado: ACD (22,2 vs 28%, p=0,1), ACDA (64,1 vs 57,9%, p=0,1), ACX (17,3 vs 25,6%, p=0,03) e PS (3,2 vs 5,3%, p=0,2). Resultados: Sucesso angiográfico (100 vs 99%, p=0,2). Múltiplos stents (25,5 vs 36,7%, p=0,01), stent em lesão “de novo” (80,4 vs 85,9%, p=0,09), IVUS (49,4 vs 50,2%, p=0,4) e impactação >16 atm (68,4 vs 73,4%, p=0,1). No reflow (0,5 vs 1,4%, p=0,3), infarto pós (3,8 vs 4,8%, p=0,4), ausência de trombose subaguda, óbito (0,5 vs 0,9%, p=0,5) e cirurgia de emergência (0 vs 0,4%, p=0,5). Seguimento tardio em 83,6% dos pacientes com ECM em (4,2 vs 8,3%, p=0,09) e RLA (3,6 vs 6,5%, p=0,1). Conclusão: pacientes tratados com SES e PES apresentam taxas de revascularização e eventos comparáveis a longo prazo, sem diferença na incidência de óbito, trombose e infarto.


166

EXPERIENCIA DEL HOSPITAL UNIVERSITARIO DE CARACAS EN LA UTILIZACION DE STENTS RECUBIERTO INFINIUM® Y SUPRALIMUS®


Oscar D. Sánchez1, Victor Rodriguez1, José A. López1, Andrés Duplat1, César Ochoa1, Ana C. Hernández1

1) HOSPITAL UNIVERSITARIO DE CARACAS, CARACAS, VENEZUELA

INTRODUCCION Los stents recubiertos con sirolimus o paclitaxel han mostrado reducciones significativas en la tasa de restenosis, siendo en la actualidad utilizados mas frecuentemente en las intervenciones coronarias. Los stents Supralimus® e Infinium® tienen la misma plataforma (Matrix®), el mismo polímetro pero diferente tipo de droga. El presente estudio evalua la seguridad y eficacia de los stents Infinium® y Supralimus® en el tratamiento de las estenosis de novo, en arterias coronarias nativas mediante seguimiento clínico y angiográfico a 6 meses. METODOS Se evaluaron 65 pacientes del mundo real con enfermedad arterial coronaria significativa: a 44 pacientes se les implantaron stents Infinium® (grupo 1) y a 21 pacientes se les implantaron stents Supralimus® (grupo 2). El punto final primario fue la presencia de eventos cardiovasculares mayores compuestos por muerte cardiaca, infarto al miocardio o revascularización del vaso tratado y los puntos finales secundarios fueron: la restenosis angiográfica (definida como la estenosis intrasegmento e intrastent de por lo menos el 50 %) y la pérdida luminal mínima intrasegmento. RESULTADOS Se realizó seguimiento clínico en el 100 % de los pacientes entre los 6 y 12 meses de la implantación del stent, 9 meses en promedio. No se presentaron eventos cardiovasculares mayores compuestos tanto para el grupo 1 como para el grupo 2. Se trataron lesiones múltiples en el 65 % para el grupo 1 y en el 37 % para el grupo 2. Se trataron lesiones tipo B/C en el 93,5 % para el grupo 1 y en el 100 % para el grupo 2. la longitud promedio para ambos grupos fue de 17 mm. Se realizó seguimiento angiográfico en el 43,5 % (20 de 46) de los pacientes del grupo 1 y en el 38,1 % (8 de 21) de los pacientes del grupo del grupo 2. Se registraron 3 (15 %) restenosis intrastent y no se encontraron restenosis intrasegmento (0 %) en el grupo 1. Se presentó 1 (12,5 %) restenosis intrasegmento y ninguna restenosis intrastent (0 %) en el grupo 2. La pérdida luminal mínima encontrada para el grupo 1 fue de 0,18 mm (± 0,08) y para el grupo 2 de 0,14 mm (± 0,06). CONCLUSIONES En nuestros pacientes del mundo real estudiados no se encontró eventos cardiovasculares mayores a los 6 mese de seguimiento clínico. La restenosis angiográfica encontrada fue mayor en la reportada por otras publicaciones, probablemente debido al tratamiento de lesiones más complejas. La pérdida luminal mínima intrasegmento fue menor que la reportada.


167

STENT ENDEAVOR®: EXPERIÊNCIA INICIAL COM O USO DE UM NOVO STENT LIBERADOR DE ZOTAROLIMUS NO MUNDO REAL


PEDRO BERALDO1, FAUSTO FERES1, RICARDO CAVALCANTE1, ALEXANDRE ABIZAID1, LUIZ ALBERTO MATTOS1, RODOLFO STAICO1, LEANDRO LASAVE1, MARINELLA CENTEMERO1, ANDREA ABIZAID1, AMANDA SOUSA1, J. EDUARDO SOUSA1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

INTRODUÇÃO O stent Endeavor® compõe-se de uma plataforma de liga de cobalto, recoberta por fosforilcolina, com liberação de zotarolimus, um análogo do sirolimus.

Ensaios clínicos envolvendo grande número de pacientes demonstraram sua segurança, bom desempenho e eficácia na redução da hiperplasia neointimal.

OBJETIVO Reproduzir, no mundo real, em pacientes com predomínio de lesões complexas, os resultados obtidos em estudos randomizados com o uso do stent Endeavor®. MATERIAIS E MÉTODOS No período de janeiro a março de 2006, 100 pacientes consecutivos foram submetidos à intervenção coronária percutânea com implante de stent Endeavor®. Realizaram-se análises angiográficas quantitativas (QCA) pré e pós procedimento em 100% dos casos e ultrassom intra-coronário (USIC) pós implante de stent em 90% deles. Os pacientes serão submetidos a reestudo angiográfico e ultrassonográfico aos 6 meses, e seguimento clínico de 30 dias, 6 e 12 meses. RESULTADOS A idade média foi de 59±10 anos, sendo 66% do sexo masculino e 40% de diabéticos. Foram 126 vasos tratados, 146 lesões, uma relação de 1,7 stents por paciente, com sobreposição de hastes em 17% das lesões. Obteve-se 100% de sucesso do procedimento. Não houve complicações intrahospitalares maiores e a taxa de infarto enzimático peri-procedimento (sem aparecimento de nova onda Q) foi de 2%. No seguimento de 30 dias, a taxa de morte, infarto agudo do miocárdio e revascularização do vaso alvo foi de 0%. As características angiográficas e do USIC estão expressas na tabela. CONCLUSÃO Resultados preliminares pós procedimento e seguimento clínico de 30 dias confirmam a eficácia e segurança do uso do stent Endeavor® no tratamento de pacientes com doença arterial coronária em seus diferentes graus de complexidade.

QCA USIC
Descendente anterior 37% Extensão média 26,3±15,2mm Volume vaso 368mm³
Lesões B2/C 69% DLM pré 0,7±0,3mm Volume stent 203mm³
Diâmetro médio stent 2,9±0,4mm DLM pós 2,6±0,4mm Volume lúmen 203mm³
Balão final 28% Ganho agudo 1,8±0,4mm Média Área 5,8mm² ? 2,75mm luminal mínima
Stent direto 24,8% % Diâmetro estenose pós 8,4±2,9mm Má aposição persistente 4,9%


168

COMPARAÇÃO ENTRE UM STENT REVESTIDO COM POLÍMERO-SIROLIMUS E DOIS STENTS COM POLÍMERO-PACLITAXEL NO TRATAMENTO DA SÍNDROME CORONARIANA AGUDA: SUPERIORIDADE DO SIROLIMUS E EFEITO DE CLASSE DO PACLITAXEL?


Marco A Magalhães1, Pedro A Lemos1, João L Falcão1, Marco A Perin1, André G Spadaro1, Fúlvio Petrucci1, Ricardo Faraco1, Antônio E Filho1, Expedito E Ribeiro1, Eulógio E Martinez1

1) Instituto do coração(InCor)-HCFMUSP., São Paulo, Brasil

Fundamentos: A eficácia e segurança dos stents farmacológicos têm sido demonstradas para a maioria dos subgrupos clínicos. No entanto, sua utilização em pacientes com síndrome coronariana aguda tem sido pouco estudada, principalmente, quanto ao seguimento tardio. Objetivo: Comparar a incidência de eventos adversos aos 9 meses em pacientes tratados com stent revestido com sirolimus (CypherMR) ou com paclitaxel (TaxusMR e InfinniumMR) no contexto da síndrome coronariana aguda. Metodos: De 06/02 até 09/05, 181 pacientes consecutivos com síndrome coronariana aguda foram tratados com pelo menos um stent farmacológico. Destes, 175 receberam somente um tipo de stent e foram incluídos nesta análise. O stent Taxus foi utilizado em 67 casos (38%), o Cypher em 59 casos (34%) e o Infinnium em 49 casos (28%). No total, 64% tinham angina instável e 36% infarto agudo recente; a idade média foi 64±12 anos e 29% eram diabéticos. As características demográficas eram semelhantes entre os stents. Os pacientes foram acompanhados por uma mediana de 288 dias após o procedimento (seguimento tardio disponível para 98,6%). Resultados: Ao final de 9 meses, a incidência de óbito, (re)infarto, ou revascularização do vaso alvo foi 3,4% no grupo Cypher, 15,0% no grupo Taxus e 15,8% no grupo Infinnium (p=0,1). Não houve diferença entre os resultados de pacientes tratados com os dois stents com paclitaxel. Quando os resultados combinados dos dois stents recobertos com paclitaxel foram comparados com sirolimus, observou-se uma redução significativa da taxa de complicações com o último stent (3,4% vs. 15,3% respectivamente; p=0,035). Conclusões: O emprego de stent com sirolimus associou-se a uma redução do risco de eventos adversos aos nove meses, em comparação à stents com paclitaxel. No entanto, a taxa de eventos combinados dos 2 stents revestidos com paclitaxel nesta população foram similares. A hipótese de que diferentes stents revestidos com polímero-paclitaxel apresentem resultados semelhantes como reflexo de um efeito de classe deve ser testada em estudos randomizados combrobatórios.


169

INFLUÊNCIA DA ESTENOSE RESIDUAL NEGATIVA NOS DESFECHOS TARDIOS APÓS O IMPLANTE DE STENTS


Alexandre S. Quadros1, Fabiane Diemer1, Tatiane Lima1, Giuseppe De Lucca Jr1, Alexandra Bender1, Edson L. Minozzo1, Franklin Hanna1, Rogério Sarmento-Leite1, Carlos A.M. Gottschall1

1) Instituto de Cardiologia do RS / FUC, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução: A estenose residual negativa (ER-) no interior do stent está associada com piora do fluxo anterógrado e aumento da mortalidade em pacientes (pts) tratados em vigência de IAM. A influência da ER- na evolução clínica de pts com angina instável (AI) não foi estudada. Metodos: Estudo de coorte prospectivo com pts tratados com implante de stents coronarianos com AI. Todos os pts foram tratados com AAS, tienopirídinicos e heparina EV 100 UI/Kg durante o procedimento, e as decisões quanto à técnica dos implantes ficaram a cargo dos operadores. Foram excluídos pts com choque cardiogênico, balão intraaórtico e aqueles com ER>30%. A ER foi avaliada após o implante do stent, sendo que o grupo ERapresentava estenoses <0%, e o grupo controle apresentava ER 0-30%. As características clínicas, angiográficas, taxas de complicações e eventos cardiovasculares maiores (ECVM) (óbito, IAM, nova revascularização) foram avaliadas no período intrahospitalar e em um ano de seguimento clínico. Angiografia de controle foi realizada somente por isquemia recorrente. Resultados: As características clínicas de base dos grupos ER- (n=94) e CON (n=298) foram semelhantes, sendo que a idade média dos pts foi de 60,7±11,1, com 70% do sexo masculino. A média da estenose residual do grupo ER- foi -10,3±6,4 vs 2,14±5,2 no grupo CON (p<0,001). Os pts com ERapresentavam vasos menores (3,11±0,46 vs 3,37±0,42; p<0,001) e foram tratados com relação balão-artéria maior (1.05±0.09 vs 0,99±0,06), que foram os preditores independentes da presença de ER-. Não houve diferença estatisticamente significativa nos índices de sucesso (100% vs 98,7%), fluxo coronariano TIMI (100% vs 99,3%), taxa de ECVM intra-hospitalares (0% vs 0,6%) e trombose sub-aguda (1,1% vs 0,3%) nos dois grupos de pacientes. Em um ano, as taxas de revascularização (8,9% vs 7,9%) e ECVM também foram semelhantes (10% vs 10%). Conclusões: A presença de uma estenose residual negativa após o implante de stents coronarianos em pts com angina instável não está associada com piora do fluxo coronariano ou aumento de eventos cardiovasculares. Embora não tenha sido demonstrado aumento de risco, essa estratégia não associou-se a diminuição de eventos adversos, e não pode ser recomendada. Implantes em vasos menores e com maiores relações balão-artéria associaram-se à presença de uma estenose residual negativa.


170

EXISTE ALGUMA DIFERENÇA ENTRE OS VASOS FINOS E OS VASOS LARGOS NO TRATAMENTO DAS LESÕES COMPLEXAS COM STENTS LIBERADORES DE MEDICAMENTOS. UM ESTUDO COM ULTRA-SOM INTRACORONÁRIO TRIDIMENSIONAL.


Ricardo C. Silva1, Andrés G. Sanchez1, Leandro Lasalve1, Alexandre Abizaid1, Fausto Feres1, Rodolfo Staico1, Luiz A. Mattos1, Andréa Abizaid1, Amanda G.M.R. Souza1, J. Eduardo Souza1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil

Fundamentos: Os vasos finos (VF) são associados a maiores taxas de reestenose quando comparados aos vasos largos (VL) mesmo na era dos stents liberadores de medicamentos (SLM). Entretanto, ainda não temos informação se existe alguma diferença entre os VF e os VL no tratamento das lesões complexas. O objetivo deste estudo foi comparar o volume de hiperplasia neo-intimal entre os VF e VL nas lesões complexas ao Ultra-som Intracoronário Tridimensional (USIC-3D). Metodos: Em total, 52 pacientes (pt) com lesões de novo complexas, em 72 artérias coronárias nativas, foram tratados de forma consecutiva. Os pacientes foram divididos em 2 grupos de acordo com o diâmetro de referência (DR): grupo VF (DR ? 2,75mm) e grupo VL (DR > 2,75mm). Foi permitido o implante de mais de um stent por vaso. Os stents utilizados foram: stents liberadores de sirolimus (36 vasos) e de paclitaxel (36 vasos). A Angiografia Coronária Quantitativa (ACQ) e o USIC-3D foram realizados no momento do implante e 8 meses após o procedimento. Resultados: A idade média foi 60±10 anos, 29% eram diabéticos, não havendo diferenças significativas entre os dois grupos em relação às características clínicas. A média de stent por lesão foi 1,5 e 83% das lesões eram tipo B2/C. Conclusão: Nesta análise, a perda tardia e a HNI/mm de stent ao USIC-3D foi similar para os VF e os VL, no tratamento das lesões complexas com SLM.

ACQ VF (n=41) VL (n=31) p
Diâmetro referência (mm) 2,44±0,25 3,04±0,24 0,0001
Extensão stent (mm) 30,2±8,2 34,7±9,5 0,03
Perda tardia intra-stent (mm) 0,30±0,23 0,33±0,29 0,63
USIC-3D VF (n=41) VL (n=31) p
HNI (mm3) / mm de stent 0,59±0,55 0,83±0,75 0,12
Volume de obstrução do stent (%) 10,3±9,8 12,9±10 0,27


171

AVALIAÇÃO DO VOLUME DA PLACA ATEROSCLERÓTICA PELA ANGIOGRAFIA CORONARIANA E SUA INFLUÊNCIA NOS DESFECHOS TARDIOS APÓS O IMPLANTE DE STENTS CORONARIANOS


Alexandre S. Quadros1, Fabiane Diemer1, Tatiane Lima1, Giuseppe De Lucca Jr1, Alexandra Bender1, Edson L. Minozzo1, Franklin Hanna1, Rogério Sarmento-Leite1, Carlos A.M. Gottschall1

1) Instituto de Cardiologia do RS / FUC, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução: O volume da placa (VP) aterosclerótica pode ser mensurado pelo ultrassom intracoronariano, mas este é um método invasivo, que envolve custo adicional e não está disponível em muitos centros. Objetivo: Avaliar a relação entre o VP antes do implante do stent, conforme calculado pela angiografia, e desfechos clínicos em pacientes (pts) tratados com implante de stents coronarianos. Metodos: Estudo de coorte prospectivo. O VP antes do implante do stent foi avaliado pela seguinte fórmula: VP= ? X (comprimento da lesão) X [(DRV/2)2 - (DLM/2)2], onde ? é igual à 3,14, DRV é o diâmetro de referência do vaso em milímetros, e DLM é o diâmetro luminal mínimo da lesão em milímetros (Giugliano.Am J Cardiol 2005;95:173). Foram analisados somente pts com implante de um stent, sendo que angiografia de controle foi realizada somente por isquemia recorrente. O VP de pts com e sem eventos cardiovasculares maiores (ECVM) (óbito, IAM, nova revascularização) e nova revascularização do vaso alvo (RVA) em um ano de seguimento clínico foram comparados pelo teste de Mann-Whitney, sendo os preditores independentes de eventos foram identificados por análise de regressão logística múltipla. Um p<0,05 foi considerado significativo para todos os testes. Resultados: A média de idade dos 824 pts estudados foi de 60±11 anos, sendo 70% do sexo masculino. A apresentação clínica foi infarto agudo do miocárdio em 14%, angina instável em 62% e angina estável em 24%, sendo que 12% dos pts apresentaram comprometimento triarterial e 21% apresentavam diabete mélito. Em relação às características angiográficas da população estudada, a média do DRV foi de 3,3±3.2 mm, a média da extensão da lesão foi 10,2±4,7mm e a média da estenose residual pós-implante foi 1%±12%. Em um ano, ECVM ocorreram em 10,4% dos casos e RVA em 8,6%. Os pts que apresentaram ECVM em 1 ano apresentaram VP=92,84±42,85 vs 85±46,85 (p=0,03 após ajuste para diabete mélito, infarto agudo do miocárdio, DRV, extensão da lesão e comprometimento triarterial). Conclusões: Os pacientes com eventos cardiovasculares maiores em um ano apresentavam volume de placa aterosclerótica antes do implante do stent coronariano significativamente maior do que aqueles sem eventos. A mensuração do volume da placa pela angiografia pode fornecer uma nova perspectiva na avaliação de pacientes submetidos a intervenções percutâneas e com doença arterial coronariana.


172

A REVASCULARIZAÇÃO MIOCÁRDICA É O PRINCIPAL PREDITOR DA MELHORA DO ESTADO DE SAÚDE EM PACIENTES COM SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS


Emiliane N. Souza1, Alexandre S. Quadros1, Rogério Sarmento-Leite1, Rúbia Maestri1, Camila B. Albarrán1, Carlos A.M. Gottschall1 1) Instituto de Cardiologia do RS / FUC, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução: Os pacientes com angina instável (AI) e infarto agudo do miocárdio sem supradesnivelamento do segmento ST (IAMSST) são considerados um grupo homogêneo de pacientes (pts) pelas diretrizes atuais, mas o Questionário de Angina de Seattle (QAS) permite uma avaliação mais acurada do estado de saúde na doença arterial coronariana. Objetivo: Comparar os índices do estado de saúde pelo QAS em pts com AI e IAMSST, sua variação em seis meses e identificar os preditores de melhora. Metodos: Os pts foram incluídos no período de janeiro a junho de 2004. Os pts foram avaliados nas primeiras 24 horas da admissão e contatados 6 meses após a alta, para avaliação das características clínicas, laboratoriais, tratamento, QAS e desfechos. Os domínios analisados pelo QAS foram limitação física, freqüência da angina e qualidade de vida. As diferenças entre os grupos foram avaliadas pelo teste t e qui-quadrado e preditores de melhora dos índices do QAS foram identificados por análise multivariada. Resultados: Os pts com AI (n=246) apresentaram mais freqüentemente hipertensão arterial e IAM prévio do que o grupo IAMSST (n=66). O pico de CKMB foi maior no grupo IAMSST (15,1±13,6 U vs 5,3±9,7 U). A terapêutica dois 2 grupos foi semelhante, consistindo de AAS, heparina EV e betabloqueadores em >80% e revascularização hospitalar em 30%. Em 6 meses, metade dos pacientes foi tratada com revascularização miocárdica (percutânea ou cirúrgica) e a taxa de morte/IAM foi inferior a 10% em ambos os grupos. Na admissão hospitalar, os pts com AI apresentaram significativamente maior freqüência de angina e pior qualidade de vida do que aqueles com IAMSST. Em 6 meses, os dois grupos não apresentavam mais diferenças significativas nos escores de qualidade de vida, angina ou limitação física. A média da variação destes escores foi positiva nos dois grupos, embora os pts com AI tenham apresentado um aumento significativamente maior do que aqueles com IAMSST. Após ajuste para sexo, idade e co-morbidades, a revascularização miocárdica foi associada com melhora significativa da limitação física, freqüência da angina e qualidade de vida em 6 meses. Conclusões: Os pts com AI apresentam mais co-morbidades e piores índices de estado de saúde na admissão, sendo que em seis meses estas diferenças não estão mais presentes. O principal preditor de melhora da limitação física, angina e qualidade de vida é a revascularização miocárdica.


173

EVOLUÇÃO CLÍNICA TARDIA DE PACIENTES SUBMETIDOS A ANGIOPLASTIA COM STENTS FARMACOLÓGICOS EM ENXERTOS VENOSOS CORONARIANOS.


Micheli Z Galon1, Carlos A. Campos1, Marco A. Perin1, Expedito E. Ribeiro1, Luiz J. Kajita1, Antonio E. Filho1, Marcus Gama1, Pedro Horta1, Andre Spadaro1, Eulogio Martinez Filho1

1) Instituto do Coração-Incor/HCFMUSP, São Paulo-SP, Brasil

Fundamentos: Apesar do crescente uso dos stents farmacológicos em uma variedade de situações clinicas, a evolução tardia de pacientes com cirurgia de revascularização miocárdica prévia submetidos a angioplastia em lesões de novo tem sido pouco documentada. Metodos: A presente série é constituída por 33 pacientes com revascularização cirúrgica prévia tratados com implante de stent farmacológico (taxus, cypher ou infinnium). Em todos os casos, o stent foi implantado no enxerto venoso ou no leito nativo após a anatomose distal, através de enxerto venoso. Os pacientes foram avaliados prospectivamente durante a intervenção índice e, após a alta, através de revisão do registro clínico hospitalar ou contato telefônico. Resultados: A idade média dos pacientes era de 71,6±8,8 anos, 82% eram homens, 33% eram diabéticos, 42% tiveram infarto prévio e 36% apresentaramse com síndrome coronariana aguda. A idade média dos enxertos era de 11±4 anos; 21% eram “friáveis” à angiografia, 15% apresentavam trombos e 30% tinham lesões ulceradas. O fluxo coronariano inicial era TIMI 3 em 94% dos casos e em 100% ao término da angiolastia. Quanto a localização da lesão tratada, 18% era na anastomose distal, 21% na proximal, 40% no corpo, 21% no leito nativo após a anastomose. Após um seguimento médio de 494 dias, a mortalidade foi de 4,2% e a taxa de re-intervenção de 13,3%. Houve 1 trombose intra-stent no primeiro mês após o procedimento. Conclusões: O uso de stents farmacológicos em pacientes doença de enxerto coronário venoso é seguro, porém associada a taxas subótimas de eventos adversos tardios.


174

RESULTADOS INMEDIATOS DEL INTERVENCIONISMO EN SÍNDROME CORONARIO AGUDO CON ELEVACIÓN ST COMPLICADO


Juan A. Delgado1, Guillermo E. Blanco1, Boris E. Vesga2

1) Hospital Universitario San Vicente de Paúl, Medellín, Colombia 2) Universidad de Antioquia, Medellín, Colombia

Objetivo: Mostrar el impacto del intervencionismo percutáneo en la morbimortalidad inicial de los pacientes con Síndrome Coronario Agudo con Elevación ST (SCAST) complicado. Metodología: Se realizó un estudio descriptivo transversal, en pacientes con SCAST sometidos a intervencionismo primario en las primeras 12 horas de evolución durante los años 2000 a 2005, eventos que por su inestabilidad hemodinámica hayan requerido el uso de soporte con balón de contrapulsación intraaórtico (BPIA) y marcapaso transitorio (MT). Los datos fueron analizados utilizando medidas de frecuencia y promedios. Resultados: En el período evaluado se encontraron 48 casos de SCAST con intervencionismo primario, 30 (62,5%) fueron varones, con edad promedio de 59±12,1 años. Los factores de riesgo asociados fueron 17 (35,4%) casos de HTA, 11 (22,9%) de tabaquismo, 9 (18,8%) extabaquismo, 7 (14,6% dislipidemia y 7 (14,6%) diabetes. En 37 (77%) hubo infarto de cara anterior, el resto fueron inferiores. El vaso más frecuentemente intervenido fue la Descendente anterior con 43 (89,6%), 27 (56,3%) CD y 27 (56,3%) CX. En cuanto al compromiso hemodinámico al ingreso 7(14,5%) presentaban Killip I, 11 (22,9%) Killip III y 30 (62,5%) Killip IV. Por su estado clínico y hemodinámico en los 48 (100%) se utilizó BPIA, en 17 (35,4%) MT y 17 (35,4%) recibieron asistencia ventilatoria. Se registraron cinco desenlaces adversos, tres (6,3%) fatales y dos (4,2%) de perforación ventricular. Conclusión: La mortalidad en el SCAST complicado es alta. Sin embargo, la utilización oportuna del balón de contrapulsación intraaórtica y otras medidas complementarias como el implante de marcapaso transitorio permiten un apoyo adecuado en el Laboratorio de Hemodinamia permitiendo intervenir percutaneamente estos casos, con una morbimortalidad relativamente baja.


175

MARCADORES INFLAMATORIOS EN LA EVALUACIÓN DE LA ENFERMEDAD CORONARIA SEVERA


Boris E. Vesga1, Alfonso Cuervo1, Ruby Guanes2, Darío Echeverri1

1) Fundación CardioInfantil, Bogotá, Colombia 2) Velez Lab, Bogotá, Colombia

Introducción: La enfermedad coronaria (EC) se acompaña de un fenómeno inflamatorio en todas sus fases. Importantes avances existen en el valor pronóstico de los marcadores inflamatorios en síndromes coronarios agudos (SCA), mientras que en EC estable se desconoce la importancia de estos marcadores. Objetivo: Establecer si existe relación directa en pacientes con EC estable entre los valores de los marcadores inflamatorios (Proteína C reactiva de alta sensibilidad – PCR-hs, Interleukina 6 - IL-6 y fibrinógeno), con el número de vasos comprometidos, factores de riesgo (FR) y establecer comparaciones con los niveles hallados en el síndromes coronarios agudos (SCA). Metodología: Estudio observacional y analítico en enfermos coronarios estables y con evento agudo. Aprobado por los Comités de Investigación y Ética de la Institución. Ingresaron pacientes mayores de 45 años, EC comprobada por angiografía. Los marcadores inflamatorios fueron procesados en INMULITE® en Laboratorio Vélez Lab. El análisis estadístico se desarrolló de acuerdo a la distribución de las variables con la prueba exacta de Fisher, prueba t de Student y ANOVA. Resultados: Se incluyeron 126 sujetos, 61 con angina estable y 65 con SCA. 100 pacientes (79,4%) fueron varones y la edad promedio fue 62±9,9 años. En 92 (73%) se demostró dislipidemia, en 81 (64,3%) hipertensión, en 32 (25,4%) tabaquismo, y en 23 (18,3%) diabetes. Los marcadores inflamatorios fueron más altos en SCA (p<0,01): fibrinógeno 452±180,6 vs 359,6±105,8, IL-6 26,4±51,2 vs 3,4±4,2 y PCR-hs 5,3±5,6 vs 0,6±0,7. En la EC estable multivaso con 2 o más factores de FR se presentaron marcadores significativamente mas altos que los respectivos con enfermedad multivaso con menos de 2 FR y en vaso único: fibrinógeno: 379,2+/-118,2 vs 333,5+/-83,8 vs 360,4+/-110,1, IL-6: 4,1+/-5,5 v 2,8+/ -2.4 vs 2,4+/-1,4 y PCR-hs: 0,7+/-0,9 vs 0,4+/-0,4 vs 0,5+/-0,5 (p <0,01). Conclusión: La EC estable presenta unos valores más altos de marcadores inflamatorios, si se presenta como enfermedad de dos o más arterias principales y se asocia a factores de riesgo. Estos hallazgos tienen importantes implicaciones en la práctica clínica para la evaluación, seguimiento, y tratamiento de paciente con EC estable.


176

LESÃO DE TRONCO DE CORONÁRIA EAQUERDA: CONTINUA SENDO O NOSSO “CALCANHAR DE AQUILES NA ERA DOS STENTS FARMACOLOGICOS?


Rodrigo Verney1, Carlos E E Soares1, Andre L F Feijo1, Andre L S Sousa1, Nelson D F G Mattos1, João A Assad1, Constantino Gonzales1, Carlos H E Falcão1, Luiz A F Carvalho1

1) Hospital Pro-Cardíaco, Rio de Janeiro - RJ, Brasil

Introdução: O tratamento da lesão de tronco de coronária esquerda antes da “Era” dos stents farmacológicos, apresentavam alto percentual de complicação a médio prazo, devido a restenose, podendo levar a oclusão total e conseqüências fatais ao paciente. Objetivo: Avaliar os resultados clinicos a médio prazo dos pacientes submetidos a SF em lesão de TCE. Material e método: Trabalho retrospectivo com acompanhamento clinico a médio prazo. No período de jul/02 a jan/06, 39 pacientes (p) foram submetidos a angioplastia de tronco de coronária esquerda (TCE), sendo 25 p com implante de stent farmacologico (SF) e 14 p com implante de stent convencional (SC). A idade media foi de 71,8±9,8 anos no grupo SF e 71,7±8,5 anos no grupo do SC (p=0,97). O sexo masculino estava presente em 68% e 64 % dos pacientes, respectivamente. Em relação ao quadro clinico: (%) SF SC Angina instável 48 42,9 Angina estável 24 28,6 Isquemia silenciosa 12 21,4 IAM prévio 16 7,1 DMIND 32 28,6 Revasc. Miocardica 88 57,1 Hipert. Art. Sist. 68 71,4 Dislipidemia 56 50 Resultado: Houve 100% de sucesso em relação ao implante dos stents nos dois grupos. O percentual de estenose no grupo tratado com SF foi de 76±16,6% e no grupo SC foi de 80,6±11,9% (p=0,26). Foram implantados 27 stents no grupo dos SF e 14 stents no grupo dos SC. O diâmetro de referência médio foi de 3,2±0,3mm no grupo do SF com 3,4+0,4mm no grupo SC. Em relação ao comprimento médio da lesão, no grupo SF foi de 17,7±5,3mm, contra 14,6±4,4mm no grupo SC. Cinco pacientes que internaram com quadro de IAM associado a choque cardiogenico (4 pacientes SC e 1 paciente SF), evoluíram para óbito na fase intra-hospitalar. 1 paciente do grupo do SF após a alta hospitalar, apresentou oclusão subaguda e foi reinternado com IAM evoluindo para óbito. O acompanhamento clinico foi realizado em 77% dos pacientes do grupo tratado com SC e em 74% dos pacientes tratados com SF. Neste ultimo grupo foi observado 1 obito de causa não cardíaca e um paciente submetido a nova intervenção em outro vaso. Seis pacientes do grupo dos SC apresentaram restenose clínica, sendo submetidos a nova intervenção e tratados com stent farmacológico. Conclusão: O uso de stent farmacologico em lesões de tronco de coronaria esquerda melhoram o resultado clinico a médio prazo quando comparado aos stents convencionais, podendo ser a estratégia de escolha.


177

PROLIFERAÇÃO NEOINTIMAL NO STENT INFINNIUM: ESTUDO COM ULTRASONOGRAFIA INTRACORONÁRIA VOLUMÉTRICA 3D.


J. AIRTON ARRUDA1, BRUNO MOULIN MACHADO1, ALFREDO N FERREIRA FILHO1, ALAOR QUEIROZ ARAUJO FILHO1, FELIPE MOYSES2, VITOR PAZOLINE3, PAOLA PRETTI FERREIRA3, CARLOS PAZOLINE2, THADEU SESSA2, TARCISIO CAMPOSTRINI2, FLAVIA HERINGER2, PATRICIA ABAURRE1

1) INTERCATH MERIDIONAL, VITÓRIA-ES, BRASIL 2) CIAS, VITÓRIA-ES, BRASIL 3) HUCAM/EMESCAN, VITÓRIA-ES, BRASIL

Objetivo: Analisar o efeito do stent eluidor de paclitaxel Infinnium® na formação da neoíntima e na aposição incompleta tardia através de ultra-sonografia intracoronária 3D (USIC-3D). Metodos: Foram analisados 13 stents Infinnium® em nove pacientes (pt) que se tornaram sintomáticos por reestenose focal (1 pt) e progressão de doença aterosclerótica (8 pt). Esses stents foram comparados com 11 stents convencionais implantados em nove pt que também se tornaram sintomáticos por reestenose focal (3 pt) ou progressão de doença (6 pt). O USIC foi realizado utilizando-se o cateter Atlantis® 40 MHz, com velocidade de recuo automático a 0,5 mm/s. As imagens foram processadas “offline” através do sistema integrado ao CVIS – INDEC System, com reconstrução volumétrica tridimensional. Os segmentos dos stents convencionais que tinham obstrução percentual > 50% no QCA foram excluídos da análise. Os diâmetros e os percentuais de obstrução foram medidos através do QCA enquanto os volumes pelo USIC-3D. A análise estatística foi realizada através da ANOVA, com significância se p < 0,05. Resultados: O tempo de seguimento médio foi de 7,9 ± 2,0 meses no grupo Infinnium® e de 7,7 ± 2,1 para o grupo controle. Quatro pacientes que receberam stent Infinnium® também receberam stents convencionais e foram controles deles mesmos. Não foi observada aposição incompleta em nenhum dos grupos. Conclusões: nessa pequena casuística, o stent Infinnium® foi efetivo em inibir a proliferação intimal e não se associou a aposição tardia incompleta.

Infinnium® Stent convencional p
STENTS (n) 13 11
DR 2,73 ± 0,55 3,11 ± 1,35 0,36
DLM 1,81 ± 0,53 1,93 ± 1,14 0,70
% ESTENOSE 34 ± 21,8 48,7 ± 22,4 0,73
VS 173,4 ± 95,2 172,3 ± 112,8 0,98
VL 154,5 ± 82,5 117,7 ± 90,4 0,30
HI 18,9 ± 25,7 32,1 ± 46,6 0,27
%HI 9,2 ± 9,6 30,3 ± 32,2 0,03


178

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA CLINICA DOS STENTS FARMACOLÓGICOS NAS SINDROMES CORONÁRIAS AGUDAS


Costantino O Costantini1, Sergio G Tarbine1, Marcelo F Santos1, Rubens Z Darwich1, Sergey Lerner1, Marcos Denk1, Marcos Bubna1, Edna Duarte1, Anici Bellemer1, Lauro Rubini1, Costantino R Costantini1

1) Hospital Cardiologico Costantini, Curitiba - PR, Brasil

. Costantino O Costantini, Sergio G Tarbine, Marcelo F Santos, Rubens Z Darwich, Sergey Lerner, Marcos Denk, Marcos Bubna, Edna Duarte, Anici Bellemer, Lauro Rubini, Costantino R Costantini. Hospital Cardiologico Costantini Introdução: Múltiplos ensaios clínicos demonstraram que os stents farmacológicos (SF) são seguros e eficazes no tratamento da DAC crônica. Não obstante, ainda são escassos os dados referentes à utilização destes stents em pacientes com síndrome coronarianas agudas (SCA). Objetivo: Analisar o impacto a médio prazo (6 meses) dos SF quando implantados em pacientes que se apresentam em SCA. Métodos: Entre 5/2002 e12/ 2005 1420 SF foram implantados em 1413 vasos em 886pcts. Deste total de pcts, 276 apresentaram com uma SCA e os restantes com DAC crônica (DACC). Comparamos a incidência de reintervenção do vaso tratado (RVT), de óbito e de trombose do SF (TSF) há 6 meses nos dois grupos. Métodos estatísticos habituais forma utilizados para comparação. Resultados: Apesar de uma maior incidência de mulheres no grupo SAC vs. DACC (31.5 vs. 21.5, p=0.001) não houve uma diferença significativa nos outros dados demográficos (Idade: 64.3 } 11,1 vs. 64.9 } 11.8; diabetes: 29% vs. 26%; tabagismo: 23% vs. 27%; dislipidemia: 65% vs. 70%; historia familiar: 38% vs. 42%). A presença de doença de múltiplos vasos foi de 50% nos dois grupos. Os SF com paclitaxel representaram 76.2%vs.74.5%,p=NS. As lesões do grupo SCA eram mais complexas (tipo e”B2: 92.5% vs. 80.7%, p=0.02). A utilização de ultrasom intracoronario no implante dos SF foi similar nos dois grupos, 71.6% vs. 69.8%. O diâmetro médio do vaso tratado foi similar, 2.96 } 0.34 vs. 2.98 } 0.33, p=0.08. As lesões das SAC foram em geral mais longas; 24.19 } 7.36 vs. 25.22 } 7.01, p=0.01. Há 6meses, a taxa de RVT, de TSF e de óbito foi similar nos dois grupos, 7% vs. 8.5%, 0.69% vs. 0.8, 2.65% vs. 2.4%, respectivamente (p=NS para todas as comparações). Conclusão: Nesta analise retrospectiva, ao longo de 6 meses de seguimento clinico o implante de stents farmacológicos mostrou-se igualmente seguro e eficaz em pacientes com síndrome coronária aguda ou pacientes com doença arterial coronária crônica. Estudos prospectivos, randomizados em larga escala são necessários para determinar o verdadeiro impacto dos SF em pacientes com SCA.


179

IMPACTO CLÍNICO DA UTILIZAÇÃO DO ULTRASOM INTRACORONARIO DURANTE O IMPLANTE DE STENTS NA ERA DOS STENTS FARMACOLÓGICOS


Costantino R Costantini1, Rubens Z Darwich1, Sergio G Tarbine1, Marcelo F Santos1, Edna Duarte1, Marcos Medeiros1, Antonio A Silveira1, Marcos A Denk1, Josiane Miranda1, Lauro Rubini1, Costantino O Costantini1

1) Hospital Caridologico Costantini, Curitiba - PR, Brasil

Introdução: Os stents farmacológicos (SF) já demonstraram ser muito eficazes no tratamento da doença arterial coronária crônica. Não obstante, eventos adversos relacionados aos SF ainda são observados. Objetivo: Analisar os fatores clínicos e/ou angiográficos preditores da falha destes stents. Métodos: Analisamos 886pcts submetidos ao implante SF entre 5/2002e12/2005. 1420 SF foram implantados em 1413 vasos. Avaliamos os preditores da falha do vaso tratado (FVT) pela analise univariada ou multivariada. FVT foi definida como reintervenção do vaso tratado, trombose do stent e/ou óbito. Os preditores independentes de FVT foram determinados mediante analise de regressão logística stepwise. Resultados: Idade média foi 64,5 }11,3; 24% eram mulheres; 27% diabéticos, 26%tabagistas; 68% dislipidemicos; 70% hipertensos; 21% angina estável; 50% doença de vasos múltiplos. SF com paclitaxel representaram 74%; 90% das lesões eram ?B2; 49% bifurcações. 63% foram predilatadas. O diâmetro médio do vaso 2.97 }0.33, sendo 74% lesões longas. O ultrasom intracoronario (USIC) utilizado em 70%. 66% dos SF necessitaram pós-dilatação e 13% reintervenção. A taxa a 6 meses de revascularização da lesão e do vaso tratado foi de 5%e7% respectivamente. A trombose do stent foi 0,07% e óbito 1,7%. A taxa de FVT foi 0,9%. Pela analise univariada, dislipidemia (p=0.03), lesão ostial (p=0.03) e utilização do USIC (p=0.02) foram preditores de FVT. Na analise multivariada o único preditor de FVT foi utilização do USIC durante o procedimento (p=0.03, OR=0,66, IC95%=0,45-0,98). Conclusão: Nesta analise retrospectiva de pcts submetidos ao implante de SF, a não utilização do USIC durante o implante foi o único preditor independente de falha do vaso tratado.


180

SEGURANÇA E EFICÁCIA DE STENTS LIBERADORES DE MEDICAMENTOS COMPARADOS A STENTS CONVENCIONAIS NO TRATAMENTO DE LESÕES EM PONTES DE SAFENA


Dimytri A. Siqueira1, Alexandre A. Abizaid1, Luiz A. Mattos1, Fausto Feres1, Julio P. Maia1, Alberto Fonseca1, Galo A. Maldonado1, Manuel N. Cano2, Rodolfo Staico1, Adriana C. Moreira2, Amanda G.M.R. Sousa1, J. Eduardo Sousa1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo-SP, Brasil 2) Hospital do Coração - Associação do Sanatório Sírio, São Paulo-SP, Brasil

Fundamentos: A intervenção coronária percutânea ( ICP ) com implante de stents em pontes de safena ( PS ) associa-se a uma maior incidência de complicações peri-procedimento e de reestenose em relação à ICP em lesões localizadas em artérias nativas. A segurança e eficácia de stents liberadores de medicamentos ( SLM ) no tratamento de lesões em pontes de safena ainda não são bem determinados. Objetivo: Avaliar a segurança e eficácia de SLM no tratamento de lesões localizadas em PS comparados a stents convencionais ( SC ). Metodos: No período de jan/ 2002 a dez/2004, 193 pacientes ( pts ) consecutivamente submetidos ao implante de stents em PS foram divididos em 2 grupos: 1) 89 pts / 94 PS tratados com SLM ( 70 com sirolimus e 24 com paclitaxel ) e 2) 104 pts / 104 PS tratados com stents convencionais. As evoluções intra-hospitalar e após 1 ano de seguimento clínico foram analisadas. Resultados: A idade média foi de 67 ± 10,5 anos, sendo 76% homens e 38 % diabéticos. Não foram encontradas diferenças clínicas e angiográficas entre os 2 grupos. As lesões foram pré-dilatadas em 28% e lesões ostiais foram tratadas em 27% dos casos. A evolução intra-hospitalar ( morte, infarto não Q e trombose aguda ) e a ocorrência de eventos cardiovasculares maiores no seguimento ( revascularização de lesão-alvo, infarto e óbito cardíaco ) estão na tabela abaixo. Conclusões: A utilização de stents liberadores de medicamentos no tratamento de lesões localizadas em pontes de safena mostrou-se segura, porém não esteve associada a menor taxa de eventos cardíacos após seguimento clínico de 1 ano. Estudos de custo-efetividade são necessários para comprovar a superioridade de SLM neste subgrupo de pacientes.

SLM SC p
INTRA-HOSPITALAR
Trombose aguda % 0 0 NS
IAM não Q % 0,89 3,12 0,7
Óbito % 0,89 1,04 0,9
1 ANO
RLA % 2,82 6,24 0,7
IAM¨% 0,89 1,04 0,9
Óbito % 3,56 4,16 0,8
Eventos combinados % 7,12 11,4 0,7


181

INTERVENÇÃO CORONÁRIA PERCUTÂNEA NOS PACIENTES IDOSOS COM INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO.


Marcello Augustus de Sena1, Angelo Leone Tedeschi1, Rodrigo Trajano Sandoval Peixoto1, Bernardo Kremer Diniz Gonçalves1

1) Hospital Procordis, Niterói - RJ, Brasil

Fundamento: Embora a intervenção coronária percutânea (ICP) primária melhora a sobrevivência dos pacientes com infarto agudo do miocárdio (IAM) com supra ST, existe uma atitude conservadora no tratamento dos pacientes idosos. Métodos: Análise da evolução intra-hospitalar dos pacientes idosos (>65 anos) com IAM com supra ST, que realizaram ICP primária no período de 1999 e 2005, e comparação com os pacientes mais jovens (≠£65 anos). Resultados: Selecionados 585 IAM com ICP primária, sendo 256 (43,8%) de idosos e 329 (56,2%) de mais jovens.Tabela. Conclusões: Apesar da maior mortalidade, a estratégia agressiva nos idosos, com IAM com supra ST, demonstrou expressiva alta hospitalar de 83,1%, em pacientes multiarteriais, com elevada complexidade das lesÃ?es e significativa presença de choque cardiogênico.

Idosos(256) Jovens(329) p
Idade(anos) 74,3+-6.2 54.8+-6.9 <0.001
Sexo Feminino 110(43,0%) 75(22.8%) <0.001
Choque cardiogênico 55(21.5%) 37(11.2%) 0.001
Diabetes 73(28.6%) 83(25.3%) 0.37
Tabagismo 60(23.5%) 156(47.9%) <0.001
Uniarterial 63(24.6%) 141(42.9%) <0.001
Stent 211(82.7%) 271(82.6%) 0.99
Lesão Longa 151(59.2%) 182(55.3%) 0.04
Âmbito intra-hospitalar 45(16.9%) 18(4.3%) <0.001


182

EVOLUCIÓN INTRAHOSPITALARIA DE PACIENTES MAYORES DE 75 AÑOS SOMETIDOS A ANGIOPLASTIA PRIMARIA


Oscar R Codutti2, Marcelo A Agüero1, Manuel S Sanjurjo2, Pablo D Liva1, Jorge A Baccaro1, Jorge I Parra1

1) Instituto de Cardiologia de Corrientes “Juana F. Cabral” , Corrientes, Argentina 2) Cordis “Instituto del Corazón”, Resistencia, Argentina

Objetivo: Evaluar la influencia de la edad en la evolución intrahospitalaria de pacientes que ingresaron a nuestros centros con diagnóstico de Infarto agudo de miocardio dentro de las 12 hs de comenzado los síntomas y que fueron tratados con angioplastía primaria. Material y metodos: Se incluyeron en forma prospectiva todos los pacientes con diagnostico de infarto desde febrero de 2001 a febrero de 2006, que fueron tratados con angioplastia primaria. La población se dividió en dos grupos: mayores y menores de 75 años. Se analizaron caracteristicas basales, datos del procedimiento y evolución intrahospitalaria. Análisis estadístico: Las variables contínuas son expresadas en media (± DS) y fueron analizadas con test de la T. Las variables dicotómicas son expresadas en porcentaje y fueron analizadas con el test del chi cuadrado. Se realizo analisis multivariado con test de regresión logística para determinar predictores independientes de mortalidad intrahospitalaria. Resultados: Se incluyeron un total de 312 pacientes (p), de los cuales 32 p eran mayores de 75 años (10,5%). Las características demográficas de ambos grupos se expresan en la tabla. No existieron diferencias en cuanto a la localización del IAM, presentando una tendencia no significativa a mayor compromiso hemodinámico en el grupo mayor de 75 años ( KK mayor a A 60% versus 50%). El éxito de la angioplastia fué similar en ambos grupos (84,4% versus 92,6%), siendo también similar la utilización de stent ( 50% versus 42,4%). Las tasas de angina post-infarto, re-infarto y necesidad de nueva angioplastia fueron similares en ambos grupos La mortalidad de los mayores de 75 años fue de 26,9% y en los menores de 75 años de 11,1 % ( p:0,03). En el análisis multivariado la edad mayor a 75 años (p: 0,003) y la clase KK (p <0,001) se identificaron como predictores independientes de mortalidad intrahospitalaria. Conclusiones: Los pacientes mayores de 75 años sometidos a angioplastia primaria, duplican la mortalidad de los pacientes más jóvenes a pesar de similar exito primario del procedimiento.

Variables > de 75 años < de 75 años Valor de p
Sexo Femenino 37,5% 20,6% 0,03
Diabetes 31,3% 29,3% ns
Tabaquismo 34,4% 58,5% 0,008
Hipertensión 78,1% 67,8% ns
Dislipidemia 40,6% 55% ns
IAM previo 18% 18% ns
Angioplastia previa 13% 6% ns


183

RESULTADOS CLÍNICOS TEMPRANOS EN PACIENTES DEL “MUNDO REAL” CON IMPLANTACIÓN DE STENTS MEDICADOS. REGISTRO DREST.


Juan J. Arango1, María F. Villegas2, Marisol Badiel2, Jorge G. Velásquez1, Camilo Arana1, Eliana Manzi2

1) Fundación Valle del Lili, Cali, Colombia 2) Instituto de Investigaciones Clínicas, Cali, Colombia

Objetivo: Evaluar los resultados clínicos a uno y seis meses en pacientes consecutivos en quienes se implantaron stents medicados. Diseño: Estudio de cohorte prospectiva. Metodos: Se incluyeron pacientes consecutivos a quienes se les implantó un stent medicado (recubierto con Sirolimus o Paclitaxel) como indicación de tratamiento por enfermedad coronaria. Se recolectó información sociodemográfica, angiográfica del procedimiento y seguimiento clínico a uno y seis meses. El protocolo de manejo farmacológico estándar incluye uso de clopidrogel por 9 meses. El desenlace principal fue la presentación de cualquier evento cardiovascular mayor (infarto no fatal, angina que requirió hospitalización, necesidad de revascularización o muerte) a uno y 6 meses. El DREST es un registro basado en una aplicación en la web, exportable a un formato de base de datos que se procesó en Stata® v.8.0 Este estudio fue aprobado por el IRB/EC institucional. Resultados: Entre Junio 28- 2002 y Octubre 15-2005 se han implantado 381 stents medicados en 253 pacientes (1.5 stents/paciente). El 67.6% de los pacientes fueron hombre, la edad promedio global 61.8± 10.2 años, el 19.8% eran diabéticos, 13% fumador actual, el 66% dislipidémicos y 58.5% hipertensos. Las indicaciones más frecuentes del procedimiento fueron angina estable (44.3%) e inestable (38.9%). EL vaso más frecuentemente tratado fue la anteria descendente anterior (56.6%). El 55% fueron lesiones tipo B, el 38.7% fueron tipo C. Del total de stents, el 60% fueron recubiertos con Sirolimus (Cypher®) y el 40% con Paclitaxel (Taxus®), el éxito primario de la implantación de los stents fue del 99.5%. Al egreso hospitalario un paciente presentó trombosis del stent. La tasa del combinado de eventos cardiovasculares mayores a un mes fue de 5.1% y a 6 meses del 7.7%. A uno y seis meses respectivamente, la probabilidad de estar libre de angina inestable fue 97.1% y 91.7%, libre de infarto agudo del miocardio fue 99.6% y 99.1, libre de necesidad de revascularización 98.8% y 96.5% y de sobrevida 99.2% y 98.7%. A 6 meses el 99% de los pacientes están en clase funcional I y II. Conclusiones: En pacientes consecutivos no seleccionados que tienen indicación de uso de stents intracoronarios medicados, los resultados clínicos a 6 meses muestran que la probabilidad de estar libre de angina inestable es del 91.7%, de estar libre de revascularización es del 96.5% y la probabilidad de sobrevida es del 98.7%.


184

ANGIOPLASTIA COM IMPLANTE DE STENTS CAROTÍDEOS SOB PROTEÇÃO CEREBRAL EM PACIENTES DE ALTO E BAIXO RISCO CIRÚRGICO.


Roberto Luís Fávero1, Rogério de Barros Wanderley1, Leandro de Carvalho Pereira1, Augusto Daige da Silva1, Vanessa dos Santos Vagula1

1) CardioVascular Diagnósticos Dourados MS, Dourados-MS, Brasil

1) Introdução: Estudos recentemente publicados, tem demonstrado resultados similares ou melhores com angioplastia e implante de stents carotídeos(ASC) sob proteção cerebral, comparados com a endarterectomia carotídea(EC), nos pacientes considerados de alto risco cirúrgico(ARC). Nos pacientes de baixo risco(BRC) para a EC, os dados publicados são mais escassos. 2) Objetivo: Demonstrar os resultados obtidos com ASC em uma série consecutiva de 100 pacientes com doença obstrutiva carotídea, de alto e baixo risco cirúrgico para EC. 3) Material e Metodos: De setembro de 2001 a março de 2006, 100 pacientes consecutivos submeteramse à ASC. No início da série foram tratados somente pacientes de alto risco cirúrgico, sendo que o bom resultado obtido nestes casos, tem levado ao aumento progressivo das intervenções nos pacientes de baixo risco, por opção dos médicos assistentes e/ou pacientes. 76 pacientes eram de alto risco, e 34 pacientes de baixo risco. 64% eram homens, com idade média de 67,3 anos, sendo 88% sintomáticos. Em todos os casos utilizaram-se filtros como sistemas de proteção cerebral. O acesso foi femoral ou braquial percutâneo, de acordo com as condições anatômicas. Avaliou-se a incidência de eventos cardio e cérebro-vasculares maiores(MACCE) em 30 dias, assim como intercorrências menores. 4) Resultados: Obteve-se suceesso angiográfico e clínico (estenose residual <20%, sem resgate neurovascular) em 100% dos pacientes. Não ocorreram óbitos, acidentes vasculares cerebrais(AVC) maiores ou infartos agudos do miocárdio(IAM) relacionados ao procedimento, na população estudada. Observamos dois AVC menores em pacientes de ARC, ambos sem seqüelas maiores em 30 dias. Um paciente de 91 anos apresentou hematoma subdural espontâneo, provavelmente secundário a medicação antiplaquetária, tendo sido necessária drenagem cirúrgica. Nos pacietes de BRC(n=34) não ocorreram MACCE. 5) Conclusão: A angioplastia com implante de stents mostrou-se segura e eficaz no tratamento da doença arterial obstrutiva carotídea. Nesta série, não observamos diferenças significantes nos resultados obtidos entre pacientes de ARC e BRC.


185

NEFROPATIA INDUZIDA POR CONTRASTE E USO PRÉVIO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO-ESTERÓIDES


Vitor Gomes1, Ricardo Lasevitch1, Ana Krepsky1, Marcelo Arndt1, Maria Cláudia Guterres1, Rúbia Vanceta1, Luciano Diogo1, Michelle Biehl1, Patrícia Hickmann1, Paulo Caramori1

1) Centro de Pesquisa Cardiovascular, Hospital São Lucas - PUCRS, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução Procedimentos radiológicos que utilizam contraste podem ocasionar perda aguda da função renal. Existem fatores de risco conhecidos para desenvolvimento de Nefropatia Induzida por Contraste (NIC), porém não há estudos avaliando a associação entre anti-inflamatórios não-esteróides (AINE) e NIC. Sabe-se que o uso de AINE está associado com insuficiência renal aguda. Desta forma, uso prévio de AINE poderia ser fator de risco para desenvolvimento de NIC. O objetivo desse estudo é verificar a possível associação entre uso prévio de AINE e desenvolvimento de NIC em pacientes submetidos a cateterismo cardíaco. Métodos Esse é um estudo de Coorte, prospectivo, envolvendo pacientes internados de ambos sexos, maiores de 18 anos, que realizaram cateterismo cardíaco no HSL, entre dezembro/2005 e março/2006. A creatinina sérica foi dosada em todos os pacientes pré-procedimento e 48h após o procedimento e foi considerado NIC o aumento de 0,5mg/dl na creatinina sérica 48h após o procedimento. As variáveis incluídas na análise multivariada foram diabete mellitus, insuficiência cardíaca, hipertensão arterial sistêmica, uso de diuréticos e de AINE nos últimos 7 dias. Todos os pacientes receberam hidratação com SF 0,9% na dose de 1ml/Kg/h até 12h após o procedimento. Resultados A amostra é composta de 206 pacientes com idade média de 61,6 anos, sendo 57,6% do sexo masculino, destes 21,5% (44 pacientes) vinham em uso de AINE. A creatinina média basal foi 1,24mg/dl. A incidência total de NIC foi 6,2% (13 pacientes). Nos pacientes que fizeram uso de AINE, a incidência de NIC foi 4,3% e 1,9% nos que não tinham história de uso de AINE (p=NS). A análise multivariada por regressão logística apresentou associação de NIC com uso de diuréticos com OR = 7,38 ( IC95%=1,98-298,8) p=0,04, o OR para o uso de AINE foi de 2,6 (IC95%= 0,6-10) p=NS. Conclusão Nessa análise interina, não observamos associação entre uso de AINE e NIC. Entre as variáveis analisadas o uso de diurético prévio ao procedimento foi associada ao desenvolvimento de NIC.


186

INCIDÊNCIA DO USO DE STENTS COM LIBERAÇÃO DE MEDICAMENTOS NA AMÉRICA LATINA: PODERÍAMOS TER UM MELHOR DESEMPENHO? (REGISTRO SOLACI)


Sousa A 1, Berrocal D 2, Buitrón F 3, Peña I 4, Marchant E 5, Ribeiro E 6, Belardi J 7, Suárez A 8, Londero H 9, Sousa JE 1, em nome dos participantes do Registro SOLACI.

1. Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia – Brasil; 2. Hospital Italiano de Buenos Aires - Argentina; 3. Asociación Española 1ª de Socorros Mutuos – Uruguay; 4. Policlínica Metropolitana - Venezuela; 5. Hospital Clínico Pontificia Universidad Católica de Chile - Chile; 6. Hospital Säo Luiz - Unidade Morumbi – Brasil; 7. Instituto Cardiovascular de Buenos Aires – Argentina; 8. Hospital Militar Central - Colombia; 9. Sanatorio Allende - Argentina Sociedade Latino-Americana de Cardiologia Intervencionista

Fundamentos: Apesar de disponíveis desde 2002, na maioria dos países da América Latina, não se tem um exato perfil da penetração dos stents liberadores de medicamentos (SLM), na prática do intervencionismo coronário, no continente. Assim, buscamos investigar, no Registro SOLACI, como tem sido a aplicação destes SLM. Métodos: Questionários anuais consecutivos foram enviados a 651 laboratórios, de 20 paises latino-americanos registrados no banco de dados. Resultados: De 2003 a 2005, 18.923 pacientes foram tratados com SLM, distribuídos conforme tabela.

País (*) Penetração dos SLM (%)
2003 2004 2005
Argentina 10 17,4 20,0
Brasil 12 15,6 23,3
Uruguai 7,0 10,4 34,7
Colômbia 14,8 14,0 13,3
Venezuela 10,6 51,3 53,9
México 7,8 59,3 32,6
Porto Rico 7,4 99,0 NR
* país com penetração > 10% em 2005

Conclusões: 1) Observa-se uso crescente dos SLM, na maioria dos países latinoamericanos, de 2003 a 2005. 2) Há grande disparidade no uso dos SLM no continente. 3) Possíveis causas desta disparidade: preço; reembolso; concorrência de diferentes tipos de SLM; nível de gastos nacionais com Saúde; grau de impacto dos resultados dos estudos clínicos. 4) A atenuação de uma ou mais causas deverá influenciar favoravelmente o uso dos SLM (vide Venezuela e Porto Rico).


187

EFICÁCIA DOS STENTS LIBERADORES DE MEDICAMENTOS NO TRATAMENTO DOS CORONARIANOS MULTIARTERIAIS: UM ANO DE SEGUIMENTO.(REGISTRO SOLACI)


Sousa A 1, Berrocal D 2, Ban Hayashi E 3, Buitrón F 4, Marchant E 5, Ribeiro E 6, Belardi J 7, Suárez A 8, Londero H 9, Sousa JE 1, em nome dos participantes do Registro SOLACI.

1. Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia – Brasil; 2. Hospital Italiano de Buenos Aires – Argentina; 3. Instituto Nacional de Cardiología Ignacio Chávez - México; 4. Asociación Española 1ª de Socorros Mutuos – Uruguay; 5. Hospital Clínico Pontificia Universidad Católica de Chile - Chile; 6. Hospital Säo Luiz - Unidade Morumbi – Brasil; 7. Instituto Cardiovascular de Buenos Aires – Argentina; 8. Hospital Militar Central - Colombia; 9. Sanatorio Allende - Argentina Sociedade Latino-Americana de Cardiologia Intervencionista

Fundamentos: A eficácia tardia dos stents liberadores de medicamentos (SLM) no tratamento da doença coronária multiarterial (DCoM) não está bem estabelecida. Para investigar esta questão, avaliamos o seguimento de um ano, dos paciente (P) com DCoM tratados com SLM, incluídos no Registro SOLACI, em 2004,. Métodos: Questionários específicos foram enviados aos laboratórios registrados no banco de dados. Resultados:37.861P foram tratados com stents, em 2004, sendo que 7.506 (19,8%) receberam SLM. Destes, 838 (11,2%) eram multiarteriais (247 P tratados com Cypher® e 591 P com Taxus®) e apresentavam seguimento de um ano. Os resultados tardios encontram-se na tabela.

Cypher (n=247P) Taxus (n=591P)
Diabetes (%) 38,5 34,9
SCA (%) 41,3 39,4
FE<40% (%) 24,3 23,9
Vasos tratados/P 1,89 1,62
Eventos cardíacos maiores (360 dias)
óbito (%) 1,72 3,49
infarto (%) 3,02 2,33
nova revascularização (%) 6,03 10,1
Trombose protética (%) 1,24 1,21

Conclusões: 1) Os SLM no tratamento de pacientes coronarianos multiarteriais são eficazes e seguros, com baixas taxas (< 10%) de nova revascularização tardia e de trombose protética (<1,3%), em um ano de evolução. 2) Estudos randomizados comparando esta alternativa de revascularização percutânea às outras opções de tratamento devem estabelecer a eficácia relativa destes novos instrumentais, neste nicho de indicação.



TEMAS LIVRES CARDIOPEDIATRIA APRESENTAÇÃO


188

INTERVENCIONISMO POSTQUIRÚGICO TEMPRANO EN CIRUGÍA CARDIACA PEDIÁTRICA CON ESTENOSIS Y CORTOCIRCUITOS RESIDUALES


Ana M Cadavid1, Rafael Lince1, Luis H Díaz1

1) Centro Cardiovascular Colombiano Clínica Santa María, Medellín, Colombia

Introducción: Las intervenciones percutáneas son una alternativa de tratamiento en niños con cardiopatía congénita, su riesgo es generalmente bajo excepto en neonatos y pacientes postquirúrgicos. El intervencionismo perioperatorio agudo es una opción en pacientes críticamente enfermos con estenosis o cortocircuitos residuales postquirúrgicos en quienes el riesgo de reintervenir es mayor o la lesión inabordable quirúrgicamente, su éxito depende principalmente del manejo interdisciplinario y la experiencia del grupo. Metodología: Se evaluaron 25 pacientes a quienes se les realizó entre 1999 y 2005 un procedimiento intervencionista intraoperatorio o en las primeras 8 semanas postquirúrgicas por estenosis o cortocircuitos residuales. Resultados: Se realizaron 31 procedimientos en 25 pacientes, 60% de sexo masculino. Mediana de 6 meses para la edad (12 días a 15 años), 5.4Kg para el peso (2.7 a 42) y 2 días para el tiempo postquirúrgico (30 minutos a 30 días). El 76% en ventilación mecánica y 80% con soporte inotrópico. Los diagnósticos más comunes atresia pulmonar y tricuspídea (44%) y la cirugía más frecuente la anastomosis cavopulmonar (Glenn) en un 25%. La principal indicación de intervencionismo fue estenosis arterial pulmonar (48%). Se realizaron 2 embolizaciones, 2 valvuloplastias pulmonares, 2 atrioseptostomías, 8 angioplastias y 17 implantaciones de stent. 4 procedimientos fueron intraoperatorios bajo circulación extracorpórea. El 54% de los procedimientos involucraron líneas de sutura en vasos nativos y 76% de los stent fueron en arterias pulmonares. El 87% de los procedimientos fueron exitosos. Se presentaron complicaciones en 10 pacientes, 60% relacionadas con sangrado. La mortalidad relacionada con el procedimiento fue del 8% (2 pacientes) por hemotórax masivo secundario a ruptura arterial durante la angioplastia y disociación electromecánica por manipulación. Se ha realizado seguimiento en 88% de los pacientes entre 4 meses y 6 años. Dos pacientes fueron llevados a un nuevo tiempo quirúrgico, 23 permanecen sin obstrucción y se redilataron 2 stent con éxito. Conclusión: El intervencionismo perioperatorio es una opción de tratamiento en pacientes críticamente enfermos con alto riesgo o lesiones de difícil abordaje quirúrgico. La angioplastia e implantación de stent en estenosis residuales se puede realizar a través de líneas de sutura recientes y permite redilataciones futuras. La embolización de cortocircuitos residuales es segura y eficaz.


189

NOVAS TÉCNICAS PARA ATRIOSEPTOSTOMIA EM NEONATOS E LACTENTES


Juliana R Neves1, Carlos AC Pedra1, Simone Fontes Pedra1, Carlos R Ferreiro1, Tãmara C Martins1, Ieda B Jatene1, Luis Carlos B Souza1, Marcelo Jatene1, Renato Assad2, Valmir Fontes1, Justo J S Peña1, Daniel Guilherme Arnoni1

1) Hospital do Coração da Associação Sanatório Sírio, São Paulo - SP, Brasil 2) Hospital Samaritano, São Paulo - SP, Brasil

A atrioseptostomia (AST) com cateter-balão de Rashkind (CBR) tem limitações quando há espessamento do septo interatrial (SIA), SIA intacto e interrupção da porção hepática (IPH) da veia cava inferior (VCI). Descrevemos novas técnicas para abordagem destas situações. De 01/2003, 7 pacientes (pts) (mediana 1 mês), 5 com transposição das grandes artérias (TGA) e 2 com hipoplasia do coração esquerdo (HipoVE) pós paliação híbrida foram submetidos a novas técnicas de AST. Três pts com TGA possuíam SIA espesso, 1 SIA intacto e 1 IPH da VCI. Os 2 pts com HipoVE possuíam comunicação interatrial (CIA) restritiva. No pt com IPH da VCI, realizou-se acesso transhepático seguido da dilatação do SIA (balão 12mm) e AST com CBR. No pt com TGA/SIA intacto realizou-se punção transeptal com agulha sob monitoração do eco. Neste e nos outros pts com TGA/SIA espesso, o procedimento (proc) foi completado com dilatação do SIA com “cutting-balloon” 8mm, balão 12mm e CBR. Nos 2 pts com HipoVE/CIA restritiva foram implantados stents Gênesis 6mm no SIA monitorados pelo eco, 1 pós punção transeptal com radiofreqüência. Todos proc foram completados sem complicações. Em um pt com HipoVE o stent ficou fora de centro. Após o proc, não houve gradientes significativos pelo SIA e houve aumento da saturação de 63±10 para 78±12%. No pt com TGA/ IPH da VCI, o trajeto intrahepático foi ocluído com coils. Na evolução, realizouse correção cirúrgica em todos pts com TGA. Os 2 pts com HipoVE apresentaram gradientes pelo stent no SIA. Um deles foi submetido à fase II com 3 meses com sucesso e outro aguarda este proc. As novas técnicas de AST são exeqüíveis, seguras e eficazes, promovendo a estabilização clínica necessária para a obtenção de melhores resultados cirúrgicos em pts com TGA e HipoVE.


190

PROCEDIMENTOS HÍBRIDOS PARA HIPOPLASIA DO CORAÇÃO ESQUERDO


Carlos A C Pedra1, Carlso R Ferreiro1, Juliana Neves1, Marcelo Jatene1, Luis Carlos B Souza1, Simone R F Pedra1, Ieda B Jatene1, Patricia Figueiredo1, Cristiane Felix X Pessotti1, Renata Cassar1, Fabio R de Figueiredo1, Valmir F Fontes1

1) HOSPITAL DO CORAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO SANATÓRIO SÍRIO, São Paulo - SP, Brasil

A abordagem híbrida vem sendo utilizada para paliação inicial de neonatos com hipoplasia de ventrículo esquerdo (HipoVE). Descrevemos nossa experiência inicial com esta técnica. Em 2004 foram realizados 4 procedimentos (proc) em neonatos (idade média 4 dias) com Hipo VE em centro cirúrgico equipado com aparelho portátil de fluoroscopia. Ambas as artérias pulmonares (APu) foram bandadas com fitas de Goretex ou pericárdio de acordo com a saturação, pressão arterial e gradiente. Uma bainha 7 Fr foi introduzida na via de saída do ventrículo direito e fixada com sutura em bolsa. Um stent Gênesis pré-montado 8 ou 9 X 19 mm foi implantado no canal arterial pela bainha. Em um pt o proc foi completado com atrioseptostomia. Não houve mortalidade inicial e todos pts receberam alta da UTI (mediana de 7 dias) com saturações 75-85%. À ecocardiografia todos pts apresentavam boa função ventricular, ausência de insuficiência tricúspide significativa, fluxo não obstrutivo pelo canal e gradientes 40-70 mmHg pelas APu. Dois pts tiveram óbito hospitalar após 30 dias devido a complicações infecciosas. Durante o seguimento, dos 2 pts sobreviventes, um apresentou disfunção ventricular e gradiente retrógrado pelo arco, necessitando de angioplastia com dilatação do stent. Este pt faleceu de meningite em outro serviço após 4 meses. O outro evoluiu com restrição do fluxo pelo septo interatrial, necessitando de implante de stent neste local. Após 5 meses, aguarda a fase II. A abordagem híbrida para paliação inicial da Hipo VE pode ser realizada com resultados imediatos animadores. Entretanto, complicações infecciosas podem ocorrer após o proc devido à gravidade da doença. Durante o seguimento é fundamental monitorar a adequação das dimensões da CIA e do fluxo retrógrado pelo arco.


191

TRATAMENTO PERCUTÂNEO COM PRÓTESE DE AMPLATZER® X CIRURGIA PARA COMUNICAÇÃO INTERATRIAL TIPO OSTIUM SECUNDUM: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE COMPLICAÇÕES HOSPITALARES


Raul Ivo Rossi Fº 1, Cristiano O Cardoso1, Paulo Renato Machado1, Estela S K Horowitz1, Lísia M G François1, André L L Manica1, João Luis Manica1

1) Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul/FUC, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução: A comunicação interatrial tipo ostium secundum (CIA OS) é uma das cardiopatias congênitas mais comuns. O tratamento cirúrgico era considerado o tratamento ideal, porém o tratamento percutâneo vem mostrando-se uma alternativa à cirurgia nos últimos anos. Objetivo: comparar as complicações intra-hospitalares em pacientes submetidos ao tratamento percutâneo e cirúrgico para correção da CIA OS. Metodos: estudo comparativo duas de coortes entre novembro/1998 e setembro/2005 em que foram realizados 101 procedimentos percutâneos com prótese de Amplatzer® e 114 correções cirúrgicas em pacientes com diagnóstico de CIA OS. As complicações intra-hospitalares pós-procedimento foram analisadas e comparadas entre os grupos com teste “t”. Resultados: tanto o cirúrgico quanto o percutâneo não apresentaram diferença estatística entre idade (24,08 ± 20,63 x 24,30 ± 18,78 anos), embora no peso apresentaram diferença (44,76 ± 22,80 x 52,63 ± 23,12 Kg, p=0,020). O grupo da cirurgia teve maiores taxas de arritmia supraventricular pós-operatória (2,6% x 0), pericardite (3,5% x 0), síndrome póspericardiectomia (3,5% x 0), pneumotórax (0,9% x 0) e derrame pericárdico (1,8% x 0), embora sem diferença estatisticamente significante. O grupo submetido ao tratamento percutâneo apresentou menor prevalência de derrame pleural (0 x 7,9%, p=0,024), transfusão sangüínea (0 x 32,5%, p<0,001), internação hospitalar (2,51 ± 0,62 x 7,3 ± 1,5 dias, p<0,001) e anestesia (90,47 ± 26,67 x 191,07 ± 30,60 minutos). Não houve mortalidade em ambos os grupos. Conclusão: ambas as terapias para tratamento de CIA OS apresentam baixas complicações, embora os pacientes submetidos à correção percutânea apresentam menores taxas de transfusão sanguínea, tempo de internação hospitalar e anestesia.


192

VALVOPLASTIA AÓRTICA PERCUTÂNEA: IMPACTO NOS RESULTADOS IMEDIATOS COM A ESTABILIZAÇÃO DO CATETER BALÃO ATRAVÉS DA TAQUICARDIA INDUZIDA POR MARCA PASSO.


Luiz Carlos Simoes1, José Geraldo Athayde1, Flavio Neves1, Paulo Sergio Oliveira1

1) Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras, Rio de Janeiro RJ , Brasil

Fundamento: A instabilidade e mobilidade do balão durante a insuflação na valvoplastia aórtica (VAo) tem sido responsabilizada por lacerar a valva aórtica e/ou causar lesões estruturais na parede aórtica (Ao) com consequente insuficiência Ao significativa e progressiva pós procedimento. Objetivo: Avaliar a taquicardia induzida com marca-passo como estratégia para proporcionar estabilidade ao balão evitando as possíveis lesões não desejáveis com a mobilidade excessiva do mesmo durante a insuflação em estudo prospectivo longitudinal. Material e métodos: Em novembro de 2004 foi iniciado nosso protocolo prospectivo de implante de marca-passo temporário em VD para induzir taquicardia em pacientes (pts) portadores de estenose aórtica valvar durante a insuflação do balão. O objetivo da taquicardia induzida com o marca passo foi a de uma queda da pressão sistêmica de no mínimo 50% da pressão sistêmica basal aferida ao início do cateterismo como momento ótimo para a insuflação do balão. A relação máxima do anel/balão utilizada foi de 0.9 e o balão o mais longo possível em cada caso. O grau de estabilidade do balão durante a insuflação foi correlacionado com o grau de regurgitação aórtica pós VAo em todos os casos. Resultados: Foram estudados 10 pts com idade entre 4 e 16 anos (media= 9.3 anos) sendo 06 pts do sexo masculino. O cateterismo foi por técnica retrógrada em todos os casos. Todos pts tinham gradiente hemodinâmico maior de 50 mmHg durante a avaliação hemodinâmica (58 a 220 mmHg com média de 74 mmHg) e a valva aórtica foi competente pré procedimento em todos os casos. A taquicardia induzida com o marca passo foi mantida até o balão ser completamente desinflado. O percentual médio de redução dos gradientes entre o VE e aorta ascendente foi de 59,07%, estando abaixo de 45 mmHg em todos os casos pós procedimento (08 a 44 mmHg). A aortografia de controle mostrou competência da válvula aórtica em 7 pacientes (70%), e insuficiência em 3 pacientes (30%). Neste subgrupo 2 pacientes apresentaram regurgitação aórtica entre leve a moderada e 1 regurgitação aórtica leve. A estabilidade do balão foi observada em todos os casos e não teve relação com o grau da insuficiência aórtica pós procedimento. Conclusões: A taquicardia induzida com marca passo para estabilizar o balão durante a insuflação com balão é técnica segura e efetiva e pode correlacionar se com menores graus de regurgitação aórtica pós procedimento (imediata e tardia).


193

CATETERISMO CARDÍACO POR PUNÇÃO TRANS-HEPÁTICA EM LACTENTES.


Jose Geraldo de Athayde1, Luiz Carlos Simões1, Flávio Neves1, Paulo Sérgio de Oliveira1

1) Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras, Rio de Janeiro, Brasil

Fundamento: Os pacientes (pts) pediátricos portadores de cardiopatias congênitas podem necessitar em um grande número de casos de múltiplos estudos hemodinâmicos diagnósticos e ou terapêuticos em sua historia natural ou modificada por procedimentos cirúrgicos ou hemodinâmicos prévios. Além disto muitos necessitam pela complexidade de suas patologias de cateteres venosos centrais por tempo prolongado. Tem-se então como conseqüência trombose venosa e desta forma uma limitação progressiva das vias de acesso usuais utilizadas para os procedimentos diagnósticos e terapêuticos em sala de hemodinâmica. A via de acesso trans hepático é desta forma uma opção casos para casos específicos onde outras vias de acesso não sejam possíveis por qualquer motivo. Objetivos: Relatar a nossa experiência inicial com punção trans-hepática (PTH) em lactentes portadores de cardiopatia congênita com descrição da metodologia utilizada. Metodos: Entre dezembro 2005 e janeiro 2006, realizamos a PTH em dois pts sem outras vias de acesso venoso para o cateterismo. A idade dos pacientes foi de 08 e 28 meses , e o peso de 4.6 e 13 Kg. A PTH foi realizada, com técnica modificada, sem o emprego da agulha de Chiba. Utilizamos ‘“jelco” 18G, sob fluorospia, com apoio de guias “0,014” e posteriormente guias “0,035” para sustentar a introdução de bainhas 6F longas até entrada da veia hepática na veia cava inferior ao nível do átrio direito. O local de punção foi à linha axilar média direita, acima do plano do diafragma. Os paciente foram colocados em posição supina, sob anestesia geral e local. O “jelco” para a punção definitiva foi introduzido paralelo à mesa e direcionado ao apêndice xifóide. No primeiro paciente após a realização do cateterismo e da retirada da bainha foi posicionado um “coil” de Gianturco no parênquima hepático (sob a cápsula hepática) mas no segundo paciente somente compressão externa foi realizada. As enzimas hepáticas assim como e estudo coagulação foi obtido antes a após a punção e sintomas e sinais de irritação peritoneal monitorados por 24 h pós procedimento. Resultados: Os cateterismos realizados foram somente diagnósticos e todas as cavidades necessárias foram alcançadas. Não existiram complicações durante e pós procedimento (os testes laboratoriais para função hepática foram normais). Conclusões: A PTH se mostrou uma técnica reprodutível, segura e eficaz para pacientes com limitação de vias de acesso habituais mesmo lactentes de baixo peso.


194

ANÁLISE DOS RESULTADOS IMEDIATOS E TARDIOS DA VALVOPLASTIA PERCUTÂNEA COM BALÃO NA ESTENOSE AÓRTICA DO NEONATO


Janaína Huber1, Tamara Beherens1, Fernanda Dors1, Paulo R Machado1, Raul I Rossi1

1) Intituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil

Introdução: A valvoplastia percutânea com balão modificou a evolução dos neonatos portadores de estenose aórtica crítica e tornou-se, desde a década de noventa, o procedimento de escolha para o tratamento inicial desta entidade. No entanto, informações sobre a evolução das complicações e sobrevida deste grupo de pacientes é, ainda, pouco conhecida. Metodos: Foram analisados 25 pacientes portadores de estenose aórtica crítica que foram submetidos a valvoplastia percutânea com balão. Resultados: O grupo foi composto de 19 meninos e seis meninas, com idade média de 20,8 ± 12,4 dias e peso médio de 3332,6 ± 584,6 gramas. A análise da eficácia da valvoplastia com balão, através da comparação entre as diferenças das médias dos gradientes instantâneos ecocardiográficos evidenciou queda significativa entre os valores pré (75,3 ± 24,4 mmHg) e pós (36,1 ± 15,5). As complicações encontradas foram oclusão arterial aguda em 7 pacientes (28%), dano arterial definitivo no local de acesso em três pacientes (12%) e regurgitação aórtica, a qual foi considerada moderada a severa em 8 (32%) pacientes. Em 5 pacientes (20%) o acesso foi carotídeo e não houve complicações hemodinâmicas. O seguimento tardio foi possível na maioria dos pacientes, em um período médio de 63,2± 61,9 meses variando de 5 dias até 14,5 anos, demonstrando que os pacientes ficaram livres dos sintomas de insuficiência cardíaca. Houve registro de re-estenose significativa em dois pacientes, um deles realizou substituição valvar por prótese metálica. Houve três óbitos, um por causa não cardiovascular, no terceiro mês de evolução, e os seguintes, após 5 e 8 dias depois do cateterismo por sepse e complicação e cirurgia de Norwood, respectivamente. Três pacientes apresentaram progressão da regurgitação aórtica, sendo dois deles candidatos à troca valvar , um com homoenxerto e outro com prótese metálica. O último ecocardiograma transtorácico pós valvoplastia, nos pacientes que foi possível o seguimento, mostrou que 16% não apresentaram insufiência aórtica, 36% tinham insuficiência, leve, 16% insuficiência, moderada e 16% insuficiência, severa. Conclusões: A valvoplastia aórtica percutânea com balão é uma técnica eficaz, de baixa mortalidade, para alívio imediato da obstrução valvar e que apresenta bom resultado a longo prazo. a prevalência de regurgitação aórtica, embora elevada, está de acordo com a literatura cirúrgica, sendo esperado que a maioria dos pacientes necessite novo procedimento no futuro.


195

OCLUSÃO PERCUTÂNEA DOS DEFEITOS SEPTAIS VENTRICULARES CONGÊNITOS COM “MOLAS NIT OCCLUD” .CONSIDERAÇÕES NA SELEÇÃO DOS PACIENTES E RESULTADOS INICIAIS.


Luiz Carlos Simoes1, Trong Phi Lê1, José Geraldo Athayde1, Flavio Neves1, Paulo Sergio Oliveira1

1) Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras, Rio de Janeiro RJ, Brasil

Fundamento: A técnica para o fechamento percutâneo dos defeitos do septo interventricular (CIVs) e o desenho ideal para a prótese ainda estão a ser definidos encontrando-se em período de amplo debate. Objetivo: Avaliar a eficácia de próteses com desenho de espiras para o fechamento de CIVs perimembranosos ou musculares 1/3 médio e apicais tuneiformes em estudo prospectivo longitudinal. Metodos: Um total de 12 pacientes (pts) foi selecionado para a oclusão sendo 11 portadoras de CIVs perimembranosas e uma a nível muscular. A idade dos pts variou de 10 a 28 anos (média de 16.4 anos) e peso corporal de 22 a 46 kg (média= 38 kg). A pressão pulmonar foi normal em todos os e a sobrecarga volumétrica de cavidades esquerdas leve foi diagnosticada em 07(12). Nenhum dos casos tinha regurgitação aórtica. Todos os procedimentos foram monitorados pela ETE. A alça arterio-venosa foi obtida após sondar-se a CIV retrogradamente em cada caso e a prótese liberada na aorta ascendente nos casos de CIVs perimembranosas. No paciente com CIV muscular a “mola” foi liberada na porção apical do ventrículo esquerdo. Resultados: Em todos os procedimentos foram utilizadas molas “Nit Occlud” reforçadas desenhadas para o fechamento de CIVs. As dimensões da prótese foram selecionadas de acordo com as dimensões do defeito do septo interventricular, sua morfologia e de sua relação com os folhetos da valva aórtica. O tempo de fluoroscospia foi de 19.5 a 48.8 min (media de 28.2min). Após o implante pequeno shunt residual foi observado em 03 pacientes e após os primeiros 12 meses de seguimento somente um paciente apresentava pequeno shunt residual sem sobrecarga volumétrica de cavidades esquerdas. Não foram observados bloqueios átrios-ventriculares durante o implante ou durante o seguimento ambulatorial. Todos os pacientes receberam alta em 24 após o implante e revisões foram realizadas com 03, 06 e 12 alta hospitalar. As próteses utilizadas em todos os procedimentos foram 10/6 (5) e 12/6(7). Visibilizar simultaneamente o posicionamento da prótese na ETE e na radioscopia foi fundamental para sua estabilização sendo sempre necessário a análise das duas tecnologias de imagem durante o implante. Conclusões: O fechamento percutâneo por cateteres CIVs com molas “Nit Occlud” constitui-se em técnica promissora e efetiva para os defeitos restritivos e com morfologia tuneiforme e que devem ser assim selecionados para o desempenho ideal da prótese.


196

MANEJO HÍBRIDO DE SÍNDROME DA HIPOPLASIA DO VENTRÍCULO ESQUERDO: RESULTADOS INICIAIS


Carlo Pilla1, Aldemir Nogueira1, Nicasio Tanaka1, Alberto Fin1, Flávio Aquino1, Cláudia Ricachinevsky1, Aline Botta1, Lisiane DalleMulle1, Rodrigo da Costa1, Fernando Lucchese1

1) Santa Casa de Porto Alegre, Porto Alegre - RS, Brasil

Fundamentos: A correção cirúrgica em estágios da síndrome da hipoplasia do ventrículo esquerdo (SHVE) apresenta alta taxa de mortalidade em nosso meio. Recentemente, a abordagem híbrida tem sido sugerida como uma alternativa terapêutica para esta população. Objetivo: Avaliar os resultados iniciais da utilização da abordagem híbrida para o manejo da SHVE. Metodos: Estudo observacional não controlado de uma série de casos. Foram incluídos pacientes portadores de SHVE, atendidos no período de julho de 2005 a fevereiro de 2006. Os pacientes foram submetidos a correção em estágios. No estágio 1, foram realizadas bandagens cirúrgicas das artérias pulmonares e implante transoperatório de “stent” em canal arterial. Entre os estágios 1 e 2, foram feitas revisões clínicas a cada 2 semanas. O estágio 2 consistiu de reconstrução do arco aórtico, retirada do “stent” ductal, debandagem das artérias pulmonares e anastomose cavopulmonar bidirecional tipo “hemi-Fontan”. O estágio 3 consistirá na realização de anastomose cavopulmonar total percutânea. Os dados numéricos estão descritos como mediana e variação. Resultados: Oito pacientes foram submetidos à abordagem híbrida para SHVE no período do estudo. A maioria eram meninos (6 M: 2 F), tendo sido intervidos no estágio 1 com 4 (2-12) dias de vida e 3 (1,5-3,8) quilos de peso. A maioria (6; 75%) tinha anatomia de atresia mitro-aórtica. Durante o estágio 1, foram utilizados “stents” expansíveis por balão, com diâmetros que variaram entre 7 e 10 mm. Cinco pacientes faleceram no pós-operatório do estágio 1, estimando taxa de mortalidade de 62%. Um paciente foi submetido ao estágio 2, estando em recuperação pósoperatória, tendo necessitado implante de stents em artérias pulmonares e plicatura diafragmática no pós-operatório. Outros dois pacientes seguem em acompanhamento ambulatorial. Durante o período interestágios, todos necessitaram ampliação percutânea da comunicação interatrial. Dois pacientes necessitaram de redilatação do stent ductal ou implante de stent adicional no canal arterial. Conclusões: O manejo híbrido da SHVE apresenta taxa de mortalidade ainda excessivamente elevada, embora ainda estejamos no início da curva de aprendizado. O acompanhamento rigoroso no período interestágios é essencial. O estágio 2 é uma cirurgia de grande porte, porém surpreendentemente bem tolerada por nosso paciente. Recomendamos cuidado extra na confecção das bandagens pulmonares para evitar estenoses nos ramos.


197

CIERRE PERCUTÁNEO DE FORAMEN OVAL PERMEABLE EN EL ADULTO. RESULTADOS DE UN REGISTRO MULTICÉNTRICO


Ronald Kauffmann Q1, Felipe Heusser R2, Alejandro Martínez S2, Carlos Deck R3, Leopoldo Romero N3

1) Clinica las Condes, Santiago, Chile 2) Pontificia Universidad Católica de Chile, Santiago, Chile 3) Hospital Dipreca y Clínica Alemana , Santiago , Chile

Antecedentes: la permeabilidad del foramen oval (FOP) es frecuente en la población adulta. Se asocia a accidente cerebrovascular isquémico, embolías sistémicas y cortocircuito de derecha a izquierda a nivel auricular. El cierre percutáneo del defecto es una alternativa terapéutica de reciente aplicación. Objetivo: mostrar los resultados inmediatos y seguimiento de un Registro Nacional del cierre percutáneo en pacientes con FOP Material y método: entre julio de 1999 y marzo 2006 efectuamos en forma consecutiva en 4 centros hospitalarios de Chile el cierre del FOP con técnica percutánea, utilizando el dispositivo de Amplatzer en pacientes que cumplieron los siguientes requisitos: 1) cuadro clínico de un evento tromboembólico cerebral o sistémico 2) Documentación ecocardiográfica con Doppler y burbujas de la presencia de FOP con flujo derecha a izquierda 3) Exclusión de otra causa etiológica que explique el evento clínico. Incluimos además dos pacientes con cortocircuito derecha a izquierda hemodinámicamente significativo a nivel del FOP. Resultados: tratamos 46 pacientes, 26 mujeres, 20 hombres, edad promedio 45 ± 14 años, rango 22 - 72 años, 42 pacientes (91%) presentaron embolías en territorrio encefálico, de ellos 37 fueron accidente cerebrovascular y 5 crisis isquémica transitoria. Dos pacientes presentaron embolía braquial, 1 cortocircuito derecha a izquierda post infarto miocardio inferior y 1 sindrome platipnea orthodeoxia post cirugía de aorta. Se logró cerrar el defecto con un solo dispositivo en todos los casos. En 8 casos el diámetro del Amplatzer fue 35 mm; en 29 de 18 mm; en 8 de 35m y 1 caso de FOP amplio se cerro con dispositivo de comunicación interauricular de 10 mm. Seguimiento: promedio 21 ± 20 meses (rango 1 - 77 meses). En todos los pacientes se comprobó el cierre completo del defecto con ausencia de paso de burbujas a través del septum interauricular. No hubo imágenes de trombosis del dispositivo. Un paciente presentó taponamiento cardíaco precozmente post procedimiento que se drenó en forma percutánea. En otro caso 10 días post implante un paciente presentó un episodio de taquicardia supraventricular paroxística y en la evaluación ecocardiográfica se detectó derrame pericárdico moderado sin compromiso hemodinámica que se resolvió espontáneamente. Hubo una recurrencia embólica retineana en 1 caso a pesar del cierre hermético del defecto. Conclusión: en esta casuística multicéntrica la principal indicación de cierre de FOP con fue el accidente cerebrovascular criptogénico. El dispositivo de Amplatzer fue efectivo en todos los casos con cierre completo del defecto. En el período de seguimiento hubo 1 recurrencia embólica (2%) y en la mayoría se comprobó un buen perfil de seguridad del procedimiento.



TEMAS LIVRES CARDIOPEDIATRIA APRESENTAÇÃO PÔSTER


198

TRATAMENTO PERCUTÂNEO COM PRÓTESE DE AMPLATZER® PARA COMUNICAÇÃO INTERATRIAL TIPO OSTIUM SECUNDUM EM CRIANÇAS MENORES DE 10 ANOS: RESULTADOS IMEDIATOS E SEGUIMENTO TARDIO


Cristiano O Cardoso1, Raul I Rossi Fº1, Paulo Renato Machado1, Estela S K Horowitz1, Lísia M G François1, André L L Manica1, João Luis Manica1

1) Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul/FUC, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução: o fechamento percutâneo do defeito do septo interatrial tipo ostium secundum (CIA OS) com prótese de Amplatzer® já demonstrou ser seguro e eficaz.

Em crianças com menos de 10 anos, entretanto, os dados não são muito conhecidos.

Objetivo: avaliar a eficácia da prótese de Amplatzer® para tratamento de CIA OS em crianças menores de 10 anos. Metodos: entre novembro/1998 e setembro/ 2005 foram encaminhados 29 pacientes (pcts) com diagnóstico de CIA OS para oclusão percutânea. Os procedimentos foram realizados sob anestesia geral e com monitorização por ecocardiograma transesofágico (ETE). Os pcts foram acompanhados à nível ambulatorial com consulta clínica e controle ecocardiográfico. Resultados: dos 29 pcts, 20 eram do sexo feminino (72%). As médias para idade, peso, altura e índice de massa corporal foram, respectivamente: 5,3 ± 2,25 anos, 20 ,7 ± 9,99kg, 109,33 ± 18,73cm e 16,94 ± 2,54kg/m². A prevalência de aneurisma do septo interatrial foi de 4,5% e todos os casos eram de defeito único. O diâmetro dos CIAs foi em média de 17,38 ± 6,95mm pela angiografia com balão estirado e 16,8 ± 5,89mm por ETE. As próteses implantadas mediam 19,9 ± 6,92mm. As pressões medidas em artéria pulmonar, sistólica e diastólica, eram respectivamente de 24,85 ± 6,12mmHg e 13,75 ± 3,55mmHg. O tempo de procedimento foi 90 ± 10,02 minutos e a média de internação hospitalar de 2,22 ± 0,28 dias. O seguimento clínico e ecocardiográfico ocorreu com 14,42 ± 4,31 meses e todas as próteses estavam bem ancoradas e sem shunt residual. O diâmetro diastólico de ventrículo direito diminuiu de 19 ± 7,78mm antes do fechamento para 10 ± 1,41 durante o acompanhamento ambulatorial. A liberação adequada do dispositivo ocorreu em 100% dos casos. Complicações maiores não ocorreram e 2 pcts tiveram hematoma em sítio de punção femural. Durante o seguimento clínico e ecocardiográfico todas as próteses estavam bem posicionadas e com oclusão total do defeito. Conclusão: a oclusão percutânea para CIA OS com prótese de Amplatzer® em crianças menores de 10 anos mostrou-se eficaz à curto prazo e no seguimento tardio.


199

EXPERIÊNCIA COM A UTILIZAÇÃO DE PRÓTESE OCLUSORA HELEX® NO FECHAMENTO PERCUTÂNEO DO FORAME OVAL PATENTE


Carlo Pilla1, Alberto Fin1, Flávio Aquino1, Gilberto Nunes1

1) Santa Casa de Porto Alegre, Porto Alegre - RS, Brasil

Fundamentação teórica: O fechamento percutâneo do forame oval patente (FOP), em casos selecionados, tem sido cada vez mais utilizado na prevenção de novos eventos isquêmicos sem causa estabelecida em sistema nervoso central (SNC). Existem alguns oclusores à disposição para oclusão de FOP em nosso meio, sendo importante a avaliação contínua dos mesmos. Objetivos: Descrever os resultados imediatos e em curto prazo da oclusão percutânea do FOP utilizando a prótese oclusora septal Helex®. Metodos: Estudo retrospectivo de uma série de casos submetidos à oclusão percutânea do FOP com a prótese Helex® em nossa instituição. Os implantes foram realizados sob anestesia geral ou sedação assistida, com auxílio de ecocardiograma transesofágico ou intracardíaco. Foram avaliados desfechos imediatos (complicações, oclusão) e em curto prazo (recorrência de eventos, curtocircuito residual, complicações). Os dados numéricos foram expressos em média e desvio-padrão; dados categóricos em números absolutos e proporções. Resultados: No período de setembro de 2004 a dezembro de 2005, treze (13) pacientes foram submetidos à oclusão percutânea de FOP com a prótese Helex®. Os pacientes tinham 48 (± 10) anos e a maioria (10) era do sexo feminino. A maioria (oito) foi vítima de um evento prévio, enquanto que os demais sofreram pelo menos dois eventos isquêmicos em SNC. Quatro apresentavam aneurisma de septo interatrial associado, um tinha curto-circuito direita-esquerda em repouso, quatro (um deles com aneurisma de septo interatrial) apresentavam FOP com túnel longo (> 10 mm) e dois tinham valva de Eustáquio proeminente. O tempo de fluoroscopia foi de 17 (± 16) minutos e a maioria (10) recebeu próteses com 25 mm de diâmetro. A taxa de oclusão imediata foi 53% (7/13 pacientes) e em seis meses (6/6 pacientes) foi 100%. Não houve recorrência de eventos em SNC no seguimento de 12,6 (± 5) meses. Três pacientes apresentaram complicações nas primeiras 24 horas do procedimento: em dois, nós tivemos dificuldades técnicas no implante da prótese; em outro paciente houve embolização da prótese no dia seguinte, necessitando retirada percutânea e re-implante. Conclusões: O fechamento percutâneo do FOP com a prótese oclusora Helex® é possível, mesmo em vigência de fatores anatômicos complicadores e apresenta alta taxa de oclusão em seis meses. É um oclusor seguro, porém que exige maior treinamento do intervencionista. O risco de embolização precisa ser mais bem avaliado em estudos futuros.


200

USO DA ANGIOGRAFIA TRIDIMENSIONAL PARA AVALIAÇÃO DAS CIRCULAÇÕES SISTÊMICA E PULMONAR EM CRIANÇAS PORTADORAS DE CARDIOPATIA CONGÊNITA.


Raul Arrieta1, Flavio Mota1, Flavio Roberto1, Gustavo Andrade1, Carlos Abath1

1) Instituto Materno Infantil de Pernambuco, Recife-PE, Brasil

Introdução: A angiografia rotacional tridimensional (A3d) tem sido utilizada recentemente como importante ferramenta para o diagnostico e planejamento terapêutico nas patologias dos vasos cerebrais; não sendo descrita até o momento a sua utilidade na avaliação das circulações sistêmica e pulmonar de crianças(cr) com cardiopatia congênita(CC). Objetivo: Avaliar a utilidade e o perfil de segurança da A3d em crianças portadoras de CC Material e metodo: Entre 06/05 e 04/06 foram realizadas 15 A3d em 15 crianças com idade e peso médio de 3,8 ± 2,2 anos e 15,4 ±3,5 kg respectivamente. O diagnostico foi : Atresia pulmonar com CIV (AP/CIV) 10 cr.;Cirurgia de Glenn 5 cr. O objetivo foi avaliar a arvore pulmonar em todos os pacientes e veia cava superior e provaveis colaterais em 5 crianças. O procedimento foi realizado sob anestesia geral e durante o cateterismo convencional, a via de acesso foi arteria femoral em 10 cr e veia jugular direita em 5 cr. Para a aquisição das imagens foi utilizada a maquina angiográfica Philips Allura com a técnica de aquisição cerebral de 8 segundos e 180 graus com reconstrução automática utilizando software 3D-RA. A utilidade da A3d foi avaliada segundo a qualidade da imagem, classificada como boa quando o vaso estudado podia ser visto desde todos os ângulos, e regular quando devido a “interferência”do cateter ou má qualidade técnica o vaso estudado não podia ser avaliado corretamente. O perfil de segurança foi avaliado segundo a função renal pré e pós procedimento e o contraste utilizado foi Visipaque. Resultado: Uma boa qualidade de imagem foi obtida em 12 dos 15 pacientes (7 AP/CIV) sendo possivel avaliar o vaso estudado nos 360 graus permitindo o diagnostico correto em todos os casos. O tempo de fluoroscopia foi de 11±3min e tempo para a aquisição e reconstrução da imagem foi de 60 ± 10 segundos. O volume de contraste utilizado em cada aquisição e total foi de 5±1,5 ml/Kg e 8 ±2ml/kg respectivamente.Uma qualidade regular foi obtida em 3 cr, devido a “interferência” do cateter em 2 e má qualidade técnica em 1. Os valores de uréia e creatinina antes e 12 hs após o procedimento não mostraram diferencia significativa Conclusão: A A3d é útil segura e eficaz para a avaliação das circulações sistêmico e pulmonar em crianças portadoras de cardiopatia congênita


201

FECHAMENTO PERCUTÂNEO DE CIA COM AMPLATZER( EXPERIÊNCIA COM 187 CASOS)


Edmundo C.Oliveira1, Helder M. Pauperio3, Gustavo Lobato Adjuto2, Marco Antonio G. Moura2, Marcelo M. Pauperio2, Andreia A. Oliveira2

1) Hospital das Clínicas, BH- MG, Brasil 2) Hospital Vera Cruz, BH-MG, Brasil 3) Hospital Felicio Rocho, BH-MG, Brasil

Introdução: O CIA representa 10% das cardiopatias congênitas, sendo o tipo ostium secundum (OS) o mais comum( ~70% ). O fechamento percutâneo do CIA OS tem sido realizado com sucesso com diferentes tipos de próteses há quase três décadas.

A prótese Amplatzer desenvolvida na ultima década ,tem mostrado segura e com alto índice de oclusão.. Objetivo: Descrever a experiência com o implante de 187 Prótese de diferentes tamanhos para o tratamento de 187 pacientes com CIA OS.Casuística e método: 187 Pts com idade 4 a 80 anos (média 31), 69% mulheres receberam 187 próteses Amplatzer para oclusão de CIA OS de tamanho variando de 12 a 40mm(média 24mm). Os procedimentos foram realizados com anestesia geral , por punção da veia femoral comum e acompanhado com o ECO transesofágico( ECO TE). AAS foi iniciado 24 horas antes do procedimento na dose de 3 a 5 mg/kg/dia e mantido por seis meses. Profilaxia para endocardite foi recomendada por seis meses. Resultado: FA convertida com amiodarona venosa (2); Fluter Atrial tratado com cardioversão elétrica(1) ; TPSV intermitente convertida com digital(1).;dor torácica com melhora após 24 horas(2);mal estar geral (5); insuficiência vascular cerebral transitória (2);cefaléia (26);prótese não implantado (02), Prótese retirada cirurgicamente (02)-1 por mal posição e outra por embolização para ventrículo direito(VD). Alta hospitalar 12 a 24 horas após o procedimento. No acompanhamento de 1mês a 6 anos mostra todos pacientes em classe funcional I, com normalização ou diminuição significativa do VD e sem shunt residual. Conclusão: O fechamento percutâneo do CIA OS com Amplatzer é seguro, com alto índice de oclusão total, permitindo a alta dentro de 24 hs após o procedimento, sem cicatriz e com possibilidade de retornar ao trabalho após dois dias e atividade física após uma semana. A oclusão percutânea do CIA OS constitui-se o método de escolha na maioria dos casos.


202

CATETERISMO INTERVENCIONISTA EM SITUAÇÕES ESPECIAIS


Edmundo Clarindo Oliveira1, Helder M. Pauperio3, Cleonice C. Motta1, Gustavo L.Adjuto3, Antonio F.Baia Neto3, Marco Antonio G. Moura3

1) Hospital das Clínicas, Belo Horiozonte, Brasil 3) Hospital Luxemburgo, Belo Horizonte, Brasil

Introdução: A disponibilização de novos materiais tem possibilitado o aumento progressivo da possibilidade terapêuticas no cateterismo cardíaco. Várias doenças que eram tratadas apenas pela cirurgia são tratadas na sala de hemodinamica como primeira opção ou como uma boa alternativa. Apesar disso, existem situações em que o cateterismo cardíaco não está bem definido ou não tem experiência pela raridade dos casos. Objetivo: Mostrar a experiência com tratamento percutâneo em 6 pacientes portadores de malformações cardiovasculares incomuns e/ou utilizando técnicas alternativas. Método: 1-fechamento de vaso anômalo comunicando tronco celíaco com a artéria pulmonar direita com coil; 1 Valvuloplastia parcial da valva pulmonar em coração univentricular + disfunção grave do ventrículo+ hipertensão pulmonar+ Hipoxemia grave; 1 fechamento de fístula AV pulmonar com associação de coil e cola; 1fechamento de CIA com Amplatzer utilizando balão para ajudar posicionar a prótese; 1 fechamento de CIA por punção trans-hepática; 1 fechamento de fístula Coronária câmara com cola. Resultado: Os procedimentos foram realizados com sucesso em todos pacientes, com cura ou melhora da classe funcional.Houve aumento da saturação sistêmica de oxigênio de 60 para 84% na paciente portadora de coração uni-venrticular. Conclusão: Na maioria das vezes o tratamento percutâneo de várias malformações cardiovasculares são realizados baseados em técnicas bem definidas e com experiência prévia. Ocasionalmente deparamos com situações incomuns com pouca experiência na literatura, mas baseado em experiências de casos similares, a intervenção pode ser feita com segurança e bons resultados.


203

USO DE MALLA ENDOVASCULAR (STENT) PARA EL TRATAMIENTO DE LA COARTACIÓN AÓRTICA EN PEDIATRÍA


Luis H Díaz1, Ana M Cadavid1, Rafael Lince1

1) Centro Cardiovascular Colombiano, Clínica Santa María, Medellín, Colombia

Introducción: El uso de stent en coartación aórtica es una opción terapéutica en niños y adultos con coartación nativa y recoartación, especialmente en aortas tortuosas e hipoplasia del arco aórtico. Permite redilatación e impide el retroceso elástico (recoil). Método: Evaluación de 22 pacientes que se les implantó un stent por una coartación aórtica entre enero de 2003 y diciembre de 2005. Se definió coartación como un gradiente >25mmHg en ecocardiografía y recoartación >20mmHg e hipoplasia aórtica una disminución del 60% del diámetro del cayado o istmo con relación a la aorta diafragmática. Objetivo: Describir características, resultados y seguimiento inicial de 22 pacientes a quienes se les implantó un stent como tratamiento para coartación aórtica. Resultados: Se implantaron 22 stent, 77.2% en pacientes masculinos con mediana de edad de 11,5 años (entre 11 días y 18 años) y mediana de peso de 32kg (2,4 a 70kg). El 77.2% con coartación nativa y 5 con recoartación: 2 con angioplastia previa (15 y 36 meses antes) y 3 con coartectomia (8 y 14 años antes y 1 en el postquirúrgico inmediato). El 68.2% de los pacientes tenía aorta bivalva, 36.4% hipoplasia del istmo aórtico, 22,7% otras lesiones obstructivas del tracto de salida del ventrículo izquierdo, y síndrome de Turner el 60% de las mujeres. El procedimiento fue exitoso en todos los pacientes con disminución del gradiente de 39±12.71mmHg a 2.68±4.67mmHg. Se obtuvieron gradientes postangioplastia inmediata entre 10 y 20mmHg en los pacientes con coartectomía previa. Se presentaron complicaciones en 3 pacientes (13.6%): ruptura del balón, disección pequeña y ruptura aórtica con hemotórax y formación de seudoaneurisma en la paciente con síndrome de Turner que se le implantó el stent en el postquirúrgico inmediato y que murió 23 días después por sepsis. Un paciente presentó lesión del plexo braquial reversible como evento asociado. El 31.8% tenían antecedente de hipertensión, 50% de ellos permanecen hipertensos. Se realizó seguimiento en 15 pacientes (68,2%) entre 3 y 29 meses sin aparición de recoartación o aneurismas. Conclusiones: El uso de stent en coartación nativa o recoartación es una alternativa eficaz y segura. No aparecieron aneurismas ni recoartación en el seguimiento inicial. 68.2% tenían aorta bivalva. La hipertensión arterial persiste en 50% de los hipertensos previos. El tiempo de seguimiento y número de pacientes no permiten aún determinar factores de riesgo para fracaso o recoartación.


204

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE COMPLICAÇÕES HOSPITALARES PARA TRATAMENTO PERCUTÂNEO COM PRÓTESE DE AMPLATZER® X CIRURGIA PARA COMUNICAÇÃO INTERATRIAL TIPO OSTIUM SECUNDUM EM CRIANÇAS MENORES DE 10 ANOS


Raul I Rossi Fº1, Cristiano O Cardoso1, Paulo Renato M Machado1, Estela S K Horowitz1, Lísia M G François1, André L L Manica1, João Luiz Manica1

1) Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul/FUC, Porto Alegre, RS, Brasil

Introdução: A comunicação interatrial tipo ostium secundum (CIA OS) é uma das cardiopatias congênitas mais comuns. Até alguns anos atrás o tratamento cirúrgico era considerado o tratamento ideal, porém o tratamento percutâneo vem mostrando-se uma alternativa à cirurgia Objetivo: comparar as complicações intra-hospitalares em pacientes submetidos ao tratamento percutâneo e cirúrgico para correção da CIA OS. Metodos: estudo comparativo entre duas coortes realizado entre novembro/1998 e setembro/2005. Foram realizados 24 procedimentos percutâneos com prótese de Amplatzer® e 49 correções cirúrgicas em pacientes com diagnóstico de CIA OS menores de 10 anos. As complicações intra-hospitalares pós-procedimento foram analisadas e comparadas entre os grupos por teste “t”. Resultados: Não houve diferença estatística , entre os grupos cirúrgico e percutâneo, entre peso (22,46 ± 10,91 x 23,07 ± 8,65 kg), altura (114,65 ± 21,51 x 115,88 ± 19,20) e idade (5,59 ± 2,57 x 5,36 ± 2,01 anos). O grupo cirúrgico apresentou maior prevalência de derrame pleural (6,1% x 0%), derrame pericárico (4,1% x 0%), derrame pericárdico necessitando drenagem (2% x 0%) e bloqueio átrio-ventricular pós-operatório (2% x 0%), embora sem diferença estatística significante. O grupo percutâneo apresentou menores taxas de transfusão sangüínea (0 x 40,8%, p<0,001), tempo de internação hospitalar (2,20 ± 0,26 x 7,4 ± 1,7 dias, p<0,001) e anestesia (82,92 ± 29,14 x 189,10 ± 28,35 minutos, p<0,001 ). Não houve mortalidade em ambos os tratamentos. Conclusão: ambas as terapias para tratamento de CIA OS apresentam baixa mortalidade, embora os pacientes submetidos à correção percutânea apresentam menores taxas de transfusão sanguínea, tempo de internação e anestesia.


205

CIERRE DE LA ARTERIA PULMONAR POR CATETERISMO EN PACIENTES CON CIRCULACION DE FONTAN.


Raúl E. Rios Méndez1, Ricardo Gamboa1, Francisco P. Mollón1, Graciela M. Arroyo1, Diego F. Gutiérrez1, Sergio G. Bulacio1

1) Sección de Cardiología infantil-Fundación Favaloro, Buenos Aires, Argentina

Introducción y objetivo: En algunas ocasiones durante la realización de la anastomosis de Glenn bidireccional o de la anastomosis bicavopulmonar con tubo extracardíaco (ABPTE) (cirugía tipo Fontan) se evalúa dejar el flujo anterógrado a través de la arteria pulmonar (AP) previamente cerclada, ya sea para favorecer el crecimiento de las ramas pulmonares cuando el índice de McGoon o de Nakata son bajos, o si en el momento de ligar la AP el paciente sufre desaturación sistémica severa. Este flujo pulsátil origina un trazado de presión arterializado en lugar de bifásico, como ocurre fisiológicamente en la circulación venosa, pudiendo causar disfunción del sistema y sobrecarga de volumen, contribuyendo al deterioro del ventrículo único en el futuro. Presentamos nuestra experiencia en oclusión percutánea de la AP en estos casos. Material y método: dos pacientes pediátricos, uno de ellos con cefalea persistente y desaturación, ambos con ABPTE fenestrada y flujo sanguíneo anterógrado por la AP cerclada, la misma que se ocluyó con dispositivo Amplatzer duct-occluder (ADO). Ambos implantados por vía venosa femoral. Resultados: En el primer paciente la fenestración de la ABPTE se mantenía permeable con un Qp/Qs de 0,7/1, en el segundo la fenestración estaba cerrada con un Qp/Qs de 1,34/1. La AP se ocluyó en ambos casos sin complicaciones, quedando el disco de retención del ADO en contacto con la porción de la AP proximal al cerclaje (cámara de alta presión); la angiografía inmediata demostró ausencia de pasaje sanguíneo residual (figura); el trazado de presión cambió su morfología de arterial a bifásica; la presión pulmonar media descendió 2 mmHg en el primer paciente, sin modificación en el restante (tabla). El tiempo de fluoroscopia fue de 57 y 45 minutos respectivamente. No se presentaron complicaciones durante el seguimiento, que fue de 12 meses en el primero y 6 meses en el siguiente, tanto por examen físico como por ecocardiografía. El primer paciente refirió desaparición de la cefalea dentro del primer mes del procedimiento. Conclusiones: En pacientes con circuito tipo Fontan, la AP previamente cerclada que persiste con flujo sanguíneo anterógrado puede ser ocluida mediante cateterismo, evitando una nueva cirugía en un paciente que ha recibido varias toracotomías previas. Consideramos que es un procedimiento factible y efectivo, aunque se requiere experiencia adicional con un mayor número de casos y mayor tiempo de seguimiento.

Ventrículo AP distal al Ventrículo AP distal al único cerclaje único cerclaje
Presiones pre oclusión de AP74/5 17/13(15) 88/5 12/6(9)
Presiones pos oclusión de AP75/5 15/9(13) No registrada 12/6(9)
CASO Nº 1 CASO Nº 1 CASO Nº 2 CASO Nº 2


206

PRONÓSTICO Y RESULTADOS A MEDIANO PLAZO EN VALVULOPLASTIA PULMONAR PERCUTÁNEA CON BALÓN Y EVALUACIÓN DE FACTORES DE RIESGO PARA REESTENOSIS


Ana M Cadavid1, Luis H Díaz1, Rafael Lince1

1) Centro Cardiovascular Colombiano Clínica Santa María, Medellín, Colombia

Introducción: La valvuloplastia pulmonar percutánea es el tratamiento de elección para estenosis valvular pulmonar. Se han descrito factores de riesgo para reestenosis pero pocos trabajos comparan estenosis aislada con grupos de neonatos, estenosis crítica o cardiopatía asociada. Objetivo: Evaluar y comparar resultados de la valvuloplastia pulmonar y factores de riesgo de reestenosis. Método: Estudio retrospectivo descriptivo de pacientes que se les realizó valvuloplastia pulmonar entre 1995 y 2005. Éxito fue disminución del gradiente a <30mmHg y reestenosis un gradiente ecocardiográfico ?30mmHg. Resultados: Se evaluaron 195 pacientes, 50.8% masculinos, edad media 3,11±3,9 años (1 día a 21 años) y peso medio 13,1±11,08kg (2,3 a 55kg). 10,8% neonatos, 22,6% estenosis crítica y 29,7% con cardiopatía asociada. El 96.9% de los procedimientos fueron exitosos, 100% si no tenía cardiopatía asociada. Disminuyó significativamente el gradiente transvalvular de 62.74±27.9mmHg a 9.42±10.2mmHg (p=0.000) y la presión sistólica del ventrículo derecho de 83.98±28.24mmHg a 40.35±16.72mmHg (p=0.000). El fracaso se relacionó con cardiopatía asociada (p=0.001) y estenosis crítica (p=0.024). Se presentaron complicaciones en el 10.2%: ruptura del balón, fenómenos embólicos e hipotensión, más frecuente entre los críticos o con cardiopatía asociada. No hubo muertes relacionadas con el procedimiento. Se realizó seguimiento en 144 (74.6%) pacientes entre 1 mes y 9.5 años (media 1.6±2.14 años). Se encontró reestenosis significativa en 26 pacientes (18%) relacionada con válvula de menor diámetro (p=0.006) y displásica (p=0.000), mayor gradiente residual (p=0.006), mayor presión sistólica ventricular derecha postvalvuloplastia (p=0.000) y cardiopatía asociada (p=0.000). No se relacionó con ser neonato (p=0.846), crítica (p=0.660), número de balones (p=0.090) ni relación balón/anillo (p=0.118). 60% permanecen sin reestenosis a 5 años, 81,2% en los de estenosis aislada. 7 pacientes requirieron otra valvuloplastia y 12 cirugía valvular pulmonar. Conclusiones: La valvuloplastia pulmonar percutánea es efectiva y segura para el tratamiento de la estenosis valvular pulmonar con excelentes resultados a mediano plazo. El riesgo de reestenosis es menor de 20% y se relacionó con cardiopatía asociada, estenosis crítica, displasia y menor diámetro valvular, mayor gradiente residual y presión sistólica ventricular derecha postvalvuloplastia. No se relacionó con ser neonato ni estenosis crítica.




207

VALVOPLASTIA PERCUTÂNEA VIA ACESSO CAROTÍDEO PARA ESTENOSE AÓRTICA CONGÊNITA NO PRIMEIRO ANO DE VIDA


Juliana R Neves1, Carlos A C Pedra1, Virginia Santana1, Samuel Moreira1, Magali dos Santos2, Ieda B Jatene2, César Esteves1, Sergio Braga1, Daniel G Arnoni1, Fabio Ridolfi de Figueiredo1, Gustavo M Rivas1, Valmir Fontes1

1) Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, São Paulo - SP, Brasil 2) Hospital do Coração da Associação Sanatório Sírio, São Paulo - SP, Brasil

Estenose aórtica (EAo) é causa comum de ICC em lactentes. A valvoplastia aórtica percutânea tem se mostrado eficaz nestes pacientes (pts). O acesso carotídeo parece simplificar o procedimento, minimizando suas complicações. Trata-se de estudo retrospectivo de análise de todos os casos consecutivos de valvoplastia aórtica percutânea por acesso carotídeo em neonatos e lactentes jovens. Entre 3/97 e 7/07 foram realizados 23 proc (16 masc). A idade mediana foi de 1 mês (1 dia a 11 m) e o peso mediano de 3,2Kg (1,8 a 5,9). O acesso foi por dissecção em 22pts e por punção em 1pt. O diâmetro do anel aórtico variou de 4,8 a 10mm (média 7,6mm) e a relação balão/anel de 0,8 a 1,2. Houve redução do gradiente em 95,6% dos pts, com queda de 70,5 ± 29,0 para 22,1 ± 12,8 mmHg (p<0,001). O paciente submetido a punção carotídea (4,34%) evoluiu com convulsões no pós-operatório imediato. 11pts apresentaram insuficiência aórtica (IAo) leve (47,8%) e 2 IAo moderada (8,7%) logo após o procedimento. A mortalidade foi de 17,4% (4 pacientes). 9 de 19 pts foram acompanhados por um período médio de 4 anos (0,3 a 7,6 anos). Todos assintomáticos, em seguimento clínico e sem necessidadde de novas intervenções percutâneas ou cirúrgicas até o momento. A média do gradiente transvalvar à ecocardiografia no seguimento foi de 31,5 ± 17,8 mmHg. 4 pts apresentaram IAo moderada (44,4%). Nenhum evoluiu com seqüelas neurológicas. CONCLUSÃO: A valvoplastia aórtica percutânea através de acesso carotídeo em neonatos e lactentes jovens com EAo congênita apresentou resultados paliativos satisfatórios com baixa incidência de complicações neurovasculares.


208

ESTUDO MULTICÊNTRICO COM O DISPOSITIVO NITOCCLUD PARA OCLUSÃO PERCUTÂNEA DO CANAL ARTERIAL


Carlos A C Pedra1, S Raul Arrieta2, Roberto Max1, Mauricio Barbosa1, Luis Alberto Christiani1, Ronaldo Camargo1, Airton Arruda3, Sergio LN Braga1, Cesar A Esteves1, Juliana Neves1, Justo J S Peña1, Valmir F Fontes1

1) INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA, São Paulo - SP, Brasil 2) INSTITUTO MATERNO-INFANTIL DE PERNAMBUCO, São Paulo - SP, Brasil 3) HOSPITAL MERIDIONAL, Vitória- ES, Brasil

A oclusão percutânea do canal arterial (PCA) é o método terapêutico de eleição em pacientes > 6 kgs. Relatamos uma experiência multicêntrica com a oclusão percutânea do PCA usando o NitOcclud (NO), que é uma nova mola cônica fabricada de nitinol, de liberação controlada, totalmente resgatável e reposicionável, disponíveis em diversas dimensões e padrões de flexibilidade. De 01/03, 25 pacientes com PCA com repercussão foram submetidos a implante do NO sob anestesia geral. A mediana de idade e peso foi 5 anos e 15 kgs, respectivamente. Vinte e dois pacientes possuíam PCA tipo A, 2 tipo D e 1 tipo C. A média do diâmetro mínimo do PCA foi 3,1±1,6mm (1,5-4mm) e da ampola aórtica foi 9,1±2,8mm. Todos NO foram implantados com sucesso, 20 pela via venosa anterógrada e 5 pela retrógrada. Houve necessidade de troca de tamanho em 1 paciente. Fluxo residual imediato esteve presente em 20 pts (80%). Houve tentativa de oclusão do fluxo residual no mesmo procedimento em um paciente, culminando com embolização do NO para a artéria pulmonar. O mesmo foi resgatado seguido de novo implante com NO ligeiramente maior com sucesso. Não houve outras complicações. No dia seguinte ao procedimento, a taxa de oclusão pela ecocardiografia foi de 84%, não havendo gradientes na artéria pulmonar esquerda ou na aorta. Em um seguimento médio de 9 ± 3 meses, todos os pacientes estão bem clinicamente, sem medicações. Não houve recanalização e a taxa de oclusão foi de 92%. Os fluxos residuais ainda presentes em 2 pacientes com seguimento < 3 meses são discretos. A oclusão percutânea do PCA com o NitOcclud é um procedimento seguro e eficaz, podendo ser aplicado para PCAs pequenos, moderados e grandes, geralmente do tipo A. Constitui-se em boa alternativa no arsenal técnico do intervencionista.


209

RESULTADOS A CURTO E MÉDIO PRAZO DO TRATAMENTO INTERVENCIONISTA DA ATRESIA PULMONAR COM SEPTO ÍNTEGRO


CELIA MARIA CAMELO SILVA1, LOURDES FÁTIMA G. GOMES1, PEDRO ABUJAMRA1, JEAN MARCELO F. DA SILVA1, CAMILA SOZINHO1, RALPH B. COUTINHO1, VIVIANE S. DINIZ1, ANTONIO CARLOS CAMARGO CARVALHO1

1) ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA - UNIFESP, SÃO PAULO, BRASIL

Introdução - Após a eficácia do cateterismo intervencionista no tratamento da estenose pulmonar crítica do neonato, a sua indicação foi estendida para as formas favoráveis de atresia pulmonar com septo ventricular íntegro (APSVI). Objetivo - Avaliar os resultados da perfuração da valva pulmonar (VP) por radiofreqüência, seguido de valvuloplastia pulmonar, em neonatos portadores de APSVI. Métodos - Participaram do estudo nove neonatos consecutivos portadores de APSVI. Seis pacientes (pts) foram considerados elegíveis (66,6%). Foram incluídos neonatos portadores de atresia pulmonar com septo ventricular íntegro, ventrículo direito tripartite, de bom tamanho e ausência de sinusóides importantes. A seleção foi baseada nos achados ecocardiográficos e confirmados pelo cateterismo cardíaco. Resultados - O peso médio foi de 3,04 kg (variou de 2,57 a 3,59 kg). A perfuração da VP foi tentada sete vezes, obtendo sucesso em 4 (66,7%). No período prédilatação, a pressão sistólica do ventrículo direito (VD) variou de 65 a 180 mmHg (média de 106) e da aorta (AO) 45 a 78 mmHg (média de 62,8) e após a dilatação a pressão sistólica do VD variou de 35 a 67 mmHg -média de 49 (P < 0,05) e da AO de 60 a 84 mmHg - média de 68,5 (P = N.S.). A média da relação pressão sistólica VD/AO foi de 1,8 antes do procedimento (0,9 a 3,1) e de 0,72 (0,52 a 1,0) após (P < 0,05). O gradiente VD–TP após a dilatação variou de 6 a 10 mmHg (média de 8 mmHg). Entre as complicações, observou-se perfuração cardíaca seguida de hemopericárdio em 2 / 6 pts (33,3%) e arritmia grave em 1 / 6 pts (16,7 %). Dos quatro procedimentos com sucesso, três crianças tiveram alta hospitalar e nenhuma necessitou de reintervenção até o momento. Ocorreram três óbitos hospitalares, sendo que uma criança foi a óbito por sepsis. O período médio de internação foi de 17 dias (14 a 21 dias) e o de seguimento foi de 16 meses (4 a 29 meses ). Conclusão - Esta técnica pode ser uma alternativa segura e eficaz ao tratamento cirúrgico em pacientes selecionados, com anatomia favorável, ou seja, com VD tripartite, valva tricúspide sem mal-formações, infundíbulo pérvio e amplo e VP membranosa.


210

OCLUSÃO DO DUCTO ARTERIOSO (DA) COM “MOLAS” DE LIBERAÇÃO CONTROLADA COOK POR VIA VENOSA E ARTERIAL SIMULTÂNEA: TÉCNICA EFETIVA PARA DA MAIORES DE 2.5 MM


Luiz Carlos Simões1, Flavio Neves1, José Geraldo Athayde1, Paulo Sergio Oliveira1

1) Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras, Rio de Janeiro RJ , Brasil

Fundamento: A oclusão do ducto arterioso (DA) maior de 2.5 mm com molas únicas COOK de liberação controlada tende a ter elevados índices de embolização e ou “shunt” residual. O implante sequencial de molas nestes casos, solução normalmente utilizada, tende a ser técnica laboriosa e também com freqüente embolização das molas. Para evitar estas limitações, próteses com outros desenhos são indicadas adicionando custo financeiro elevado ao procedimento. Objetivos: Avaliar a técnica e efetividade da oclusão de DA maiores de 2.5 mm e menores de 3.2 mm em lactentes, escolares e adolescentes com a liberação de simultâneas “molas COOK de liberação controlada. Metodos: Todos os procedimentos foram realizados sob anestesia geral. A morfologia do ducto arterioso foi diagnosticada por aortografia em perfil esquerdo e/ou oblíqua direita. Após o DA foi sondado por via venosa (artéria pulmonar) e por via arterial (aorta). A maiores molas possíveis eram selecionadas, posicionadas e então liberadas. Pós-liberação nova(s) aortografia(s) em perfil esquerdo e/ou oblíqua direita era(m) realizada(s) assim como a arteriografia pulmonar para avaliar a projeção das molas sobre a origem da artéria pulmonar esquerda. Resultados: Um total de 11 pts com idade de 3 a 11 anos (m=4.3 anos) sendo 07 do sexo feminino e estudados entre 03 de 2004 a 03 de 2006 constituem nossa amostra. O diâmetro do DA variou de 2.5 a 3.2 mm sendo 03 casos com diâmetro maior de 3.0 mm. Todos DA tinham morfologia cônica e restrição no extremo pulmonar quando comparado com a ampola aortica. As molas liberadas na aorta (via venosa) foram as de maior diâmetro em todos os casos e a primeira a ser estabilizada sobre o ducto arterioso correspondendo a no mínimo 2.5 vezes o diâmetro do ducto no extremo pulmonar. Pós-procedimento a aortografia demonstrou “shunt” mínimo em dois pts. Em um destes o conjunto de “molas” embolizou 12 h pós-procedimento e foi resgatado com sucesso. Todos os pacientes com sucesso da estabilização das “molas” foram reavaliados com a ecocardiografia Doppler com 30 dias pós-procedimento e não demonstraram “shunt” residual ou estenose causada pelas molas em artéria pulmonar esquerda. Conclusões: A liberação de “molas” de liberação controlada por via venosa e arterial simultânea demonstrou ser efetiva e simples para DA entre 2.5 e 3.2 mm, quando a utilização de “molas” únicas tende a ter elevados índices de embolização pulmonar e/ou “shunt” residual.



TEMAS LIVRES ENFERMAGEM APRESENTAÇÃO ORAL


211

CLASSIFICAÇÃO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UMA UNIDADE DE HEMODINÂMICA SEGUNDO O GRAU DE DEPENDÊNCIA DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM


Aline Hammermüller2, Karina Azzolin1

1) Fundação Universitária de Cardiologia, Porto Alegre - RS, Brasil 2) Hospital São Lucas da PUCRS, Porto Alegre - RS, Brasil

O sistema de classificação de pacientes possibilita ao enfermeiro classificar os pacientes conforme a assistência requerida, em mínima, intermediária, semi-intensiva e intensiva, quantificando a necessidade de cuidado. Este trabalho visa classificar os pacientes atendidos em uma unidade de hemodinâmica segundo o grau de dependência dos cuidados de enfermagem de acordo com o instrumento de Perroca (1998). Trata-se de um estudo transversal quantitativo exploratório-descritivo com população composta por 164 pacientes submetidos à procedimento hemodinâmico em um Hospital Geral de Porto Alegre, que passaram pela sala de recuperação preenchendo os critérios de inclusão. A coleta de dados foi realizada mediante formulário estruturado preenchido com base nos dados do prontuário na primeira hora após a chegada do paciente. Os indicadores que mais contribuíram para o aumento do grau de dependência neste estudo foram locomoção (escore 5 = 97,6%), cuidado corporal (escore 5 = 97,6%), terapêutica (escore 3 = 96,3%) e eliminações (escore 4 = 95,1%). O grau de dependência variou conforme a especialidade. Pacientes submetidos à procedimentos cardiológicos, neurológicos e vasculares tiveram um grau de dependência intermediário. Já os da gastroenterologia, foram classificados como cuidados semi-intensivos (P<0,0001). Houve uma correlação de magnitude pequena a moderada entre a idade e o grau de dependência (r=0,2), como pode ser observado no gráfico.Quando relacionamos o grau de dependência com o local da punção podemos observar que os pacientes que foram submetidos à punção arterial, venosa ou ambas possuiam um grau de dependência maior dos que os que realizaram exames por outras vias (P<0,0001). O grau de dependência médio dos pacientes foi classificado em 31,9 ± 4,8, sendo classificado na categoria de cuidados intermediários conforme tabela. Baseado nestes dados podemos classifcar, de acordo com a média, a unidade de hemodinâmica como de cuidados intermediários, ou seja, os pacientes dependem parcialmente dos cuidados de enfermagem. Porém esta classificação dependente muito do tipo e número de procedimentos realizados. Portanto concordamos, que a diversidade quanto ao grau de dependência gera situações de desconforto e ansiedade nos pacientes,assim como uma ambiente por vezes lotado, e dificulta a a atuação e dimensionamento da equipe de enfermagem;prejudicando o alcance da qualidade assistencial desejada.



Níveis de cuidado Escore n %
Cuidados mínimos 13 a 26 4 2,4
Cuidados intermediários 27 a 39 144 87,8
Cuidados semi-intensivos 40 a 52 16 9,8
Cuidados intensivos 53 a 65 0 0


212

RELATO DE EXPERIÊNCA: IMPLANTAÇÃO DA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM UM SERVIÇO DE HEMODINÂMICA DA REGIÃO DO GRANDE ABC


Marcela Bolsoni1, Dirceu Carrara2

1) ABC Angiorradioologia, Santo Andre - SP, Brasil 2) Universidade Bandeirante de São Paulo, São Paulo - SP, Brasil

INTRODUÇÃO: A implantação da Sistematização da Assistência da Enfermagem no setor de hemodinâmica em particular a consulta de enfermagem, tem como finalidade o esclarecimento de dúvidas sobre o exame ou procedimento, instruções quanto ao preparo e também a anamnese e exame físico de enfermagem.OBJETIVO: Descrever a Sistematização da Assistência da Enfermagem no Serviço de Hemodinâmica de um Hospital da rede pública estadual. METODOLOGIA: Para a realização do processo de enfermagem, o serviço de hemodinâmica de um Hospital Estadual, consta de um fluxograma de atendimento a ser seguido . Primeiramente, os exames e ou procedimentos que são realizados no serviço, passam por autorização da diretoria de contrato e de gestão. Logo após a aprovação, o serviço de hemodinâmica entra em contato telefônico com o cliente que realizará o exame para agendar a consulta de enfermagem. Geralmente, esta consulta é realizada no mínimo 4 dias antes do exame ( exceto em casos de urgência ou por fatores sociais).No dia e o horário marcado, o cliente é recepcionado pelo enfermeiro do setor para a consulta de enfermagem. É realizado o preenchimento de um formulário contendo anamnese e exame físico de enfermagem adaptado para o serviço de Hemodinâmica. Essa adaptação ocorreu devido as instruções seguidas pelo protocolo interno do setor, onde nela contém informações essenciais para a realização dos exames e/ou procedimentos. Na evolução e prescrição de enfermagem, contém todas informações e orientações necessárias para a permanência do cliente no setor, onde são seguidas pelos técnicos de enfermagem. Ao final do repouso pós exame, é entregue ao cliente ou acompanhante o plano de cuidados onde o enfermeiro realizada orientações verbais contidas no plano de cuidados, a fim de sanar possíveis dúvidas e mitos. No final do impresso consta o nome do enfermeiro com o telefone para contato, juntamente com o seu horário de atendimento.CONCLUSÃO: Identificamos que existe grande desinformação entre os pacientes que realizam os exames, o qual contribui para o aumento dos eventos indesejáveis, fruto da ansiedade gerada a partir da solicitação do exame, por isso houve necessidade de introduzir a consulta de enfermagem pré exames no setor de hemodinâmica, onde nota-se que não é muito producente orientar o paciente poucos instantes antes da realização do exame.


213

RISCO PARA PERCEPÇÃO SENSORIAL PERTURBADA EM CLIENTES COM USO DE MEIO DE CONTRASTE IODADO PARA EXAMES HEMODINÂMICOS.


Rosana Bianco1, Eliane da Silva Grazziano1

1) Centro Universitário são Camilo, São Paulo - SP, Brasil

Introdução: A barreira hemato-encefálica por sua alta hidrossolubilidade e baixa lipossolubilidade, só permite a penetração de baixas quantidades de meio de contraste iodado (MC) no sistema nervoso central. Concentrações significativas desse agente no líquor, só aparecem em cerca de uma hora após a administração de altas doses por via endovenosa. Entretanto, essa pequena quantidade pode ser suficiente para desencadear reações adversas devido a grande sensibilidade do sistema nervoso central à insultos, particularmente na vigência de quadros hipertensivos agudos, o qual pode tornar a barreira hemato-encefálica permeável. Há uma pequena incidência de reações adversas: 0,2% dos clientes submetidos a angiografia podem convulsionar ou apresentar cegueira cortical transitória, e nos estudos de arco de aorta 0,4% podem apresentar quadro convulsivo. Os clientes com antecedentes de Acidente Vascular Encefálico (isquêmico ou hemorrágico) também apresentam maior risco para complicações após administração do MC. Objetivo: Identificar conforme a Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) quais as intervenções atividades mais pertinetes para risco do diagnóstico de enfermagem Percepção Sensorial Alterada (PSA). Justificativa: Por estar diretamente ligada ao procedimento hemodinâmico, a enfermagem tem importante papel na identificação dos riscos e sinais de reação adversa do MC. Metodologia: Para a realização do estudo, foram pesquisadas e analisadas bibliografias, entre elas: periódicos, livros e sites especializados dos últimos cinco anos. Resultados: Foram identificados cinco intervenções para “risco” de PSA visual e cinestésica: monitorização do: nível de consciência, de pressão arterial, tonus muscular, movimentos motores, distúrbios visuais (cegueira transitória). Conclusão: Como é a enfermagem que acompanha o cliente durante e após a realização do exame, é de suma importância que conheça as implicações da utilização destas substâncias e, através do uso do diagnóstico de enfermagem melhore a qualidade de seu atendimento.


214

RETENÇÃO URINÁRIA E SEU MANEJO APÓS INTERVENÇÕES CORONARANAS PERCUTÂNEAS


Andrea C. Augustin1, Alexandre S. Quadros1, Luiz Maria Yordi1, Rogério Sarmento- Leite1

1) Instituto de Cardiologia do RS / Fundação Universitária de Cardiologia, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução - Retenção urinária é um problema frequente após intervenções coronarianas percutâneas (ICP) realizadas pela via femoral, devido à restrição do paciente (pcte) ao leito por várias horas. Objetivos:Avaliar a freqüência da retenção urinária após ICP e seu manejo em um hospital de referência para cardiologia intervencionista. Metodos: Amostra analisada prospectivamente como parte de um ensaio clínico randomizado que comparou a incidência de complicações vasculares maiores após a retirada da bainha e deambulação precoce versus manejo conservador em pctes submetidos a ICP pela via femoral. Foram avaliadas estratégias para o manejo da retenção urinária, dando-se preferência a manobras não invasivas e usando a sondagem vesical de alívio apenas quando as primeiras não alcançaram êxito.As manobras não invasivas foram aplicação de calor supra-púbico, lateralização do pct e colocar o pcte do sexo masculino em pé ao lado do leito para urinar no papagaio ou a pcte do sexo feminino para sentar na comadre enquanto ainda estavam com a bainha na região inguinal. Quando estas manobras não foram efetivas, realizou-se sondagem vesical de alívio. Manobras não invasivas, invasivas e urinar ao levantar foram avaliadas através do teste “t” e exato de Fischer, . Considerou-se significativo um p<0,05. Resultados: Foram avaliados 174 pctes randomizados para deambulação precoce (G1) (4h após a ICP, G1) e 175 randomizados para manejo convencional (G2) (deambulação 10h após ICP, G2). As características de base dos pctes dos 2 grupos eram similares, conforme avaliadas pela idade (59,67±9,77 vs 61,01±10,36) sexo masculino (63,6% vs 57,1%) , IMC (26,98±3,86 vs 26,98±3,61) e TCA ao término da ICP (324,72±101,42 vs 319,57±101,34). A taxa de necessidade de manobras não invasivas para retenção urinária foi 1,7% (3 pacientes em cada grupo, p=1,0), sendo que 2% dos pctes do grupo 2 necessitou de sondagem vesical de alívio (p=0,248), e 7% grupo 1 urinaram ao levantar (p=0,00). Complicações vasculares ocorreram raramente (1,7% vs 0,6%, p=0,371). Conclusões:A deambulação precoce pós ICP propicia conforto e inibe a retenção urinária, podendo ser uma alternativa para aqueles pctes com tendência a retenção ou que apresentam desconforto importante logo após o procedimento.O tempo de repouso usado no grupo 1 foi compatível com a capacidade de retenção vesical fisiológica.As manobras não invasivas não estiveram associadas com complicações vasculares.


215

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E GARANTIA DE QUALIDADE COM INDICADORES DE PERFORMANCE (PCGQIP) NOSERVIÇO DE HEMODINÂMICA -OTIMIZAÇÃO DOS RESULTADOS


ROBERTA SOUBHIA1, ROSALY GONÇALVES2, HELIO CASTELLO1, MARCELO CANTARELLI1, SILVIO GIOPATTO1, MARCIA TOSI1, GLAUCY LARA1, OLGA VALERIA BONETTO1, CRISTIANE FRANCISCHINI1, EVANDRO PRACCHIA1

1) HOSPITAL BANDEIRANTES, SÃO PAULO - SP, BRASIL 2) HOSPITAL REGIONAL DO VALE DO PARAÍBA, TAUBATÉ - SP, BRASIL

Introdução Apesar da eficácia aliada à grande segurança e do inegável progresso tecnológico, os procedimentos realizados em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista ainda carregam um risco de complicações, sendo algumas graves. Já estão bem estabelecidos na Literatura os índices aceitáveis pra cada tipo de complicação e o nosso Serviço tem se mantido dentro das metas sugeridas mundialmente. Material e Metodos: Com o intuito de aprimorar os serviços prestados, implantamos um Programa de Controle e Garantia de Qualidade com Indicadores de Performance (PCGQIP). Na tabela abaixo podem ser visualizados alguns dos índices estudados. Uma vez detectado um setor onde o índice se encontra fora dos parâmetros habituais, procedemos imediatamente à uma busca de fatores que possam ter contribuído para tal piora e, procuramos em seguida, soluções. Citemos como exemplo o crescimento detectado no número de hematomas não complicados no mês de Outubro/2005. Buscando as causas, detectamos um aumento não previsto da demora para retirada do introdutor, devido ao incremento do número de procedimentos naquele mês. Ficando o paciente mais tempo à espera da retirada do introdutor, houve mais exposição à mudança indevida de posição, manipulação , etc... Corrigido esse desvio, já foi possível detectar certa melhora no mês seguinte (Novembro), embora não completamente satisfatória e retorno aos parâmetros normais em Dezembro. Outro fruto desse programa de qualidade, foi a redução do número de pacientes com intolerância ao contraste manifesta por náuseas e vômitos. Essa melhoria foi obtida ás custas do simples aquecimento em “ Banho Maria” do meio de contraste, apesar de faltarem dados conclusivos na Literatura. Conclusão: A implementação do PCGQIP permite evidenciar pontos de falha no sistema e a busca de soluções que permitam reverter tais erros.

AGO SET OUT NOV DEZ
EDEMA AG. PULMÃO 1 0 1 2 0
PARADA CARD.RESP. 0 3 3 1 3
HEMATOMAS 9 5 15 10 7
ALÉRGICAS 1 9 7 5 7
TOTAL DE EXAMES 515 501 523 492 498


216

RETIRADA PRECOCE DO INTRODUTOR ARTERIAL COM TCA ACIMA DE 180: VANTAGENS E DESVANTAGENS PARA O PACIENTE E IMPLICAÇÕES PARA A ENFERMAGEM


Andrea C. Augustin1, Alexandre S. Quadros1, Rogério Sarmento-Leite1, Carlos A.M. Gottschall1

1) Instituto de Cardiologia do RS / Fundação Universitária de Cardiologia, Porto Alegre - RS, Brasil

Introdução: A avaliação da segurança e efetividade da retirada imediata da bainha arterial e deambulação antecipada após o término da intervenção coronariana percutânea (ICP) por via femoral é uma estratégia que pode dar maior conforto ao paciente (pcte) após o procedimento. Metodos: Ensaio clínico randomizado com 2 grupos de pctes submetidos a ICP pela via femoral usando introdutor arterial (IA) 6 french e tendo recebido 100 UI/Kg heparina em um hospital de referência..Os 2 grupos tiveram o TCA medido ao final da ICP. Com o TCA <350, o grupo intervenção (G1, n=174) teve o IA retirado ao término da ICP e deambulou após 3hs de repouso e no grupo controle, independente do valor do TCA, (G2, n=175) o IA foi retirado após 4hs do término da ICP e a deambulação aconteceu após 6hs da retirada do mesmo. Todos os pctes usavam AAS e antiagragante plaquetário previamente. Excluíu-se os que haviam recebido inibidores da glicoproteína IIb/ IIIa, heparina de baixo peso-molecular ou trombolíticos. As compressões eram manuais por 20min e após um compressor mecânico, se necessário. Sangramento arterial no sítio de punção, presença de hematomas e pseudoaneurismas foram avaliados por análises bivariadas através de testes “t” e “exato de Fischer”. Apreciou-se a presença de desconforto, como dor lombar e retenção urinária nos 2 grupos. Considerou-se significativo um p<0,05. Resultados: As características dos pctes dos 2 grupos eram similares, sem diferenças significativas. A maioria dos pctes tinha idade (59,67±9,77 vs 61,01±10,36) sexo masculino (63,6% vs 57,1%), IMC (26,98±3,86 vs 26,98±3,61) e TCA (324,72±101,42 vs 319,57±101,34). Ocorreram 1,7% vs 0,6% eventos hemorrágicos maiores (1 pseudoaneurisma, 1 sangramento arterial e 2 hematomas grandes, p=0,371). Hematomas pequenos pré (2,3% vs 4,0%, p=0,542) e pós ICP (7,5% vs 2,9%, p=0,057), tempo de compressão (21,29±9,502 vs 18,94±10,567min, p=0,918) reação vagal (2,3% vs 2,9%, p=1), dor lombar (22% vs 39%, p=0,001) retenção urinária necessitando de sondagem vesical (0% vs 2%, p=0,248). Conclusões: A retirada do IA com TCA >180 e <350seg seguida de deambulação prematura é segura quando acompanhada por uma equipe treinada, seguindo um protocolo de observação rigoroso. A deambulação precoce oferece vantagens na diminuição de dor lombar e retenção urinária, não demonstrando benefício na supressão de reações vagais. A freqüência de hematomas pequenos não foi significativa e os pctes do grupo 1 foram favoráveis à nova abordagem.


217

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO CUIDADO À CRIANÇA SUBMETIDA A EXAMES DIAGNÓSTICOS E INTERVENÇÕES PERCUTÂNEA NO SETOR DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PEDIÁTRICA (CIP)


Ivanise Gomes1, Maria Aparecida C Campos1

1) Hospital São Paulo - UNIFESP/ EPM, São Paulo, Brasil

Fundamentos: As cardiopatias congênitas são anomalias resultantes de defeitos anatômicos no coração ou na rede circulatória, que comprometem sua função. Com os avanços das técnicas cirúrgicas e tratamentos percutâneo e a implementação de protocolos mais sofisticados de assistência à criança cardiopata proporcionam reduções significativas nos índices de mortalidade nas últimas décadas. A CIP atua de forma significante no diagnóstico e tratamento das cardiopatias congênitas sendo fundamental o papel do enfermeiro para integração da equipe multidisciplinar e qualidade da assistência prestada. Objetivo: Relatar o papel do enfermeiro na assistência prestada às crianças portadoras de cardiopatias congênitas submetidas a procedimentos na CIP. Material e Metodos: No período de janeiro de 2000 a março de 2006 foram realizados 545 procedimentos diagnósticos e 136 intervenções na CIP de um hospital de grande porte. Em todos os procedimentos o enfermeiro acompanha desde o agendamento do exame, para assegurar a disponibilidade do material, até a alta hospitalar. Os pacientes são agendados ambulatorialmente em 78% dos casos e a média de internação é de 1 dia. A família recebe as orientações pré, intra e pós procedimento antes de assinar o termo de consentimento. A sala é equipada e preparada para as situações de emergências pediátricas e os dias e horários dos exames são fixos para que a equipe esteja melhor preparada para o atendimento. Resultados: Os exames diagnósticos e intervenções percutâneas em cardiopatias congênita são realizados em nosso serviço há mais de uma década, mas nos últimos anos há uma intensa preocupação de melhoria na assistência prestada. Todos os procedimentos são realizados na presença do enfermeiro. A recuperação anestésica e a alta hospitalar são acompanhadas integralmente pelo profissional sendo o mesmo atuante na prevenção e identificação de complicações e na manutenção no conforto do paciente, com observação rigorosa e detalhada. Conclusão: Para proporcionar assistência de enfermagem planejada e qualificada é necessário que se tenha integração entre as equipes desde o agendamento do exame até a alta hospitalar. A atuação integral do enfermeiro nos exames da CIP proporciona ampliação do conhecimento na área de atuação, identificando e planejando a assistência prestada de forma individualizada, favorecendo a recuperação precoce da criança e, consequentemente, diminuindo o tempo de permanência no ambiente hospitalar.


218

O IMPACTO NA DEAMBULAÇÃO PRECOCE EM PACIENTES SUBMETIDOS A CATETERISMO CARDÍACO POR PUNÇÃO EM ARTÉRIA FEMORAL COM CATETERES 6 FRENCH


Jacqueline Wachleski1, Maria Antonieta Moraes2

1) Hospital Luterano-ULBRA , Porto Alegre-RS, Brasil 2) Instituto de Cardiologia- Fundação Universitária de Cardiologia, Porto Alegre-RS, Brasil

Introdução: Pacientes submetidos a cateterismos cardíacos por punção da artéria femoral, realizam um período de recuperação com restrição ao leito, em decúbito dorsal e sem a flexão do membro inferior puncionado por aproximadamente 6 horas, tornando-se uma limitação desconfortável para estes pacientes. Complicações no local da punção estão associadas a idade avançada, sexo feminino, aterosclerose importante no sítio de acesso, bem como punções prévias no mesmo local, introdutores de maior diâmetro, obesidade, hipertensão arterial sistêmica (HAS) e farmacologia adjunta. Objetivo: Avaliar o impacto da redução do tempo de repouso para 3 horas, comparando o surgimento de complicações pós-procedimento entre 3 e 5 horas de repouso em pacientes submetidos a cateterismo cardíaco por punção da artéria femoral com cateteres 6 French (Fr). Metodos:Ensaio clínico randomizado, foram incluídos pacientes submetidos a cateterismo cardíaco por punção em artéria femoral com cateteres 6 Fr, com idade ? 80 anos, índice de massa corporal (IMC) ? 35, pressão arterial sistólica ? a 190 mm Hg e distólica ? 120 mm Hg, após aceitarem participar do estudo. Foi realizado sorteio para 2 grupos: Grupo Intervenção (GI), repouso de 3 horas e Grupo Controle (GC) repouso de 5 horas. Após realizado o procedimento, os pacientes foram avaliados até a 5ª hora para as possíveis complicações: dor no local da punção, presença de hematoma, equimose, sangramento, também foram verificados e registrados os valores da pressão arterial. Os dados foram coletados no período de maio/2005 a março/ 2006. Resultados: Os resultados são preliminares de 41 pacientes inclusos, que mostraram-se homogêneos quanto idade, sexo feminino, IMC, punções prévias no mesmo local, uso de AAS e antecedentes de HAS e diabetes.As complicações encontradas foram hematoma e equimose, não havendo significância estatística entre os grupos Intervenção e Controle, P=0,73 e P=0,49 respectivamente. Não houveram hematomas > que 5 cm e complicações maiores. Conclusão: A amostra estudada até o momento demonstrou que a redução do tempo de repouso é possível e segura, não havendo resultados significativos entre as complicações apresentadas, comparando os grupos de 3 e 5 horas de repouso em pacientes submetidos a cateterismo cardíaco por punção da artéria femoral com cateteres 6 Fr.


219

DIAGNÓSTICO DE POTENCIAL RISCO DE PERDA DE FUNÇÃO RENAL EM PACIENTES SUBMETIDOS A PROCEDIMENTOS COM USO DE CONTRASTES IODADOS


Jacqueline Wachleski1, Simone Fantin1, Jose Casco Raudales1, Maria Jussara de Deus1, Melânia S M Ferreira1

1) Hospital Luterano-ULBRA, Porto Alegre-RS, Brasil

Introdução: A nefrotoxicidade induzida por contraste (NIC) é uma das mais importantes complicações do uso de contrastes iodados, representa a principal causa de insuficiência renal aguda (IRA). O indicador da função renal do paciente são os níveis de creatinina plasmática (CrP). Porém, pacientes cujo nível da CrP apresentase dentro da normalidade, podem apresentar perda de função renal, evidenciada quando mensurada a depuração da creatinina endógena. A taxa de filtraçao glomerular (TFG) através do método de Cockroft-Gault fornece melhor indicador da função renal. O objetivo deste estudo foi estimar a função renal e comprovar os efeitos nefrotóxicos induzidos por contrastes iodados em pacientes submetidos a cineangiocoronariografia, que apresentam níveis normais de CrP (até 1,2 mg/ dL).Metodos: Incluídos pacientes submetidos a cineangiocoronariografia, com níveis de CrP até 1,2 mg/ dL de março/ 2005 a janeiro/2006, após aceitarem participar do estudo. Foram coletadas amostras de sangue antes do exame e 48 hs após o uso de contraste iodado. Em condições basais, os pacientes foram divididos em 02 grupos: Grupo I (TFG ? a 60 ml/lmin) e Grupo II (TFG > 60 ml/ min). Também foram divididos, após a exposição ao contraste em: com perda de função renal (CPF) e sem perda de função renal (SPF).Resultados: A amostra final foi de 88 pacientes, que se mostrou homogênea quanto à idade, sexo feminino, IMC, HAS, DM, dislipidemia, tabagismo, histórico familiar de doença aterosclerótica coronária, doença renal prévia e exposição prévia a contrastes. Os pacientes do Grupo I apresentavam TFG de 51,6±7,8 vs 99,9 ±29,6 ml/min do Grupo II (P<0,0001) e se caracterizavam por serem idosos, predominantemente mulheres, de menor peso e altura. No grupo CPF (n=13), a TFG caiu de 113,3 ±52,4ml/min para 77,2 ±37,0ml/ min (P<0,0001) e a CrP aumentou de 0,74±0,19mg/dL para 1,08 ±0,25mg/ dL (P<0,0001), representando perda de -31,7% vs -6,0% ±11,8 do grupo SPF (n = 75). O volume de contraste utilizado nos dois grupos apresentou diferença significativa, CPF 59,5±29,5 vs 47,0±14,6ml do SPF (P<0,0001). 13 pacientes da amostra apresentaram critérios de nefrotoxicidade, foram manejados conservadoramente. Conclusão: Foi demonstrado que a CrP não é um indicador adequado para a verificação da função renal antes e após o uso de contrastes iodados. Pacientes que apresentaram queda significativa da TFG,possuíam valores de CrP dentro dos limites da da normalidade.Assim, na avaliação dos fatores de risco em pacientes submetidos ao uso de contrastes iodados, níveis de CrP não são seguros para a conclusão do diagnóstico de potencial risco para a perda de função renal, fazendo-se necessário a adoção de outros métodos para estimar a função renal e a prescrição de medidas nefroprotetoras, hidratação e controle de volume de contraste utilizado para todos estes pacientes.


220

CUIDADOS PRÉ, INTRA E PÓS PROCEDIMENTOS PERCUTÂNEOS DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS: AINDA NÃO OS ASSIMILAMOS ADEQUADAMENTE.


Cristiane Franceschini1, Olga Valéria Bonetto1, Glaucy Lara1, Roberta Soubhia1, Marcia Tosi1, Silvio Giopatto1, Rosaly Gonçalves1, Hélio Castello1, Marcelo Cantarelli1

1) Hospital Bancdeirantes, São Paulo - SP, Brasil

Introdução Os profissionais de saúde da área de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista trabalham rotineiramente com pacientes que exigem cuidados e orientações especiais, tanto em relação aos preparos para o procedimento, quanto durante a sua realização e o pós procedimento. Parte dessas informações, não raramente, lhes são passadas de maneira informal, mas mesmo assim e assim são absorvidas como verdades, nem sempre compreendidas e muito menos questionadas. Objetivo Avaliar o grau de conhecimento de Enfermeiros das Áreas de Hemodinâmica e UTI em relação a questões que envolvem os cuidados pré e pós procedimentos em Hemodinâmica, bem como a realização do exame em si. Métodos Estudo prospectivo participatório utilizando questionários com 20 perguntas de múltipla escolha, com somente uma resposta certa. Os questionários foram aplicados a 26 enfermeiros entre os Setores de Hemodinâmica e UTI. As perguntas versavam sobre assuntos tais como: medicamentos que devem ser suspensos, profilaxia para pacientes com história pregressa de alergia a compostos iodados, preparo para pacientes com déficit de função renal, tempo de repouso após punção arterial femoral, cuidados no pós procedimento e na alta hospitalar, etc. Os resultados foram analisadas em relação ao percentual de entrevistados que sabia a resposta correta para cada uma das 20 perguntas. Resultados e Conclusões Avaliando-se as respostas às 20 questões em relação à percentagem de profissionais que emitiram a resposta certa, notamos que essa variou entre 4% até 81%, a depender da pergunta, com uma média de 41,8%. Apesar da noção geral em contrário, o percentual de erros é alto, comprovando-se a necessidade de intensa e contínua intervenção educacional específica nessa área.


221

PROTOCOLO DE RETIRADA DE INTRODUTOR ARTERIAL NO LABORATÓRIO DE HEMODINÂMICA: EXPERIÊNCIA DE DOIS ANOS


INALDA MARIA DE OLIVEIRA1, ELIANE MORAES1, JULIO BRANDO MESSIAS2

1) UNICORDIS, RECIFE, BRASIL 2) UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO, RECIFE, BRASIL

Introdução: Dentro do laboratório de hemodinâmica são realizados procedimentos de alta complexidade, onde os acessos arteriais tem sido objeto de pouca reflexão. A escolha do acesso arterial deve ser de forma individualizada levando-se em conta as características do paciente, o tipo de procedimento e a ocorrência do mesmo, podendo ser emergencial ou eletiva. Desta forma há a necessidade de um protocolo que avalie, otimize e sistematize toda assistência ao paciente. Objetivo: relatar a experiência da elaboração e utilização de um protocolo de retirada de introdutor arterial no laboratório de hemodinâmica. Metodos: Foram avaliadas prospectivamente 1.525 procedimentos de retirada de introdutor arterial em um laboratório de hemodinâmica de um hospital da cidade do Recife – PE, no período de outubro de 2003 a outubro de 2005. Resultados: Dos 1.525 procedimentos realizados 954 (62,6%) foram de cateterismo cardíaco, 243 (15,92%) de angioplastia, 116 (7,60%) de cateterismo cardíaco seguido de angioplastia, 88 (5,77%) de implantes de marcapassos provisórios, 69 (4,52%) de arteriografia, 50 (3,27%) de eletrofisiologia, e 5 (0,32%) de procedimentos diversos. Após o uso do protocolo de retirada do introdutor pela equipe multidisciplinar foram verificados apenas 9 (0,6%) incidentes (7 hematomas e 2 pseudo aneurisma), os hematomas foram tratados clinicamente, enquanto os pseudoaneurismas foram submetidos a drenagem. Conclusão: o uso do protocolo de retirada do introdutor arterial pela equipe multidisciplinar mostrou-se de grande utilidade, uma vez que facilitou a abordagem de forma rápida, normatizada, segura e sem grandes complicações.


222

IMPACTO DA IMPLANTAÇÃO DA TECLA “INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO (IAM) NA UNIDADE DE PRIMEIRO ATENDIMENTO (UPA)” NO TEMPO PORTABALÃO (TPB).


Ivanise Gomes1, Teresa Cristina Dias1, Luciane Rossi1, Nadia Sueli Medeiros1, Aline Pardo de Mello1, Marina Vaidotas1

1) Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo - SP, Brasil

Introdução: O IAM é a principal causa de morte nos países industrializados. Neste contexto, o uso de “guidelines” e protocolos demonstram grande efetividade, contribuindo na diminuição do tempo entre o diagnóstico e a terapia de reperfusão. O TPB é o indicador escolhido para monitorar o índice de qualidade de atendimento do serviço possibilitando constantes melhorias. A tecla “IAM na UPA” está localizada nos telefones da sala de emergência e aciona rápida e simultaneamente por meio de bip interno os setores de cardiologia intervencionista (CI), anestesia e unidade de terapia intensiva (UTI). Objetivo: Avaliar o impacto da implantação da tecla “IAM na UPA” no TPB. Metodos: Estudo descritivo retrospectivo que analisou 52 pacientes com IAM com supra desnivelamento do segmento ST (SST) com até 12h de sintomas e submetidos a intervenção coronária percutänea primária (ICPP) no período de janeiro/ 2004 a dezembro/ 2005 em um hospital privado. É preconizando o tempo ideal de atendimento até 90 min e aceitável até 120 min. A tecla foi implantada em fevereiro de 2005. Resultados: Antes da implantação da tecla foram realizadas 19 ICPP, com TPB médio de 102 min, e após 33 ICPP, com TPB médio de 92 min. Além da melhora na média do TPB, antes da implantação da tecla 31% foram abaixo de 90 min, 42% entre 90 e 120 min e 27% acima de 120 min e após a implantação 46% abaixo de 90 min, 45% entre 90 e 120 min e 9% acima de 120 min. Conclusão: A tecla “IAM na UPA” proporcionou agilidade no atendimento dos clientes submetidos a ICPP, viabilizando melhor chance de sobrevida em coronariopatas. O TPB médio diminuiu mostrando a busca de melhoria contínua e afirmou-se como um indicador assistencial estratégico para a instituição.



TEMAS LIVRES ENFERMAGEM APRESENTAÇÃO PÔSTER


223

IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE MEDIDAS COMPLEMENTARES DE PROTEÇÃO,


Carolina Freitas Pazzotto2, Aparecida Rodrigues Lima1, Carlos Guilherme B Fonseca1, Marcio Antonio dos Santos2

1) Hospital de Base , São José do Rio Preto, Brasil 2) Santa Casa de Misericordia, Barretos, Brasil

Introdução: Apesar do beneficio gerado pela utilização de radiações ionizantes, sabese que a interação da radiação com a matéria biológica pode produzir efeitos nocivos. Dentre todas as fontes de radiação ionizantes criadas pelo homem, as que mais contribuem para a sua exposição são as utilizadas em radiologia diagnóstica. Portanto, é necessária uma atenção especial para as exposições médicas. Na maioria das instituições verifica-se que os trabalhadores desconhecem a importância do uso dos monitores individuais, os limites de doses mensais e a melhor localização do monitor no corpo. Além disso, muitos usam apenas os protetores individuais esquecendo-se de que existem outros anteparos para proteção. Objetivo: Avaliar o impacto da utilização conjunta de vários protetores contra radiação (biombos, saias de mesa e cortinas plumbíferas) na redução da carga total de radiação ionizante recebida pelo médico hemodinamicista. Medida com auxílio do medidor individual. Método: Após a instalação de “protetores coletivos” de radiação na sala de hemodinâmica de dois hospitais com grande volume de cinecoronariografia diagnóstica e terapêutica, foi avaliado o impacto na dose total recebida pelo operador principal, comparando-se os 5 meses anteriores e posteriores à instalação. Foram usadas as medidas do monitor de lapela, colocado externamente ao avental de chumbo. Os dados foram comparados com auxílio do teste qui-quadrado adotando-se como significante valor de P menor ou igual a 0,05. Resultados: A dose acumulada nos 5 meses anteriores à montagem do sistema de proteção foi de 20,1mSv no 1º serviço e de 11,9 mSv no 2º serviço. As dose acumuladas após a montagem foram, respectivamente, de 8,2 mSv e 0,5 mSv. Houve, portanto, uma redução na dose de radiação de 59,2% no 1º serviço e de 95,8% no segundo. Na dose total individual somando–se os dois serviços houve uma redução da ordem de 73% (Tabela 1). A diferenças comparada com auxilio do teste qui-quadrado foram significantes tanto no Serviço 1 (P<0,01) quanto no Serviço 2 (P<0,001). Conclusão: As Salas de Hemodinâmica são um dos locais do hospital onde há maior exposição à radiação ionizante. Recomendase a necessidade de orientação ao pessoal diretamente exposto, ressaltando a importância não só do uso dos protetores individuais (aventais, óculos e protetores de tireóide) bem como dos protetores coletivos (biombos, saias de mesa e cortinas plumbíferas), uma vez que o impacto na redução da carga ionizante recebida é significante.

Tabela 1. Valores da carga ionizante total recebida pelo operador principal, ao longo dos 5 meses precedentes e 5 meses posteriores à adoção de medidas complementares de proteção contra radiação, em dois Serviços de Hemodinâmica.

Serviço 1 Serviço 2 Pré implantação Mês 1 3,4 1,2 Mês 2 4,7 2,4 Mês 3 2,5 2,4 Mês 4 3,5 2,5 Mês 5 6,0 3,4 TOTAL 20,1 11,9 Pós implantação Mês 1 2,5 0,5 Mês 2 2,5 ANR Mês 3 2,0 ANR Mês 4 0,4 ANR Mês 5 1,1 ANR TOTAL 8,2 0,5 Qui-quadrado- Serviço 1, Pré Implantação x Pós Implantação: P<0,01 Qui-quadrado- Serviço 2, Pré Implantação x Pós Implantação: P<0,001 Serviço 1, Pré Implantação x Pós Implantação: P<0,01


224

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES NO PER E PÓS – CATETERISMO CARDÍACO E ANGIOPLASTICA A LUZ DA CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL PARA PRÁTICA DE ENFERMAGEM-BETA


2 Anice de Fátima Ahmad Balduino1, Izabel Cristina Carnaval Chitolina2

1) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil 2) Prefeitura Municipal de Cascavel - PAC1, Cascavel, Brasil

O presente estudo evidencia a competência assistencial do enfermeiro clínico na elaboração do Diagnóstico de Enfermagem a luz da Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem - Beta 2 nas intervenções do Laboratório de Hemodinâmica como o cateterismo cardíaco e a angioplastia, considerados procedimentos de alta complexidade e de alto custo. Esse paradigma consiste em uma estrutura multiaxial contendo uma classificação de fenômenos Enfermagem, ações de Enfermagem e resultados que descrevem a prática de Enfermagem onde armazena informações para prática de Enfermagem, e também fornece dado que representam a prática de Enfermagem nos sistemas de informações em Saúde, em nível de ensino, pesquisa e gerencial. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica com abordagem qualitativa em paciente per e pós - intervenção no Laboratório de Hemodinâmica, estuda - se os fenômenos de Enfermagem relacionados aos aspectos de saúde. Os resultados mostraram conforme as seleções dos eixos, nos quais são os focos da prática de Enfermagem, o julgamento, a freqüência, a topologia, o local do corpo, a probabilidade. Sendo assim, foram elencados os seguintes diagnósticos de Enfermagem: débito cardíaco diminuído a nível moderado; arritmia presente a nível moderado; pressão arterial estável; risco para a perfusão tissular; risco para o sangramento do membro; risco para o hematoma do membro a baixo à direita; temperatura corporal presente; eliminação urinaria presente; laceração presente a nível moderado do membro a baixo à direita; posição corporal estável; dor cutânea estável; risco para náusea; risco para vomito; sonolência presente a nível moderado; risco para infecção; nervosismo presente a nível moderado; ansiedade presente a nível moderado; medo presente a nível moderado; risco para cair; precaução presente a nível moderado; dificuldade de virar o próprio corpo; capaz do gerenciamento do regime terapêutico; incapaz do autocuidado higiene; incapaz autocuidado alimentar-se; incapaz autocuidado vestir-se; incapaz autocuidado despir-se; incapaz autocuidado toalete. Sendo assim, os diagnósticos de Enfermagem a luz da Classificação Internacional para Prática de Enfermagem - Beta 2 são importantes para o enfermeiro enquanto prática clínica, onde deveria ser implantado os protocolos da Enfermagem através da Sistematização da Assistência de Enfermagem em pacientes per e pós intervenção no Laboratório de Hemodinâmica.


225

DISTRIBUIÇÃO DE FATORES DE RISCO E DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA EM PACIENTES SUBMETIDOS A ANGIOPLASTIA CORONARIANA TRANSLUMINAL PERCUTÂNEA, NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL


Marinez K.Armendaris1, Fabiane Jaqueline M. Alves1, Simone G. Ritter1, Carina Rosseto1, Patrícia Lima e Silva1

1) Hospital São Vicente de Paulo, Passo Fundo - RS, Brasil

INTRODUÇÃO As Doenças Cardiovasculares (DCVs), representam uma das maiores causas de morbi-mortalidade em diversos países no mundo. No Brasil a mortalidade decorrente de doenças do aparelho cardiovascular somam cerca de 80%. A doença aterosclerótica é considerada multifatorial, e a sua prevenção passa pela identificação de Fatores de Riscos (FR), divididos em modificáveis ( dislipedemia, diabetes, tabagismo, obesidade, sedentarismo, estresse e hipertensão arterial), e não modificáveis (idade, sexo, hereditariedade). A HAS destaca-se neste conjunto sendo responsável por cerca de 40% dos óbitos em pacientes portadores de doença arterial coronariana. O conhecimento dos FR, torna-se essencial para se estimar o risco da DCV para o indivíduo e possibilita o desenvolvimento de ações de saúde. OBJETIVOS Descrever a relação de fatores de riscos associado a doença arterial coronariana em pacientes submetidos a angioplastia coronariana transluminal percutânea (ACTP), na Região Norte do Rio Grande do Sul. MÉTODOS Estudo transversal retrospectivo, realizado no período de julho de 2005 á fevereiro de 2006, com uma população composta de 326 pacientes ambulatoriais que foram submetidos a ACTP eletiva. Foram quantificados no estudo FR: (sexo, idade, fatores hereditários, obesidade, diabetes, tabagismo, alcoolismo e hipertensão arterial). Os dados foram coletados a partir de uma entrevista com o paciente. RESULTADOS Fatores de risco não modificáveis: De um total de 326 pacientes, 205 eram do sexo masculino, 121 do sexo feminino, com idades entre > de 30 e < de 90 anos, prevalecendo a faixa etária entre 51 e 70 anos num total de 209 pacientes, 224 pacientes referiram história familiar de DAC. Fatores de risco modificáveis: Tabela 01: índice de FR presentes CONCLUSÃO Diante dos fatores de risco pesquisados evidencia-se a alta prevalência de hipertensão arterial, pacientes sobrepeso e obesos distribuídos quanto a classificação, caracterizando uma quantidade significativa se comparados a estudos clínicos já conhecidos. Evidencia-se também uma percentagem alta quanto a presença de história familiar de DAC representando 68,70% dos entrevistados. A identificação e a quantificação dos diferentes fatores de risco é de suma importância aos profissionais da saúde, pois a partir do conhecimento epidemiológico é possível desenvolver ações e educação em saúde voltadas para a qualidade de vida do indivíduo.

Fator de Risco Nº Pacientes %
HAS 252 77,3
ALCOOLISMO 3 2 9,8
TABAGISMO 9 6 2 9 , 4
OBESIDADE Sobrepeso 1 6 2 4 9 , 6
OBESIDADE Grau l 5 7 1 7 , 4
OBESIDADE Grau ll 1 0 3,0
OBESIDADE Grau lll 2 0,6
D I A B E T E S 7 9 2 4 , 2


226

A RADIAÇÃO IONIZANTE E SEUS EFEITOS NA EXPOSIÇÃO DIÁRIA


SIMONE C. GIRARDELLO RITTER1, PATRICIA DE LIMA E SILVA1, CARINA PERES ROSSETO1, MARINEZ K. ARMENDARIS1, FABIANE J. M. ALVES1

1) HOSPITAL SAO VICENTE DE PAULO, PASSO FUNDO, BRASIL

INTRODUÇÃO: A radiação X é eletromagnética capaz de ionizar a matéria devido ao seu alto conteúdo de energia, no tecido humano, a ionização pode causar danos ao DNA e as células. A radiação causa ionização dos átomos, que afeta moléculas, que poderão afetar células, que podem afetar tecidos que poderão afetar órgãos, e enfim todo o corpo. Como por exemplo os linfócitos (glóbulos brancos) e células que produzem sangue e estão em constante reprodução sendo as mais sensíveis. Os sistemas fluoroscópicos utilizados em Hemodinâmica utilizam um intensificador de imagem de Raio X que converte a energia desses Raios X em luz visualizada em um monitor de vídeo. OBJETIVO: Descrever as principais alterações laboratoriais decorrentes da exposição diária de 6hs a radiação ionizante, comparativas ao aumento da quantidade de procedimentos neste período de tempo. MÉTODO: Estudo de coorte, onde foram analisados os resultados das doses mensais de cinco funcionários nos anos de 2004/2005 os quais utilizaram corretamente as proteções para ambientes expostos ao Raio X oferecidos pela Instituição Hospitalar.Sendo 7.959 procedimentos/2004 e 9.359/ 2005. CONCLUSÃO: A dose de radiação foi significativamente maior no ano de 2005( 22,2 vs 28,9 ), p< 0,05 Não ouve nenhuma alteração estatística nos resultados laboratoriais, demonstrando que o aparelho está calibrado adequadamente e os equipamentos de proteção são efetivos e estão sendo utilizados de forma consciente.


227

IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLO PARA REPROCESSAMENTO DE CATETER DE HEMODINÂMICA NO LABORATÓRIO DE HEMODINÂMICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE


Lília Ribeiro Guerra1, Leonardo Justin Carâp1, Mário Luiz Ribeiro1, Patrocínia G. Delatorre1, Susan Márcia S. de M. Amarante1, Cláudia da Silva e Souza Candiota1

1) Hospital Universitário Antonio Pedro da Universidade Federal Fluminense, Niterói - R.J., Brasil

Introdução: Reprocessamento é o processo de desinfecção ou esterilização a ser aplicado a produtos médicos hospitalares exceto os de uso único, que permite sua reutilização incluindo limpeza, preparo, embalagem, rotulagem, e controle de qualidade em todas suas etapas. A importância de realizar o reprocessamento decorre não somente pela necessidade de se reduzir custos como também pela necessidade de se reduzir a geração de resíduos. Os cateteres de hemodinâmica eram registrados no Ministério da Saúde como artigo de uso único, desta forma, era proibido o reprocessamento segundo a Portaria Nº 4 de 07/02/1986 da Divisão de Medicamentos (DIMED). Entretanto, o reprocessamento destes cateteres é prática habitual em quase todo o mundo, inclusive no Brasil, não só nos hospitais públicos, que são remunerados pela tabela do Sistema Único de Saúde, como nos hospitais privados. A Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 30 de 15/ 02/2006 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) dispõe sobre o registro, rotulagem e reprocessamento de produtos médicos, e dá outras providências e a RDC nº 5 de 15/02/2006 vem estabelecer a lista de produtos médicos enquadrados como de uso único proibidos de serem reprocessados. Estas RDC retiram os cateteres de hemodinâmica da “Lista de Produtos Médico-Hospitalares de Uso Único”, permitindo que estes cateteres sejam reprocessados, desde que haja um protocolo validado que garanta a segurança do reuso do cateter. Objetivos Gerais: Elaborar critérios para validação do processo de reprocessamento de cateteres de hemodinâmica no Hospital Universitário Antonio Pedro da Universidade Federal Fluminense. Objetivos Específicos: 1.Garantir a qualidade e segurança dos procedimentos de hemodinâmica. 2. Evitar eventos adversos decorrentes da quebra dos cateteres de hemodinâmica que sofreram múltiplos reprocessamentos. Metodologia: elaboração de protocolo para controle do reprocessamento dos cateteres de hemodinâmica, identificando tipo, marca, fabricante, data de validade, datas e números de reprocessamentos. Resultados: Um dos principais resultados obtidos foi permitir a rastreabilidade dos cateteres reprocessados e avaliar, com os critérios adotados, a qualidade dos cateteres a cada reprocessamento. Conclusão: O protocolo de validação permite controlar o número de reprocessamento dos cateteres e evitar eventos adversos decorrente do uso de cateter reprocessado durante o procedimento de hemodinâmica.


228

MELHORIAS NA QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE POR MEIO DA GESTÃO POR PROCESSOS:O CASO DAS INTERVENÇÕES CORONÁRIAS COM IMPLANTE DE STENTS.


Aparecida Irian G Cunha1, Flavio Morgado1

1) Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, Brasil

Introdução: As Organizações de Saúde(OS) podem, em uma visão estratégica do negócio, utilizar-se de suas estruturas organizacionais e inovar, usando a forma de organização flexível para poder usar seus recursos materiais, tecnológicos, administrativos, humanos e financeiros de maneira adequada e racional. Metodologia: A proposta feita é a de utilizar a gestão por processos dentro de uma OS, pois toda organização é composta por um conjunto de processos de trabalho interfuncionais. Como objeto deste trabalho escolheu-se um processo chave estratégico - a Angioplastia Coronária com Implante de Stent , que tem grande impacto sobre os resultados da organização e fornece uma vantagem competitiva em relação às outras organizações. As 07 etapas de padronização dos processos compreendem toda a cadeia produtiva da organização, com foco no cliente, na produção ou serviços produtivos, nos serviços de apoio e no desempenho dos fornecedores. São elas: 1.Identificar os processos-chave da organização. São processos independentes do organograma e não tem correlação com a estrutura organizacional da instituição. 2.Estabelecer, para cada processo, e de forma completa, fornecedores, insumos, tarefas, produtos e clientes. Selecionar as tarefas prioritárias para realização dos trabalhos e elaborar um fluxo básico destas tarefas. Elaborar fluxograma geral por processo na forma de macrofluxograma. 3.Elaborar e analisar a matriz de responsabilidade do processo enfocando todas as tarefas, entre os setores e/ou funções envolvidas. 4.Definir por tarefa prioritária características da qualidade, indicador(es), suas fórmulas, freqüência , modo de realizar e responsável pela medição. 5.Elaborar o POP (Procedimento Operacional Padrão) para cada tarefa que compõe o processo. 6.Efetivar a implantação dos processos de padronização. Treinar conforme os POP’s. 7.Monitorar e acompanhar a operacionalização do processo por meio de auditoria para poder corrigir as anomalias ou não conformidades. Conclusão: Ver a organização voltada para processos de negócio é um grande desafio para os gestores. A proposta da gestão por processos no setor da Saúde é reconfigurar ou horizontalizar a estrutura organizacional verticalizada de forma coerente e flexível, melhorar a qualidade e a produtividade. Esta visão poderá contribuir eficazmente na redução dos custos e na melhoria da alocação dos recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros nas OS,seja ela pública ou privada.


229

SINDROME DE FLUJO LENTO ¿ES UNA ENFERMEDAD ARTERIAL CORONARIA?


T.S.U Niria Fela 1

1) Laboratorio de Hemodinamia. Clinica El Avila, Caracas, Venezuela

Introducción: La presencia del flujo coronario lento en las arterias coronarias normales tiene con frecuencia un curso sintomático, algunos informes han demostrado su potencial patológico. El flujo lento coronario se ha definido como TIMI 2 con lesiones < 50%. Un flujo TIMI 2 en arterias coronarias normales en presencia de angina, es mucho más raro. Además de la asociación con factores de riesgo para desarrollar enfermedad coronaria, el hallazgo temprano de esta condición podría ser predictor de ateroesclerosis posteriormente. Propósito: Evaluar, estudiar y demostrar a los pacientes con resultados angiográficos de coronarias normales con Síndrome de flujo lento intracoronario y como el personal de enfermería actúa ante este resultado. Metodos: Entre Enero/2004 y Abril/2006, en el laboratorio de cardiología intervencionista de la clínica El Ávila, se han realizado 74 cateterismos diagnósticos en ptes con manifestaciones clínicas típicas al momento de la evaluación como síntoma principal, bien sea opresión en el pecho (angina), cansancio, otros, en algunos casos fueron estudiados en forma no invasiva con pruebas de provocacion de isquemia, ergometria (prueba de esfuerzo), o Medicamentosa (eco stress -DOBUTAMINA), otros casos con IM agudo, que presentaban flujo lento coronario con arterias coronarias normales, como resultados angiográficos. El cateterismo diagnóstico se realizó mediante técnicas convencionales. Características de estos pacientes: N = 74 Edad 33 - 87 Sexo: Hombres 43,25%, Mujeres 56,75%, 82,43% HAS, 39,18% fumador, 90,5% colesterol y trigliceridos y otros factores de riesgos ocupan el 70%, el 10,08% tenian pruebas de provocacion de isquemia +, el 95,95% entrevistado mejoraron con el tto, solo el 4,05% no fue concluyente en los datos. Resultados: Además del cuidado antes, durante y post procedimiento El trabajo de enfermería se basó en la revisión de historias clínicas e interrogatorio de los 74 pac que tuvieron diagnóstico angiográfico flujo lento coronario con coronarias normales, se contactaron 95% de los pac y se puede decir que El “fenómeno de flujo lento coronario en coronarias normales es una entidad clínica importante porque puede ser la causa de la angina durante el ejercicio, de infarto al miocardio agudo y en la hipertensión entre otros. A pesar del buen pronóstico de estos pac el síndrome sigue siendo incierto, desconocido y merece una investigación exhaustiva.


230

QUIMIOEMBOLIZAÇÃO PERCUTÂNEA DE TUMOR HEPÁTICO EM LABORATÓRIO DE HEMODINÂMICA


SIMONE C. GIRARDELLO RITTER1, PATRICIA DE LIMA E SILVA1, CARINA PERES ROSSETO1, MARINEZ K. ARMENDARIS1, FABIANE J. M. ALVES1, DR. ROGÉRIO TADEU TUMELERO1

1) HOSPITAL SAO VICENTE DE PAULO, PASSO FUNDO, BRASIL

INTRODUÇÃO: O tratamento dos tumores hepáticos primários pode contemplar um conjunto de ações como cirurgia, radioterapia e quimioterapia sendo esta por medicamentos, embolizações e quimioembolizações. O prognóstico é extremamente reservado, a sobrevida em cinco anos é de aproximadamente 1% a 7%. A opção do tratamento percutâneo por via radial ou braquial se apresenta como uma alternativa ao acesso femural visando a redução de complicações relacionadas ao acesso e proporcionando mais conforto ao paciente. OBJETIVOS: Descrever as complicações sistêmicas e os efeitos colaterais, relacionados ao acesso arterial em pacientes submetidos a quimioembolização hepática por via percutânea. METODOLOGIA: Estudo transversal prospectivo, considerando 23 procedimentos de quimioembolização hepática realizados percutaneamente no período de 2004 a 2006. Para realização das intervenções foram utilizados Kits trans-radiais e as abordagens arteriais de escolha foram radial e braquial. RESULTADOS: Foram realizados 23 procedimentos de quimiomebolização hepática em pacientes com idade média de 62,6 +- 9,8 anos, sendo todos (100%) do sexo masculino. Utilizouse a via braquial em 20 pacientes (87,0%), e a via radial em 3 pacientes (13,0%). As complicações observadas encontram-se descritas na Tabela 1, não havendo diferença significativa entre os grupos observados. O sucesso da cateterização da artéria hepática e seus ramos ocorreu em 100% dos casos. Tabela : Complicações observadas. CONCLUSÃO: A utilização da via braquial é uma alternativa segura e com alta taxa de sucesso para o tratamento tumoral hepático, pela facilidade na abordagem arterial e cateterização dos ramos hepáticos com baixos índices de complicações relacionadas a esta via. A algia e a náusea foram as principais queixas observadas. O conhecimento e a quantificação destas complicações inerentes ao procedimento possibilitam um cuidado de enfermagem mais seguro e eficaz.

Complicações Braquial (N=20) Radial (N=3) Global (N=23)
Náuseas 8 (40,0%) 1(33,0%) 9(39,1%)
Algia 10(50,0%) 1(33,0%) 11(47,8%)
Hipertermia 6(30,0%) 1(33,0%) 7(30,4%)
Diarréia 1(5,0%) - 1(4,3%)
Edema 1(5,0%) - 1(4,3%)
Hematoma 2(10,0%) - 2(8,7%)
Sangramento 2(10,0%) - 2(8,7%)


231

DOSAGEM IDEAL DE HEPARINA NAS INTERVENÇÕES CORONÁRIAS PERCUTÂNEAS – CORRELAÇÃO COM A SUPERFÍCIE CORPORAL.


Claudia B. Zanuzzi1, Newton Stadler1, Marisa F. Leal2, Ricardo Wang1, Herminio Haggi1, Patrick Pereira1, Eclea Ulaf1, Estela Klosoviski1

1) Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, Curitiba - PR, Brasil 2) Centro de Imagem Ecoville, Curitiba - PR, Brasil

A sensibilidade dos diferentes indivíduos à heparina varia; requerendo doses variáveis para a obtenção do mesmo efeito anticoagulante. Para monitorizar a anticoagulação na perfusão sanguínea utiliza-se o método do Tempo de Coagulação Ativado (TCA) - Hemochron. O objetivo do estudo é avaliar os resultados do TCA na angioplastia coronária (ATC) e a dosagem de heparina feita em cada procedimento. No período de maio de 2004 a janeiro de 2006, 493 pacientes (pct) foram submetidos a ATC onde todos foram medidos o TCA imediatamente após o término do procedimento. A média da idade foi de 62±10.9 anos com o predomínio do sexo masculino em 64.7%. A Superfície Corpórea (S.C.) média doi de 1.8±0.2, peso 73.4±14.3 kg e a dosagem de heparina que foi de 10.000UI em 99.8%; Observou-se 14% dos pct na vigência de Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) e 86% pct atendidos eletivamente. A medicação prévia incluiu AAS em 100% dos pct , ticlopidina em 64.8% , clopidogrel em 35.2% e Abciximab em 0.81% dos casos analisados. O TCA médio encontrado foi 297.8±116.5 segundos (seg.). Quando analisou-se os casos em que o TCA foi <200 seg. , o índice de S.C. foi significativamente maior de 1.9 (p=0.0054). Não houve relação entre pct com IAM e o TCA baixo, porém a dosagem de heparina foi maior que 20.000UI nos pct com IAM (p= 0,053) . Podemos concluir que a média do TCA obtida em cada procedimento está acima do valor normal sanguíneo (80 a 120 seg.) o qual favorece uma adequada heparinização durante a ATC e que a dosagem de heparina deve ser ajustada conforme a S.C. de cada pct. Nos casos de IAM houve a necessidade de maiores doses de heparina para aumentar o TCA.


232

PROGRAMA DE CONTROLE E GARANTIA DE QUALIDADE EM RADIAÇÃO IONIZANTE EM CENTRO DE HEMODINÃMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA


CRISTIANE TOMÉ1, ROSALY GONÇALVES1, SILVIO GIOPATTO1, HELIO CASTELLO1, MARCELO CANTARELLI1, ANTÔNIO CARLOS MOREIRA1, MARCOS LIMA1, ODETE DE OLIVEIRA1, EVANDRO PRACCHIA1, EDNELSON NAVARRO2

1) HOSPITAL BANDEIRANTES, SÃO PAULO - SP, BRASIL 2) HOSPITAL REGIONAL DO VALE DO PARAÍBA, TAUBATÉ - SP, BRASIL

Introdução: Os profissionais que trabalham nos Centros de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista são, reconhecidamente, os mais expostos à radiação ionizante e seus efeitos deletérios. Além dos cuidados habituais como uso de acessórios para proteção radiológica, faz-se necessária a implementação de um Programa de Controle e Garantia de Qualidade (PCGQ), com atualização constante dos profissionais em relação às novas tecnologias Os benefícios de um PCGQ são: redução do tempo de exposição, aumento da qualidade das imagens, diminuição dos custos, e otimização de exposição aos pacientes (dose de entrada na pele) e equipe médica (dosimetria ocupacional).Materiais e Metodos: Com base na com a Resolução No. 64 de 04/2003 e Portaria MS 453/98, onde fica estabelecido que todos os estabelecimentos que utilizam radiação ionizante devem ter um PCGQ, realizamos uma pesquisa no Centro de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Hospital Bandeirantes. Com uma média mensal em torno de 500 procedimentos e anual por volta 6000, é de fundamental importância o estabelecimento de um PCGQ com testes, controles e relatórios realizados mais amiúde Utilizando como base as Normas e Diretrizes Nacionais para obtenção de informações sobre o PCGQ, a pesquisa revelou pontos onde pode haver melhorias e questionou a periodicidade de Manutenções Preventivas e Corretivas nos equipamentos de Cinefluoroscopia, Conhecimentos de Normas e Radioproteção, treinamentos periódicos de profissionais, Processamento radiográficos e levantamentos radiométricos. Conclusões Observamos que o Serviço possui um PCGQ em relação aos equipamentos e acompanha as Normas de Radioproteção. Constatamos, entretanto, pontos ainda não otimizados e a falta de métodos que poderiam melhorar de forma mais abrangente todo o Setor. Sugerimos a implementação de medidas, tais como: padronização e treinamento dos operadores durante a realização dos procedimentos (utilização de colimadores, filtros, distância foco-pele e tempo) sob a Supervisão de um profissional especializado em radiação Ionizante.


233

TASA DE UTILIZACIÓN DE GUÍAS CORONARIAS PARA ANGIOPLASTIAS EN UN HOSPITAL DE ALTA COMPLEJIDAD Y VOLUMEN: PROGRAMA DE SINGLE USE.


Tec Rx Alberto Zichert1, Tec Rx Claudio Rodriguez1, Tec Rx Gustavo Bulacio1, Tec Rx Hernan Velazquez1, Tec Rx Norma Crozzoli1, Tec Rx Laura Diaz1, Enf Cristia Ledezma1, Mco. Oscar mendiz1

1) Fundacion Favaloro, Buenos Aires, ARGENTINA

Objetivo: Evaluar la tasa de uso de guías coronarias 0.014” en un programa, de “single use ”, necesarias para realizar angioplastia coronaria (ATC) durante 12 meses en un centro de alta complejidad y volumen en Argentina. Material y Metodos: Entre Enero y Diciembre del 2005 se realizaron 819 ATC; Se trataron en 519 un vaso, en 214 dos vasos y en 86 tres vasos, contabilizando un total de 1207 vasos y 1373 lesiones (Ls), incluyendo 175 (7.8% ) oclusiones totales (OT) y 93 (14.7%) bifurcaciones. (1.7 Ls x procedimientos (Proced.). Guías utilizadas ver Tabla: Nº Guías 1144 100% “FLOPPY” 975 85.22% -Hidrofílicas 442 45.33% -No Hidrofílicas 533 54.66% Según Soporte: -Bajo Soporte 464 47.60% -Moderado Soporte 470 48.20% -Alto Soporte 41 4.20% INTERMEDIA 20 1.74% -Hidrofílicas 10 50% -No Hidrofílicas 10 50% RÍGIDAS -Hidrofílicas 88 7.69% EXTENCIONES 61 5.33% Se utilizaron 1144 guías: La relación alambre guía / lesión fue de: 0.8. La relación alambre guía / vaso fue de:0.9. La relación alambre guía / procedimiento fue de: 1.4 Resultado: Se logró cruzar con éxito 1360 Ls. (99%), con un fracaso de cruce en 13 Ls. de OT (1%), ( oclusiones con más de año de evolución). Conclusión: La tasa de uso de guías .014” fue de 1.4 por procedimiento. La cual consideramos como Moderada-Baja de acuerdo al número de lesiones y la complejidad de las mismas.


234

EXPERIÊNCIA DO USO DO DISPOSITIVO PARA HEMOSTASIA NEPTUNE PAD EM PACIENTES SUBMETIDOS AO CATETERISMO CARDÍACO


Carlos Augusto Bueno Silva1, Regina Lopes Martins1 1) Hospital São João de Deus, Divinópolis - Minas Gerais, Brasil

Introdução: O controle do acesso arterial após intervenção percutânea permanece como um aspecto crucial nos procedimentos da Cardiologia Intervencionista. A maioria das intervenções são realizadas com introdutores de 5 e 6F e freqüentemente são administrados anti-coagulantes e agentes anti-plaquetários. Complicações chegam alcançar 14% dos pacientes de acordo com Pompa et al. E Muller et. al. Estas complicações resultam no aumento de custos , maior permanência do paciente no hospital e a necessidade de pessoas especializadas nos serviços. A compressão manual ou com a ajuda mecânica são os métodos mais populares para a hemostasia. Vários dispositivos foram criados na tentativa de diminuir as complicações arteriais entre eles os dispositivos não invasivos. Objetivo: Avaliar a performance do Neptune Pad® (Biotronik GmBH) em pacientes submetidos a cateterização cardíaca. Metodos:O Neptune Pad foi umedecido com 3 gotas de soro fisiológico e colocado acima do local da punção. A compressão manual foi realizada em todos os pacientes por um período mínimo de 10 minutos antes da primeira checagem. Em caso de necessidade a compressão era feita por mais 5 minutos até o total de 20 minutos. O Neptune Pad permaneceu no local da punção por 24 horas e então removido pelo próprio paciente. Conclusão: A experiência com 23 pacientes confirma que a hemostasia com o Neptune Pad é alcançada em menos de 13 minutos em média e que a deambulação do paciente pode ser realizada de forma segura em menos de 5,5 horas quando introdutores 5F e 6F são utilizados. O Neptune Pad é seguro, porém uma amostra maior de pacientes ainda é necessária. Bibliografia: 1. Pompa JJ, Satler LF, Pichard AD, et al. Vascular complications after balloon and new device angioplasty. Circulation 1993;88:1569- 1578. 2. Muller DW, Shamir KJ, Ellis SG et al. Peripheral Vascular Complications After Conventional and Complex Percutaneous Coronary Interventional Procedures. Am J Cardiol 1992;69:63-68

Introdutor Pré-Medicação Medicação durante procedimento Tempo para Hemostasia Tempo para deambulação Complicações
5F=9 Aspirina=14 Heparina=22 <10 min=6 <4h=4 Nenhuma=20 Hematomas
Anti-
6F=9 plaquetário Nenhum=01 10<15 min=13 4<6h =15 <3cm após 24 horas =3
=9
7F=5 Aspirina e
Anti-plaquetário =4 20 min=4 12h=4


235

AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PRESTADA AOS PACIENTES SUBMETIDOS A ANGIOPLASTIA TRANSLUMINAL CORONARIANA (ATC) COM STENT


Noemi R. Fiuza de Oliveira1, Nelson H. da Silva Junior1, Grace M. Pereira Lima1

1) Universidade Federal de São Paulo-Hospital São Paulo, São Paulo, Brasil

INTRODUÇÃO: Pesquisas desenvolvidas mostram o progresso da utilização da Angioplastia Transluminal Coronariana (ATC) , provando ser um método seguro para o tratamento de doença obstrutiva coronariana, sendo que o maior avanço foi o emprego de stents.Na era baseada em evedências, nos questionamos quais as bases de evidências são consideredas no momento da prestação da assitência de enfermagem para pacientes que se submetem a ATC com stent. OBJETIVOS: Identificar o tipo de assitência de enfermagem prestada nas primeiras 24 horas após ATC com utilização de stents e propor um protocolo de assitência mínima de enfermagem para pacientes submetidos a ATC com stent nas primeiras 24 horas. MATERIAL E MÉTODOS: Trata-se de um estudo descritivo exploratório de abordagem qualiquantitativa, foram analisados periódicos nacionais e na língua inglesa no período de dez anos (1995 a 2005), uitlizando como fonte de dados Lilacs, Dedalus e Bedenf e coletados dados em um hospital escola de grande porte, na cidade de São Paulo. O instrumento utilizado foi um questionário estruturado com questões fechadas de múltipla escolha.A população foi composta por profissionais da equipe de enfermagem que atuam nos locais selecionados para coleta de dados. Os dados foram submetidos a análise de conteúdo, não sendo empregado tratamento estatístico pelo reduzido número da amostra. RESULTADOS E CONCLUSÃO: A analise dos dados mostrou que a assitência de enfermagem prestada ao paciente que se submeteu a ATC com stent muitas vezes se baseia no senso comum, devido a carência de trabalhos científicos específicos sobre o assunto. Com base no confronto entre os resultados dos dados coletados e o levantamento bibliográfico foi estabelecido um padrão mínimo de assistência de enfermagem PADRÕES MÍNIMOS DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES SUBMETIDOS A ATC COM STENT POR PUNÇÃO FEMURAL: 1.Realizar a transferência do paciente da maca para a cama com o auxílio de um transfer 2.Realizar controle de SSVV imediatamente após a chegada do paciente 3.Avaliar o membro infeiror puncionado 4.Providenciar a realização de ECG e coleta de sangue para exames conforme pedido médico 5.Orientar o paciente a manter repouso absoluto sem fletir o membro puncionado ou elvar o tórax acima de 30° 6.Realizar curativo compressivo no local da punção após a retirada do introdutor 7.Observar a pesença de hematoma 8.Estimular a ingesta hídrica 9. Realizar controle de diurese nas primeiras 24 horas


236

ELABORAÇÃO DE UMA ROTINA TÉCNICA DE ENFERMAGEM PARA A RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR ARTERIAL PELO ENFERMEIRO DO LABORATÓRIO DE HEMODINÂMICA, DA UNIDADE CARDIOVASCULAR E DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA APÓS PROCEDIMENTO AMBULATORIAL OU COLOCAÇÃO DE PRÓTESE ENDOVASCULAR.


Rodney de Jesus da Silva1, Juliana Meyofher1

1) Hospital Evangelico Samaritano Campinas, Campinas-SP, Brasil

Introdução: A doença coronária é considerada de alta prevalência , mortalidade e morbidade, responsável por 30% de todas as causa de morte, sendo no Brasil 300 mil óbitos/ano (Pessaro.2004). Atualmente os tratamentos nos grandes centros se baseiam na abertura precoce da artéria coronária acometida, seja por agente químico ou mecânico. O advento das unidades coronárias e os laboratórios de hemodinâmicas reduziram a mortalidade (Solemene, 2003). Metodologia: O presente trabalho é um relato de experiência na implantação de uma rotina de enfermagem para compressão arterial pós à retirada de cateter arterial na sala de recuperação e na unidade de internação após a realização de procedimento em laboratório de Hemodinâmica, em um hospital particular de médio porte no interior do Estado de São Paulo. A retira do introdutor do acesso arterial é realizado pelo médico hemodinamicista ou pelo enfermeiro da unidade capacitado para realizar o procedimento, após previa estabilização da pressão arterial do paciente e do tempo necessário pela utilização de heparina pré - procedimento. Em acesso femural é realizada a compressão manual por 30 minutos, sendo 20 minutos com compressão com oclusão do ramo arterial e nos 10 minutos restantes sentindo fluxo arterial pela polpa digital. Após é realizado curativo compressivo com chumaço de gaze, micropore e esparadrapo. Em acesso radial é realizado curativo compressivo circular com gaze e esparadrapo por 30 minutos com aquecimento do membro com cobertor e após troca por curativo com gaze e esparadrapo sem compressão. Conclusões: Observamos que em comparação à técnica de procedimento femural, a técnica de punção de artéria radial expõe o funcionário a um menor risco lesão de trabalho relacionado às LER, pois a compressão manual é realizada pelo profissional de enfermagem e a uma compressão mecânica através do curativo circular além da otimização do tempo do funcionário na realização de compressão e curativo. Com otimização das rotinas pois o profissional esta disponível em maior quantidade de tempo, os pacientes relatam maior conforto com a compressão radial, melhor recuperação do paciente menor sangramento nas primeiras 24h, dos procedimentos ambulatoriais no período de maio de 2005 a dezembro de 2005 houveram retorno de 3 pacientes no serviço de emergência sendo pós procedimento, por via femural. O enfermeiro retira o introdutor, observa a evolução do curativo e o risco de formação de hematoma local pos retirada de introdutor


237

IMPACTO DE UM PROGRAMA MULTIPROFISSIONAL PARA CONTROLE DE QUALIDADE DOS EQUIPAMENTOS DE HEMODINÂMICA


Simone S. Fantin1, Rogério F. de Medeiros1, Alcides J. Zago1, Jacqueline Wachleski1, Melania S. M. Ferreira1, Eder Rezende1

1) Comunidade Evangélica Luterana São Paulo, Porto Alegre, Brasíl

Introdução: Com a velocidade da evolução tecnológica os serviços de hemodinâmica são equipados com sistemas eletromédicos e cinefluoroscopias mais complexos. Esta complexidade é verificada também nos software que apresentam ferramentas de quantificação, monitoração e controle de qualidade. Sendo assim, para operação, controle e calibração destes equipamentos são necessários profissionais qualificados. A qualificação é alcançada com a construção de uma equipe multidisciplinar onde a ação técnica é dividida em utilização e monitoração. Na utilização verificamos as atividades operacionais de monitoração, intervenção e diagnóstico as quais são realizadas pelo enfermeiro, médico ou técnicos de enfermagem e radiologia. Para esta ação, os profissionais recebem treinamentos operacionais, de segurança e preceitos de qualidade. Na monitoração temos as atividades de controle de qualidade, de manutenção preventiva e corretiva e controle das calibrações as quais são realizadas por físicos. Nesta ação os profissionais trabalham em conjunto com outras áreas: assistência técnica, engenharia biomédica e neste projeto, com o usuário. Metodos: Levantamento realizado num período de 5 anos, num Serviço de Hemodinâmica onde foi constituída a equipe multiprofissional, registramos as principais melhorias verificadas no serviço. O levantamento de dados foi elaborado utilizando um aplicativo em Access para realização de gerenciamento e registros das intervenções. Considerando os dados produzidos pela ferramenta, identificamos os principais resultados: registro dos equipamentos eletromédicos e acessórios do setor; diminuição do tempo médio de equipamentos parados por anomalia; menor número de problemas operacionais no uso dos equipamentos; maior número de soluções de problemas técnicos; melhor controle de equipamentos em manutenção; acompanhamento e registro de peças trocadas;otimização do acompanhamento de garantias de peças e serviços; otimização dos preceitos de qualidade; identificação e correção de anomalias operacionais; implementação de ensaios que monitoram segurança e qualidade. Conclusão: A parceria multidisciplinar se mostrou de grande valia para o setor, tanto econômica quanto operacionalmente. Destacamos a melhoria do atendimento aos pacientes, considerando preceitos de segurança e qualidade oferecidos e a otimização do diagnóstico e prevenção de anomalias operacionais, as quais são corrigidas com o objetivo de prevenir prática incorreta e paralisação de atividades.


238

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NO “STAFF” DURANTE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS E TERAPEUTICOS INVASIVOS EM CARDIOLOGIA.


Wesley Ferraz da Silveira1, Ricardo José Tófano1, Paulo M Craveiro2, Luciana P Lima2, Emico Okuno3, Francisco S Cancio3, Rafael Aliceda Ferraz1

1) Hospital Universitário, Marilia - SP, Brasil 2) Faculdade de Medicina de Marilia, Marilia - SP, Brasil 3) Instituto de Fícica - USP, São Paulo, Brasil

Objetivo: Avaliar as doses recebidas pelo “staff” durante procedimentos diagnósticos e terapêuticas em serviço de Hemodinâmica do Hospital Universitário de Marilia. Estimar o número máximo de exames mensais que os profissionais podem realizar, dentro das normas de proteção radiológica vigentes, considerando ou não o uso de acessórios de proteção. Materiais e métodos: Foram realizados 60 exames, diagnósticos e terapêuticos, divididos em 2 grupos: G1: Trinta exames, com uso de avental, óculos e anteparo de vidro plumbífero, sem o protetor de tireóide. G2: Trinta exames, com uso de avental e óculos plumbíferos e protetor de tireóide, sem o uso do anteparo de vidro plumbífero.Uma enfermeira-operadora foi monitorada nos dois grupos, usando avental e protetor de tireóide. A monitoração foi feita colocando-se detectores de radiação com dosímetros termoluminecentes em diferentes partes do corpo. O equipamento de hemodinâmica utilizado foi o Sismed 600N, previamente calibrado. Resultados: As leituras dos dosímetros demonstraram que: a) o avental de chumbo exerce excelente proteção tanto do corpo como um todo quanto das gônadas, sendo absolutamente necessário seu uso; se o médicooperador não usar o avental plumbífero, ele fica limitado a realizar 50 exames/ mês e no caso das enfermeiras, a 214 procedimentos/mês; b) No caso em que o médico faz uso de avental, protetor de tireóide, óculos e anteparo de vidro plumbífero, o que acaba limitando o número de intervenções é a dose no cristalino; isto é, a limitação é de 250 procedimentos por mês e no caso das enfermeiras a 357; c) o médico-operador que usa o avental de chumbo, mas não o anteparo de vidro plumbífero, recebe dose excessiva nas mãos, ficando limitado a realizar 85 exames mensais. Conclusão: O estudo demonstra que apesar de não ser uma amostragem estatisticamente significativa, pode-se observar que com o uso dos acessórios é possível se fazer em média 250 exames/mês, sendo a causa da limitação a dose no cristalino.


239

UN NUEVO NOMBRE PARA UN PROBLEMA VIEJO. BURNOUT O SÍNDROME DE AGOTAMIENTO PROFESIONAL


Alejandro Incarbone1, Claudio Llaurado1, Maximo Rodriguez Alemparte2, Juan Mieres2, Gustavo Ochoa2, Ruben Dayan1, Mauro Atienza1, Alfredo Rodirguez1

1) Sanatorio Otamendi, Capital Federal, Argentina 2) Sanatorio Las Lomas, Capital Federal , Argentina

Introducción: La palabra Burnout significa estar desgastado, exhausto y perder la ilusión por el trabajo. El Síndrome de Burnout (SB)es un conjunto de signos y síntomas derivados de un proceso gradual que hace que el individuo se sienta fracasado. Una gran mayoría de estudios manifiestan que los profesionales de la salud son la población mas vulnerables a desarrollarlo, como así también las mas estudiada. Objetivo: Determinar, evaluar y comparar la prevalecía o existencia del síndrome, en los profesionales de la salud que desarrollan sus actividades dentro de nuestros sanatorios. Materiales y métodos: Este síndrome será evaluado por medio de un cuestionario de datos sociodemográficos y una escala de Maslach Bournout inventory (MBI). No se pueden dejar pasar por alto los factores extralaborales, y las variables individuales como la edad, sexo, estado civil, el tener o no hijos, que serán evaluados mediante el cuestionario sociodemográfico. Se han ingresado a este estudio, todos aquellos profesionales de la salud, incluyendo personal administrativo, que hayan trabajado al menos durante seis meses consecutivos en nuestro dos servicios. Todos participaron por su propio interés. La escala de MBI, es el instrumento mas utilizado para evaluar y medir este síndrome. Actualmente este cuestionario consta de 22 ítem, que medirán 3 subescalas. 1)Agotamiento profesional 2)Despersonalización y 3) Realización personal y laboral. La primera medirá la vivencia de estar exhausto emocionalmente por el trabajo, la segunda medirá el grado de frialdad y alejamiento hacia el paciente y la tercera los sentimientos de autoeficacia y realización personal en el trabajo. El SB esta declarado cuando las primeras dos escalas dan alta y la ultima baja. Resultados: Se han entregado 16 encuesta, de las cuales se analizaran 14 que fueron las entregadas. El 57.2 % fue de sexo masculino, la edad promedio fue de 36.3 años. El estado civil se dio 57.2% (n=8) casados, el 35.7 % (n=5) solteros y solo el 7.1% (n=1) divorciado. Aquellos casados tenían un promedio de 2.1 hijos. El promedio de antigüedad laboral fue de 10.7 años. Se encuestaron 35.7% (n=5) médicos, las misma cantidad de técnicos y personal administrativo el 28.5% (n=4). En un solo caso se encontró el SB, y se hallo en una administrativa, femenina, soltera de 28 años. Alta Moderado Bajo Agotamiento Profesional 3 5 6 Despersonalizacion 3 4 7 Realización personal 8 3 3 Comparando y evaluando las 3 subescalas por separados, el agotamiento profesional y despersonalizacion fue alta para ambas en 21.4% (n=3) y la realización personal dio baja en 21.4 % (n=3). Conclusión: Solo el 7.14 % esta “quemado” agotado física y emocionalmente, lo que significa que tiene el SB incorporado o presente


240

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA: UM PROTOCOLO


INALDA MARIA DE OLIVEIRA1, LETICIA DA SILVA ALBUQUERQUE2, JULIO BRANDO MESSIAS3

1) UNICORDIS, RECIFE, BRASIL 2) MEDICAL CENTER, RECIFE, BRASIL 3) UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO, RECIFE, BRASIL

Introdução: a quimioembolização consiste em uma técnica minimamente invasiva disponível para o tratamento de tumores hepáticos, que consiste em levar o agente terapêutico através da sua irrigação prolongando a ação do agente quimioterápico no tumor. Objetivo: criar um protocolo para identificar e analisar as necessidades e expectativas dos pacientes no pré, trans, e pós embolização, acompanhar este paciente após o exame, como também estabelecer uma rotina para os cuidados de enfermagem. Metodos: foram avaliados pacientes que realizaram este procedimento em um hospital na Cidade de Recife - PE nos anos de outubro de 2003 a outubro de 2005. O instrumento da pesquisa foram os prontuários bem com a avaliação direta da equipe de enfermagem. Resultados: Foi organizada a sistematização da assistência de enfermagem de forma a criar uma fichamodelo padronizada para o atendimento de enfermagem, gerando assim uma rotina interna. Conclusão: com a padronização do atendimento houver uma maior harmonia da equipe de enfermagem, bem como médica em cada etapa do procedimento, possibilitando um tempo maior para a assistência de enfermagem.


241

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM PESQUISA NA CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA - RELATO DE EXPERIÊNCIA


Teresa Cristina D C Nascimento1

1) Hospital Albert Einstein, São Paulo - SP, Brasil

INTRODUÇÃO: Os estudos clínicos no Brasil têm aumentado e com isso a preocupação de que sejam conduzidos de forma profissional, ética e cientificamente correta. A qualidade na condução e coordenação de estudos clínicos fornece ao país credibilidade. A visão deste novo campo de trabalho proporciona a profissionais de diversas áreas a possibilidade de crescimento e aprendizado. O que era um papel exclusivamente médico, abre-se agora para parceria e uma equipe multidisciplinar. O enfermeiro não deve estar alheio a esta realidade. A condução e coordenação de estudos clínicos por enfermeiros já é uma realidade em diversos centros de pesquisa no Brasil e no mundo. A pesquisa clinica na área de Cardiologia Intervencionista também está em crescimento e alguns enfermeiros de pesquisa já coordenam os estudos nessa área. OBJETIVO: Mostrar a atuação do enfermeiro de pesquisa na Cardiologia Intervencionista em um hospital privado de São Paulo. METODOLOGIA: Relato de experiência. RESULTADOS: As atribuições do enfermeiro de pesquisa estão relacionadas com o protocolo de pesquisa, o paciente incluído no estudo e o investigador principal. Coordenar estudos realizados na Cardiologia Intervencionista requer do enfermeiro de pesquisa conhecimento em pesquisa, seguindo o Manual de Boas Praticas Clínicas, conhecimento da legislação em vigor no país, sistema CEP/CONEP, bem como conhecimento específico na área de Cardiologia Intervencionista. CONCLUSÃO: Na prática é possível observar o papel do enfermeiro na condução, gerenciamento e coordenação dos dados e procedimentos que envolvem a pesquisa clinica. A atuação do enfermeiro de pesquisa na Cardiologia Intervencionista é importante, pois estes estudos necessitam de conhecimentos específicos da área, além dos existentes em pesquisa clínica.
RBCI RBCI RBCI
 

 

GN1 © 2014 Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista